História Your touch - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kiba Inuzuka, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Gaanaru, Narusasu, Sasunaru
Visualizações 145
Palavras 4.635
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, FemmeSlash, Ficção, Fluffy, Harem, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Slash, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Primeiro


Fanfic / Fanfiction Your touch - Capítulo 1 - Primeiro

-Você trabalha demais. 

 

Ser o advogado mais renomado do estado e ainda ter que cuidar da sua parte das empresas Uchiha tomava muito do seu tempo, isso era verdade. Mas ele não trabalhava demais. Ele só era empenhado. 

Sua rotina se resumia em se dirigir para o Grand Éventail Hotel, depois de dar uma olhada se estava tudo em ordem, se dirigia para o prédio das empresas Uchiha, donos dos maiores hotéis do país. Cada herdeiro tinha seu próprio hotel. 

E Sasuke se orgulhava ao dizer que cuidava muito bem do seu. E também da sua parte da empresa. E da sua empresa de advocacia também. Era uma coisa fácil já que ele podia lidar com tudo sem sair do lugar, já que as duas empresas dividiam o mesmo prédio.

Passava o dia na empresa. Em torno das onze horas estava em casa. Depois, no outro dia, as sete já estava na empresa. E aos domingos ia ver seus pais e às vezes saía com os amigos. 

Mesmo que fizesse uns três meses que ele não via seus pais. Seus amigos então, será que ainda se lembravam dele? 

 

-Você que é exagerado demais.

-Está bem, me diga a última vez que saiu. 

-Ont-.

-Sair da sua casa para comprar comida não conta, otouto.

 

Seu dia estava bom demais pra ser verdade. Itachi tinha que vir encher seu saco. 

 

-Olha, diferente de algumas pessoas, eu tenho mais o que fazer do que ficar enchendo o saco do meu irmão mais novo super atarefado ao invés de cuidar da minha própria vida. Então, se você pudesse, sabe, dar o fora daqui, eu ia ficar muito agradecido. -Sasuke cuspiu as palavras enquanto amontoava papéis de processos em uma mão e contratos na outra.

Itachi estreitou o olhar. -Isso foi uma indireta?

-Se a carapuça serviu. -deu de ombros, passando pelo irmão jogado na sua poltrona.

 

Sua poltrona. 

 

-Você precisa aprender a ser menos agressivo, otouto.

-Não sou agressivo. Só quero poder trabalhar sem o folgado do meu irmão me importunar. -resmungou, e sequer se surpreendeu quando viu Itachi imitá-lo como uma criança. -Irmão esse que ainda está de pijama e precisa muito cortar o cabelo e arranjar uma namorada para me deixar em paz.

-Isso não é pijama, é estilo.

Sasuke bufou, largando tudo o que fazia para discutir seriamente com Itachi. -Você está usando um conjunto do Star Wars. Seria aceitável se você ainda tivesse cinco anos. 

-Otouto tolo, aposto que queria ter meu estilo e um cabelo lindo como o meu. -Itachi riu demoradamente.

Sasuke franziu o cenho e ofegou indignado. -Você fumou?

Itachi riu de novo. -Só um pouquinho.

-Não acredito que você veio aqui depois de ter fumado maconha, Itachi! -grunhiu exasperado.

-Mas eu não fumei antes de vir aqui. -Sasuke suspirou, pelo menos fazia tempo então. -Eu fumei aqui, irmãozinho tolo.

-Fora! Agora Itachi, fora da minha sala agora! 

 

Empurrou o mais velho ainda meio lento para fora da sua sala, recebendo risadas infantis de volta. Jogou o outro pra fora, recebendo olhares assustados da sua secretária. 

 

-Ino, leve esse baka até a saída e ligue para Yamato vir buscá-lo. -olhou para os lados, verificando se não tinha ninguém por perto e logo sussurrou para a loira. -E se tiver algum cigarro no bolso dele, jogue fora, queime, exploda, dê descarga, eu não me importo como, só faça com que sumam.

A mulher assentiu frenética e assustada. -S-sim senhor!

 

Caminhou para dentro da sua sala puxando os cabelos, nervoso. Só queria paz. Tudo o que queria era um pouco de paz. Olhou-se no espelho e reparou olheiras fundas demais em seu rosto, e parecia muito mais velho do que realmente era. Talvez Itachi estivesse certo.

Talvez precisasse se distrair.

Mas assim que olhou para a pilha de processos e contratos em sua mesa, desistiu da ideia. Precisava trabalhar.

Estava quase acabando a primeira pilha, duas horas depois de Itachi ter ido embora, quando sua porta foi aberta com brutalidade e uma figura esguia e pálida entrou por ela, sua secretária correndo atrás do ruivo desesperada.

 

-Gaara-san! Senhor, e-eu disse para ele esperar até que e-eu o chamasse, mas e-ele...

 

Suspirou pesadamente. Agora sim seu dia não podia piorar.

 

-Saia Ino.

-M-mas senhor...

-Está tudo bem, saia! -ditou raivoso.

 

A secretária assentiu e correu para fora da sala.

Olhou para a figura exótica no meio da sua sala. Gaara o olhava com a mesma impressão de tédio de sempre.

 

-O que quer, Sabaku? 

Caminhou até ele e deixou um cartão acima da mesa com um bater de mão nada sutil. -Faz um ano que minha boate está aberta e até hoje você não nos deu a honra da sua presença. Hoje haverá uma confraternização, os melhores empresários de todo o estado virão. O que acontece na boate, fica na boate. Então não precisa pensar na sua santa reputação.

Sasuke formulou uma desculpa rapidamente. -Gaara, não podere-.

-Não estou perguntando muito menos pedindo, estou mandando. -se virou e caminhou de modo determinado até a porta de vidro. -Se não estiver lá, virei até aqui pessoalmente e o arrasto pelos cabelos, Sasuke. 

 

Não teve chance de responder a ameaça. Sabia que Gaara era mais do que capaz de fazer uma coisa como aquelas. 

Grunhiu irritado e socou a mesa de vidro. Viu o cartão dourado e preto com o endereço e horário da tal confraternização. 

Suspirou e logo sorriu maldoso com a ideia em sua mente. 

Se ele iria sofrer, Itachi também iria. 

 

-Ino, mande Shizune separar meu melhor terno! -sorriu malicioso, tornaria a noite de Itachi um inferno, sabia muito bem como o irmão odiava coisas assim. -E ligue para Itachi, mande-o estar pronto às nove. 

-Sim, senhor.

 

Seria uma grande noite.

 

 

 

 

 

 

-Não sei por que achou que me trazer à boate do Gaara seria um castigo. -Itachi riu divertido quando viu qual era a tal surpresa do mais novo. 

-Você odeia boates. Sempre odiou. -o encarou perplexo. 

 

Itachi deveria estar bufando e soltando fogo pelas ventas. Mas não. Estava muito animado em seu terno mais caro que a maioria dos carros ali e havia até cortado o cabelo. Bom, a franja já era um bom começo. 

Itachi sorriu divertido e empurrou o irmão pelas costas, caminhando para dentro da boate com muita animação para o gosto de Sasuke.

Aquela fuinha maconheira estava aprontando alguma.

O lugar era grande demais. Se o letreiro já chamava atenção, o interior chamava mais ainda. As paredes eram pretas, e o chão dourado. O teto tinha led's por cada centímetro e pequenas luzes brilhavam como se imitassem estrelas. Haviam mesas também douradas e pretas por cada canto, e uma grande pista de dança com o chão vermelho imitando rubi. Havia o bar, o qual Sasuke já se encaminhava com Itachi ao seu encalço, e um grande palco com diversos canos para pole dance com sofás em volta dali. 

Pediu duas doses de vodka pura ao barmen, e Itachi reclamou algo sobre ele ser um péssimo bêbado e não exagerar. Reparou na quantidade de garotas e garotos ali. Todos com roupas provocantes pretas e douradas. Então aqueles eram os garotos de Gaara, dos quais ele tanto se gabava.

Virou o copo e balançou a cabeça. Péssima ideia. Fazia tempo demais que não bebia. 

Itachi ria da sua cara, bebendo a vodka aos poucos. Frouxo. 

Sentiu mãos frias em seu ombro e não precisou se virar para saber que se tratava de Gaara. 

 

-Então você realmente o convenceu? -Itachi sorriu para Gaara, que lhe mostrou um olhar convencido.

-Eu sempre o convenço, Itachi-kun.

 

Sasuke revirou os olhos. Odiava a intimidade entre seu melhor amigo e seu irmão mais velho. Espere aí. Eles estavam tramando contra si?

 

-Seus desgraçados! Eu odeio vocês do fundo do meu coração. -Sasuke rosnou, pedindo mais uma dose de vodka.

-Que coração, Sasuke? -Gaara sorriu ladino.

-Se só vim aqui para ser desrespeitado, estou me retirando. -se retirou do bar, mas antes que pudesse ir embora, foi puxado por Gaara até uma mesa mais afastada.

 

 Sentaram-se ele e o irmão junto de Gaara, Neji Hyuuga e Kiba Inuzuka, os dois seus amigos de infância assim como o ruivo.

 

-Deixe-me adivinhar... Vocês dois também estão metidos nisso? -o moreno bufou para os amigos que apenas riram.

-Você estava precisando, Sasuke. -Kiba sorriu ladino. -Quando sair daqui, vai nos agradecer. Gaara tem ótimas garotas.

-E garotos também. -Neji falou, ciente da bissexualidade do amigo.

-Não quero nenhum programa. -bufou o moreno.

-Não pense que estou disposto a lhe dar um programa, Uchiha. Você vai ganhar no máximo uma dança, e só porque eu fui fortemente ameaçado para tentar te colocar para cima e te tirar da sua pilha de baboseiras do trabalho. -o ruivo ditou, chamando uma das garotas que por ali passavam.

 

Sasuke bufou, mas não contestou. Aceitaria toda aquela porcaria só para ter paz. Viu uma garota de cabelos rosas e olhos verdes caminhar até eles. Tinha um andar suave e sua roupa fazia Sasuke se lembrar de dançarinas de dança do ventre, tinha até mesmo uma pedra lilás na testa. Era uma garota muito bonita e tinha um corpo muito esbelto, mas era magra demais e pálida demais. Não fazia o tipo de Sasuke. 

 

-Gaara-sama. -se curvou perante o ruivo, que a puxou pelo pulso e a sentou em seu colo.

-Sakura, quero que chame Kyuubi até aqui. 

A garota franziu o cenho. -Pensei que fosse sua folga.

-Pedi para que ele viesse apenas hoje, é uma ocasião especial. 

A garota sorriu maliciosa. -Para quem o senhor pretende fazer tamanho agrado? Afinal, pra dar seu brinquedo preferido a ele devem ser muito próximos.

Gaara apertou a cintura fina fortemente com os dedos. -Sakura, não me faça mandá-la calar a boca na frente de todos esses empresários importantes. Talvez algum ainda te queira ao final da noite, e não quero que pareça ser uma garota respondona. 

A garota assentiu, mas continuou com os olhos brilhando em raiva. -Devo chamá-lo agora? 

Gaara assentiu. -Sim. Não o deixe esquecer-se da máscara.

-Mais alguma coisa? 

-Avise-o que será apenas uma dança. Nada de programas para ele hoje. 

 

A garota não prestou atenção. Estava perdida encarando o moreno do outro lado da mesa. Como Gaara escondia um amigo tão exuberante como aquele?

 

-Sakura!

-S-sim meu senhor! 

-Se você desse a Sasuke uma noite com Kyuubi quando me negou uma única dança eu ficaria eternamente magoado, Sabaku. 

-Ora Kiba, vamos lá, nós dois sabemos que Gaara não dá o queridinho dele para ninguém. Nem mesmo o Uchiha. -Neji riu malicioso. 

-Ora, calem a boca. Não é como se eu quisesse, de qualquer maneira. -Sasuke revirou os olhos.

 

Sakura sorriu maliciosa. Então o nome daquele homem maravilhoso era Sasuke Uchiha, o grande empresário e advogado. E seria Kyuubi quem o aproveitaria. A vida era realmente muito injusta.

 

-Para que incomodar Kyuubi meu senhor, quando eu mesma posso satisfazê-lo? -Sakura sorriu para seu senhor. -Assim não terá que dividir seu brinquedinho.

Gaara odiava o modo como Sakura era invejosa e tinha uma língua comprida. -Quero que Sasuke tenha o melhor que posso oferecer. E você não é o que tenho de melhor. Agora vá logo buscar Kyuubi antes que eu a mande embora.

 

Sakura assentiu trêmula antes de correr atrás do tal Kyuubi.

Os homens da mesa se entreolhavam, Sasuke realmente era um cara sortudo.

 

-O que há de tão especial nesse garoto? -Itachi indagou, estava realmente curioso.

-Fora a beleza e a voz?

-O corpo e o modo como ele dança?

-Ou seu cheiro e sua pegada maravilhosa? 

-Já entendemos que vocês podem listar atribuições ao meu garoto, Inuzuka e Hyuuga. -Gaara riu. -Não há como se colocar em palavras, Sasuke. Quando ele chegar, você verá.

-Espero não estar perdendo meu tempo. -o moreno resmungou.

Gaara riu malicioso. -Acredite, no final da noite você estará louco por mais. 

 

Sasuke duvidava muito. Esperaram enquanto Kiba assistia a uma morena de seios e quadris fartos dançar no palco, e o Hyuuga se entretinha com um garoto moreno de pele pálida e barriga chapada. Gaara oferecia insistentemente ao seu irmão um garoto ou garota, mas Itachi apenas negava. 

Seu irmão e sua paixão boba pelo próprio primo. 

Todos pararam o que faziam quando o garoto entrou pela cortina que dividia a área dos clientes. Seu caminhar exalava graça e todos os olhares o seguiam.

Estava descalço com duas tornozeleiras de couro, com um short curtíssimo do mesmo material e uma regata muito decotada que imitava uma meia arrastão, ambos rasgados em vários lugares. O short mais parecia uma cueca, e a blusa não cobria nada. Usava duas pulseiras também de couro e uma coleira. Tinhas os olhos incrivelmente azuis delineados com lápis preto e uma máscara de raposa lhe cobria a boca e nariz. Mas de qualquer maneira, Sasuke sentiu-se hipnotizado.

 

-Kyuubi. -a voz grossa de Gaara agora estava rouca, e ele não precisou de mais nada para que o garoto sentasse em seu colo. 

-Senhor. 

-Quero lhe apresentar um amigo. -correu os dedos pálidos pelo cabelo dourado e levantou o queixo na direção do moreno. -Quero que conheça Sasuke Uchiha, ele é um grande amigo de infância. 

-Uchiha-sama. -saiu do colo de Gaara e se curvou, para depois sentar-se no colo do ruivo novamente. 

-Meu querido, preciso que dance para o Sasuke hoje. Pode me fazer esse favor? 

-Sim, senhor. -a voz era rouca e atrevida, e cada palavra fazia Sasuke se arrepiar.

-Ótimo. -olhou para Sasuke com seriedade. -Sasuke, estou lhe entregando meu bem mais precioso. Se qualquer coisa acontecer a ele, eu saberei, e você não terá o prazer de continuar vivo. Entendido?

Sasuke assentiu. -Entendido, Gaara.

-Ótimo. Kyuubi, leve o senhor Uchiha até uma das salas. Ele não deve tocá-lo.

O garoto assentiu. -E quanto a mim?

Gaara franziu o cenho. -Como assim você?

-Posso tocá-lo? 

Gaara entortou a boca e olhou para Sasuke de relance. -Se for da sua vontade. 

-Sim, senhor.

-Agora vá. Sasuke, siga-o. E não ouse encostar um dedo num fio de cabelo dele. 

 

O Uchiha assentiu. Ainda estava meio perplexo com a situação. Estava mesmo caminhando prestes a receber um lap dance daquela coisa sexual a sua frente? 

Porque Sasuke tinha certeza que aquilo não era um ser humano. Aqueles olhos, as coxas grossas e os pés delicados. E tinha aquela bunda. Por Deus, que bunda era aquela. O que não daria para colocar suas mãos ali, apertar, morder... Tantas coisas passavam por sua cabeça que mal sabia o que falar. Devia dizer alguma coisa?

 

-Senhor Uchiha, por aqui por favor. -o garoto puxou uma cortina dourada que revelou uma porta.

 

Sasuke o seguiu porta adentro, e se deparou com um grande sofá e uma mesa de pole dance à frente. Tinha também um balde com gelo e diversas garrafas, e algumas outras coisas que o Uchiha não prestou atenção. Não conseguia se atentar a nada com aquele garoto a sua frente.

Foi empurrado pelas mãos delicadas em seus ombros até estar sentado, e logo o garoto se virava para si e ajustava o volume da música. 

Sasuke reparou em seus quadris. Eram largos e tinha uma cintura fina. Tinha um corpo muito afeminado. 

Reparou também nas mãos pequenas e pés delicados. Era um garoto de beleza esplêndida, isso que Sasuke nem havia visto seu rosto. 

De repente se pegou pensando em o que o levaria até ali. Certamente era um emprego deveras humilhante, se tivesse que mostrar o rosto. Será que queria mesmo fazer aquilo? Será que era de sua vontade? 

Sasuke se sentiu estranhamente culpado.

 

-Não precisa fazer isso. 

O garoto o olhou curioso por cima dos ombros. -Desculpe? 

-Isso. -apontou com a palma aberta para o pole dance e si próprio. -Nós podemos apenas... Sentar e conversar, beber um pouco. 

Mesmo com a máscara Sasuke sabia que o garoto estava rindo. -Eu sou pago para isso, meu senhor. Sentar e conversar com o senhor seria contra as regras. 

Sasuke franziu o cenho. -Tenho certeza que Gaara não se incomodaria. Na verdade, ele me parecia um pouco incomodado em ceder-lhe para mim. 

-Gaara-sama realmente não ligaria, mas eu ficaria imensamente incomodado. -o garoto caminhou até ele com passos calmos. -O senhor pagou por uma dança, e vai receber uma. 

-Ahn, na verdade eu não paguei. -Sasuke comprimiu uma risada. -Gaara me deu de "presente".

O garoto tombou a cabeça para o lado como um gatinho. -Gaara-sama tem um grande apreço pelo senhor.

-Somos amigos há um bom tempo. 

-De qualquer maneira senhor, devo dançar para o senhor agora. Lhe dar prazer é minha única obrigação a partir de agora. -se sentou sobre o Uchiha com uma perna de cada lado em seu colo.

 

Quando ia começar os movimentos, viu a música ser parada. Aquele homem estava brincando consigo? 

 

-Quando um cliente lhe paga, ele tem direito a que? 

-A determinadas horas comigo. -o garoto franziu o cenho.

-Para fazer o que?

-O que ele quiser...

-E isso inclui sexo, bater em você, te subjugar, assistir a uma dança, ou qualquer outro fetiche estranho que ele tenha. Estou certo?

O garoto assentiu, murchando no seu colo. -Não entendo onde o senhor quer chegar. 

-Estou lhe dizendo que teoricamente paguei por você, mas não tenho permissão para tocá-lo. São minhas únicas limitações. Não há nada sobre não conversar com você. -tentou convencer o garoto.

-Por que escolheria conversar comigo ao invés de receber uma dança? -franziu as sobrancelhas loiras.

-Porque acho que deve ser ruim demais ser tratado como um objeto sexual. 

 

O garoto o olhou intensamente. Sasuke não sabia o que pensar, não conseguia ler as pessoas apenas por seus olhos. 

 

-E estou precisando muito conversar com alguém que não seja meu irmão desocupado ou com o sem coração do Gaara. -ouviu o garoto rir baixinho, parecia até mesmo uma criança. 

-Acho que podemos entrar num acordo, senhor Uchiha.

Os olhos azuis o olhavam com intensidade. -Que tipo de acordo, raposinha? 

-Gaara-sama lhe concedeu uma dança. O tempo que recebemos para realizar isso é de uma hora, por conta dos programas inclusos. Meu senhor o proibiu de me tocar, mas não disse nada sobre diminuição de tempo.

Sasuke sorriu, tinha um garoto esperto em seu colo. -O que quer dizer...

-O que quer dizer que dividiremos este tempo. O senhor terá direito a 30 minutos de conversa. Nos outros 30, eu dançarei para o senhor. -Sasuke abriu a boca, pronto para contestar quando os dedos finos e bronzeados pousaram sobre ela. -Sem mais argumentação, meu senhor. É isso ou nada.

Sasuke sorriu ladino. -Combinado.

 

Não pretendia ficar para a tal dança, de qualquer maneira. Conversaria com o garoto e iria embora, estava decidido. Mas a figura teimosa e mandona em seu colo não precisava saber disso.

 

-Sasuke. 

O loiro franziu o cenho. -Desculpe? 

-Me chame de Sasuke. Senhor me faz parecer um idoso, e não estou afim de cometer pedofilia hoje. 

O loiro riu. -Como quiser, Sasuke.

 

Aquela voz dizendo meu senhor o dava arrepios o suficiente. Mas quando seu nome foi dito com aquela rouquidão, Sasuke estremeceu. 

 

-Por que não se senta ao meu lado, Kyuubi? 

O garoto riu malicioso. -Está incomodado comigo em seu colo, Sasuke? 

Engoliu em seco. -Sinceramente, não sei se consigo conversar com você no meu colo, Kyuubi.

 

O garoto se levantou e sentou ao seu lado rindo baixinho. 

Sasuke se virou para ele e pegou uma garrafa de vinho no baldo ao lado do garoto, e colocou uma música suave para tocar, nada sensual. 

 

-Quantos anos tem, Sasuke?

-Vinte e três. 

 

E começaram uma conversa sobre coisas simples, já que o loiro não podia revelar sua identidade, idade ou qualquer coisa pessoal. 

Sasuke nem viu o tempo passar. Falaram de coisas banais, outras mais sérias. Conversaram de tudo o que Sasuke achava possível se conversar com alguém.

E nem reparou quando a meia hora já havia passado. Quando se deu conta, o garoto já ria baixinho e roubava o controle do som da sua mão. 

Sasuke reconheceu com certo desespero a voz sensual de Ciara preencher o ambiente, e logo o loiro subia na mesa com Body Party ecoando na sala.

 

-Kyuubi...?

Mesmo com máscara, Sasuke jurava que havia recebido um sorriso malicioso. -Achou que eu não estava de olho no relógio, Sasuke? Sua meia hora acabou... -se curvou sobre o moreno e sussurrou em seu ouvido. -... agora é a minha vez.

 

Sasuke nunca achou que uma dança com um cano de ferro pudesse ser tão excitante. Mas estava se surpreendendo. O loiro rodava e rebolava contra o pedaço de ferro, e o moreno nunca quis tanto ser um objeto. 

O loiro desceu lentamente, rebolando com intensidade no final do movimento e subiu novamente. Balançou os quadris conforme rodava o tal ferro, terminando um volta com uma rebolada nada inocente contra o ferro. Se virou de costas para o moreno, descendo contra o ferro e se pondo de quatro, rebolou suavemente e escorregou as mãos até estar totalmente empinado e olhou o moreno por cima do ombro. Riu rouco e engatinhou até o moreno, se esticou sobre seus joelhos e puxou a camiseta lentamente para cima. Sasuke engoliu em seco. 

O loiro se levantou novamente e lançou o tecido contra o moreno. Se virou de costas e apertou a própria bunda. O modo como a carne parecia ser tão boa de apertar fez Sasuke pulsar. Já estava excitado com tão pouco? Sabia que se odiaria mais tarde.

Kyuubi virou nos calcanhares e caminhou até a ponta da mesa. Encaixou um dedão em cada lado do short e ameaçou descê-lo, puxando um pouquinho de cada lado. Desceu demais um só lado, e Sasuke pode ver claramente o osso saltado e a pele bronzeada lisinha. Kyuubi virou-se e fez o mesmo do lado de trás do short, revelando ao moreno um pedaço da bunda bonita e duas covinhas ao fim das costas. 

Subiu o short e voltou a dançar lentamente, correndo as mãos pelo próprio corpo como se fosse outra pessoa o tocando. Grudou uma perna no ferro e jogou o corpo pra trás exibindo o pescoço esguio, e Sasuke sabia muito bem que aquilo era uma posição sexual. Suspirou baixo. Tinha uma vontade enorme de se aliviar, mas não teria coragem. 

Kyuubi continuou seu pequeno show. Rebolou, se esfregou, ameaçou arrancar aquela maldita peça de roupa milhares de vezes e se tocou, tudo com os olhos grudados no moreno.

Em um certo momento, entre uma rebolada sensual e outra, o garoto arqueou as cotas e se empinou, desceu as mãos por sua intimidade e pescoço e depois escorregou até o chão pelo ferro, para logo depois rebolar e subir. Sasuke não se aguentou. Grunhiu e fechou as mãos em punho. Não sabia que uma dança poderia ser tão provocante assim.

Kyuubi caminhou até ele com determinação e os olhos azuis brilhando. Se agachou e esticou-se até o moreno, respirando em seu pescoço. 

 

-Parece que temos um problema, não é Sasuke? -a voz praticamente o acusou de estar excitado, como se fosse um crime.

 

Sasuke não foi capaz de dizer nada, porque logo depois o garoto estava sentando em seu colo. 

Seu coração ia sair pela garganta em qualquer momento, Sasuke tinha certeza. 

A música havia mudado tantas vezes que sequer sabia o que tocava agora. Mas o toque parecia incentivar os quadris a se mexerem. 

O garoto não estava de fato sentado em seu colo. Estava suspenso, tinha os quadris no ar e as mãos em seus ombros. Sasuke não podia tocá-lo, portanto descansava suas mãos ao lado do corpo. 

Estava excitado demais. Nunca havia ficado daquela maneira. Não era normal. Seu corpo ardia e seu pau pulsava quase dolorosamente. E não podia tocar aquele maldito garoto.

Kyuubi rebolou acidentalmente sobre seu pau, e Sasuke não conseguiu segurar o gemido em sua garganta. O garoto o olhou daquele jeito intenso. 

 

-Ah, Sasuke, se o senhor soubesse como eu gostaria que pudesse me tocar... 

 

Sasuke gemeu. Sequer se segurou. Aquele garoto gemendo em seu ouvido o quanto gostaria de ser tocado por si era o cúmulo. 

 

-Porra, raposinha... 

 

Fechou as mãos em punhos, se segurando para não fechar as mãos naquelas coxas grossas. Ou o garoto estava tão desesperado quanto ele, ou era um ótimo ator. Recebeu um gemido baixo antes de ter as mãos delicadas em seu cabelo, arranhando sua nuca e aquela bunda de outro mundo bem em cima da sua virilha, e se não fosse por sua calça social ou o short de couro, Sasuke sabia que seu pau estaria perfeitamente encaixado ali. 

O garoto rebolou com tanta intensidade que Sasuke apertou as unhas contra a palma da mão. Jogou a cabeça pra trás conforme o garoto rebolava com mais intensidade e rapidez. Tinha certeza que se continuasse naquele ritmo gozaria em suas calças como um adolescente. 

Kyuubi moeu os quadris contra si e Sasuke revirou os olhos, seu membro se atritando contra o do garoto, e foi com um arrepio na espinha e imenso prazer que viu o garoto jogar a cabeça para trás e gemer com os olhos apertados. 

 

-S-sasuke...!

-Eu quero tanto poder te tocar, raposinha. Beijar cada canto desse corpo bonito, apertar, morder, bater, fazer o que eu tiver vontade com essa bunda deliciosa. -o garoto choramingou contido em seu colo, como se de repente estivesse envergonhado. -Se você soubesse como me deixa, garoto...

 

O loiro suspirou deleitoso, aumentando o ritmo e apertando os cabelos macios entre os dedos. Queria aquele homem como nunca quis nenhum cliente. 

Gaara e suas regras que se fodessem!

 

-Me toque, me beije, me bata... Faça o que quiser Sasuke-sama, me toque, por favor...

 

Sasuke rosnou. Ter aquele garoto choramingando e implorando em seu ouvido enquanto rebolava no seu colo o estava deixando louco. Mas não deveria desobedecer Gaara. Havia prometido, e seria um desrespeito ao amigo.

 

-Ah raposinha, como eu queria... Mas nós dois sabemos que não posso. -o loiro grunhiu contrariado. 

-Gaara-sama sequer saberia...

Sasuke riu. -Posso ver as câmeras daqui. E não quero desrespeitar meu amigo, muito menos apressar nada com você, raposinha. 

Kyuubi tombou a cabeça como um gato. -Apressar o que comigo?

-Quero te conhecer, garoto. E não importa que tente me parar ou que eu tenha que enfrentar Gaara, mas eu ainda vou tê-lo para mim. De todas as formas. 

 

Kyuubi franziu o cenho. Até quando aquele homem o surpreenderia? 

 

-Está mesmo disposto a lidar com Gaara? 

O moreno assentiu. -Não é como se ele pudesse me proibir de algo. 

O loiro assentiu. -Bom, então poderá lidar com isso também. 

 

Sasuke não pode se perguntar do que ele falava. Teve suas mãos agarradas e colocadas por dentro do short de couro, e sequer reparou no rosto quando o garoto retirou a máscara e encaixou a boca na sua. 

Arfou surpreso, mas não perdeu tempo. Apertou a carne macia e firme entre os dedos, beijando o garoto com pura fome. Beijou aquela boca que lhe havia dito tantas sacanagens como se o mundo fosse acabar. 

Se separaram ofegantes, e tentou retirar as mãos de dentro do tecido quando foi impedido. O garoto forçou suas mãos novamente, e sugou o lóbulo de sua orelha  com força. 

Mal conseguiu reparar na boca vermelha antes de ser beijado novamente. Teve seu lábio inferior capturado entre os dentes e chupado com obscenidade. Quando o beijo começou, Kyuubi arranhou sua nuca e chupou sua língua de uma maneira que o fez apertar a carne em suas mãos com tanta força que o garoto choramingou. 

Se separaram ofegantes, e Kyuubi lhe deu um último beijo antes de se levantar e recolocar a máscara e camiseta.

Caminhou lentamente até a porta de saída deixando o moreno confuso para trás. O olhou por cima dos ombros.

 

-Espero vê-lo novamente, Sasuke.

 

E então se foi. 

E Sasuke mal podia esperar para voltar até ali.

Ao que parece visitaria Gaara mais vezes agora.

 


Notas Finais


Oi gente!
É, tô com mais uma fic, mas eu juro que não vou abandonar a outra!
A ideia me veio agora e achei uma boa postar.
Vai ter uma pegada mais sexual do que a outra (meio óbvio né rs)
É só. Espero que gostem e obrigada por chegarem aqui.
Beijinhos gatinhos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...