História You're My Angel. - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Seventeen
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Lee Jihun "Woozi", Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jikook, Lemon, Meus Otp Ngm Sai, Namjin, Vhope, Yoozi
Exibições 205
Palavras 1.314
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Yaoi
Avisos: Incesto, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


~ WONHAE MANHI MANHI ~
Opa, e aí? :)
Pois é, aqui está um capítulo novo. -w-
Tem focos temporários, mas o definitivo é JiKook. <3 Mas, como as histórias de cada personagem é chave para o outro, ou melhor, uma espécie de união de fatos que levam a existência deles na fic, tenho que ser um pouco diversificado. ;u; Sz.
Desculpem a demora, a BigHit com suas novidades do BTS , o mundo K-Pop , estudos e as outras fanfics que venho a escrever fizeram-me chegar a esse ponto. ._.'
Bem, atirei o capítulo à vocês e corri.
Boa leitura e até as notas finais.

Capítulo 19 - Eighteen.


Seul, Coréia do Sul.

08:55 A.M.

 

Pov. Taehyung

Era um beijo profundo.

Aos poucos, seus lábios sincronizaram-se aos meus em um ritmo cujo apenas nós dois conhecíamos e podíamos executar. Hoseok colocara ambas as mãos em minha cintura e puxou-me para si, deixando nossos corpos colados, logo uma estava em minha bunda, apertando de leve. Assim que dei um gemido de dor entre o selar, senti sua língua adentrar em minha boca e encontrar-se com a minha. E do apaixonado, fomos para o feroz. –

Senti uma temperatura anormal em meu corpo: Eu estava ficando cada vez mais quente. Era algo novo, não tinha uma palavra sequer que denominasse o que eu estava sentindo. Era algo bom e totalmente insano, eu estava adorando estar ali aos beijos com ele.Mas, o ar se fez em falta em meus pulmões, junto de meu coração que estava acelerado. E acabei por interromper.

Havia uma pequena distância entre nossos lábios, nossos narizes continuavam encostados e eu podia sentir a respiração ofegante dele contra a minha, o típico sorriso dele tinha se formado em seus lábios.

Provavelmente eu deveria estar corado. Droga.

- É mais que um “Bom dia”, é um maravilhoso dia já que está por aqui.  - Ele disse, dando-me um selinho demorado. – Eu não o esperava, Tae. – Ele colocou a mão em meu rosto, acariciando com seus dígitos.

- Hoseok, eu... – Eu me senti envergonhado. – Eu deveria ter o avisado, eu sei.

- Tae. – Ele tirou sua mão de meu rosto.

- Mas eu não tinha seu número. – Dei um passo para trás. – E outra, eu queria fazer uma surpresa a você. – Respirei fundo.

-Tae... – Ele revirou os olhos.

- Eu queria que passássemos uma manhã juntos, fazendo algo em ca...!? –  A frase ficara incompleta.

Hoseok havia me tomado em seus braços, em um abraço.  Minha bochecha ficara em seu peito, sendo pressionada contra o mesmo, quando ele passara a apertar mais. E eu senti apenas aquela bochecha queimar, logo passei a retribuir o abraço no mesmo nível.

- Me desculpa. – Falei baixinho.

- Não peça desculpas por estar tentando me fazer feliz. – Depositou um beijo em minha cabeça.- Adoro o seu jeitinho inesperado e exagerado, pode visitar-me e fazer-me surpresas, sem ao menos me notificar. Eu ficarei feliz. – Ele colocou a mão em meus cabelos e passou a fazer cafuné no mesmo. – Ok?

-Ok. – Fechei os olhos, aproveitando o abraço.

Logo senti ele me soltar e segurar minhas mãos, fazendo-me abrir os olhos.

-Entre. – Ele disse. – Temos uma bela manhã para aproveitarmos, não? E será a melhor.

 Assenti, sorrindo para ele, que fez o mesmo. Logo guiou-me para dentro e assim que entramos, fechou a porta.

 

P.O.V. SeokJin

 

Acordei,  sentindo-me um pouco exausto. –

Lembrei-me da noite anterior: Eu tinha dormido com Namjoom pela segunda vez.  E assim que todo o restante que acontecera antes de eu apagar viera em mente, um sorriso brotou em meus lábios.

Percebi que meu corpo estava coberto até a metade, o mesmo doía um pouco.  Mesmo assim, virei-me na expectativa de olhar Namjoom adormecido ao meu lado, mas acabei deparando-me com o lado vazio. Sentei-me, sentindo um aperto solitário no peito. Meus olhos ardiam, talvez algumas lágrimas estivesse chegando.

- Oh, você já acordou, meu Amor? 

Meu coração acelerou ao ouvir a voz dele e as lágrimas secaram-se , ele estava ali, não havia me deixado.  E eu senti-me mais calmo.  Olhei para o lado e o vi entrar no quarto, com uma bandeja, na mesma havia um café da manhã que suponho ter sido feito por  ele. Nem reparei no que ele havia preparado, pois todo o meu foco  encontrava-se nele.

- Namie... – Sorri.

- Queria ter o acordado, sabe... – Ele andou em direção a cama. -  ... Com carícias e beijos, talvez um sexo matinal, de forma romântica, claro. – Ele sorriu malicioso.

- Hey! – Ri, logo ele acompanhou-me , fazendo o mesmo.

-Mas é sério, queria ter o acordado. – Já estava próximo da cama, colocou a bandeja sob o criado-mudo e sentou-se na borda da mesma , segurou meu queixo, dera um sorriso  e logo  deu-me um selinho.  – Você dormindo é a 1° maravilha do mundo, do MEU mundo. – Ele começou a beijar meu pescoço.

-Não deixe-me sozinho, ok? – Arfei, senti seus lábios deixarem o local. Afastou-se um pouco de mim e me encarou confuso.

-Por que dizes isso? – Ele colocou a mão em meu rosto, preocupado.

- E-Eu tenho medo de você não estar mais comigo.  – Eu o abraço.

- Calma! – Ele retribui. – Eu vou estar com você sempre, eu o amo muito. – Sinto ele depositar um beijo em meu ombro.  – Jamais pense desse jeito, tudo bem? – Ele me solta, logo me deita.

Se curva um pouco e sela nossos lábios, em um beijo calmo.  Coloco minha mão em seu peito, logo puxo sua camisa de leve. Assim que deixamos ambos os lábios, pude ver suas bochechas um pouco vermelhas.

- Namjoom... – O olho, surpreso, sorrindo por conta da cena.

- Shh, ‘Princesa’. – Ele deu-me um selinho demorado.

- “Princesa”? – Arregalo os olhos. – Ah não!

- Ah sim, você parece uma. – Ele ri.

- Não vale. – Digo, fazendo bico.

- Quando trata-se de nós dois, tudo vale. – Ele morde minha bochecha.

- Até mesmo casarmos?

-Até mesmo casarmos.

Pude sentir minhas bochechas corarem.  –

Talvez, no futuro, estivéssemos  casados. E só de pensar, sentia-me cada vez mais apaixonado por ele.

...

Yoongi  estava em seu quarto, a tocar um piano do qual sua mãe o dera. –

Parecia estar em transe, enquanto o som delicado do instrumento seguia-se nas notas de ‘Fur Elise’, de Beethoven.  Em suas memórias, lembrava-se dos bons tempos, durante cada tecla pressionada pelos seus dígitos delicadamente.

-

- Mamãe! -  Yoongi exclamara, à procura de sua mãe.

Ouvira a doce e bela voz feminina a cantar uma canção de ninar, seguira a mesma, até  onde esta o levava.  Em um corredor, passara por várias portas, o som tornava-se mais próximo e assim que passara por uma, notou que a voz vinha dali.

Entrou no cômodo e deparou-se com a sua mãe, sentada em um banco, em frente ao piano , com seu irmão caçula no colo.

-Mamãe? – Aproximou-se da mesma.

- Oh! – Ela olhou para trás e assim que viu o menor, sorriu. – Min, venha cá.

Andara até ela, mas manteve uma distância. 

- Sente-se , vamos. – Ela disse.

-Sim. – Ele assentiu.

Logo sentou-se como a mulher o mandara.  Ficara encarando o pequeno, que estava nos braços de sua mãe. Parecia delicado demais,  pequeno demais para o restante que o acercava, queria protegê-lo de tudo que pudesse machucar o seu irmão.

- Quer segurá-lo?

O menino ficara incrédulo, iria segurar o outro.  Fez que ‘sim’ com a cabeça, logo preparou seus braços para receber o outro. Sua mãe dera seu irmão, dedicou-se para segurar  pequeno peso com cuidado. Os olhinhos pequenos do outro estavam  sobre si. Yoongi e seu irmão pareciam trocar olhares de curiosidade um sobre o outro.

Sua mãe começara a tocar uma música no piano, ‘ Fur Elise’ era como se chamava.  E assim que  o menor segurara a mãozinha que parecia tão pequena diante da sua, sentia-se feliz.

Aproveitou o momento, ao som da música e da risada do bebê.

-

Yoongi tocava com toda sua alma, estava em uma outra dimensão , em outro tipo de estado. De olhos fechados, pressionava cada tecla , conhecendo bem o piano.  Mas de repente, sua mente encheu-se de dúvidas. –

Seu irmão estaria vivo? Em algum lugar?  Voltaria a sentir aquela mão? Voltaria a ter seus olhos sobre si? De alguma forma, poderia tê-lo consigo?

Lembrou-se de quando tocara a mão de Woozi, no dia anterior que saíra com o mesmo.

E a última nota, para o término da música, fora esquecida e acabou por apertar a errada, fazendo o final ser completamente diferente do original.

Um som grave ao invés de um agudo.

...

 


Notas Finais


Oh, desculpas a quem leu, deve estar confuso.
:')
Adoro vcs, quero melhorar e esse capítulo é significativo, mudei um pouco a minha maneira de escrever, se vcs pararam pra notar. ^u^'
Bem, até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...