História You're My Angel. - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Seventeen
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Lee Jihun "Woozi", Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jikook, Lemon, Meus Otp Ngm Sai, Namjin, Vhope, Yoozi
Exibições 91
Palavras 2.722
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Yaoi
Avisos: Incesto, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Perdoem a demora, mas aqui está mais um capítulo. <3
Tenham uma boa leitura e até as notas finais. >< SZ

Capítulo 23 - XXIII - "...Ciúmes."


Fanfic / Fanfiction You're My Angel. - Capítulo 23 - XXIII - "...Ciúmes."

Seul, Coréia do Sul.

14:00 A.M.

 

P.O.V.  Namjoon

Eu estava no quarto de Jin, a vestir-me para ir embora enquanto ele estava no banheiro a tomar banho faz alguns minutos.  Fechei o zíper da minha calça, logo decidi pegar a minha camisa que estava jogada sob a cômoda próxima a porta, assim que virei, deparei-me com SeokJin na porta, a observar-me, enquanto secava seus cabelos loiros na toalha. Nossos olhares estavam conectados fixamente , suas bochechas atingiram um tom levemente rosado.

- Você já vai? – Ele perguntou, andando até mim, ainda secando seus cabelos.

- Sim, Amor, eu preciso ir para casa. – Respondi, andando em sua direção.

- Ah sim...– Ele disse em total desânimo.

-O que houve? – Assim que  estávamos frente a frente, segurei sua cintura e dei um beijo em sua bochecha. – Parece triste. – Desci  meus beijos; Dando mais alguns em suas bochechas, logo fazendo uma trilha de selares até seu pescoço.

-Eu não queria que fosse embora ainda. – Ele comentou, arfando baixinho. – Queria que ficasse mais um pouco.

– Ah, Amor, eu ficaria mais. Só que eu tenho que voltar para casa, minha tia deve estar preocupada.  - Dou mais um beijo no seu pescoço, sob as marcas que eu deixei com todo prazer na sua pele branca.  -  E sobre ficar “mais um pouco”, por quanto tempo eu ficaria? – Afastei-me, sem soltar sua cintura e o encarei, sorrindo.

-Para sempre.

- Mas, é muito tempo. Seria, definitivamente, morar com você.

- Sim, por isso mesmo. – Ele sorriu sapeca. – Eu quero que mores comigo. Quero que tudo que é meu, seja seu, formando o tão perfeito “nosso”!

Assim que falou, perdi-me em pensamentos de tudo que eu havia notado nele naquele momento. –

Seu olhar carregava um brilho incomum, um brilho mais apaixonado que o de costume, suas bochechas estavam completamente vermelhas agora mais do que eu já tinha visto em todas as vezes que ele ficava assim. Ah, SeokJin era tão belo. Parecia feliz com a ideia que havia proposto de eu morar consigo. Eu nunca me vi tão apaixonado por ele, mesmo que isso seja algo de infância. Eu definitivamente amaria Kim SeokJin até meu último suspiro e além disso.

- Namie? – Ele falara, tirando de meus pensamentos. – O que foi? Fui longe demais com essa ideia, não é? Desculpa, eu... – O interrompi, calando-o com um selinho um pouco demorado.

- Não é isso, meu Amor, eu estava pensando em algumas coisas.  – Sorri.

-Que tipos de coisa? – Ele colocou uma de suas mãos no meu ombro enquanto com a outra segurava a toalha no qual enxugava seus cabelos.

- Sobre o quão é perfeito você é. – O vi ganhar um tom rubro violento em suas bochechas.

- Namjoon , você está me deixando sem graça. –Ele virou o rosto. – Devo estar parecendo um idiota agora, que saco. Eu sou tão, tão –.

- Tão perfeito. – Ele voltou a olhar-me. -  Você é e sempre será perfeito. E não diga-me que existe “imperfeições” em ti, isso não vai mudar nada do que penso de você. Eu amo você e tudo em você, suas perfeitas imperfeições, seja lá quais forem, pertencem-me agora.  Entendeu? – Mantive uma das minhas mãos em sua cintura e levei a outra ao seu rosto. – E sobre morar contigo, meu Amor, eu fico feliz pela possibilidade de  existir o nosso tudo.  E sim, aceito morar com você.  – Dei um selinho rápido em seus lábios, arrancando um típico sorriso bobo seu.

E logo fui surpreendido ao ter meus lábios tomados pelos seus tão convidativos e tentadores lábios rosados. Ele tinha seus olhos fechados e apenas seus lábios moviam-se nos meus, logo fiz o mesmo passando a corresponder o selar. A minha mão que encontrava-se em seu rosto fora para sua nuca, onde apertei seus fios molhados, arrancando um gemido abafado de si. Ele pediu, passagem e eu cedi. Pela primeira vez, ele estava no comando, ele estava dominando-me e isso era tão bom. Nossas línguas entraram em um contato íntimo só nosso na mais perfeita dança que só a gente saberia fazer um na boca do outro.  O ar em falta nos nossos pulmões fez com que interrompêssemos o selar. Mas antes que nossos lábios fossem separados pela repentina ausência, dei-lhe um selinho o quanto antes.

- Eu te amo, SeokJin. – Minhas bochechas avermelharam-se pela primeira vez.

- Eu também te amo. 

- Preciso terminar de me arrumar.  – Ri.

- Claro. Você precisa ir, sua tia deve estar esperando-te. – Ele riu junto.

 

14:59 A.M.

 

/-/

 

Jimin chegara em casa, abrira a porta e adentrara o local com Jungkook. Estaria um total silêncio, se não ouvisse o som que vinha da sala, especificamente da TV.

-Mãe? – Dissera em voz alta, não recebendo resposta alguma.

- Sua mãe está aqui, Jimin? – Jungkook falara.

- Acho que sim. – O mais velho olhou para o mais novo.

-Eu acho que devo ir para minha casa, não quero ser um incomodo. – O mais alto tentou sair, mas o mais baixo segurara sua mão, fazendo que este o olhasse.

-Você nunca será um incomodo, Kookie. – Jimin deu um beijo na bochecha do mais alto, arrancando um sorriso do mesmo.

Logo sorriu para o mesmo e ficaram se encarando em silêncio, ambos com as bochechas um pouco vermelhas. Jungkook sentia-se tão dependente do outro; O que trazia-lhe boas e ruins sensações. Jimin preocupava-se e cuidava de si como um perfeito Anjo, mas seria uma espécie de problema ao mesmo. Seu ponto de vista era exatamente este, desde quando conheceu o outro quando era uma criança.

- Jimin... – Aproximou-se do mais baixo, mordendo o lábio inferior; Queria beijar o outro como agradecimento, apesar de aqueles lábios o pertencer.

-Sim? – Jimin ficara parado, encarando o outro que ficara próximo de si.

-Muito obrigado. Por tudo. – Jungkook tentou beijar o mesmo.

- Não foi nada. – Park sorriu, corando com a aproximação do rosto do outro ao seu.

-Jimin! – Ouviram-se passos.

Os dois se assustaram e logo afastaram-se, envergonhados, olhando para frente. JiHoon, irmão mais novo de Jimin estava ali, totalmente sem graça com a cena.

-Ah, meu Deus. – O platinado disse. – Eu atrapalhei vocês... Vocês iam se... Se beijar! Ai, que droga. – Lee abaixou a cabeça, encarando o chão.

-Quem é esse? – Jeon  perguntou, um pouco desconfiado e ciumento.

-Esse é meu irmão, JiHoon. – Jimin sorriu. – Maninho, esse é meu namorado, Jungkook.

-Seu namorado!? – JiHoon analisou Jeon. – Ah, prazer! – Sorriu e o mais alto à sua frente fez o mesmo.

-O prazer é todo meu. – Jungkook riu.

-Hoonie, cadê a mamãe? – Perguntou Jimin, recebendo o olhar do irmão.

- Foi trabalhar.  – Respondeu simplista a pergunta de Jimin.

-Ah ta. – Jimin fez bico; Estava acostumado com a ausência da Sra. Park perante à sua presença, era mais que típico ao ver dele. – Bem, eu e Jungkook iremos –

A campainha tocou, calando-o. Os três olharam para a porta. Logo o loiro platinado andou até a porta, sorrindo bobo, deixando os outros dois sem entender o por quê. Assim que chegou na porta, abriu a mesma já tendo noção de quem era. Abriu a porta e suas bochechas ganharam o tom rubro de forma intensa.

Yoongi estava ali, sorridente, com seus cabelos levemente bagunçados. Era uma aura diferente de costume, ele parecia tão descontraído e isso fez com que  JiHoon desconfiasse do mesmo.  E não demorou, Min apenas abraçou Lee fortemente, esse sequer retribuíra, na sua mente soava a seguinte afirmação da qual no momento parecia totalmente errada:  Min Yoongi nunca gostou de abraços.

-Yoongi!? – Jungkook e Jimin exclamaram , um tanto surpresos.

Não demorou para que Min levantasse o olhar para os dois presentes ali consigo e JiHoon. Ao olhar para Jungkook e  Jimin indiferente, escondeu o rosto no pescoço de JiHoon.

-Fala sério. – Bufou. – NA MORAL, ME CHAMEM DE ESTÁTUA DA LIBERDADE, PORQUE O QUE EU ACHAVA SER VELA VIROU TOCHA, HAHA – Riu contra a pele pálida do menor em seu abraço. -  CARA, O QUE É A VELA DO WOOZI PERTO DISSO? – Tirou o rosto dali, voltando olhar para os dois. – BULTAOREUNE, IN FIRES MAN!  - Gritou.

-Você está estranho, Suga. – JiHoon saiu do abraço, ouvindo o outro murmurar em pura reprovação. – O que você tem? – Ele cruzou os braços, encarando o mesmo. 

- Save me, save me, i need your love before i fall, fall. – Cantarolou Yoongi aos risos.

JiHoon sentira um cheiro forte vindo da boca do amigo,  não era o típico hálito de menta que gostava tanto do outro , era algo realmente desagradável.  Se não reconhecesse aquele cheiro, diria que fosse mau hálito, mas ele sabia muito bem o que era; O cheiro da mais pura vodca que o mais velho sempre bebia quando estava realmente mal.

-Você bebeu? – Encarou o outro, que jogou-se em cima de si. Agarrou-o, para não deixá-lo cair. – Droga! – Resmungou.

- Nossa, jureg. O mundo precisa de um Yoongi bêbado mais vezes! – Jimin riu.

- Não, o mundo não precisa. – JiHoon olhou o irmão frio, que logo parou de rir. Ou melhor, tentou. – Yoongi? – Voltara a olhar para o seu amigo. – Você está péssimo. Huh, venha, vou te jogar debaixo de um chuveiro para isso passar logo, logo.  – Segurou a mão do outro, tentando guiá-lo.

Mas Yoongi abraçara JiHoon por trás de forma ágil, e sem demais delongas, passou a beijar o pescoço do mesmo.

- GENTE! O OTP É REAL. – Jimin riu.

- OTP? Meu Deus! – Jungkook acompanhou o namorado, agora ambos riam.

- Yoongi, para!- Lee tentou sair do abraço. – Você precisa de um bom banho, caramba! Está sob o puro efeito de álcool . – Sentiu sua pele do local do pescoço ser mordida levemente, o que causou um pequeno arrepio.

-Você vai me ajudar? – Min disse, sorrindo ao ouvir o outro gemer baixinho para si.

- C-Claro. – Mentiu JiHoon. Logo conseguiu sair do abraço. – Bem, agora vamos ou não poderei ajudar você. -  Disse, sustentando a mentirinha que realmente funcionou.

Logo ele e Yoongi foram para outro cômodo, deixando Jungkook e Jimin no corredor. 

- Eu gostei do Yoongi nesse estado. – Comentou Jimin, logo recebendo uma expressão ciumenta do namorado. – Por que tá me olhando assim?! O que foi? – Riu. – Que foi, Kookie?

- Nada.

- Quem nada é peixe. – O mais baixo apertara as bochechas do mais alto. – Admite que está com ciúmes! – Sorriu.

-Não tenho... – Recebeu um selinho rápido de Park. - ... Ciúmes.

- Você tem ciúmes, sim, admita.

-É, eu tenho. – Disse Jeon em um tom desistente.

- SABIA. – Jimin sorriu vitorioso. Aproximou-se do mais alto e envolvera seus braços no pescoço do mesmo, ficando na pontinha do pé e o encarando. – E saiba que você é único, eu não te trocaria por ninguém, muito menos pelo Yoongi. Cara, ele é do meu irmãozinho. Esqueceu? – Riu. – Não sinta-se ameaçado com ele.

Jungkook colocara as mãos na cintura do menor, sorrindo bobo.

- Quando se tem um Park Jimin e qualquer tipo de pessoa que possa tê-lo, tenho que me sentir. Afinal, você é especial, tão meu e ninguém pode te ter além de mim.

- Eu sou seu, Pabo. – Dera uma, depois três e diversos selinhos em Jungkook. – Para todo o sempre. – Jimin soltou o maior, logo pegara o mesmo pela mão e guiou rumo as escadas. –Agora vamos para o meu quarto.

-Ok. – Jungkook riu.

/-/

 

15:35 A.M.

P.O.V. Taehyung

Para início de conversa , eu poderia estar dormindo. Mas com um Hoseok a me beijar ferozmente é praticamente impossível. –

Eu estava delirando, delirando loucamente por Jung Hoseok. Ele estava em cima de mim, sem colocar o peso de seu corpo sob o meu, suas mãos seguravam as minhas as pressionando contra a cama, enquanto ele roçava seu membro ao meu em um movimento tão erótico. Sentia um desconforto entre minhas pernas e algumas fricções da mesma fazendo com que eu me arrepiasse de tanto prazer e gemesse abafado pelos lábios tão definidos dele.

Eu queria livrar-me de tudo quanto que é peça de roupa, tanto minha e dele. Eu estava ansiando por ele dentro de mim, fodendo-me  em rounds infinitos. 

De repente, suas mãos abandonaram as minhas e a mesma coisa fez com seus lábios no meus. Praguejei-o em um pequeno som de reprovação que escapou de meus lábios.

-Achei que quisesse brincar,TaeTae. – Jung sorriu,  completamente diferente que o típico. Carregava malícia e todo tipo de intenção, eu pude sorrir da mesma forma ao vê-lo insano.

- E eu quero. – Levei minhas mãos para seu abdômen que estava a mostra, tocando nos gominhos, subindo para o peitoral e logo o envolvendo com os meus braços em seu pescoço, tomando seus lábios num selinho demorado e estalado. – Você é tão gostoso, Oppa. Deve ser mais gostoso ainda dentro de mim, fodendo-me com luxúria. – Senti suas mãos em minha cintura, apertando levemente.

Mas só aquilo já me fez gemer.  Droga, sempre fui submisso ao Hoseok, desde quando nos conhecemos. Ou melhor, desde que eu o vi por foto antes de vir para Seul. Se ele soubesse quantas vezes me toquei, gastando minha voz falando seu nome aos gemidos; Com certeza, ele me foderia de um jeito inesquecível.

Assim que notei, ele estava a abrir o zíper de minha calça, enquanto beijava meu pescoço, me fazendo gemer com o toque de seus lábios em um local tão sensível à mim.

- H-Hobi-hyung? – Senti minhas bochechas queimarem, junto do restante do meu corpo. Levei uma das minhas para sua nuca puxando alguns fios levemente e a outra para suas costas. – Você está tão apressado. – Dei uma risada baixa, enquanto aproveitava que estavas a atacar meu pescoço de todas as formas.

- Estou? – Ele afastou-se um pouco, tirando minha  calça e jogando em um canto qualquer do quarto. – Calma, eu não vou te forçar a nada. Quero que tudo seja tão prazeroso a você, quanto à mim. – Ele aproximou-se de novo e selou nossos lábios, enquanto encaixava-se entre minhas pernas, simulando uma estocada, arrancando um gemido durante o nosso beijo que era mais calmo que o anterior.

Ah, era uma sensação maravilhosa. Mas de alguma forma, eu sentia medo.

Eu caminhava para fora da lanchonete depois de discutir e redimir-me com Hoseok. Andei em direção ao rumo direito, a multidão era pouca naquele horário e logo fui abordado por um homem. Ele era alto, dono de cabelos  platinados, sua pele era  um pouco pálida e usava algumas roupas discretas por sinal, ele me abraçara por trás e colocara algo pontudo nas minhas costas.

- Não grite, ou irei fazer uma obra de arte com as suas tripas.  – Disse ao meu ouvido, fazendo-me engolir seco. – Vamos, vá para o beco. – Ele continuou abraçado comigo e logo caminhamos para o beco escuro. Ele jogou-me ao chão.

Subiu em cima de mim, retirou meus sapatos, calça e camisa. Eu estava nu, com um estranho e aquilo era tão vergonhoso, ele colocou-me de quatro para si e assim que eu ouvi ele tirar seu cinto, já sabia o que iria me acontecer.

- Não grite, ouviu, Belezinha. – Ele riu baixinho e eu já estava com lágrimas nos olhos, senti seu membro pincelar minha entrada e sem aviso, penetrar-me.

Eu ia gritando, mas ele colocou em minha boca a minha camisa, fazendo que o som saísse abafado.  E logo começou a estocar-me com força, seu membro tinha me preenchido brutalmente e desferiu tapas nas minhas nádegas. E logo começou a me masturbar, mas eu não entendia o por quê que ninguém aparecia para livrar-me daquele infeliz.

- Sua putinha, você poderia estar gemendo pra mim. Talvez eu fosse mais carinhoso.

Seu membro estava acabando comigo, eu sentia ele acertar meu ponto por várias vezes seguidas enquanto ele puxava os meus cabelos com uma mão e arranhava minhas coxas com as outras, isso tudo enquanto chupava cada parte do meu pescoço.  Aquilo era um pesadelo, o qual eu torcia para que acabasse, mas quanto mais eu desejava o fim, mas continuava. E depois de horas, senti seu membro sair de minha entrada. Logo fui empurrado, caindo no chão novamente e de repente, senti chutes em todo meu corpo e a cada um deles, eu chorava mais e mais.  E logo senti o tal homem em meio as minhas pernas outra vez.  O olhei, mas não conseguia enxergar nada por conta das lágrimas e de repente um soco foi desferido em mim.  Tudo escureceu e quando me dei conta.

Eu tinha apagado.

Continua...

 


Notas Finais


MEUS AMORES, POR FAVOR; PERDOEM A DEMORA, 3 FUCKINGS SEMANAS SEM POSTAR É IMPERDOÁVEL, SEI, MAS FOI POR UM BOM MOTIVO:
Eu queria o momento certo pra postar todas os caps da minha fic, um dia específico pra ser mais vulgar. :3 E eu escolhi o sábado. Todos os sábados teremos capítulo novo em todas as minhas fics, ok? <3

AA
Eu quero muito agradecer aos fuckings leitores que acompanham essa fic e fez ela chegar à esse número de hj, MT OBG >< AMO VCS, SÉRIo :')

E rapidão:
Tô pensando em postar uma fanfic VHope e espero que vocês estejam lá, façam o possível para lerem assim que já estiver jogado nesse mundão. Agradeço de kokoro, s2.

E outra: Alguma teoria de quem seja o estuprador do nosso Tae?
Fale-me nos comentários.. Até a próxima, bjs.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...