História Youth - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Fifth Harmony, Teorias Camren
Exibições 47
Palavras 5.836
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


“Oi, gostei da sua brusinha ;)
Vocês nos fizeram surtar tanto! O primeiro capitulo foi um sucesso e isso nos deixou imensamente feliz. Obrigada por tudo e continuem a comentar ou surtar com a gente!
- Vá (@psyarmony)”
“NÃO TEVE BEIJO, AAAAAAAA FESTA AQUI NO MEU BARRACO!
Espero que aproveitem o capítulo (Camila’s voice: gostei da sua brusinha Lóren).
- Iza (@fewsjaguar)”
“Habitantes da ilha Camz da Lolo, vamos renovar nosso sentimento patriota e mostrar o orgulho que temos de habitar esse local!
Esperamos que vocês gostem!
Leiam e comentem bastante!!
- Raí (@Raissa_Fitz)”
“Eu amo a Camila
- Amanda (@camallystan)”

Capítulo 2 - Lylas


Fanfic / Fanfiction Youth - Capítulo 2 - Lylas

Narrator’s Point Of View

Camila, em um golpe de coragem (que nem mesmo ela sabia de onde tinha vindo), havia finalmente se aproximado da menina de cabelos longos e olhos verdes azulados, ou seriam azuis esverdeados? Questionava-se internamente, ainda fascinada não só com a voz, mas também com a beleza da jovem à sua frente.

- De fato, ela é muito bonita. - Pensou a jovem latina. - Vamos Camila, diga algo, vamos! Ela vai te achar estranha por parar na frente dela e não falar nada. Vamos, você cantou na frente de um auditório cheio, você consegue falar algo que preste para ela. - Camila conversava consigo, durante os poucos segundos que haviam se passado ao ficar frente a frente com a menina que havia roubado toda a sua atenção. O mais intimidante para Camila, eram os olhos curiosos de Lauren, que a fitavam com a máxima atenção, atenção essa que Camila não era acostumada a ter.

Enquanto Camila lutava internamente para saber o que falar, Lauren estava ansiosa e nervosa, sem maiores explicações. Ela esperava ansiosamente para saber o que aquela garota queria com ela. Nervosa pois nunca havia visto a garota, mas sentia algo inexplicável, como algum tipo de ligação. No fundo, algo nelas sabia que aquilo estava destinado a acontecer.

- Hey! - Camila finalmente disse. Ela olhava fixamente para Lauren, fazendo a menina de olhos verdes tomar uma coloração mais avermelhada, nada extremamente perceptível. Havia deixado a garota ainda mais bonita e doce aos olhos da jovem cubana. - Eu gostei da sua camisa. - “Sério Camila? Sério mesmo?! Gostei da sua camisa?! Ah! Agora ela vai rir de mim, vai zombar de mim e nunca mais nos falaremos. Isso se ela me responder, não é mesmo?!” Pensou Camila.

- Awn, obrigada! - Disse Lauren com um sorriso enorme, fazendo Camila se encantar ainda mais. - Eu gostei da sua jaqueta. - Lauren apontou, ainda sorrindo.

Enquanto Camila surtava por Lauren não ter zombado dela, e ainda ter dito que havia gostado de sua jaqueta, sendo isso um claro sinal de quem gostaria de prolongar uma possível conversa, Lauren procurava meios de não se deixar ficar ainda mais corada. Ambas estavam extasiadas e animadas com a interação que estavam começando a ter, mas infelizmente, um homem chamou Camila para ser entrevistada.

- Oh! - Camila disse agitada, atrapalhada, fazendo Lauren sorrir docemente. - Tenho que ir - Lauren balançou de forma afirmativa a cabeça - Mas, a gente se vê por aí né? - Disse rapidamente, esperançosa.

- Claro, por que não? - Lauren sorriu abertamente, fazendo Camila sorrir também. Ambas ficaram deslumbradas com a doçura, e o sorriso lindo que a outra tinha. - Nos esbarramos por aí. - Então, ao ouvir seu nome ser chamado mais uma vez, Camila se despediu com um tchau, e correu em direção ao o homem, deixando Lauren sorrindo bobamente. - Que garota engraçada. - Falou para si, e continuou observando a menina correr em direção ao local da entrevista.

Camila estava animada, afinal, havia feito uma espécie de nova amizade. Ela havia vencido sua timidez para falar com a…

- Droga! Eu não perguntei o nome dela! - Camila se repreendeu internamente. - Como vou encontrá-la novamente? - Pensou tristemente. Mal ela sabia que existem certas coisas que simplesmente acontecem sem nem a gente precisar pedir muito. Tudo tem um porquê. Tudo tem seu devido momento. E às vezes, o destino é generoso. Bom, Camila contava com tal generosidade.

----x----

Lauren’s Point Of View

Eu estava entusiasmada em conhecer novas pessoas, e pessoas tão talentosas, que eu parecia estar nas nuvens, mas a pessoa que mais tinha me encantado havia sido aquela garota fofa que acabara de reparar na minha camisa, e nem ao menos me disse seu nome. Sorri ao lembrar do jeito atrapalhado e fofo da menina.

- Acho que não faz mal esperar a entrevista dela terminar para a gente conversar, não é mesmo? - Questionei-me. - Não vou parecer estranha? - E ainda com algumas inseguranças, me aproximei do local, até um ponto onde pude ouví-la responder as perguntas que lhe eram feitas.

- Oi, eu sou Camila Cabello, tenho 15 anos, e sou de Miami, Flórida. - Já cheguei ouvindo a voz da garota, e ali já sabia as informações básicas. “Camila” sorri ao pensar em seu nome.

- Peraí, ela é de Miami também? Que legal! - Animei-me ainda mais por saber que ela morava na mesma cidade que eu. Ela era um ano mais nova que eu, o que a tornava ainda mais fofa para mim. - Cabello… Qual será a origem? - Fiquei pensativa, pois eu sabia que a maioria das pessoas que vivem em Miami tem origem latina, e isso a tornou ainda mais interessante aos meus olhos. Eu queria saber tudo sobre ela.

Ela estava falando sobre como havia se sentido durante e após a sua apresentação, e eu achei tão engraçadinho a forma apressada que ela tinha para falar e tentar expressar seus sentimentos. - Estou muito animada! - Ela disse.

- É perceptível - Eu ri sozinha. Voltei minha atenção as falas de Camila, e eu tentava não me distrair ao analisar sua forma apressada de falar, parecia que ela não conseguia controlar toda a excitação que ainda estava sentindo. Tinha horas que eu não sabia se ela falava sem respirar mesmo, ou se eu não estava prestando atenção em suas pausas para respirar. Ri com meu pensamento.

Camila comentou sobre a música que havia escolhido para o seu teste, bem, não exatamente a música, mas saber que ela havia cantado Aretha Franklin me assustou um pouco. Com 15 anos, cantar Aretha Franklin é sinal de ótima influência musical e de muito talento. É, parece que Camila além de fofa era uma forte concorrente. Ela falava com tamanha propriedade sobre as técnicas de respiração para seu canto, e de seus planos para se manter na competição, que confesso ter me sentido um pouco insegura. Será que ela era melhor que eu?

----x----

Narrator’s Point Of View

As pessoas sempre foram dotadas do poder de sonhar. Alguns podem chamar de grandes expectativas, outros de ilusão, mas, para quem sonha alto tudo é possível, tudo é tão vivo que você pode senti-lo em sua própria pele. O instinto de vida move o ser humano a buscar tudo que espera, tudo que deseja alcançar. É a luta, é a tentativa de realizar. Mas, às vezes os caminhos para se alcançar um sonho pode ser ambíguo, onde todos sabem que a cada direção terá um resultado, e o ser humano tenta sempre acertar aquele que o levará ao êxito. Como dizem os provérbios mais antigos: algumas coisas podem estar escritas, mas as linhas são tortas e então, como se a realidade não fosse como todos sonhara, tudo desaba. Tudo muda. Isso foi aconteceu com elas.

Camila cantava, com sua mesma graça, com jeitinho único. De olhos fechados, inseguros de ver o mundo que a admirava, e brilhava ao seu redor.

Lauren, em sua vez, deixou todos surpresos com sua confiança. Sua voz rouca, forte e tão distinta dos demais. Cantava com a alma, e tudo parecia provar que a jovem de olhos verdes nascera para aquilo. Assim como Camila.

O público aplaudia a jovem latina, que segurava mais forte o microfone e sorria enquanto cantava. Finalmente, o coração de Camila sentiu que o palco era o seu lugar, e sua mente convenceu que nem as mais fortes das inseguranças poderiam a impedir o seu dom.

O coração de Lauren, por outro lado, batia forte por estar vivendo o que por anos esperava. Ela era apaixonada por música e viver o que tanto ama, a deixava extasiada. Sua mente, já certa de onde era seu lugar, tentava assimilar que tudo, finalmente, estava acontecendo. Não era mais ilusão, expectativas ou sonhos. Era a realidade, tão a frente de seus olhos.

Porém, as linhas da história de cada uma, não seguiam o rumo que esperavam. E a decisão do futuro delas, bem como o rumo de suas histórias, não estavam em suas mãos. Como nada na vida é como de fato esperamos que seja, às vezes nossos sonhos podem ser realizados com linhas que os levam para rumos diferentes, muitas vezes interligando outras linhas às nossas.

Eram quatro pessoas. Somente quatro profissionais, que já viviam o que elas tanto queriam, tinham o poder de decisão, o poder da permissão para elas seguirem o caminho que estava tão próximas de entrarem.

E então, as coisas não são tão perfeitas como tanto sonhamos.

Ao lado delas havia tantas outras pessoas, com o mesmo sonho, o mesmo objetivo, ainda que com diferentes dons e talentos. Mas, somente uma pessoa poderia continuar ao que tanto esperavam. A ansiedade as consumia por dentro. A certeza da mente e a decisão do coração, pareciam tão incertos e inseguros por alguns minutos. O coração não mais acelerava pela emoção de estar fazendo o certo, mas acelerava pelo sentimento de tudo ter sido errôneo. As mãos tremiam não mais por timidez e nervosismo, mas por medo. O que viria, não mais dependia delas.

A decisão foi tomada. Tudo havia ido para um rumo contrário do que era sonhado. Apesar de todo talento, das noites em claro passando e repassando as canções, ensaiando, imaginando cada detalhe e tentando manter o autocontrole, nada daquilo parecia ter sido o suficiente para aqueles quatro jurados. Tudo tinha terminado com a frase “Vocês não estão na próxima fase”. Elas haviam sido eliminadas.

E em um segundo tudo parecia desabar. Camila chorava, mas como uma doce garota que era, pensou nos outros competidores, e ela era tão insegura consigo, que sua cabeça acenou concordando, sua mão tentava alcançar as lágrimas que caíam livremente.

Já Lauren segurou com todas suas forças as lágrimas que pairavam em seus olhos e atrapalhavam sua visão. A garota de olhos verdes tentava ficar séria com a decisão, procurando forças para não desabar.

Mas, nem as mais fortes mulheres podiam segurar suas emoções. Às vezes, as emoções atravessam todas as barreiras, todas as defesas. Nem a tão poderosa racionalidade pode ser mais forte que as emoções. Neste momento, a mente cedeu a toda a situação. Tudo que era certeza pareceu desaparecer.

Lauren, sabia de coração que tinha feito o seu melhor, entretanto logo pensou: “o meu melhor não era bom o suficiente. Talvez isso não seja para mim. Esse é o fim”. Então, como se a realidade a esmagasse, Lauren chorou, e definitivamente aquele momento estava sendo o mais doloroso que ela já passara em sua vida.

A doce Camila, que permitia somente o seu dom ser exposto no interior do seu quarto, mas que usou toda sua coragem para vivenciar o que ELAA  temia, e ironicamente, o que mais amava. Tudo o que se passava na mente da jovem latina era: “Eu não quero deixar isso ir embora. Eu não quero que toda essa experiência se vá”.

O sentimento de impotência emanava, não só das duas meninas, mas também de seus pais. Sinu não sabia o que fazer para consolar a filha que finalmente havia se interessado e se esforçado por algo que tanto quis. Mike não fazia ideia do que fazer além de acolher a filha mais velha em seus braços. Ainda que seus pais tentassem lhe consolar, as meninas também buscaram outros meios para tentar se acalmar. Talvez, se juntar a outras pessoas que passavam pelo mesmo seria uma boa ideia.

A equipe do programa pediu para que todos os eliminados aguardassem numa espécie de pátio, onde pelo fato de haverem se conectado com outros competidores, formando como um grande grupo familiar, as meninas procuraram aquelas pessoas as quais mais se identificavam. Camila com seu jeito tímido, aproximou-se de um pequeno grupo de pessoas, que ela já havia trocado algumas poucas palavras. Lauren, um pouco mais comunicativa, juntou-se a um pequeno grupo formado por pessoas as quais ela havia se identificado de alguma forma. Seus olhos fixaram-se em um pessoa específica do grupo. Seu olhar foi imediatamente retribuído, fazendo com que aparecesse um tímido sorriso em seu rosto.

----x----

Camila’s Point Of View

Os lindos olhos verdes da garota que conversei no dia da minha audição estavam tão claros, mas tão vermelhos ao mesmo tempo que vi o quão quebrada ela também estava. Percebi que as lágrimas já tinham findado, e eu podia ver que a garota de olhos verdes, não estava diferente de mim. Estávamos definitivamente quebradas. Assustei-me com a ligação que tínhamos. Era como se pudéssemos conversar pelo olhar, eu tentava transmitir o conforto para a garota que me fitava intensamente, e a mesma parecia tentar transmitir o mesmo sentimento para mim, como se também quisesse me consolar.

As pessoas ao nosso redor falavam sobre as audições, tentavam procurar os possíveis erros que as fizeram ser eliminadas. Eu ouvia todos comentando sobre seus momentos, aqueles que acreditavam ter sido cruciais, mas ainda que eu escutasse cada palavra dita por eles, minha atenção era voltada apenas para os olhos verdes clarinhos da garota. Era como se estivéssemos conversando silenciosamente, onde tentávamos nos acalmar e dizer “Vai dar tudo certo”. Até que alguma outra garota interrompeu nosso contato visual, chamando a atenção dela.

- E você Lauren? O que achou? - Lauren… Então esse era seu nome.

- Não sei. Eu dei o meu melhor, mas infelizmente, o meu melhor não foi o suficiente. - Disse Lauren com uma voz triste, rapidamente busquei seu olhar para tentar dizer que tudo iria ficar bem, ainda que eu não tivesse tanta certeza disso.

- Ter dado o seu melhor já foi algo de extrema importância, tenho certeza que isso não passou despercebido. - Falei olhando diretamente em seus olhos, e minhas palavras a fizeram sorrir timidamente. Meu coração aqueceu-se. Sorri de volta.

- Ainda que o Arin cante bem, não sei se eu teria dado a última vaga a ele. - Disse uma outra garota. - Existem vozes mais bonitas e potentes.

- Sim, mas vamos erguer nossas cabeças. - Uma quarta garota se pronunciou - Nós não devemos desistir dos nossos sonhos. - Concordei com a cabeça.

De repente, ouvimos um pequeno burburinho, e vários pedidos de silêncio. Havia uma mulher da equipe na porta do pátio, segurando uma prancheta, enquanto eu me perdia procurando detalhes físicos da mulher, senti o clima ficar um pouco mais tenso que o normal.

- Os jurados me pediram para chamar algumas pessoas de volta para o palco - Todos a olharam rapidamente - Camila “Cabelo” - Levantei-me rapidamente, meio perdida, porém corrigindo mentalmente a mulher que havia errado a pronúncia de meu sobrenome. - Dinah Jane Hansen - A mulher continuou. Procurei não me virar para ver quem era, talvez eu já tivesse conversado em algum momento. - Normani Hamilton - Todos pareciam confusos, eu não tinha certeza do que era, mas havia um fundo de esperança em meu coração. - Ally Brooke - Eu definitivamente não me recordava de nenhum dos nomes chamados, possivelmente não reconheceria ninguém até encontrá-las - E Lauren Jauregui. - E foi nesse exato momento que meu coração disparou animado. Havia uma possibilidade. E por fim, eu ainda descobri seu nome e seu sobrenome.

Eu já tinha uma leve suspeita do que poderia acontecer, mas aposto que se eu falasse isso para alguém, eu seria taxada como louca. Olhei para Lauren, que caminhava na minha direção com um semblante nervoso, dei um pequeno sorriso em sua direção para tentar acalmá-la, mas se nem eu estou calma, como isso daria certo, não é mesmo?

- Hey! - Exclamou Lauren - Calma aí! - Ela apressou o passo para ficar próxima a mim. - Camila, certo? - Ela me perguntou de um jeito tão fofo que não consegui conter meu sorriso. Acenei com a cabeça - Você acha que eles nos colocarão de volta na competição? - Lauren sussurrou, e por sua voz ser um pouco rouca, quase tive dificuldade de compreender.

- Sinceramente? Acho que sim. - Respondi. Seu semblante passou de nervoso para animado. - Mas talvez não como pensamos… - “Camila, cala a boca! Ela vai te achar estranha e vai te deixar sozinha.” Pensei assim que terminei de falar a frase para ela, que olhou-me com mais atenção.

- Como assim? - Ela perguntou interessada. Seus olhos verdes tornaram-se intimidantes e ainda mais encantadores.

- Não sei bem… Se eu disser você vai achar que estou delirando. - Dei um pequeno sorriso sem graça, e ao contrário do que pensei, Lauren sorriu abertamente.

- E quem aqui não está? - Ela me disse sorrindo - Vamos, me diga, quem sabe eu não me junto aos seus delírios - Rimos juntas.

- Bom, - Respirei fundo - Você conhece a banda One Direction? - Perguntei num sussurro tímido. Lauren afirmou com a cabeça. - Então, eles podem tentar o mesmo conosco. - Falei de uma vez. “Agora ela morre de rir, e se afasta de mim” pensei.

- Faz bastante sentido… - Falou pensativa. De repente, Lauren se calou e passou a observar ao redor de nós, como se estivesse analisando as pessoas, e talvez as possibilidade de eu estar realmente certa. - Faz muito sentido. Basta olhar ao nosso redor. - Ela continuou. - Olha - Senti as mãos de Lauren pegarem as minhas. - Não importa o que aconteça, tenho certeza que ficaremos juntas. - Ela respirou fundo - Sei que parece estranho dizer isso, mas confia em mim. Eu sinto que vamos encarar esse desafio juntas. - Lauren falou com tanta convicção, com tanta segurança, que eu acreditei.

- Estamos juntas nessa. - Falei sorrindo, e Lauren riu alto. Acho que ela pegou a referência de um dos meus, e de Sofi, filmes favoritos: High School Musical.

- Sim! - Disse ainda risonha. - O que acha que irmos até lá? - Lauren apontou para outras duas meninas próximas as cortinas atrás do palco, uma negra e a outra de cabelos vermelhos que conversam da mesma forma que nós.

- E por que não? - Ela sorriu de volta. Caminhamos em direção as cortinas Lauren ainda segurava minha mão enquanto andava um pouco mais a frente, e tudo que minha mente conseguia ouvir era sua voz dizendo que ficaríamos juntas. Sorri ainda mais abertamente caminhando junto a ela, com nossas mãos dadas.

Todos que foram chamados estavam próximos a lateral do palco, alguns tentavam aquecer a voz rapidamente, outros tentavam controlar a ansiedade, mas era certo dizer que a maioria parecia perdido, tentando descobrir o que poderia acontecer. Cada um ali buscava se acalmar de alguma forma, e eu tentava fazer o mesmo segurando forte nas mãos da garota que eu tinha acabado de conhecer de fato.

Assim que chegamos próximas aos outros participantes, a mesma moça que nos chamou mais cedo nos informou que deveríamos entrar ao palco, e permanecer na marcação, pois os jurados iriam nos dar novas instruções. Então, todos seguiram as ordens da mulher, entrando um a um ao palco. Por último, Lauren e eu entramos, ainda de mãos dadas, só soltando-as quando paramos diante os jurados que nos olhavam tranquilos.

Estávamos todos apreensivos sem saber o que poderia vir a seguir. Olhei rapidamente para o lado e observei Lauren também rígida olhando fixamente para os jurados. Ao lado dela havia mais algumas garotas e ao fundo alguns garotos.

- Vocês voltaram aqui, porque eram todos os que demos não, mas que genuinamente nos importamos. - Simon iniciou obtendo para si nossa total e mais silenciosa atenção. Simon respirou fundo e rapidamente quebrou o silêncio desconfortável quando começou separar a ordem que estávamos. Lauren e eu continuamos lado a lado. Virei para observar melhor Simon pedindo para todos os garotos ficarem à esquerda do palco, dois meninos e uma menina permaneceram ao centro. - Ally, você poderia ficar ali com as garotas? - Rapidamente Ally se aproximou, e ficou entre Lauren e uma garota negra, linda, que eu tinha quase certeza que seu nome era Normani. Virei-me silenciosamente e olhei para Ally, que estava super apreensiva e nervosa. Mudamos de posição, onde eu fiquei ao lado de uma garota alta, que havia ouvido seu nome diversas vezes, Dinah Jane. Lauren não saiu do meu lado, e segurou rapidamente a minha mão, como se tentasse mostrar que ainda estávamos juntas. Lauren ficou ao lado de Normani, que estava ao lado de Ally. Naquele instante todas estávamos de mãos dadas, unidas firmemente por algum tipo de elo.

Eu não poderia acreditar no que estava acontecendo. Claro que eu desconfiei que alguma coisa assim poderia acontecer, mas no momento eu não estava mais confiando nas minhas ideias. Ou melhor, a ideia que parecia ser insana, fora de cogitação, era a que estava se formando diante dos meus olhos. E o mais insano era: eu estava junto de Lauren.

- Todos vocês, assim como estão… Estão convidados para a casa dos jurados - Simon falou e eu não acreditei que aquilo era real. Tudo que consegui fazer foi pular e gritar. Nada ainda estava acabado. As garotas ao meu lado sentiam exatamente o mesmo. Todas estavam extasiadas. Apesar de toda a emoção, vi algumas das garotas chorando e sorrindo por entre lágrimas. Estávamos todas extasiadas e extremamente animadas com tudo aqui que estava acontecendo. Não nos conhecíamos direito, mas o abraço que compartilhamos juntas naquele momento sustentou todas as emoções e pude provar, fisicamente, que não era só um sonho. Era a nossa mais nova realidade.

Após todos os sorrisos entre as lágrimas, a excitação de nossas famílias pela chance a nós concedida, nos informaram que tínhamos apenas algumas horas para nos arrumar e seguirmos a casa dos jurados. Conversei rapidamente com as outras garotas, estávamos tão animadas que falávamos sobre tudo e nada ao mesmo tempo. Nós cinco não parávamos de sorrir, e eu sentia que daríamos bem.

Logo após toda excitação, fomos informadas que teríamos apenas um dia para nos prepararmos para irmos para casa dos jurados, então trocamos nossos números de telefones para nos encontrar no mesmo lugar e horário antes de irmos a casa dos jurados. “Conseguiu o telefone de quatro garotas gatas ao mesmo tempo hein Camila, está evoluindo mesmo” pensei dando risada sozinha.

----x----

 

No dia seguinte

Havia chegado o dia de irmos para a casa dos jurados. Logo depois de arrumar toda a bagagem, ser abraçada diversas vezes pela minha família e ouvir diversas recomendações da minha mãe, cheguei ao local de encontro. A equipe do programa marcou em uma praia como ponto de partida. O dia estava lindo, o mar calmo, mas toda beleza do ambiente pareceu se tornar pequeno quando vi Lauren andando em minha direção. A garota estava vestindo uma camisa branca com as pontas amarradas na altura da barriga, um short jeans e os cabelos soltos. Lauren tinha o sorriso tão largo que formava ruguinhas no nariz da mais velha, era a cena mais adorável do mundo. Eu poderia olhar por essa garota por horas.

Provavelmente, fiquei vários minutos a admirando que nem percebi quando a mesma estava a minha frente sorrindo e conversando com as outras garotas.

- E você Camila? - Dinah me perguntou fazendo-me acordar do transe que provavelmente estava.

- Eu o que? - Disse rapidamente. Todas as meninas riram do meu nervosismo, e eu tive que controlar meus olhos para não ficar olhando somente para o sorriso lindo que Lauren tinha estampado em seu rosto.

- Pelo visto ela ainda não se deu conta da realidade também. Está até sonhando acordada - Dinah disse fazendo todas rirem, inclusive a mim. - Perguntamos se já caiu a ficha de tudo que aconteceu. É que às vezes parece que tudo é fruto da minha imaginação - Dinah falou.

- Não é só com você. - Ally respondeu - Às vezes tenho medo de acordar e saber que tudo não passou de um sonho.

- Não é mais um sonho, é a nossa realidade - Lauren disse, e eu sorri automaticamente com a resposta dela.

Depois de alguns minutos, uma mulher do programa nos acompanhou junto com outras pessoas que participariam do programa, também em grupos recém formados, para uma lancha que nos levaria até a casa dos jurados.

O caminho para a casa dos jurados, o que permitiu que nós conversássemos bastante, e nos aproximasse ainda mais. Estávamos todas bem animadas, e concordamos que precisávamos conhecer bem cada uma para ter uma boa sintonia como grupo, afinal grande parte dos grupos que disputaríamos uma vaga para próxima fase, eram formados por melhores amigos. Então cada uma contou a sua história, começando por Dinah, a mais alta, e surpreendentemente a mais nova do grupo. A mais nova morava na Califórnia em uma casa junto com 23 pessoas de sua família, ela se emocionou ao contar sobre todas as dificuldades que passava, e que almejava ganhar o programa para ajudar a sua família. Ela sabia desde pequena sabia que queria ser uma estrela e se empenhava fortemente para isso.

Normani também não era diferente dela nesse quesito, a negra que morava atualmente no Texas, contou que desde criança participava de apresentações de dança e teatro, e não via sua vida longe da arte.

Ally, a mais velha, porém mais baixinha de nós, chorava o tempo todo a cada palavra proferida. Suas lágrimas eram de alegria. Eu sorria ao ver o brilho de seus olhos ao contar o tanto que passou para finalmente estar ali. Ally cantava a algum tempo, mas não era conhecida, sua família se esforçava em apoiá-la em busca de seus sonhos.

A última a se apresentar foi Lauren, e eu estaria mentindo se não dissesse que estava ansiosa em conhecer um pouco mais sobre a garota de olhos verdes, que tanto me encantava. Fiquei surpresa ao perceber o quanto de semelhanças nós tínhamos, Lauren morava no mesmo bairro que eu em Miami. A origem de sua família também era cubana. Fomos ao mesmo show do One Direction semanas antes das audições. Estávamos no mesmo vôo em destino as audições em Greensboro, e mesmo assim nunca havíamos nos conhecido.

Ouvi Lauren rindo e olhando em minha direção, então percebi que minha boca estava aberta em surpresa por todas as coisas semelhantes entre nós.

- Eu sei, estávamos todo esse tempo tão próximas, mas a vida teve que dar todas essas voltas para finalmente nos conhecermos - Lauren disse sorrindo e eu não pude evitar de sorrir ao olhá-la.

- Você não parece tão surpresa com isso - Disse me aproximando mais a ela. As outras garotas sentaram-se um pouco mais distantes e se envolveram em alguma conversa. Lauren e eu ficamos sentadas na ponta da lancha.

- Digamos que eu sou um pouco curiosa, e talvez eu tenha escutado, escondida, sua entrevista após sua audição - Lauren disse olhando em meus olhos, eu não consegui dizer absolutamente nada - Depois disso, meu irmão disse que te conhecia de vista, já que vocês têm amigos em comum.

- Isso é realmente muito estranho - Disse olhando para o mar tentando assimilar todas essas situações - Eu não me lembro de você, e acredite... - Olhei em seus olhos clarinhos que brilhavam tão forte e me arrependi por isso. A garota me olhava tão fixamente que me deixava nervosa - S-s-se eu tivesse te visto em algum momento não esqueceria. - Tenho certeza que corei levemente. Lauren deu risada e eu poderia me acostumar com o som de seu riso facilmente. Sorri junto com ela. Na verdade eu não sabia mais o que dizer. Queria falar tantas coisas, perguntar mais sobre ela e a conhecer, mas eu não conseguia dizer nada. Parecia que todas as ideias que surgia na minha mente eram idiotas demais para ser discutidas. Então apenas fiquei em silêncio observando o mar a minha frente, usando todas as minhas forças para não ficar a olhando o tempo todo.

- Você estava certa. - Ouvi Lauren dizer ao meu lado, a olhei sem entender o que ela se referia, então ela continuou - Sobre a formação do grupo. Você percebeu desde o início qual era a intenção deles. Dei de ombros e voltei a fitar o mar.

- Não totalmente. Eu apenas imaginei que eles poderiam formar grupos, mas não fazia ideia de que poderíamos estar neles. Poderia ser só mais um não a receber. - Fechei os olhos e  abaixei a cabeça. Senti as mãos de Lauren segurar as minhas. Sorri ao lembrar de nosso momento um pouco antes da formação dos grupos  - Na verdade, você que estava certa. - Levantei a cabeça, olhei diretamente nos olhos de Lauren que estava com o cenho franzido - Você disse que ficaríamos juntas. - Ela sorriu -  Independente do que acontecesse estaríamos juntas e eu estou muito feliz que você tenha acertado isso. - Lauren apertou levemente minhas mãos entre as delas.

- Eu apenas senti. - Falou com seus olhinhos verdes brilhando, mas um pouco fechados por conta da claridade. - Ainda sinto, na verdade. Algo me diz que ficaremos juntas por muito tempo - Lauren sorriu abertamente e eu não pude deixar de sorrir junto com ela.

Após alguns minutos a lancha parou próxima a uma grande casa que ficava de frente para o mar. A casa mais parecia uma mansão de tão grande e bela que era. Todos os grupos aguardaram em frente a porta da entrada principal esperando quem seria o mentor para a categoria. As garotas e eu ficamos próximas aguardando ansiosas quem iria aparecer. Então, a porta se abriu e Simon saiu de dentro da casa. Todos começaram a gritar e a pular. Seria incrível ter Simon como nosso tutor.

Simon nos parabenizou por chegarmos até a casa dos jurados e nos informou sobre os próximos passos. Novamente a ansiedade voltou e pensei que ainda não era um fim, que teríamos muito a fazer para continuar no programa.

Depois de algumas recomendações, nós ficamos com a equipe de preparação, onde nós iríamos decidir a música que melhor encaixasse nossas vozes, faríamos as divisões para que tudo ficasse em harmonia. Foi um processo longo, exaustivo, porém divertido. As meninas mostravam uma grande vontade de fazer tudo funcionar perfeitamente, estávamos todas empenhadas em dar nosso melhor, mas nunca deixamos nos controlar pela ansiedade e pelo nervosismo que nos rondava, sempre estávamos tentando manter um clima tranquilo e seguro, onde uma sabia que poderia contar com a outra, afinal era assim que deveria ser.

Em um momento que tivemos de descanso, fomos até uma área do lado externo da casa para conversarmos. Todas estávamos ansiosas com a primeira performance, já que até o momento, nenhuma ali já havia se apresentado em grupo, portanto isso seria um grande desafio para nós.

- Essa é tipo, a performance, A performance! - Lauren disse destacando o quão importante era aquele momento para nós. Eu estava ao lado de Normani e Dinah, Lauren e Ally estavam à nossa frente. A garota dos olhos verdes começou a falar, novamente - Nós fomos colocadas em um grupo, e comparando aos outros grupos, elas são irmãs ou melhores amigos desde sempre. Fomos eliminadas individualmente, sei que foi desanimador, mas agora estamos em um grupo - Lauren falava e nós apenas concordávamos. A garota parecia estar realmente empenhada em fazer tudo isso dar certo. - Temos quatro dias para conhecermos nossas vozes.

- Nossas personalidades - Normani completou.

- Aprender a ter a química certa, porque talvez a gente nunca mais tenha uma oportunidade como essa de novo - Ally disse, e só de pensar na possibilidade de perder tudo novamente fez um calafrio tomar de conta do meu peito.

- Não diga isso de novo, dá medo! - Eu disse rapidamente. As meninas sorriram, mas sei que elas sentiam o mesmo que eu. - Apesar do pouco tempo que ficamos juntas, eu sei que mesmo que não tivéssemos em uma girlgroup, eu diria que sairíamos como amigas facilmente - Sorri ao dizer isso. Era estranho como eu poderia sentir que me apegaria a essas garotas. E eu sabia que era recíproco. Éramos como uma nova família formada.

- Exatamente! Nós somos como cinco pessoas em cinco corpos diferentes - Normani disse e todas rimos, mas logo fomos interrompidas por Simon e Marc Anthony, que auxiliaria Simon na escolha dos candidatos que passariam para próxima fase, dizendo que gostariam de falar conosco.

Simon e Marc sentaram à nossa frente. Ficamos apreensivas pelo o que viria a seguir, mas Simon logo começou a dizer o que queria. - Este é o momento que pode mudar suas vidas. Literalmente mudar as suas vidas! - Todas nós sabíamos o quanto aquelas palavras eram verdadeiras, o que fosse acontecer dali em diante iria mudar completamente nossas vidas - Eu acho que colocamos cinco pessoas muito talentosas juntas, e o que queremos é um grupo que possa atingir o mundo todo.

- E só para deixar bem claro, se uma errar todas vão para casa - Marc disse e todas nós acenamos. Tínhamos a consciência da responsabilidade que estava em nossas mãos. Após isso, os dois jurados saíram e nos deixaram novamente a sós. Precisávamos nos organizar da melhor maneira.

- Ninguém erra, todo mundo entra na hora certa! - Ally disse e todas nós concordamos.

- Se uma errar, muda todo o rumo da música - Dinah acrescentou.

- Nós não somos mais artistas individuais, somos um grupo agora! - Lauren disse, focada, e acenamos em concordância, como uma equipe que agora éramos. Nós lutamos tanto e, viemos juntas como um grupo e sei que isso é o que cada uma de nós quer fazer pro resto de nossas vidas.

- Nós vamos dar tudo o que temos e estaremos por muito tempo ainda! Juntas fazendo o que amamos. - Normani disse e eu olhei diretamente para Lauren. Nós duas sorrimos já sabendo o quanto aquilo significava para nós.

4 dias depois

Os dias se passaram rapidamente. Nós ensaiamos diversas vezes a música, dividimos as partes e fizemos as marcações para a apresentação, tudo isso juntas. Além disso, precisávamos de um nome para o grupo e gastamos boa parte do nosso tempo pensando em algum nome que representaria a todas nós. Então, escolhemos, em primeiro momento, o nome LYLAS do acrônimo de Love You Like a Sister, pois era assim que nós sentíamos e queríamos passar para o público. Eu estava surpresa como trabalhamos tão bem, era como se uma completasse a outra, e de alguma forma, era isso mesmo que acontecia. Estávamos todas empenhadas a dar o nosso melhor e fazer dessa apresentação inesquecível.

Respiramos fundo, sorrimos uma para outra, e quando uma mulher com a camisa da produção nos chamou, sabíamos que havia chegado o nosso momento, ficamos na posição que havíamos combinado. Nós sabíamos que daríamos o nosso melhor, e que nada seria impossível para nós a partir daquele instante. Caminhamos até onde nos apresentaríamos, respirei fundo, olhei para cada uma das meninas, sorri. Agora era a hora. Era a nossa hora.

 


Notas Finais


Como estão irmãzinhas?
Comentem bastante e surtem com a gente no twitter (@FicYouth ou com os users das notas inicias).


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...