História Youth - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, JR, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags Jark, Lá Vamos Nós, Markson, Primeira
Exibições 90
Palavras 3.043
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Esporte, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


CALMA, CALMA, A TIA DEMOROU? DEMOROU.
PODE XINGAR A TIA? NÃO PODE.
POR QUE? PORQUE A TIA FICOU SEM INTERNET MANOS... MINHA NET CAIU E NÃO QUERIA PEGAR MAIS ESSA PORRINHA TIVE QUE ESPERAR E AGORA QUE VOLTOU O CAP ESTÁ AQUI.


P.S: Vai ler um lemonzinho delícia nesse cap, mas não é nem o começo já avisando.
Beijos e enjoy.

Capítulo 8 - 8


Minha mãe resolveu dar uma festa para comemorar o fim do ano e a entrada dos meninos na faculdade e pela despedida de Joye. Todos estavam em casa incluindo Jackson que depois do término com Yugyeom não queria me largar mais. Estávamos todos o quintal dos fundos de casa perto da piscina, com essa festa meu pai tinha uma desculpa perfeita para usar churrasqueira. O cheirinho de carne tomava conta daquela área, eu estava morrendo de fome e começava a ver Youngjae mais suculento.

- Mark hyung, por que está me olhando assim?

- Estou com fome e você me parece delicioso. Essa coxinha suculenta.

- Aigoo, vou contar para Jackson que está querendo minha coxinha.

Nós dois rimos.

- Conversou com Jaebum ontem?

- Sim. Combinamos que quando eu terminar a escola eu vou para Nova York e por lá eu encontro uma boa universidade para mim, claro que não vai ser nenhuma Columbia mas eu vou estar com ele e estar feliz.

- É tão bom ver que estão tentando.

- Ontem eu disse para ele que fui muito bobo em esperar tanto para abrir meu coração e que agora eu não iria deixá-lo escapar. E que era melhor ele não se engraçar com ninguém na minha ausência.

- Que fofo você com ciúmes.

- Eu não sou fofo.

- É sim.

Jae se preparava para contra argumentar quando minha mãe nos chamou para comer.

- É tão bom meus meninos juntos, isso me lembra quando eram pequenos.

- Mãe por favor, sem histórias vergonhosas.

- Pode contar mãe, conta aquela vez quando Mark ficou preso nas grades de segurança do rio.

- Pelo amor de Deus mãe não faz isso comigo, não conta.

Minha mãe começou a rir do meu desespero e acabou não contando nada, mesmo que Jackson e Youngjae implorassem.

- Essa história vai comigo para o caixão.

Após o almoço ficamos perto do gramado conversado, Jackson estava encostado na cerca que separava nossas casas e eu estava entre suas pernas, ele fazia um carinho tão gostoso no meu cabelo que quase me faziam dormir.

- Mark não vai deixar sua mãe me contar o que aconteceu?

- Claro que não, aquilo foi vergonhoso ok? Se eu pudesse faria ela esquecer daquele dia.

- Não deve ter sido tão ruim assim.

- Eu te conheço Wang está querendo me fazer falar, não vai rolar.

- Por que tão espero em? Ta bom. Mudando de assunto, você fica gostosinho com pouca roupa. – Jackson apertou minha cintura me fazendo dar um pulinho e ficar todo vermelho.

- Jackson você deixa de ser abusado. Vou chamar o Joye para te bater.

- Não consegue se defender sozinho?

- Consigo. – Ergui minhas mãos em ataque. – anos de jiu-jitsu.

Fiz uns movimentos o fazendo rir.

- Isso não é jiu-jitsu nem aqui nem na Conchinchina.

- isso existe?

- Não sei.

Passamos o dia conversando e quase nos afogando na piscina. Acho que eu não tinha um dia gostoso assim a anos, ok talvez não tudo isso mas fazia tempo que eu não tinha todos os meus amigos juntos assim apenas se divertindo sem o peso das responsabilidades, pelo menos naquele momento.

 

**

 

Meus pais já haviam recolhido as coisas e estavam dentro de casa, eu e os meninos estávamos descansando na beira da piscina. Eu e Jackson nas espreguiçadeiras, Jae e Jaebum estavam sentados na borda da piscina com os pés dentro da água e Jinyoung e Joye estavam na borda da piscina também mas sem colocar os pés na água.

- É estranho não é? – Virei o rosto para olhar Jackson, suas mãos faziam um carinho gostoso nas minhas.

- O que?

- A um tempo atrás éramos nós quatro – apontei para mim, Joye, Jin e Jaebum. – Depois nós três. – Eu, Jin e Jaebum. – Ai chegou o Jae todo quietinho e amuado, sempre suspirando de amor pelo Jaebum e depois chegou você bagunçando tudo e Joye voltou e tudo parecia tão natural, como se fôssemos sempre nós, assim como sempre tivéssemos sido um grupo e agora vamos nos dissipar de novo. Mas agora eu não estou mais triste, quer dizer ainda estou, mas menos que antes afinal de contas agora eu entendi que não tem volta. Mas tudo bem, eu estou feliz agora.

- Está mesmo?

- Sim. Eu parei de ser egoísta, vai ser melhor para todos nós e também temos internet não é como se fossem morrer.

- Assim que se fala. Mark quer ir lá em casa hoje?

- Não posso, prometi para Jinyoung que o ajudaria com as malas.

- Aigoo, ele roubou meu namorado.

- Eu não sou seu namorado e ele é meu melhor amigo.

- Não é namorado, ainda.

Fiquei todo vermelho. Passamos alguns momentos perto da piscina e estava quase escuro quando Joye se prontificou a levar cada um para sua casa.

- Eu tenho que ir antes que Joye me deixe aqui.

- Ok. – Jackson me deu um selinho e foi para sua casa.

- Sabe, vocês são uns fofos juntos.

Jin estava atrás de mim com a mão em meu ombro.

- Eu estou feliz, pensei que isso nunca aconteceria comigo.

- Namorar? Por que? Você é lindo Mark.

- Porque eu sempre fiquei preso em livros e nunca saia, eu devo tudo a você se não fosse aquela festa no Jaebum eu provavelmente nunca falaria com Jackson e não estaríamos juntos agora.

- Me agradeça com dinheiro vamos logo antes que Joye nos deixe aqui.

- Nem brinca, ele é doido nesse nível.

Joye já bufava no carro entramos e fomos para Jinyoug.

 

**

 

- Aqui as fotos do apartamento.

Jin me mostrava as fotos do lugar para onde iria se mudar. O apartamento parecia espaçoso para os dois.

- É grande?

- O suficiente para nós dois. O que acha se eu levar essa calça?

- Leve tudo Jin, eles estão no inverno, lá vai estar frio. Não quero você reclamando de resfriado.

- Só não vou te responder a altura porque você tem razão.

- Te peguei hyung.

Jin odiava que eu o chamasse de hyung porque sempre disse que eu sou bem mais maduro que ele, sempre fui. Ajudei ele a terminar suas malas e logo elas estavam perto da porta.

- É não tem mais volta.

- Não tem. Amanhã a essa hora eu vou estar em Tokyo.

- Eu vou sentir sua falta. – O abracei.

- Eu sei que vai. Mando mensagem assim que eu chegar.

- É melhor mandar mesmo.

Aproveitei que estava tarde e que no dia seguinte levaria Jin para o aeroporto e dormi por lá mesmo. Na manhã seguinte estava chovendo e não era pouco, por que naquele dia? Não tinha outro dia para chover não? Quando desci para tomar café todos já estavam na mesa incluindo Jaebum.

- Jaebum? Não sabia que estava aqui.

- Eu vou hoje também, afinal de contar tenho que resolver algumas coisas lá e as aulas lá começam antes.

- Verdade.

 

**

 

“Última chamada de embargue para Tokyo”

 

Jin nos abraçou mais uma vez e partiu com Chang. Se eu disser que eu não chorei seria mentira, eu deixei algumas lágrimas caírem e as coisas só pioraram quando foi a vez de Jaebum e eu tive que consolar Jae que estava aos prantos ao meu lado. Jaebum deixou um beijo em Jae e me abraçou.

- Jae, nos vemos daqui a dois anos. Mark, boa sorte maninho.

Ele usou o mesmo apelido que usava com Jin quando éramos pequenos e eu chorei mais ainda. Observamos da sala de embarque o avião de Jaebum ir embora e Jae ainda secava os olhos do meu lado.

- Não fica assim. – Sequei seus olhos. – Daqui a pouco vocês vão estar juntos.

- Diz isso por que não foi seu namorado que foi embora.

- Mas meus melhores amigos e meu irmão foram.

- Sempre mais dramático.

Sorri e propus que fôssemos almoçar.

 

**

 

- E quando dei por mim estava com a cabeça presa na grade de segurança.

Jae ria alto fazendo o pessoal no restaurante nos olhar.

- Isso sim é uma boa história.

- Só não conta para o Jackson que eu te contei, se não ele vai ficar todo bravinho.

- Minha boca é um túmulo.

- Isso ai.

Estávamos quase saindo quando vimos o furação vindo com sua cópia anã. Quem era eu pergunto para vocês? Acertou quem falou Yugyeom e Bambam.

- Estou começando a achar que isso é perseguição.

- Vamos Jae, antes que eles nos vejam.

Nós tentamos correr, mas já era tarde e eles vinham em nossa direção.

- Você deixe Jackson em paz. – Yugyeom me apontava o dedo e Bambam olhava para Jae como se fosse bater nele, no máximo o que conseguiria seria morder um pouco do joelho dele.

- De nov o com isso?

- Eu só quero que saia de perto do que é meu.

- Ele não é seu. Vocês terminaram.

- Nós não terminamos, só demos um tempo, daqui a pouco voltamos ao que era antes.

Ri só para não socar a cara dele.

- Eu não terminei de falar, você vai sair de perto dele por bem ou por mal.

Virei em sua direção antes de sair do shopping.

- Isso é um desafio? Se for, espero que esteja pronto para perder.

Eu e Jae saímos do lugar deixando Yugyeom bufando para trás.

- Não sabia que era de brigas hyung.

- E eu não sou, mas esse menino está pedindo.

- Vai contar a Jackson?

- Acho que não preciso, posso me virar bem.

 

**

 

Ele sempre conseguia tirar a minha calma, se tem uma coisa que eu nunca consegui engolir é gente mimada e ele estava tirando toda a minha paciência. Cheguei em casa bufando e indo para meu quarto, eu precisava de um banho gelado.

Após meu banho relaxante fui ajudar Joye a arrumar as malas dele.

- Maninho se você não foi me ver eu te bato em.

- Até parece que você mora aqui do lado né?

- Faz essa forcinha. Depois da escola você vai ter dois meses de recesso.

- Eu vou ver o que eu consigo fazer com nossos pais.

- Vou torcer.

- Quer que eu vá com você amanhã no aeroporto.

- Não precisa não maninho. Você já ficou rodando hoje, pode descansar.

- Então isso é um até logo?

- Sim.

- Te vejo ano que vem?

- Sim.

Voltei ao meu quarto e me deitei eu queria dormir e esquecer as loucuras que eu tive que ouvir hoje.

 

**

 

Acordei ouvindo o barulho nas escadas, saí do quarto e Joye estava descendo com as malas, o ajudei e me despedi.

Estava tudo quieto, meu celular não estava vibrando com mensagens de Jin dizendo que sabia da maior fofoca da escola e nem de Jae dizendo o quanto Jaebum é lindo. Fiquei absorto em pensamentos e demorei a notar que a campainha estava tocando. Abri a porta só para encontrar um Wang de bermuda.

- Que foi?

- Vim te chamar para nadar.

- Eu tenho piscina em casa.

- Por que está assim comigo? O que eu te fiz em? – Deixei um beijo em seu nariz.

- Nada, é que eu gosto de te ver assim todo confuso.

Ele puxou minha cintura me beijando.

- Que maldoso.

Foi o tempo de mandar uma mensagem para minha mãe dizendo que estava com ele para ter meu corpo arrastado para o outro lado da cerca.

 

**

 

- Vamos para piscina?

- Vamos.

Jackson voltou a me arrastar, dessa vez para os fundos de sua casa, esperou que eu tirasse a camisa para se jogar comigo dentro da água.

-  Como foi levar os meninos no aeroporto? – Jackson me prendia em umas das bordas da piscina.

- Foi triste, eu fiquei chateado, e Jae não parava de chorar.

- Deve ter sido difícil para ele.

- Para todos nós afinal de contas eles também são meus amigos.

- Verdade, bom vamos falar de coisa boa. Mark Tuan eu te desafio a ganhar de mim em uma corrida aquática.

- Você tem certeza disso? Eu já fiz natação.

- Total certeza.

Saímos da piscina parando em sua borda e eu ponto de partida, Jackson contou até três e começamos a nadar. O que aconteceu foi que ele perdeu as três vezes que fizemos isso e mais uma coisinha para as notas mentais de Jackson Wang, ele não sabe perder.

 

**

 

- Vai ficar com essa cara emburrada ai até quando? - Jackson nem olhava para mim e continuava comendo em silêncio, não conseguia parar de rir. – Jackson fala comigo. Foi só um jogo para de ser bobão. – Silêncio. – Se você não fala por bem eu vou ter que te fazer falar por mal então.

Jackson estava sentado no não entre a porta e o quintal, me sentei em seu colo rodeando meus braços em seu pescoço e fazendo um carinho em seus cabelos.

- Não vai falar comigo hm...? – Mordi sua orelha o sentindo arrepiar. – Seria melhor se falasse. – Assoprei aonde tinha mordido o sentindo estremecer. – Sabe Jack... Eu estou com... É, eu estou com vontade. – Rebolei em seu colo. – E você está tão gostosinho assim com pouca roupa. – Ele rio da minha comparação ao que ele me falou no dia anterior. – Fala comigo hm? – Beijos no pescoço, suas mãos apertaram minha cintura e eu sorri contra sua pele. – Qualquer coisa Jack. – Rebolei dessa vez mais forte o vendo morder o lábio.

- Mark não faz isso.

- Ótimo falou comigo. – Saí de seu colo vendo sua cara de desespero.

- Não brinca assim comigo.

- Não estou brincando, eu queria que falasse comigo e você falou, não tem porque continuar.

- Mas...

- Eu não disse que ia transar com você eu disse que ia te fazer falar.

- Mas disse que estava com vontade.

- E eu estou – gemi – estou morrendo de vontade. Mas agora quem está nervoso sou eu.

Andei pela borda da piscina entrando no pequeno quartinho que tinha ali a intensão era trocar de roupa e ir embora, estava tarde e eu estava cansado e também daqui a pouco a mãe de Jackson chegaria e eu não queria que ela nos visse fazendo algo vergonhoso.

Assim que abri minha bermuda senti as mãos de Jackson se prendendo em meu peito fazendo nossos corpos colarem.

- Mark, você não pode me deixar assim e fugir. – Ele se esfregava em mim e eu sentia sua ereção pulsando nas minhas costas, mordi o lábio.

- O que eu posso fazer se é fraco?

- Eu fraco? – Seus dedos subiam pela minha barriga me arrepiando por todo o caminho, eles estavam gelados e com a aproximação de Jackson eu estava quente. Joguei minha cabeça para frente quando ele apertou meus mamilos e me senti entregue ao gemer arrastado. – Vamos ver quem aguenta mais.

- Você quem pediu Wang. – Peguei em seus braços e o puxei para frente fazendo seu corpo bater com força contra o meu e nossos corpos se chocarem, ele gemeu alto e eu sorri.

- Golpe baixo ficar esfregando essa sua bunda gostosa em mim.

- É o que eu tenho de melhor.

- Concordo.

Me virei olhando nos olhos dele e sorrindo antes de beijá-lo. Não importa quantas vezes eu o beijasse eu sempre sentiria a mesma sensação gostosa da primeira vez e sempre me arrepiaria nos mesmos pontos tocados por ele. Desci minha mão adentrando sua bermuda e apertando seu pênis, ele gemeu arrastado e gostoso no meu ouvido. Começou a sussurrar qualquer coisa em cantonês.

- Psiu, eu não entendo sua língua, geme na minha.

- TrocadilhoTuan?

- Ainda bem que percebeu Wang. – Voltamos a nos beijar e eu ainda deslizava minha mão em seu membro sentindo-a umedecer conforme ele ficava ainda mais excitado.

Ele mordia meu pescoço e deixava marcas que as pessoas notariam ali, com minha mão livre eu arranhava suas costas e puxava seu corpo para mais perto do meu, ele por sua vez apertava minhas bunda e movimentava meu quadril a ponto de fazermos uma fricção gostosa. Quando Jackson largou dos meus quadris e desceu os lábios até meus mamilos eu fechei os olhos com força e mordi o lábio, não daria esse gostinho a ele. Então ele desceu para meu umbigo e eu já não consegui me controlar.

- Geme Mark, sua voz gemendo é gostosa.

- Ahhh... Jack... – Rebolei roçando meu membro em sua bochecha.

- Retiro o que eu disse, VOCÊ é todo gostoso.

Jackson abriu minha bermuda e a desceu junto com a cueca que eu usava por baixo, ele começou a massagear minhas bolas e chupar minha virilha, eu estava quase escorregando pela parede.

- Jackson por favor.

- Acho que alguém implorou primeiro afinal de contas.

- Cala boca.

- Vou calar mesmo, vou ocupar ela com uma coisa melhor.

Cravei minhas unhas pequenas em seus ombros quando ele começou a me chupar, sua boca tão quente envolta de um lugar tão sensível, poderia dizer que já estava vendo estrelas. Jackson continuou me chupando até eu avisar que gozaria e mesmo assim ele continuou, engolindo todo meu gozo quando finalmente cheguei ao ápice. Invertemos as posições. Eu nunca havia chupado ninguém na minha vida mas em nenhum momento me senti mal ou incomodado fazendo isso em Jackson, parecia que com ele tudo fluía naturalmente, mesmo as coisas mais safadas e depravadas. Engoli todo o sêmen dele recebendo um beijo logo em seguida.

- Isso, meu amor, foi só o começo. – Tremi.

- Jackson para de falar isso.

- Agora ficou vermelho Tuan?

- Agora o tesão já passou. – Jackson sorriu e me levou até a porta de casa, me deu um selinho rápido e voltou para sua casa. Entrei dando oi para meus pais e dizendo que o dia havia sido bom.

Assim que cheguei ao quarto fui tomar um banho, pelo calor e por ainda estar todo sujo. Quando eu fechava os olhos eu sentia os toques dele em minha pele e me arrepiava. Deitei na cama ainda sentindo os espasmos em meu corpo. Não tinha dúvidas, Jackson é o cara para mim. De todas as formas.


Notas Finais


Até amanhã *-*

P.S: A história do rio aconteceu de verdade e é vergonhoso mesmo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...