História Yu-Gi-Oh! Zenith - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Yu-Gi-Oh!
Exibições 20
Palavras 3.982
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Seiya, o cavaleiro Constellar: Rumo à Desert Island!


Fanfic / Fanfiction Yu-Gi-Oh! Zenith - Capítulo 2 - Seiya, o cavaleiro Constellar: Rumo à Desert Island!

Naquela mesma noite, após todos retornarem  ao esconderijo; realizaram uma verdadeira festa em comemoração da vitória de Yuki. O garoto teria sido aceito de vez ao local, tendo o direito de até mesmo criarem uma cama para ele. Seria uma bem modesta, feita com os poucos materiais que ali tinha. No dia seguinte, o menino ajudava nos afazeres dali, carregava caixas de um lado para outro, porque mesmo morando em um esgoto, o lugar era tratado com muito zelo, sendo cuidado com o máximo de esforço que conseguiam.

Yuki daria uma pausa, sentado perto de uma saída de água do esgoto. Com uma caixa de entulhos em mãos, bufava de cansaço, aliviando um pouco do stress. Percebia alguém se aproximando aos poucos, teria passos fortes, como se carregasse algo pesado. Era Shizuka, que passava por  ali, também carregava uma enorme caixa de entulhos. A menina sentou-se perto dele, deixou a caixa ao lado começando um dialogo:

— Phew! – Bufou ela. Cansativo, não? Nós fazemos isso todos os dias, ir atrás de alimentos também é algo bem chato...Mas, com você aqui, as coisas melhoraram um pouco. – A menina deixaria escapar um doce sorriso, que faria Yuki prender a atenção nela. O menino a notaria melhor, vendo quão bonita era. Possuía um cabelo roxo escuro, com algumas mechas de roxo claro. Não era longo, mediano, para falar a verdade.Estaria amarrado na parte de trás da cabeça. Possuía uma pele branca, mas não muito pálida. Seus olhos eram verdes, parecidos com esmeraldas. Tinha alguns esparadrapos pelo corpo, pareciam ser marcas de um duelo.

— Sério? Parece que vocês levaram uma vida bem difícil... Fico feliz em ajudar. Mas, e esses curativos, como conseguiu eles? – Diria o menino, apontando para eles.

— I-Isso?! Bem, foi em um duelo, bleh! – Disse ela tentando descontrair, evitando o constrangimento da pergunta. Uma vez apareceu um sujeito em Anty Domino City. Ele dizia estar procurando fortes duelistas, ele enfrentava qualquer que parecia pela frente. Ele tentou desafiar meu irmão, mas vendo o resultado dos outros que ele enfrentou, não deixei isso acontecer. Duelei no lugar  dele e perdi. Ele levou meu Deck e meu Disco embora, disse que era fraca de mais, não merecia ter aquelas cartas comigo. Ele era muito assustador... E muito forte também, Hé...Uma aura estranha saia dele, parecia que iria te engolir. A única coisa que me disse foi o seu nome:” Midgard”, e logo depois disso eu apaguei. Mas sabe, isso foi há dois meses atrás , no começo eu fiquei bem machucada, mas já estou me recuperando! – Disse ela, em um tom animado, querendo demonstrar estar tudo bem.

—... Wah... Sério? Não acho que eu perderia para ele.

— Mas e você, Yuki, de onde vem? O que veio fazer aqui?

—De onde eu vim? Nem eu lembro direito... Para falar a verdade, não tenho nenhuma lembrança de quem seja meus pais, ou até mesmo qual seja minha família. Mas, eu ainda tenho alguém...Um irmão mais velho, que me adotou, quero encontra-lo. Não sei onde ele está, mas começar por Domino foi uma ótima escolha, hé hé...Mas eu de fato esperava encontrar um lugar melhor. Como a cidade ficou assim?

— Phew... – Bufou ela mais uma vez. Nem eu sei ao certo, isso foi há vinte anos atrás, nem se quer era nascida. Mas o vôvô diz que foi tudo por culpa do Balgória. Quando ele começou o Survival Carnibal não só Domino, mas todas as cidades entraram em declínio. Eu também não lembro dos meus país, apenas do meu irmão. Pelo o que o Yuji me conta, nossa família foi morta e, o pessoal do esgoto abrigou a gente. Eu tinha poucos meses na época... Mas o Odd-Inu-San me disse que esse lugar era maravilhoso antes! Essa foi a cidade natal do antigo rei dos duelos, Muto Yugi, um duelista que está em todos os livros de história! Foi a cidade sede do Momentum, embora isso tenha sido há duzentos anos, ele está desativado agora, só serve de abrigos para rebeldes...

— Êh... Entendi. Tudo que eu preciso fazer é chutar a bunda do Balgória, certo?

— C-Claro que não! – Exclamou ela, incrédula da ingenuidade do menino. Ele é muito forte e, possui um exército tão forte quanto. Você sozinho seria esmagado por ele!

— Bem, então só precisamos chamar mais gente, certo?  Hé hé, tive uma ideia. Vamos recrutar esses rebeldes!

— MAS É CLARO QUE NÃO! – Gritou ela, assustando todos próximos dali. Eles são muitos, e são muito fortes também! Eles roubaram os Decks de quase todos da cidade, derrotaram até mesmo vários soldados de Balgória!

— Esse é mais um motivo, não? Afinal, se não fossem fortes, não valeriam a pena, certo? E eles roubaram muitos Decks, podemos pegar alguns para vocês.

— Você não pode estar falando sério... Se bem que, você derrotou Maldor, não duvido que seja capaz... Mas saiba que o líder daqueles rebeldes é mais forte do que ele, não é alguém que possa ser derrotado facilmente.

— Entendo... Isso é mais um motivo para recruta-lo. Mas bem, vamos começar

***

Em frente a um gigantesco arranha-céu, local do antigo Momentum, se encontrava Yuki  e Shizuka. O garoto se encantava com o local, era uma coisa nunca antes vista. O lugar estava desgastado, mas ainda aparentava ser um local de grande tecnologia. Shizuka, por outro lado, demonstrava estar bem desconfortável, parecia não aceitar situação.

— Por que me levou junto?! – Gritou a menina.

— Ora... Como eu ia saber onde fica?

— Não me envolva nas suas ideias! Francamente... – Disse ela em um tom de choro.

— Mas bem, olha só, a porta está trancada!

— Mas é claro, esperava umas “boas-vindas”? – Disse ela em um tom sarcástico.

— Não, isso deixa mais interessante mesmo... Hé!

No subsolo daquele mesmo prédio, estavam os rebeldes. Estariam vadeando por lá, uma verdadeira gritaria, conversavam e riam em um tom muito alto, porém os escombros do subterrâneo abafava o som.  Por um instante, foram todos surpreendidos por uma enorme explosão no andar de cima, sem antes  se darem conta, o portão da entrada estaria destruído. Os membros que estavam por ali estariam ao chão, machucados, como se estivessem perdido um duelo. No centro deles estava Yuki, com seu disco ligado, após ter derrotado todos eles. Shizuka estaria às costas do garoto, refugiada, com medo da situação.

— Q-Quem é esse cara?!? O que aconteceu com todo mundo? – Exclamou um dos rebeldes presentes.

— Q-Quem se importa, idiota ?! Temos que chutar esse cara daqui!

No andar em cima de onde Yuki estava, estaria um homem em uma sala, aparentava ter seus dezoito anos. Era loiro, com um cabelo jogado para trás. Teria uma cicatriz em um formato de “X” na bochecha. Aos espantos, um dos rebeldes entraria na sala do sujeito. Estava machucado, com uma aparência completamente surrada. Falava, mas quase sem fôlego:

— S-Seiya-Aniki!!! É urgente, no andar de baixo, um car- Antes de ter sua frase terminada, outra explosão aconteceria, despencando um pedaço de escombro em sua cabeça, desmaiando-o. Da fumaça que se formaria, sairia Yuki e Shizuka. A menina tossia, brigava com o garoto, mas quase sem conseguir falar. Já ele, entraria na sala, sem se dar conta do ocorrido.

— YU-YUKI! Precisava disse tudo ? – Exclamou ela. Acho que eles já entenderam que estamos aqui!

— Ora...Estamos no território inimigo, precisamos causar um pouco!

—...Malditos!! – Disse o loiro. Estava com veias ao redor da face; elas expressavam o quanto estava furioso. Rangeu os dentes, em um tom grosso e alto direcionou palavras para eles:

— O que acham que estão fazendo com os meus homens, Ahn!? Irão pagar por isso! Eu, Sub-Chef dos  Vital Riders, Seiya, não irei perdoa-los!

— Êh...? “Sub-Chefe” ? Então, você não é o  “chefão final” ? Que pena... – Interrompeu Yuki, antes do sujeito  terminar sua frase.

— É, sim, bem... Isso não vem ao caso! Não que eu me orgulhe desse cargo... Não sei o que vocês malditos estão fazendo aqui, mas darei o último aviso para irem embora. Caso contrário, não terei piedade de vocês.

—Hé hé, tudo bem, temos coisas a fazer por aqui mesmo! Bem, os Duelos funcionam como moeda de troca, certo? Então iremos apostar.  Se ganharmos, você dará seu esconderijo para a gente e se juntará a nós. Caso eu perca... Bem,vejamos... Cortarei minhas mãos e, nunca mais tocarei em cartas novamente. – Disse ele, com um olhar sério ao rosto, demonstrava que estava ciente de suas palavras.

— Yu-Yuki!! – Disse Shizuka, espantada com as falas dele.

— Garoto, não entende? Entende contra quem está indo? O chefe dos Vital Riders não é qualquer um, ele tem o poder de dominar uma Phantom City sozinho se quiser, mesmo que vença contra mim, o que acha que pode fazer contra ele?!

— Vai saber... Pensaremos nisso depois do duelo. – Terminou a frase já ajustando seu Duel Disk. Ambos puxaram as cinco cartas.

— Não sei quem diabos você pensa que é, mas se insiste tanto...

— Duel! – Disseram eles simultaneamente. Aparentemente Yuki estava normal, sua feição não teria mudado nada, o que surpreendeu Shizuka, a aliviando um pouco. Ficou quieta, apenas observando.O Duelo começou, ambos com 4.000 de L.P. Yuki tem o primeiro movimento.

— Da minha mão, invoco Masked Dragon – Nest(Nível:4/ATK:1400/DEF:500)! Ativo seu efeito: quando esse monstro é invocado, posso invocar duas Masked Dragon-Tokens(Nível:1/ATK:0/DEF:0). Tributando uma delas, ativo o efeito do Nest. Nesse turno posso trata-lo como um Tuner. Sincronizo Masked Dragon – Nest(Nível:4) e Masked – Dragon Token(Nível:1) realizando uma Synchro Summon! Venha, Empereor Dragon – Baby Synchro(Nível:5/ ATK:2200/DEF: 2500)! Seto duas cartas e termino meu turno.

— Tsc, toda aquela conversa, para me mostrar apenas isso ?! – Resmungou Seiya. Irei te mostrar como homens de verdade jogam! Draw! Da minha mão, invoco Constellar Pollux(Nível:4/ATK:1700/DEF:600)! Ativo seu efeito. Neste turno, posso ter mais outra Normal Summon de um Constellar da minha mão. Sendo assim, invoco, Constellar Kaus(Nível:4/ATK:1800/DEF:700)! Ativo o efeito do Kaus. Até duas vezes por turno, posso escolher um Constellar que controlo e aumentar ou diminuir seu nível em dois. Aumentando em um o nível do Pollux e do Kaus, sobreponho os dois em uma Overllay Network! Venha, Exceed Summon: Constellar Pleiades!(Rank:5/ATK:2500/DEF:1500)! Ativo seu efeito: Uma vez pelo turno de qualquer jogador, desassociando um material dele(Constellar Kaus), escolho uma carta no campo para voltar à mão do dono. Escolho seu Empereor Dragon – Baby Synchro, retornando-o para o seu Extra Deck!

— Não pode ser!! – Disse Yuki, surpreendido.

— Agora, com o meu Pleiades, te ataco diretamente! – O comando foi efetuado. O monstro obedientemente executaria o ataque. Pouco antes do golpe atingir Yuki, uma luz se projetaria, protegendo o garoto.

— Mas o que diabos... – Disse Seiya, sem entender do ocorrido.

Ativo o efeito do Masked Dragon – Scale Fader(Nível:2/ATK:200/DEF:0/Tuner)! Quando recebo um ataque direto, posso invocar esse monstro especialmente da minha mão e cancelar a Battle Phase. Quando o invoco dessa maneira, posso invocar uma Masked Dragon – Token(Nível:1/ATK:0/DEF:0) ao meu campo!

— Maldito... Seto uma carta e termino o turno. – Disse Seiya, terminando sua jogada, pondo inicio ao turno de Yuki. Realizaria seu saque.

—Revelo minha carta setada, Trap Card: The Price of Token’s Mask! Escolho um monstro do meu Extra Deck que tenha Level/Rank menor ou igual a cinco e, mando-o para o cemitério, podendo invocar duas Masked Dragon – Tokens(Nível:1/ATK:0/DEF:0) ao meu campo. Mandando o Empereor Dragon – Baby Synchro do Extra ao cemitério ativo o seu efeito: tributando uma Masked Dragon – Token do campo, posso invocar essa carta do cemitério. Volte, Empereor Dragon – Baby Synchro!

— Não tão rápido! – Diria Seiya,interrompendo sua jogada. Ativo novamente o efeito do Pleiades! Desassocio outro material dele( Constellar Pollux), retornando seu Baby Synchro para o Extra novamente!

Counter Trap Card, ativar! – Diria Yuki, em um contra-ataque. The Token Payment: tributando uma Masked Dragon – Token no campo, quando um efeito de carta se ativa, posso nega-lo e destruir a carta. Portanto, seu Pleiades será destruído!

— N-Não pode ser! – Diria Seiya, sem respostas ao movimento adversário. Pleiades era destruído, levado ao cemitério.

— Sincronizo Masked Dragon – Scale Fader(Nível:2/Tuner), Empereor Dragon – Baby Synchro(Nível:5/Synchro) e Masked Dragon – Token(Nível:1),  Synchro Summon! Venha, Empereor Dragon – Emerald(Nível:8/ATK:2700/DEF:2500)! Com o Emerald te ataco diretamente, Emerald Rush! – Seiya era pego pelo golpe, por conta do sistema de dano real dos Discos, sofreria danos do golpe, ficando bastante machucado.

— Merda....!! (LP: 4000/1300) – Diria Seiya, se agonizando pela dor.

— Seto uma carta e termino meu turno. –Disse Yuki, após o termino de suas jogadas, passando a vez. Seiya ficaria parado por um tempo, em certa hesitação em seu Draw; sacou uma carta. Remontou sua postura, que se teria quebrado ao receber o golpe. Limparia a poeira que teria se levantado à suas vestes. Encarou Yuki  por um tempo; deu uma gargalhada.

— Francamente... Acha que pode derrotar o líder assim? Ele não é um cara que você possa enfrentar do jeito que está. Se quiser voltar a trás nesse Duelo não questionarei, o deixarei ir na, verdade.

— Hé, não é porque estou me segurando contra você, que você pode julgar se sou capaz ou não. Quem é esse maldito líder que tanto fala? Se o repugna tanto assim, o por que de estar do lado dele?

— Tsc, foi contra minha vontade! Esse cara apareceu na cidade enfrentando qualquer um que via pela frente feito um louco. Era tão forte que mais parecia um rolo compressor... Não demorou muito para esse monstro chegar até mim. Eu perdi para ele, acabei ficando todo surrado no final. Ele disse que tinha talento, que gostaria que eu comandasse uma pequena parte dos membros dele. Caso eu recusasse, ele tomaria meu deck de mim, igual fez com todos que derrotou. Isso para mim era fora de questão! Esse deck...Não vale menos que minha alma para mim!

— Êh... Você parece um cachorro assustado falando dele. Mas afinal, quem é ele?

— Maldito, você não iria entender... Aquele cara, ele não era normal... Dentre todos,  o dano dele é o mais forte, sua aura é tão negra que parece estar acompanhado de um demônio. Só de lembrar o nome dele já começo a tremer... Midgard, esse era o nome dele! – Yuki e Shizuka se surpreendem ao saber do nome do sujeito, criando uma verdadeira cara de espanto. No entanto, Yuki logo se recuperava do choque, dando ao seu rosto um breve sorriso. Seus olhos eram direcionados a Seiya; brilhavam em uma intensidade demonstrando a  convicção do garoto.

— Bem, isso é ótimo. Tenho mais um motivo para chutar a bunda dele agora. – Respondeu Yuki.

—... – Seiya ficou em silêncio por um momento, desacreditado nas palavras dele. Certo, se quer morrer tanto assim, vamos dar continuidade a isso. Meu turno! Da minha mão, invoco Constellar Algiedi(Nível:4/ATK:1600/DEF:1400). Ativo seu efeito: quando esse monstro é Normal Summoned, posso invocar especialmente da minha mão, um Constellar de nível 4. Venha, Constellar Acubens(Nível:4/ATK:800/DEF:2000)! Sobreponho Constellar Algiedi e Constellar Acubens criando uma Overllay Network! Venha, Exceed Summon! Apareça, Exceed Monster: Constellar Praesepe(Rank:4/ATK:2400/DEF:800)! Batalha! Ataco Empereor Dragon – Emerald com Constellar Praesepe!

— O que pensa que está fazendo ?! Meu monstro é mais forte que o seu,  ele irá destrui-lo! – Disse Yuki, indignado com movimento de Seiya.

— Ainda é muito cedo para você começar a me subestimar! Não duvide do Deck em que depositei minha alma! – Disse Seiya, em resposta ao comentário de Yuki. Ativo o efeito do Praesepe: Uma vez por turno, durante a Battle Phase de qualquer jogador, desassociando um material(Constellar Acubens) dele, um monstro Constellar atacante ganharia mais 1000 pontos de ataque (Constellar Praesepe: ATK 2400 > 3400), superando o ataque do seu monstro! Vai, Praesepe; Union Constellation!

— Hé, você tem alguns truques, então? Mas meus dragões não irão perder para isso! Da minha mão, ativo o efeito de monstro: Masked Dragon – Claw Switch! Quando um monstro com “Dragon” no nome batalha com outro monstro com ataque maior, mandando esse monstro da minha mão ao cemitério, seus ataques são trocados!(Empereor Dragon – Emerald : 2700 x Constellar Praesepe: 3400) > (Empereor Dragon – Emerald: 3400 x Constellar Praesepe: 2700)

— Maldito!! – Disse Seiya, após receber novamente o dano da batalha, tendo seu monstro mais uma vez destruído(LP:1300/700). Dessa vez os o resultado do confronto foi maior, Seiya encontrava completamente surrado. Por falta de forças foi ao chão. Com dificuldades em se levantar, pouco a pouco estava de pé novamente. Com uma voz quase falha, ele anuncia sua próxima jogada:

T-Trap Card, ativar: Exceed Reborn! Escolho um monstro Exceed(Constellar  Praesepe) em meu cemitério, invoco-o por uma invocação especial e, anexo essa carta como uma unidade Overllay. Termino minha Battle Phase, Inicio minha Main Phase II, sobreponho Praesepe em uma Overllay Network: Exceed Change;Rank Up: Venha, Exceed Monster: Constellar Ptolomy M7(Rank:6/ATK:2700/DEF:2000)! Com isso...Encerro meu turno.

— Hé hé, você é mesmo interessante! – Disse Yuki, a respeito dos movimentos de Seiya. Para conhecer um método tão avançado de invocação Exceed, você é mesmo muito bom! Em troca disso, irei te mostrar um pouco mais do meu poder. Meu turno! – Yuki terminaria sua frase realizando seu draw. Seus olhos ainda continuariam acesos, porém com o mesmo brilho de sempre, demonstrando sua continua convicção.  Trap Card, ativar: Limit Reverse! Posso escolher um monstro(Masked Dragon – Scale Fader:Nível:2/ATK:200/DEF:0/Tuner) com menos de 1000 de ATK em meu cemitério e, invoca-lo por uma invocação especial. Sincronizo Masked Dragon – Scale Fader(Nível:2/Tuner) com Empereor Dragon – Esmerald(Nível: 8/Synchro)! Venha, Dragão soberano dos cristais; Synchro Monster: Kaiser Dragon – Emerald Ruin(Nível:10/ATK:3200/DEF:3100)! Ativo seu efeito de monstro:  Quando esse monstro é invocado por Sincronia, para cada monstro utilizado para sua invocação, posso destruir uma carta no campo. Foram dois monstros, portanto ,  destruo Constellar Praesepe! E para cada carta destruída, posso invocar uma Masked Dragon – Token e, para cada Token invocada, causo 700 de dano ao meu oponente. Vá, Emerald Ruin, Emerald GreenRain!

Seiya foi pego pelo golpe, sendo bombardeado pela chuva de cristais, tendo seus LP zerados(LP:700/0000). Caído ao chão, ficaria assim, por falta de forças para se levantar. Estava completamente machucado, teria tantos arranhões ao corpo que mais parecia estar riscado. Yuki se aproximaria dele, se inclinaria à altura dos joelhos, podendo observar Seiya mais de perto.

— Ei, eu ganhei, Hé hé! – Disse Yuki, com um pleno sorriso de vitória.

— Hé, maldito...Não precisa jogar isso na minha cara. Olhe só para mim; sei muito bem que perdi! Talvez você consiga derrotar aquele cara se lutar sério...

— Claro que sim, não tenho dúvida do meu Deck! Tenho muito orgulho nele também, meus Dragões nunca me deixam na mão!

— Tsc, que seja... – Disse Seiya, em um suspiro de descanso. Shizuka observava a conversa dos dois sorrindo, parecia que teriam se tornando bons amigos.

— Bem, agora só precisamos trazer o pessoal do esgoto para cá...

— O que?!? – Disse Seiya, com uma enorme preocupação, que até lhe dera forças para levantar.

— Ué, era parte da aposta, não era? – Yuki sorriu.

— Mas...Isso... Maldição!! – Gritou Seiya.

***                                                       

Não se deu muitos minutos; o paraíso dos delinquentes, o antigo Momentum, se tornou uma verdadeira zona. Crianças corriam para todos os lados, aproveitavam o espaço que antes não tinha no esgoto. Idosas mexiam nos equipamentos, curiosas, pois tinham acabado de encontrar um mundo novo.

— Há há há! Yuki gargalhava muito; o menino tinha adorado o novo ambiente do local. Veja, está mais divertido, não está?

— Não... – Respondeu Seiya junto aos outros rebeldes.

— Certo, agora só precisamos reviver a cidade! Só precisamos fazer esse treco do Momentum voltar a funcionar, certo? As luzes voltarão, tudo voltará a andar novamente, certo? – Disse Yuki, com um certo entusiasmo.

— Não, para essa cidade é impossível voltar a viver... A fonte de energia dela foi roubada, nunca mais poderá voltar a ser o que era... – Respondeu Shizuka. A menina demonstrava  sem esperança sobre o assunto.

— Não, você está errada, Shizuka... – Disse Odd-Inu, que sairia de repente  do meio da multidão. Há muito tempo, o Key Card de Domino foi roubado por Balgória. O Key Card é o coração de uma cidade, sem ele, ela é praticamente morta. É assim que se cria uma Phantom City. Mas bem, desistam. Não são páreos para Balgória nesse momento.

— Êh, bem... Quanto a isso, acredito ser possível... – Interrompeu Seiya, prendendo a atenção de todos nele. Há um certo tempo atrás, Midgard conseguiu roubar uma das Key Cards que Balgória conquistou, se não me engano, era a de Domino.

— Certo, tudo está começando a se encaixar agora! Aonde esse maldito do Midgard está agora? – Perguntou Yuki.

— Em uma ilha distante daqui, há uma antiga academia de duelos abandonada  por lá. Midgard se alojou lá junto aos outros dois Generais.

— Generais ? – Perguntou Shizuka.

— Sim... Midgard não é o único problema. Esses dois são muito fortes, foram os poucos escolhidos por ele.

— Bem, mais importante que isso, como chegamos lá? – Perguntou Yuki.

— Bem, acredito que sem um barco seria impossível... Até mesmo com um, levaria um dia inteiro para chegar lá.

— Um barco? Onde arrumamos isso? – Perguntou Yuki, dando início a alguns minutos de silêncio. Todos estavam pensativos, procuravam encontrar alguma solução. De repente, todos são surpreendidos por um repentino grito:

— É isso!! – Gritou Shizuka. Aonde ele está... Achei, ei! Espere, Harudo! – Após a toda euforia, a menina aparece junto a outro garoto, aparentemente por volta dos 20 anos; estava sendo puxado pela gola do seu grande jaleco branco.

— O que está fazendo, Shizuka...? Tem ideia de quanta coisa nova descobri aqui? Estou em um verdadeiro oásis! – Diria Harudo, um jovem de cabelos brancos, óculos circulares, com espirais em suas lentes. Estava com diversos entulhos segurados nos braços.

— Se precisamos de um barco, é só pedir para o Harudo! Ele é um gênio, ele é tão inteligente quanto o lendário cientista Fusei Yudo! Ele consegue criar qualquer coisa!

— Um barco? Simples. Aqui tem muitos materiais, conseguiria criar um em menos de uma hora. – Terminaria a frase ajustando seu óculos à sua face; retomaria outra, se dando conta do que a garota teria dito. Mas espere, por que um barco? Não estou recebendo nada para isso...

— Ora, ora... Se você fizer um a cidade poderá ter energia novamente, sabe quantos invenções poderia criar? Consegue imaginar?

—...Quem garante que isso seria verdade? – Perguntou Harudo, já desconfiado.

— Ora, só precisa acreditar naqueles dois idiotas. – Disse Shizuka, apontando para Yuki e Seiya.

— Ei,ei, vamos com calma! Mesmo que conseguíssemos um barco, somos apenas dois. Nunca conseguiríamos derrotar os três generais! – Logo após o termino de sua frase, todos seriam surpreendidos por outro grito; os olhares se encaminhavam em direção a voz, avistando outro jovem, cabelos roxos com mexas vermelhas, possuía um  óculos retangular; era Yuji!

— Eu encontrei, não acredito, mas encontrei! – Disse ele, se encaminhando à direção de todos. Esses são os Decks que o exército de Balgória teria  roubado e, entre eles, está o meu!

— Ah, isso? São decks que roubamos do Balgória... Foi uma época difícil, precisamos de mais poder. – Respondeu Seiya.

Um brilho no olhar de Yuki ascendeu intensamente. Esse brilho todo era totalmente voltado ao Yuji. Yuki se aproxima , pondo as mãos aos ombros de Yuji, abrindo um sorriso.

— Hé hé hé... Achamos o terceiro membro! – Disse Yuki, assustando a todos com a sua afirmação. Certo, Harudo, comece a preparar nosso barco, vamos partir ainda hoje!

— O quê!?!?! – Gritou  todos.

***

O barco estaria pronto. Todos já estavam ao porto da cidade, vendo Yuki, Seiya, Yuji e Shizuka embarcarem. Todos estavam com uma cara de desânimo, como se não quisessem estar lá. Exceto Yuki, estaria com um sorriso de “orelha à orelha”, rindo sem parar.

— Por que eu tive que vir junto?! – Perguntou Shizuka, inconformada.

— Ora, você quer o seu deck de volta, ou não quer? –Respondeu Yuki.

— Eu também não concordo em ela vir... – Comentou Yuji.

— Eu espero... Chegar vivo daqui... – Disse  Seiya, em uma postura desleixada ao barco, segurando o vômito.

— Voltem em segurança seus malditos! É bom chutar a bunda deles e voltarem são e salvos! Se tiverem sucesso, essa cidade voltará a vida novamente, será nossa primeira vitória de muitas derrotas contra Balgória! – Disse,Odd-Inu.

— Pode deixar vôvô! Eu estou com eles, afinal, nada pode dar errado! – No pensamento de todos , ele era o motivo de tudo estar errado. Certo, vamos lá...Partir! – Gritou Yuki, anunciando o início do rumo à Desert Island: Duel Academy.



Fim do capítulo.


Notas Finais


A partir do capítulo três e quatro a história tomará outro rumo, se tornará mais séria, o desenrolar do enredo vai enfim fluir. Acredito que esses mesmos capítulos serão um poucos extensos, pelo menos em comparação ao um e o dois, portanto esperem; acredito que trarei um ótimo trabalho daqui pra frente.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...