História Zona de amizade - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Readaptação
Visualizações 41
Palavras 4.444
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - Poke her face


 

Toda quinta-feira é noite de pôquer com os caras. Assim que eu enviei a Tina uma mensagem perguntando às garotas sobre a noite do pôquer, sabia que estava fodido. Os caras iam me acorrentar pelas bolas. Mas estou tão desesperado para ver Tina novamente, que estou tomando qualquer desculpa para fazê-lo. Quando eu disse aos caras, era um pouco assim:

— Então, todo mundo pronto para noite de pôquer? - Pergunto ansioso.

Kentin se dá conta, estreita os olhos para mim. — Acho que sim. Ghost não tinha certeza se conseguiria, pode ser que seja apenas você, eu e o Trick.

Fico empolgado um pouco demais e respondo: — Oh, tudo bem. Poderíamos ter alguns jogadores adicionais para tomar seu lugar.

Kentin pergunta: — E quem seriam esses novos jogadores? Eu tento ser discreto.

— Tina, Íris, Ambre, e Violet.

Kentin me olha por um minuto inteiro antes de cair na risada, se endireita.

— Você está brincando comigo, certo?

Eu preciso adoçar o negócio.

— Tina vai trazer dois tipos diferentes de cupcakes. Ela disse que apenas os faz para ocasiões especiais para que você saiba o quão bom eles serão.

As sobrancelhas de Kentin sobem, ele acaricia o queixo.

- Tudo bem, eu estou bem com isso, você sabe que Trick estará bem com isto. - Ele me dá um sorriso cruel. — Mas você tem que falar com o Ghost.

Eu preferia cagar em minhas mãos e aplaudir!

Ghost não gosta de mudanças em sua rotina. Ligo para ele e no segundo em que o cumprimento sei que estou fodido por estar muito alegre. Sempre digo Olá, mas hoje eu disse Olá irmão, como você está hoje? Ele sabe que algo está acontecendo, por isso, apenas solto. Ele ri e zomba de mim.

- Você é um idiota dominado. Eu reclamo.

- Eu não posso ser um idiota dominado. Nem se quer tenho uma mulher para me dominar!

Tome isso, Ghost! Oh, espera...

Ele ri. — Isso é ainda pior, cara.

Foda-me, sim é.

Estou surpreso quando Ghost concorda sem reclamar.

Eu o adocei com os cupcakes de Tina, no entanto.

Disse a Tina para falar paras garotas virem por volta das oito e meia. Sem jantar antes; nós pedimos pizza e comemos enquanto jogamos.

 

São oito horas, Kentin já pediu as pizzas para que estejam aqui lá pelas nove horas, e eu estou armando nossa mesa de pôquer maior com capacidade para dez pessoas.

Durante os próximos vinte minutos os caras, Íris Violet, e Ambre apareceram.

Quando a campainha toca, me levanto e vou para porta antes que qualquer pessoa possa ir.

 

 

TINA

Uau, isso está certo?

 

Eu verifico o endereço novamente. Com certeza estou no lugar certo, e é grande. Realmente grande. Tão grande que tem estas enormes e luxuosas portas de ferro fundido. Alguém já teve a gentileza de deixá-las abertas. Estou distraída pelo largo caminho da entrada e vejo o carro da Ambre ali. Caberiam ao menos dez carros na frente da casa. E isso não inclui a entrada de automóveis.

Eu pedi para Amby pegar Violet e Iris porque eu tinha que terminar os cupcakes e pensei que chegaria atrasada. Melhor apenas uma pessoa do que duas atrasadas.

Eu estaciono meu velho Dung Beetle, pego meus recipientes de delícias e sigo para porta da frente. É uma elegante porta dupla de madeira. Está lindamente esculpida nas bordas. Meu pai apreciaria esta porta. Eu toco a campainha e o som de sinos suaves ressoa ao fundo.

 

Deus, inclusive a campainha é agradável. Nota mental; mudar as pilhas no sensor da Safira.

A porta se abre e Cass sorri.

— Ei, eu estava começando a pensar que você não viria.

Ele fica bem em jeans, camiseta branca de mangas compridas e tênis.

Eu sorrio de volta. Eu sigo em frente e dou-lhe um abraço desajeitado devido aos recipientes com as delícias preciosas.

- Eu não lhe deixaria esperando, Cass.

Ele pega os recipientes das minhas mãos. — Bem. Seria péssimo se você fizesse.

Agora que ele segura os recipientes, eu coloco meus braços ao redor da sua cintura e aperto, olho para cima e sorrio.

- Nunca.

Seu rosto muda. Eu nunca vi essa cara antes nele. É quase... luxúria? Não tenho certeza.

Ele limpa a garganta, se endireita e levanta os recipientes.

- Vamos levar esses bebês para dentro.

Ele se afasta e me deixa entrar. Estamos em um pequeno corredor. E é incrível.

Ambas as paredes do corredor são preenchidas com fotos emolduradas. Nada ordenado, ou arrumado, ou tudo em uma linha. É como uma colagem. Parece que tudo foi jogado lá de

 

forma aleatória, entretanto, se encaixam com perfeição. Fotos de seu pai, mãe, irmão e irmãs, Ghost e Trick, comendo juntos, brincando, informal, formal, velhas e novas. Ceecee tem sua própria seção da parede para si mesma. A foto no final faz meu coração doer. Kentin está segurando um bebê. O bebê tem tubos saindo de seu corpo minúsculo em todos os extremos. Kentin parece devastado, olhando para o bebê com um amor feroz. Como se ele fosse fazer qualquer coisa para proteger ou morrer tentando. Meus olhos ficam nublados e minha garganta fecha.

Eu não tinha percebido que Cass estava atrás de mim até que ele fala.

— Ceecee depois de sua primeira cirurgia. Apenas deram vinte por cento de chance. Kentin a segurou até que as enfermeiras tiveram que afastá-lo dela. Nunca deixou o hospital, não por um mês inteiro. Mamãe trouxe-lhe comida, eu levei roupas. Ele dormiu em uma cadeira durante um mês.

Ele respira profundamente, franzindo a testa e continua suavemente. — Quando Ceecee chorava, Kentin chorava. Todos os médicos e enfermeiros nos conheciam pessoalmente. Mamãe fazia bolos para todos eles às sextas-feiras. Quando deram o sinal verde para Cricket voltar para casa, os trouxe para viver comigo para ajudar e manter um olho em Kentin. Ele não estava bem. Eu contratei uma enfermeira e o levei para trabalhar.

 

Mamãe cuidou de Ceecee até que tinha cinco anos. - Sua voz era constante, mas embargada. — Nós amamos esse anjinho mais do que qualquer coisa. Ela é o nosso milagre.

Meu coração se rompe por meus novos amigos.

Desvio o olhar e limpo as lágrimas que não havia me dado conta que derramei. Cass aperta meu braço e continua a cruzar o corredor. Eu posso escutar as vozes dos caras e das meninas, rindo e conversando.

Quando nós caminhamos para área principal, estou perplexa. Sua casa não é nada do que eu esperava. Deixe-me dizer-lhe o que eu estava esperando. Estava pensando ver cores escuras, móveis básicos escuros, e absolutamente nenhum calor.

Quão equivocada eu estava?

Muito. Esta casa só pode ter sido decorada por uma mulher. Ou várias mulheres. Estou supondo que sua mãe e irmãs tiveram um papel na decoração e mobiliário desta casa. É impressionante.

A sala em que entramos é enorme e de plano aberto39. As

paredes são de um suave tom de pêssego. O teto é de um branco brilhante e muito alto. Há spot de luz em todo o lugar. Todos os móveis são de madeira, fora os sofás. Eles são três, de couro macio, castanho claro e de três lugares cada, colocados em um semicírculo em torno da grande TV LCD que está colocada na parede à direita. Há uma grande mesa de centro quadrada no meio desses sofás; parece de mogno.

O lado esquerdo da sala tem uma grande mesa de jantar e belas cadeiras esculpidas à mão, também de mogno. Os caras colocaram uma mesa de pôquer no meio da sala, com cartas e fichas dispostas. No canto superior esquerdo da parte de trás da sala tem uma área fechada que eu acho que é a cozinha porque há bancos para sentar em um balcão. Há prateleiras para livros, uma cristaleira chinesa, e um armário de DVD estrategicamente colocado ao redor da sala. É de tirar o fôlego.

— Eu amo a sua casa. - Digo com admiração. Cass sorri. — Obrigado. Nós gostamos também.

E me leva à zona fechada no canto esquerdo que é realmente a cozinha.

No caminho, cumprimento todos e beijo Kentin na bochecha. Eu o admiro e a sua capacidade de ser tão feliz independente do infortúnio que teve.

Cass pega bandejas para bolo e monto meus cupcakes especiais nelas. Então eu levo as bandejas para mesa de jantar.

Eu nem sequer fiz nada e já estou me divertindo.

Pare de ser uma tonta.

 

 

CASS

 

Tina parece maravilhosa em jeans apertados, um suéter, e sandálias. Seu cabelo foi colocado em um daqueles nós bem confusos no alto de sua cabeça. Seus lábios têm brilho.

Eu quero lamber este brilho e descobrir que sabor é.

Eu não sei o que ela está fazendo comigo! A mulher deve ter magia.

Tina acabada de colocar os cupcakes na mesa de jantar quando Ghost chega e pega um. Ela coloca a mão para pará- lo.

— Não, Ghost, querido, o seu está aqui. — Diz ela, apontando para outra bandeja de cupcakes.

Ghost estreita os olhos para ela e pergunta: — Por que estes são os meus? Você cuspiu ou alguma merda assim?

Tina parece chocada que ele ache isso, mas responde: — Hum, não. Você disse que preferia manteiga de amendoim crocante assim que eu lhe fiz o seu próprio lote.

Ghost fica atordoado, suas sobrancelhas levantaram e sua boca cai aberta. Ele ajeita sua expressão e pergunta baixinho.

- Você fez estes especiais?

Tina parece desconfortável e um pouco ruborizada. Ela arruma as coisas sobre a mesa, que não precisam ser arrumadas.

- Ah... - Ela encolhe os ombros e olha para o chão. — Você tem que comer, certo?

 

Ela caminha de volta para cozinha deixando um surpreso Ghost olhando para o seu lote pessoal de cupcakes.

Kentin caminha por trás dele e o repreende. — Você é um idiota. Eu aposto que você nem sequer gosta de manteiga de amendoim crocante.

Ghost responde em voz baixa ainda franzindo a testa. — Não, eu gosto muito.

Kentin nota a expressão confusa de Ghost e sorri com entendimento.

Ghost pega um cupcake. — Então, ela é realmente muito legal, não?

Kentin sorri ainda mais.

- Yep. — Ele fala dando ênfase no p. Ghost sacode a cabeça.

— Merda.

 

TINA

 

 

Eu me escondi na cozinha por tempo suficiente. Endireito minhas costas e me movimento para sair da cozinha quando Ceecee entra. Deus, mas essa menina é bonita. Ela olha para mim e sorri com os dentes tortos.

- Oi Tina!

Sorrindo, eu respondo: — Olá Ceecee. Como está, meu anjo?

Ela levanta o olhar pensativa. — Estou bem.

Bem? Somente bem?

Eu não gosto disso. As crianças devem ser felizes. Ao menos deveriam ser felizes.

Caminho até ela, acariciando seu rosto. — Tudo bem mesmo?

Ela suspira. — Sim, eu acho.

Eu posso ver que ela realmente não quer falar sobre isso.

Há hesitação escrita por todo seu rosto doce.

— Bem, se você quiser falar comigo sobre qualquer coisa,

Eu digo enquanto caminho de volta para minha bolsa, pego papel e um lápis e começo a escrever, — Aqui está o meu número de telefone.

Ela olha para o papel com espanto, os olhos arregalados.

- Posso chamá-la a qualquer momento?

— A qualquer hora. Se você sentir que precisa falar com alguém ou quer algum conselho vou estar disponível neste número, docinho.

Seu rosto muda de surpresa a felicidade e sorri.

- Obrigado Tina. - Dobra o papel e o coloca em seu bolso.

Nós duas nos movemos para fora da cozinha para descobrir que a pizza já chegou. Consigo um prato para Ceecee, levando-o para ela e beijando-a na testa.

Mia teria cinco anos se estivesse viva.

Eu não posso parar a dor agarrando meu coração. Penso nela todos os dias e me pergunto o que seria da minha vida se ela estivesse aqui. É um ponto discutível. Ela não está aqui. Eu sinto a falta dela, no entanto.

Kentin diz a Ceecee que se prepare para ir dormir e ela faz o seu caminho por um corredor no canto superior direito da sala. Eu quero ver o resto da casa já estou planejando escapulir mais tarde e explorar.

Eu sinto alguém atrás de mim. Um braço se move através da parte superior do meu peito e me puxa de volta para um corpo rígido. Eu olho para cima e Cass está me olhando com apreensão.

Meus olhos se abrem e pergunto: — O quê?

Ele balança a cabeça e descansa a bochecha na minha cabeça.

- Não sei, você só parecia triste por um minuto. Eu pensei que talvez você estivesse pensando em Ceecee. Você parecia que precisava de um abraço.

Viro-me para olha-lo e abraço forte sua cintura.

- Eu sempre preciso de um abraço. Obrigado.

Ele fica em silêncio por um longo momento. — Pêssegos.

Pêssegos. O quê?

Ele se inclina para baixo perto do meu pescoço, coloca seu nariz sob meu ouvido e sinto seus lábios no meu pescoço.

— Você cheira a pêssegos.

Oh.

Tenho borboletas no meu estômago e o aperto mais forte, e sinto algo duro na parte de cima do meu quadril. Calor espalha-se através da minha barriga.

Oh, meu senhor. Isso é uma...? Ele tem uma...?

O pensamento de Cass ficando duro por causa do meu perfume faz minhas pernas tremerem e meu núcleo se umedecer. Seus lábios ainda estão no meu pescoço e diz em voz baixa: — Porra, você cheira bem, Tina. Bem o suficiente para comer.

Ele belisca meu pescoço com seus dentes, eu tremo e quase gemo. Eu relaxo o aperto sobre ele, viro meus olhos semicerrados para ele, com minha voz rouca respondo:

— Talvez você deveria tentar comer um cupcake em vez disso. Tenho certeza que eles tem um gosto melhor do que eu.

Cass fecha os olhos, parecendo magoado. — Eu não acho que qualquer coisa tem um sabor melhor do que o seu.

Ele se vira e vai embora.

O que acabou de acontecer?

 

CASS

Kentin coloca Ceecee na cama e liga o monitor de bebê que mantemos no console da lareira. Seu quarto é o último o final do corredor, um pouco longe, por isso, se ela chama em voz alta não podemos ouvir a menos que o monitor esteja ligado.

 

Funciona bem, desta maneira não temos que ficar quietos para ela dormir.

Eu ainda estou dolorosamente duro.

Eu quero Tina na minha cama. Não só para o sexo. Eu quero fazer tudo que você faz com as pessoas que te importam. Eu quero beijar e saborear cada centímetro de seu corpo perfeito. Eu quero abraçá-la enquanto ela dorme. Quero protegê-la de todo mal do mundo. Eu quero que ela precise de mim. Mas nós somos amigos. E amigos não fazem coisas assim.

Você tem que sair disso.

Sim, eu tenho que fazer. Tina me pediu para ser seu amigo e é isso que eu vou ser. Se eu não posso tê-la em minha cama, eu vou tê-la de qualquer maneira que puder.

Eu não sei como explicar isso sem soar como um maricas. Eu nunca me senti desta forma por uma mulher antes. Ela faz o meu dia mais brilhante. Eu sou mais feliz quando estou com ela. Eu nunca fui bom com isso, mas eu quero dar-lhe minha afeição. Ela é minha pequena tola. Encanta-me ver que ela leva seu coração na mão. E dá a todos que conhece um pequeno pedaço do seu grande coração.

Eu sinto meu corpo relaxar.

Graças a Deus.

Seria uma merda se eu passasse a noite toda duro.

 

Todos nós sentamos à mesa de pôquer, comendo e bebendo, então é hora de jogar.

Tina olha em volta da mesa e sorri.

— Então, como se joga?

Oh, merda.

Somente Tina viria a uma noite de pôquer sem saber como jogar pôquer.

 

TINA

Cass passa uma hora tentando me ensinar a jogar pôquer. Tudo isto soa um pouco como "esta carta é blá e você a usa para blá e blá. Então você blá e blá-blá-blá e isto é pôquer!’’.

Deixe-me dizer-lhe, não é tão simples.

Eu desisto com um beicinho e convenço as meninas a jogar Uno comigo na mesa de jantar.

Depois de três partidas comigo ganhando, Iris toma o maço de cartas e os joga no ar. As cartas voam em todas as direções, Iris não é de forma nenhuma uma boa perdedora. Violet, Ambre e eu começamos a rir de todo o seu drama; Iris faz beicinho como uma garotinha.

Nós voltamos para mesa de pôquer com os meninos, que são barulhentos e violentos. Eles provocam-se mutuamente, riem em voz alta e ficam animados quando eles ganham uma mão. Eles são tão divertidos de estar ao redor.

 

Trick comeu seis dos meus biscoitos especiais e atualmente está devorando o sétimo. Ele se inclina para mim, beijando minha bochecha com um descuidado beijo de chocolate.

- O que tem nestes cupcakes, garota? São celestiais.

Eu limpo meu rosto e rio. — Ecaaaaa Trick! Bem, os cupcakes de veludo vermelho têm um molho de chocolate no meio e os cupcakes de chocolate cremoso tem um recheio de manteiga de amendoim no meio.

Seus olhos rolam de felicidade; ele se inclina e coloca seus lábios na minha bochecha.

- Fuja comigo.

Eu rio do seu teatro. Cass pega a minha mão na sua, me puxa para ele. — Sinto muito Trick, mas ela já havia me prometido.

Trick olha para ele com raiva. — Você sempre fica com a garota. Deixe um pouco para nós, camarada.

Cass sorri. — Nunca.

Ele me puxa de lado no seu colo e sem pensar eu coloco meus braços ao redor de seu pescoço e me acomodo, colocando meu rosto no lado de seu queixo. Eu amo abraçar este homem. Ele é meu ursinho de pelúcia.

Eu posso sentir todo mundo olhando para nós, mas não poderia me importar menos. Estou muito confortável e não pretendo mover-me.

 

As meninas assistem aos outros caras jogarem esta rodada e os incentivam. Cass jogava suas cartas e, em seguida, acariciava minhas costas. Todos nós estamos tendo um tempo maravilhoso.

— Papai? - A voz é um pouco distorcida e vem do monitor bebê. Kentin vai levantar-se, mas coloco uma mão em seu braço e digo: — Eu vou.

Ele olha atônito com a minha oferta. — Hum, ok, se você tem certeza. Ela normalmente está com sede então leve um copo de água. É o último quarto no corredor.

Eu sorrio, vou para cozinha pegar um copo de água e me dirijo para o quarto de Ceecee.

Ela mostra um pequeno sorriso quando me vê entrar em seu quarto. Eu mantenho a luz apagada, mas deixo a porta aberta ligeiramente para ter alguma iluminação e sento ao lado dela na cama.

Quem diria, ela está com sede.

Sentando-se, bebe a metade do copo e o coloca sobre o criado-mudo. Abaixo minha cabeça até a dela, colocando meus lábios em sua testa.

— Melhor, querida?

Ela me abraça e sussurra: — Sim, obrigado Tina. Boa noite.

 

Eu a cubro e regresso para os outros. Kentin olha para mim com uma sobrancelha levantada; sorrio de uma maneira que lhe diz que ele estava certo.

Eu me aproximo dele, beijo sua cabeça. — Você é tão sortudo.

Ele estende a mão e aperta meu ombro.

Oh, eu sei. - Ele ri. — Ela me diz todos os dias.

Há algum dia que você leve Ceecee para o The White Rabbit? - Pergunto.

— Todos os sábados, babe, mesmo que ela fique entediada como o inferno lá. Eu a deixo levar seus jogos, no entanto. - Um plano começa a se formar na minha cabeça.

Pergunto de maneira casual: — A que horas vocês chegam?

Ele me olha com os olhos entrecerrados.

- A partir das nove, por quê?

Eu tento ser o mais displicente que posso.

- Só perguntando, querido. - E volto a sentar-me.

Os caras estão tão entretidos com o jogo, que eles não percebem quando faço sinal paras garotas me seguirem. Todas estão dando desculpas para esticar as pernas ou tomar uma bebida.

Nós caminhamos para o corredor o mais discretamente possível.

Tempo para explorar este castelo.

 

O longo corredor tem quatro portas de cada lado e uma no final, que é o quarto da Ceecee. São nove aposentos no total! Esta é uma pequena mansão.

As duas primeiras portas de cada lado são quartos. Nós não exploramos estes porque isso seria rude. No entanto, eu realmente queria.

Abrimos a segunda porta do lado esquerdo do salão e engasgamos quando entramos. É um pequeno estúdio!

Há um piano de cauda no centro da sala. Isso é tudo.

Nada mais.

Eu começo a saltar para cima e para baixo e enviar um olhar suplicante a Iris. Ela revira os olhos, mas concorda.

— Viva!

Tentamos encontrar o interruptor de luz, mas não conseguimos então Ambre vai até as cortinas e as empurra. Somos imediatamente banhadas pela luz da lua.

Iris se senta ao piano, os dedos entrelaçados e os estica. Ela diz: — Estou um pouco enferrujada. - Nos olha e pergunta: — O que querem ouvir?

Violet responde imediatamente, "Amazing Grace".

Iris sorri: — Grande escolha, querida. E logo cantamos.

 

CASS

 

As meninas desapareceram há pouco tempo atrás. Levanto-me e silencio os caras. Há uma música fraca de piano ao fundo.

Todos nós olhamos ao redor confusos. Vou ao corredor e escuto as garotas cantando ao piano.

Faço sinais para eles e nos dirigimos à porta. Estamos parados do lado de fora assistindo. Elas estão terminando Amazing Grace. Ninguém tocava o piano desde que meu pai morreu. Era seu e eu estou feliz em vê-lo em uso novamente. Isto me traz boas memórias do meu pai.

Iris termina.

Isso foi incrível. Eu não tenho tocado em um longo tempo, então eu sinto muito se estava um pouco fora.

Logo escutamos Ambre.

Você pode tocar ‘Poker face’? Uma confusa Tina fala:

Espera, pensei que ‘Poker her Face’ era uma insinuação sexual.

Ingênua total.

Violet ri: — Como quando você pensou que as palavras ‘Can’t fight the moonlight’ eram ‘Pardon Me The Starlight, Starlight’?

Ambre está histérica.

- Ou quando você pensou que ‘Hooked On A Feeling’ era ‘Hooked On The Ceiling’?

Tina está segurando seu abdômen de tanto rir. Ainda rindo diz:

- Sim, eu não gosto quando estou cantando uma canção e o artista erra a letra.

Todas as meninas riem dela. Estou feliz de que ela pode rir de si mesma.

Ainda rindo Iris pergunta: — Algum pedido?

As meninas ficaram em silêncio pensando sobre o que escolher. Em seguida, Tina diz: — Impossible.

Eu posso ver uma careta triste no rosto de Iris. Ela balança a cabeça lentamente dizendo não.

Tina toca seu braço e suaviza o tom de voz.

- Por favor?

Iris não parece feliz, mas concorda.

- Qual versão? Shontelle ou James Arthur? Tina responde: — James Arthur.

Iris concorda e toca piano. A melodia suave soa e Tina começa a cantar.

I remember years ago, Eu me lembro de anos atrás, someone told me i should take, alguém me disse que eu deveria ter, caution when it comes to love, i did… cuidado quando se trata de amor, eu tive...

 

Tina tem uma voz bonita. Ela domina a música.

 

 

And now, when all is done, there is nothing to say, E agora, quando tudo está feito, não há nada a dizer, you have gone and so effortlessly, você se foi e tão sem esforço, you have won, you can go ahead, tell them, você ganhou, você pode ir em frente, diga a eles

Tell them all i know now Diga a eles tudo o que sei agora,

Shout it from the roof tops, Write it on the sky line, grite isso de cima dos telhados, escreva isso no horizonte, All we had is gone now, Tell them i was happy, Tudo que nós tínhamos se foi agora, Diga a eles que eu era feliz, And my heart is broken, All my scars are open, E meu coração está partido, Todas as minhas cicatrizes estão abertas,

Tell them what i hoped would be, Diga a eles o que eu espera ser,

Impossible... Impossível...

 

 

 

 

Ela soa como se estivesse sofrendo. Quero ir e abraçá-la, mas quero escutá-la contar sua história. Ela não está apenas cantando as palavras. Isto é uma mensagem. Ela sente as palavras.

 

Falling out of love is hard, Cair fora do amor é difícil, Falling for betrayal is worse,

Cair fora do amor por traição é pior, Broken trust and broken hearts, I know…

Confiança quebrada e corações partidos, eu sei...

 

 

Meu peito se aperta com raiva. Maldição, Tina foi ferida. Seriamente.

 

And now, when all is done, there is nothing to say, E agora, quando tudo se foi, não há nada a dizer, And if you're done with embarrassing me,

E se você terminou de me envergonhar, On your own you can go ahead, Tell them, você pode ir em frente sozinha, diga a eles,

Tell them all I know now, Shout it from the roof tops,

Diga a eles tudo o que eu sei agora, Grite isso de cima dos telhados,

Write it on the sky line, All we had is gone now

Escreva isso no horizonte, Tudo o que nós tínhamos se foi agora, Tell them i was happy, And my heart is broken,

Diga a eles que eu era feliz, E que meu coração está partido, All my scars are open, Tell them what I hoped would be, todas as minhas cicatrizes estão abertas, Diga a eles o que eu esperava ser,

impossible... impossível...

 

Ambre discretamente limpa uma lágrima de seu rosto. Violet tem suas mãos cobrindo a sua boca e seus ombros tremem com soluços silenciosos. Sentem tudo que Tina sente. A ideia de alguém ferindo a Tina tão profundamente faz meu estômago se revolver com raiva. Eu faria qualquer coisa para fazê-la se sentir melhor.

 

I remember years ago, Someone told me I should take

Eu me lembro de anos atrás, Alguém me disse que eu deveria ter Caution when it comes to love, I did…

Cuidado quando se trata de amor, eu tive...

 

 

A voz de Tina enquanto canta é estável. Seus olhos estão fechados. Os lábios da Íris tremem enquanto toca o piano...

 

Impossible... Impossível...

 

A canção termina e Tina abaixa a cabeça. Seus ombros tremem e ela está chorando. Com a voz quebrada, diz: — Droga, eu o odeio tanto.

Eu quero matar o filho da puta que a machucou. Eu nunca ouvi Tina maldizer assim. Ela foi ferida profundamente e eu não sei o que fazer com esta informação. Acho que terei que ser paciente e esperar até que ela me conte. Faço sinais aos caras para nos afastarmos da porta. Voltamos para mesa e seguimos nosso jogo de pôquer.

Kentin brinca com suas cartas, os olhos postos sobre a mesa. Ele murmura:

— Eu não gosto disso.

Eu também não, irmão.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...