História Zootopia - Casos de uma dupla animal! - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
Tags Judy, Judy Hopps, Mistério, Nicholas Wilde, Nick, Zootopia
Exibições 98
Palavras 2.604
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Capitulo quentinho... e como... saindo de madrugada. Espero que gostem bastante pois esse capitulo em particular me deu bastante trabalho kkkkk

Capítulo 11 - Não me abandone


Fanfic / Fanfiction Zootopia - Casos de uma dupla animal! - Capítulo 11 - Não me abandone

Judy

 

- Largue sua arma - Disse Mathew - Ou diga adeus ao seu amigo!  

Fiquei com muito medo naquela hora, ver a arma apontada para nick era mais torturante que a dor de tomar um tiro. 

Fiquei olhando fixamente para os olhos de nick que imploravam para que eu não fizesse isso. "Se largar ele te mata" Era o que os olhos dele me diziam. 

Cedi ao medo, cedi ao medo de perder meu amigo, morrer seria menos doloroso que viver sem aquela raposa burra!  Abaixei minha arma e a joguei de lado. 

- Ja soltei a arma, agora deixe ele ir - Disse desesperada - Por favor...

- Coelha idiota - Disse ele apontando a arma para mim - Achou mesmo que eu iria deixar vocês dois escaparem? 

Nick me olhou fixamente e logo em seguida movimentou os olhos para a esquerda repetidamente. 

Quando ele destravou a arma para atirar em mim, pulei para a esquerda e Nick por sua vez pulou batendo de cabeça no queixo de Mathew, jogando-o para a direita.

A arma foi disparada e o tiro varou uma das janelas estilhaçando todo o vidro. 
 

Nick conseguiu escapar do abraço do lobo, que por sua vez tentava mirar a arma em nick novamente. Em um golpe rapido, meu parceiro conseguiu chutar a arma do lobo para longe enquanto eu corria para pegar a minha. 

Mathew socou o queixo de Nick, jogando-o para trás e logo em seguida colidindo contra a parede. 

Nick levantou e tentou acertar o lobo com um soco, mas ele foi facilmente desviado por Mathew que agarrou seu braço e o jogou em algumas caixas de papelão. 

Peguei minha arma tranquilizante e tentei atirar no lobo, mas ele percebeu e jogou um pequeno vaso em mim, me fazendo derrubar a arma. 

Cai para trás com o impacto do vaso, por sorte ele não se partiu ou me cortou. Pulei em cima de Mathew e comecei a soca-lo no nariz, mas logo ele me pegou com seus dois braços e me jogou contra a parede. 

- "Esse lobo é pior que aquele rinoceronte do treino" - Pensei. 

Nick se levantou e percebeu que Mathew estava tentando recuperar a arma, pegou um dos dardos tranquilizantes e correu em direção ao grande lobo negro. 

Usando a parede como base, tomei impulso e consegui alcançar a arma antes de Mathew que pula em cima de mim e tenta tira-la de mim a todo o como se sua vida dependesse disso. E de certa forma dependia! 

Usei todas as minhas forças para evitar que ele conseguisse recuperar a arma. 

Mathew agarrou a arma com suas mãos, puxou e puxou cada vez mais forte. 

Com todas as nossas mãos entrelaçadas a arma, eu e ele brigamos pela posse daquele mortífero pedaço de metal. 

Nick tentou se aproximar mas foi afastado por um poderoso chute do lobo, sendo jogado contra uma parede e batendo sua cabeça.

Eu senti que estava perdendo a disputa então coloquei minhas pernas contra a parede e comecei a fazer força para tentar empurrar Mathew com toda minha força. 

Nick recobrou a consciência, correu até onde eu e Mathew lutavamos e pulou sobre o lobo enfiando o dardo com toda sua força nas costas do lobo que em um espasmo de dor apertou suas mãos com toda  força. 

Ouço a arma ser disparada.

O som ecoa pela sala enquanto vejo Mathew caindo desacordado no chão, sento um pouco, olho para cima e dou um suspiro de alivio e nick vem me ajudar. 

Ele passa o braço em minha cintura e me ajuda a levantar.

- Esta bem cenourinha? - Perguntou ele. 

- Estou bem - Digo - Só com um pouco de frio...

- Frio? - Perguntou ele sem entender - Estamos na praça Sa...

Nick olha para suas mãos, estavam cheias de sangue... Meu sangue. 

- Nick... eu... 

Não tive forças para completar a frase, tudo fica muito frio e aos poucos perco a consiencia.

 A ultima coisa de que consigo me lembrar de ter ouvido foram os gritos desesperados de nick.

- Cenourinha, não faz isso comigo - Disse ele aos prantos - Não me abandona... Fica comigo Cenourinha... Judy... JUDY.

Apago.

--

 Acordo com uma forte luz sobre meus olhos, olho ao redor enquanto meus olhos voltavam a focar. 

Eu estava em um quarto todo branco, ao meu lado um suporte de soro com duas bolsas vazias e duas ainda cheias. Ouço algumas vozes ao meu redor, a maioria eu nem conhecia. 

- Senhor Wilde ela esta ... 
 

Apago antes de ouvir o resto da frase. 

Acordo novamente e agora apenas havia uma bolsa de soro meio cheia. 

- Como se sente cenourinha? - Disse nick passando a mão em minha cabeça. 

- Eu estou bem - Disse abrindo o maior sorriso que minha condição permitia - O... o que aconteceu? 

- Durante a briga contra Mathew Longfang, o lobo que estávamos caçando você acabou sendo atingida por um disparo da pistola dele. 

- Acho que consigo me lembrar disso - Disse me esforçando um pouco - E o que aconteceu com o suspeito? 

- Pegamos ele - Disse ele com um sorriso tranquilo - Depois que ele caiu desacordado eu dei mais uma dose do sedativo pra ele, não estava nem ai se isso teria consequencias mas por sorte ele apenas ficou desacordado por mais tempo. 

Nick tomou folego e continuou a me explicar o que aconteceu. 

- Chamei reforços para levar ele para a delegacia mas antes havia chamado uma ambulancia pra te buscar.

 Ele respirou fundo, parecia que estava tentando evitar ser muito emocional, voltou a contar o que estava acontecendo.

-  O... o chefe bogo em pessoa foi buscar o lobo, jogou-o na traseira de sua viatura e depois ficou esperando comigo a ambulancia que por sorte não demorou nada.  

Tenho certeza que o vi virar para o lado para enxugar uma lagrima.

- Os medicos te trouxeram para esse hospital e cuidaram de você, por sorte a bala atravessou então foi bem facil costurar o que havia sido rompido - Disse ele antes de tomar outra pausa - Que bom que vocês coelhos são tão macios!  

Ignorei o fato de que isso seria ofensivo para um coelho pois percebi que não era momento para essas minhas bobeiras. 

Nick me abraçou forte, um abraço caloroso e aliviado, foi o melhor abraço que ele ja me deu. 

- Eu senti medo Judy - Disse ele chamando me pelo nome - O que eu eu faria se perdesse você? 

Retribui o abraço, confortando a ele e a mim mesma, abracei-o com todo meu coração. 

- Raposa carente - Disse.

- Coelha Suicida - Respondeu ele recuperando sua personalidade. 
 

Desfizemos o abraço e por fim ele voltou a se sentar em sua cadeira. 

- E a quanto tempo estou aqui? - Perguntei - Você conseguiu fechar o caso? 

- Sim, consegui fechar o caso! - Respondeu ele - No interrogatorio ele confessou ter cometido o atentado a vida do casal, logo em seguida foi levado a julgamento e condenado a decadas de prisão. 

- Isso é muito bom!- Disse a ele feliz - Mas a quanto tempo estou aqui no hospital? 

Nick apontou para o calendario antes de responder

- Você dormiu por quase duas semanas. 

- Quase duas semanas? - Fiquei chocada. 

- Sim, você recebeu sedativos fortes para ajudar na sua recuperação. 

A porta se abriu e um medico tatu entrou na sala. 

- Bom dia senhorita Hopps - Disse ele sorrindo - Como se sente?
 

- Muito bem, obrigada - Respondo - Mas se me permite a pergunta, sabe quando vou poder ir para casa? 

- Na verdade acho que amanha cedo ja será liberada - Disse ele - Já quanto sua volta ao trabalho, ja disse ao seu chefe que precisa passar pelo menos uma semana em repouso.

- E repouso ela terá - Disse chefe Bogo ao entrar na sala.

- Chefe, que boa surpresa - Digo animada.

- Vejo que se sente bem Oficial Hopps - Disse ele sorrindo por um segundo - Mas não to nem ai, o medico disse uma semana então vou lhe dar uma semana e não quero ouvir reclamações. 

- Sim senhor - Digo conformada.

- Não precisa ficar desanimada, irei deixar você aos cuidados do oficial Wilde, ele recebera o trabalho de lhe fazer companhia nessa semana de repouso. 

- Esta me dando folga tambem senhor? 

- Quem falou em folga Wilde, seu trabalho sera garantir que a oficial Hopps repouse corretamente. 

- Sim senhor -Disse ele batendo continencia. 

-Agora vou embora, e você vem comigo Wilde - Disse Bogo - A oficial Hopps ainda tem muitas visitas esperando do lado de fora! 

- Mas senhor eu... 

Nick não conseguiu terminar a frase antes de ser interrompido por bogo.

- Não to nem ai. 

Enquanto bogo puxava Nick, meus pais entraram na sala, ambos com os olhos marejados a ponto de chorar. 

- Mãe, Pai - Disse enquanto abria os braços para abraça-los. 

-  Judy - Disseram os dois muito emocionados ao me ver.

Ambos começaram a chorar muito enquanto me abraçavam, consigo até imaginar o quão preocupados eles devem ter ficado quando receberam a noticia.  

- Ei ei eu to bem - Disse tentando acalma-los. 

- Sabemos que sim querida - Disseram - Mas estamos tão felizes...

- Tudo bem... Tudo bem - Disse enquanto os acalmava - Meu parceiro me salvou... Agora eu que devo uma para ele.

Nick me olhou com um olhar malandro, que logo foi quebrado quando meu pai se aproximou dele com um olhar bem serio. 

- Você é o parceiro da minha filha? - Meu pai o perguntou em um tom muito serio. 

- Sim senhor - Disse nick o mais formal que consegui ser.

Meu pai estendeu a mão para Nick que aceitou e apertou sua mão. Logo em seguida meu pai o puxou com força para perto e lhe deu um abraço.

- Obrigado... - Disse meu pai com lagrimas nos olhos - Obrigado por salvar a nossa Judy.

- Não ha de que senhor...

Gil - Disse meu pai. 

- Senhor Gil - Disse nick - Pode ter certeza que se eu pudesse... se eu pudesse eu teria levado aquele tiro no lugar dela! 

Corei imediatamente com aquelas palavras. 

Nick sorriu e continuou a falar. 

- Sua filha é minha melhor amiga... Minha unica amiga. E eu farei de tudo que estiver em meu poder para protege-la sempre! 

- Obrigado Nicholas... Quero dizer... Oficial Wilde, muito obrigado mesmo, ficamos muito felizes em saber que nossa filha querida tem um amigo que se importa tanto com ela - Disse minha mãe ao se aproximar de Nick. 

- Vou deixa-los a sós - Disse Nick finalmente indo em bora com Bogo.

O medico se despediu, fechou a porta e me deixou a sós com meus pais.

Peguei um copo de agua que estava do lado da mesa e comecei a tomar.

- Então Judy... - Disse minha mãe - Esse é seu namorado? 

Cuspi toda agua que estava em minha boca ao ouvir minha mãe me perguntar isso.

- O oque? 

Meu rosto começou a pegar fogo, toda a vontade que tinha naquele momento era de bater a cabeça na parede e apagar, de tanta vergonha. 

- Na... não precisa ficar com medo filha - Continuou minha mãe - Eu e seu pai não temos mais preconceitos contra raposas e não iremos discriminar você por escolher um relacionamento hibrido...

- Aaaah acho que meus ferimentos estão se abrindo - Disse enquanto fazia minha tão "Perfeita" Atuação. Comecei a apertar o botão para chamar o medico repetidas vezes e com muita pressa.

- Ca... calma minha filha, iremos ir buscar o medico, tente ficar calma - Disseram os dois finalmente me deixando sozinha no quarto. 

Parei de fingir, me ajeitei na cama e coloquei o travesseiro sobre o rosto. 

- O que aqueles dois tem na cabeça... - Disse baixinho - Eu e Nick nunca seriamos namorados, somos amigos... Sim, somos só bons amigos! 

" Só bons amigos", Pensei enquanto fechava os olhos e tentava voltar a descansar.
--

Durante a a manhã do dia seguinte recebi auta do hospital e junto a nick fui me despedir de meus pais na estação de trem. 

- Obrigado por virem me visitar - Disse a eles - Mesmo que sobre aquelas circunstancias. 

- Agora é você que tem que ir nos visitar nas tocas - Disse meu pai - Claro, depois que você estiver melhor e... 

- Pode até trazer o Nick com você - Minha mãe completou a frase - Aposto que seus 275 irmãos e irmãs vão amar conhecer seu parceiro! 

Eu e nick nos entreolhamos por alguns instantes. Pude jurar que nick corou por alguns segundos. 

- Cla... claro - Disse forçando um riso - Vamos combinar, mas antes temos que ajudar o DPZ com as pilhas de casos que estão pendentes (menti). 

- Tome cuidado coelhota - Disse meu pai antes de me abraçar. 

- Vou tomar - Disse a ele - Prometo. 

Abracei meus pais uma ultima vez e nos despedimos deles. 

Eles logo foram para a fila e entraram no trem enfim partindo de volta para nossa terra, para as docas. 

Nick me ajudou a caminhar até a viatura, ele estava quase me pegando no colo para que eu não me esforçasse demais. 

- Tem certeza que não quer que eu te carregue? - Perguntou nick.

- Ja é a decima vez que você me pergunta isso nick - Disse sem segurar a risada.

- Eu só nao quero ver você se esforçar demais - Disse ele com aquele olhar malicioso. 

Cedi a insistencia dele e segurei em seu pescoço para que ele me pegasse no colo. 

Ele me levantou com delicadeza e cuidado dignos de um artista que carregava cuidadosamente uma peça de valor inestimavel. Em seu rosto um leve riso malicioso. 

- Por que está rindo? - Perguntei. 

- Por que venci! - Disse nick - É bom saber que você perde na insistencia! 

- O que esta insinuando nick?- Olhei para ele com uma expressão aborrecida. 

- Nada - Disse ele rindo - Nada demais. 

Nick me colocou cuidadosamente no banco do carro e me ajudou a colocar o cinto. Entrou na viatura que o chefe bogo havia deixado conosco essa semana para casos de emergencia e coisas do tipo. Ligou o carro e dirigiu de volta para nosso predio. 

--

 - Lar doce lar - Disse ao entrar em casa.

Nick me ajudou a sentar no sofá e me trouxe uma garrafinha de agua. 

- Aqui cenourinha, o medico disse que você precisa tomar muita agua essa semana. ele disse que ajuda a renovar o sangue ou algo do tipo. 

- Obrigada Nick .

Ele se sentou no sofá e ligou a televisão. 

- Nunca tinha percebido como seu sofá é confortavel - Disse ele em um tom debochado.

- Pois é, dizem que tenho bom gosto para moveis - Digo me vangloriando um pouco. 

- Ainda bem que tem - Disse nick rindo - Por que esse sofá vai ser minha cama essa semana! 

- Do que você esta falando nick? - Pergunto surpresa. 

- O que você acha cenourinha? - Disse ele com um olhar malicioso - Chefe bogo me deu a missão de cuidade de você e é isso que vou fazer... então vou dormir na sua casa essa semana! 

- Você está de brincadeira né? - Perguntei 

- Aaaah sera que eu estou de brincadeira? - Disse nick com seu tom debochado - Não, não estou! 


Notas Finais


" Eu senti medo Judy" ... Esse momento foi o mais Kawaii da cena!

Espero que tenham gostado, fazer a sequencia inicial foi algo que me deixou bem preocupado pois assim como Nick, tive medo. Mas meu medo nao era de perder alguem, e sim não cosneguir transmitir para a cena toda o clima que imaginei, e pessoalmente não sei se consegui kkkkkk.

Mas como sempre digo, estou ansioso para saber tudo que acharam desse capitulo!

Eu não consegui cumprir o que disse sobre trazer 3 capitulos dentro das 24 horas mas me esforcei e consegui postar durante a madrugada kkkk Enfim, um grande abraço para todos vocês que sempre me motivam a continuar postando.
Se eu ainda estou escrevendo é graças a energia positiva que você compatilham comigo.

Nos vemos nos comentarios.

Ps: ja comecei a ler livros sobre desenvolvimento de cenas e dialogo, tudo isso para melhorar sempre a qualidade do conteudo que entrego para vocês.

Ps2 :RGD, cade a terceira temporada? ta todo mundo esperando kkkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...