História Zootopia - Casos de uma dupla animal! - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
Tags Judy, Judy Hopps, Mistério, Nicholas Wilde, Nick, Zootopia
Exibições 87
Palavras 2.479
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capitulo Povoooo .
Meu deus nem parece que comecei a escrever semana passada e ja estamos quase com mil visualizações, voces não tem ideia de quão feliz eu estou!

Boa leitura a todos vocês!

Capítulo 15 - Interrogatorio


Fanfic / Fanfiction Zootopia - Casos de uma dupla animal! - Capítulo 15 - Interrogatorio


Judy 


- E se eu me recusar? 


Mathew não parecia estar disposto a cooperar conosco. Ele se inclinou na cadeira juntou os braços e apoiou os cotovelos na mesa. 

- Por quê se recusaria? - Perguntei - Ja temos provas os suficiente para ligar o assassinato do casal de zebras a 2 outros casos de assassinato que aconteceram essa semana! 

- Mesmo se eu resolver contar, o tempo da pena que tenho de cumprir não vai diminuir, então não tenho nada a perder, já vocês... Vocês precisam saber o que eu sei, isso me deixa no lado mais pesado da balança. 

Ele nos olhava desafiadoramente, parecia saber exatamente que precisavamos muito das informações que ele poderia nos dar. 

Infelizmente eu não tinha argumentos para convence-lo a nos falar o que sabia. 

Por outro lado Nick me deu uma cotovelada no braço e se virou para Mathew. 

- Escuta bem aqui Lobo mau, se você acha que não tem nada a perder esta enganado! - Nick disse enquanto coçava o pescoço - Realmente não podemos reduzir seu tempo de pena... mas temos como aumenta-la. 

- E como pretendem fazer isso? - Ele disse aparentando estar confiante. 

- Acusando você de crimes ainda não avaliados em seu julgamento - Disse Nick - Por exemplo... Formação de quadrilha, participação em crime organizado e omissão de testemunho! 

- Vocês nã...

- Espera ai... não terminei - Disse nick interrompendo a frase de Mathew - Com todas essas acusações você pode ter sua pena dobrada ou ate triplicada, quem sabe... 

Nick sorriu para mim com seu olhar malandro e voltou a questionar o prisioneiro. 

- Bom, se você se julga inocente das acusações deve estar bem tranquilo por agora... Mas se sabe que tera sua pena dobrada se descobrirmos sua participação nesse esquema você ja sabe o que lhe aguarda não é mesmo? - Nick sorriu enquanto preparava-se para finalizar o lobo - Agora, se eu estivesse no seu lugar, com certeza acharia melhor abrir o bico agora e colaborar do que apodrecer mais 40 ou 60 anos nessa prisão! 

O grande lobo negro havia sido quebrado pelo argumento de Nick. Mas ainda sim aparentava recusar-se a falar. 

Nick fez que não com a cabeça e se levantou. 

- Tenha uma otima estadia senhor Longfang, vamos embora Cenou...

- Espera - Disse Mathew jogando seu corpo sobre a mesa e segurando a mão de Nick. 

Os dois tigres agiram rapido e jogaram o lobo contra a parede. 

- Espera ai oficiais - Nick pediu - Quero ouvir o que ele ia dizer! 

Nós tres nos sentamos novamente. Um dos oficiais saiu da sala e voltou com algumas canecas de café. 

Nick pegou uma, experimentou e fez uma careta ao sentir o gosto super amargo do café. 

- Decidiu colaborar? - Perguntei curiosa. 

- Si...sim, faço qualquer coisa pra não ficar nesse lugar mais do que o necessário - Afirmou Longfang.

- Somos todos ouvidos - Dissemos em coro. 

Mathew encostou suas costas na cadeira, esfregou seu rosto com as mãos algemadas e por fim começou a falar. 

- Eu não sei nada sobre outros integrantes ou coisa do tipo - Ele disse nos olhando nos olhos - Eu só era pago pra fazer algumas coisas. 

- Que coisas - Perguntei - E quem pagava? 

- Não sei quem era o contratante - Admitiu - Um dia chegou uma carta no meu apartamento com um bolo de dinheiro junto ao envelope.

Esperamos ele continuar a falar. 

- Na carta estava escrito o seguinte " Se quiser mais dinheiro, vá até o centro da praça sahara exatamente ao meio dia e olhe dentro da lixeira manchada de branco", nem preciso dizer que fiquei louco pelo dinheiro e fui na hora exata. 

Ele coçou o queixo como se estivesse tentando se lembrar dos detalhes. 

- Chegando lá, encontrei um pequeno envelope contendo fotos das duas zebras e com elas outro bilhete, "Preciso que você cuide deles para mim" e na parte de trás havia um horario e local escritos "11:00 am na tundralandia" 

"11 da manha", comecei a memorizar todas as datas e horarios que ele dizia. 

- Mas eu não sabia como ou onde deveria fazer - Disse ele - Mas durante a tarde chegou em minha casa uma enorme quantia em dinheiro, mas dessa vez não veio acompanhada apenas de um bilhete. 

- Veio a arma do crime - Completei - Uma faca curva! 

Ele me olhou com surpresa  respirou fundo.

- Sim, eu havia recebido uma encomenda de assassinato, o alvo era o mesmo casal de zebras do envelope anterior! - Ele confirmou - Tambem dizia onde eles estariam, mas não era tudo! 

- E o que mais estava escrito no bilhete? - Nick o indagou. 

- Estava falando para não matar de uma vez e sim para que eu...

- Deixasse eles para morrer lentamente! - Falei.

- Novamente esta certa oficial - Disse ele com uma expressão de duvida. 

- Como você pode aceitar fazer algo tão sujo? Matar um casal de Zebras inocentes... - Eu estava realmente incomodada com a tranqulidade com a qual ele falava sobre seu crime. 

- Eu precisava de dinheiro, tinha dividas por toda a zootopia, dividas com pessoas perigosas! - O lobo respondeu - Nessas horas não importa o que é certo ou errado, eu fiz o que fiz porque precisei! 

Eu estava pasma com o quão psicopata aquele lobo aparentava ser, por um segundo a minha vontade foi de pular sobre ele e soca-lo até não aguentar mais. 

Nick pousou o braço em meu ombro e o apertou, eu pude ver em seus olhos que ele tambem queria esganar aquele lobo mas estava dando tudo de si para se controlar. 

Acalmei meus nervos e continuamos o interrogatorio. 

Nick tomou a dianteira antes que eu pudesse fazer outra pergunta.

- E como ele saberia que você fez o serviço corretamente? - Perguntou Nick. 

- No bilhete estava escrito que ele estaria de vigiando pessoalmente! - Mathew respondeu.

- E que hora do dia você os atacou? - Perguntamos. 

- Exatamente no horario especificado no bilhete - Disse ele -  Foi as 11:00 da manha de um domingo, na tundralandia. 

- Esse domingo por acaso foi quando teve um show interrompido por uma manifestação de animais? - Perguntou Nick. 

- Esse mesmo, o casal estava participando de uma manifestação quando eu os chamei para dentro de um beco e os ataquei - Ele mecheu no maxilar - Até hoje sinto o coice daquela zebra! 

- E as vitimas não estavam drogadas? - Perguntei.

- Não pareciam estar! - Ele exclamou - Depois disso os policiais começaram a investigar e eu me tranquei em casa e tudo aconteceu! 

Ele ja parecia ter ficado impaciente com as perguntas, seus braços já balançavam um pouco e sua expressão facial não era das melhores.

- E o que você fez com as cartas? - Perguntamos. 

Ele nos olhou com um olhar de deboche, quase não acreditando que não sabíamos a resposta.

- Eu as queimei - Respondeu - Já contei tudo o que sabia, posso voltar para a minha cela? 

- Claro, foi de grande ajuda senhor Longfang, nos veremos daqui a 20 anos! - Disse Nick colocando seus oculos de Sol.

--

Saimos da penitenciaria e começamos a descer as escadas em direção ao estacionamento. 

Nossa viatura estava parada proxima a uma pequena mureta que dividia as vagas como se fossem blocos. 

Nick parou por um instante e soltou um grito de raiva que me fez pular para trás. 

- Ei Nick, pra que isso? - Perguntei assustada.

- Eu quase esganei aquele lobo maldito enquanto ele contava sobre como matou as Zebras - Disse Nick enfurecido. 

- Eu sei, tambem estava me segurando para não pular pra cima dele e soca-lo até eu desmaiar de cansaço. 

- Um dia esse lobo me paga pelo que ele fez com você cenourinha... um dia ele...
 

Percebi que Nick estava estressado demais com aquela situação, nunca havia o visto tão agressivo. 

Segurei seu braço e o puxei para perto de mim. 

- Nick... - Chamei sua atenção - O que aconteceu ja aconteceu, eu estou aqui, estou viva e estou com você.

- Eu sei cenourinha eu sei - Disse ele se sentando se na mureta - Mas você não faz ideia de como eu sofri naqueles dias que você ficou em coma! 

As palavras dele fizeram meu coração apertar. Eu imaginava como ele devia ter sofrido. 

O medico me disse que ele havia vindo todos os dias, passando varias noites sem pregar o olho, apenas me esperando acordar. 

Nick estava cabisbaixo, acariciei seu rosto com uma das mãos tentando anima-lo. Ele segurou minha mão e a tirou de seu rosto, mas não como se estivesse a afastando, ele estava me trazendo para perto dele. 

- Nick... - Falei sem conseguir terminar a frase.

Ele me olhava com aqueles lindos olhos verdes, os mesmos olhos que uma vez me fizeram cerder aos meus impulsos, os mesmos olhos pelos quais eu havia me apaixonado.  

- Não sabe o quanto  você é importante para mim - Ele disse - Você não faz ideia! 

Ele tocou meu rosto e começou a se aproximar mais. 

Eu estava novamente em transe, o toque dele me fez esquecer tudo que estava a minha volta. 

Senti minhas pernas tremerem, meu coração começou a bater forte e conforme ele se aproximava, meus olhos iam se fechando. 

-Cenourinha, eu... 

Nick fechou os olhos, nossos rostos se atraiam e conforme chegavam perto um do outro, tudo parecia sumir, o mundo parecia perder a importancia. 

- Nick... - Fechei meus olhos e esperei o que quer que fosse acontecer acontecesse, nesse momento meus medos e incertezas não recebiam minha atenção, nesse momento eles não eram nada!  

E quando eu ja conseguia sentir sua respiração leve proxima a meu rosto, eu sabia que nossos labios iriam se tocar. Mas pela primeira vez eu... eu estava pronta. 

Antes que nossos labios pudessem finalmente se tocar, o celular de Nick tocou, fazendo-o se afastar de meu rosto rapidamente. 

Ele atendeu a chamada e levou o celular até sua orelha, quase derrubando o mesmo de tanto que suas mãos tremiam. 

- A... A, alou - Disse Nick gaguejando muito. 

Enquanto Nick se afastava, todas as minhas duvidas e medos que eu estava controlando voltaram a tona, meu rosto ardeu em chamas e eu me virei na hora evitando olhar para Nick. 

- Si... Sim chefe bogo - Disse Nick - Sim... ja estamos indo para a delegacia.  

Ele desligou o telefone e o guardou no bolso. 

- E... e então? - Perguntei ainda evitando olhar para ele. 

- O chefe nos quer na delegacia, ele disse que tem coisas para nos falar sobre os assassinatos que estamos investigando. 

- Entendi... 

Nick me olhou e me direcionou um sorriso malicioso. 

- Achei que você tinha que aquilo não ia acontecer mais - Ele disse rindo.

- E... e não vai - Insisti - Foi um deslize, só isso... É... é que eu estou no cio denovo e você fica fazendo essas brincadeiras irritantes (Menti).

- Sei... 

- Podemos ir logo? - Apressei ele. 

- Claro, claro... - Ele respondeu - Maldito seja chefe bogo! 

Soquei o ombro dele de leve e entramos no carro. 

" Essa raposa...", Pensei. 

Dei um leve riso e acelerei. 

--

Chegamos até a delegacia e fomos informados que  chefe ja nos esperava em sua sala. 

Subimos as escadas e entramos sem muita cerimonia.

- Chegamos - Dissemos em coro. 

- Entrem logo, tenho muito o que falar com vocês!  - O chefe não estava muito satisfeito. 

Entramos, sentamos e esperamos ele se pronunciar. 

- Fizemos as comparações necessarias nos cadaveres - Disse Bogo - Entre as semelhanças averiguadas a causa da morte é a mais parecida, sempre facadas não letais mas em grande quantidade. 

- E os exames de sangue senhor? - Perguntei. 

- Nesses dois casos mais recentes, a droga foi encontrada no sistema sanguineo, mas na mais antiga não havia nada - Bogo respondeu. 

- Então o uso da droga é algo que começou a ser posto em pratica recentemente - Disse Nick. 

- Durante nossa ultima ligação você disse que suspeitava de algo muito maior do que simples assassinatos - Indagou bogo - O que tem a dizer sobre isso.

- Fomos até a penitenciaria Zoocatrás 1 e conversamos com o detento Mathew Longfang - Disse a ele. 

- E conseguiram extrair algo dele? - Perguntou bogo. 

- Sim senhor - Dissemos.
 

- Confirmamos a existencia de um mandante dos crimes, e mais do que isso, acreditamos que ele seja o verdadeiro responsavel por todos os assassinatos que estão acontecendo - Disse Nick. 

- E tem suspeitas de quem seja? - O chefe perguntou. 

- Ainda não senhor, mas acreditamos que possa ser alguem que esteja envolvido com as manifestações - Completo. 

- O que leva vocês a pensar isso? - Disse Bogo demonstrando curiosidade. 

- Todos os crimes aconteceram durante as manifestações - Digo - É mais facil cometer crimes no meio de toda aquela bagunça! Sem falar que os criminosos esperam por suas vitimas la dentro! 

- Resumindo, eles sabem quem participa das manifestações, e sabem onde encontra-los! - Disse Nick. 

- Nós gravamos a conversa que tivemos com o detento, certo Nick? - Perguntei.

- O que você acha? - Ele disse tirando a caneta do bolso. 

Nós 3 ouvimos o interrogatorio vezes seguidas, sempre analisando cada informação que Longfang soltava. Chefe Bogo anotava cada data, horario e local que era citado com muita atenção. 

E após ouvir pela sexta vez seguida finalmente voltamos a conversar.

- Não ha duvidas de que algo errado esta acontecendo entre os manifestantes - Disse bogo coçando a cabeça  - Hopps e Wilde, procurem a pessoa que comanda as manifestações e interroguem ele! 

- Sim senhor. 

--

Ja eram quase 5 da tarde quando saimos da delegacia, apenas mais uma hora para nosso turno acabar. 

Saimos novamente da delegacia, pegamos nossa viatura e fomos até a savana central. Já haviam avisos de que animais estavam se reunindo para as manifestações diarias e nós estavamos esperando que seu Lider aparecesse. 

Não demorou antes que o carro de som chegasse. 

Eu e nick ligamos o carro fomos em direção ao carro de som parando bem em frente ao local onde a manifestação estava começando. 

Saimos do carro e fomos até o carro de som. 

- Com licença oficiais - Disse Oliver descendo do carro - Poderiam retirar o carro de vocês do caminho? 

Nick foi até ele andando a passos curtos, ficou em frente ao mestiço e fez sinal para que o mesmo parasse. 

- Com todo prazer iremos sair da frente - Disse Nick - Mas apenas depois que você aceitar se sentar conosco e tomar um café enquanto conversamos um pouco. 


Notas Finais


Poxa chefe Bogo :(

Enfim galerinha do meu kokoro, espero que gostem desse capitulo!

Estamos na reta final e cada capitulo a partir de agora é de extrema importancia!

Como sempre digo estarei louco para ler todos os seus comentarios, opiniões e criticas! E sempre que possivel estarei conversando com vocês sobre o capitulo!

Vejo vocês nos comentarios Povo lindo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...