Jornal ♥ Unnamed ♥


Por: ~











Nome Completo

Katarine Mary Freeman


Apelido

Kat — não há um motivo especial ou uma história de como surgiu, mas quem começou a chamá-la assim foi seu irmão. Depois, os mais próximos podem chamá-la desta forma também, como família e amigos.


Idade

Está próxima dos 17.


Data de Nascimento

20 de Agosto.




Katarine é uma garota bonita e não tem medo de admitir. Abençoada pela genética com rosto e corpo bem feitos, ela é cheia de amor próprio e ama se cuidar, embora não seja amostrada.



Tem um rostinho que muitas vezes é comparado ao de uma boneca de porcelana, muitas vezes dando-lhe uma perspectiva ingênua e angelical. Possui olhos castanhos mel e uma pele amorenada, bem tratada. Seu maxilar levemente marcado assume o formato oval, de forma que combina perfeitamente com as outras partes de sua face.

O nariz é fino, um pouco empinado e mediano em tamanho; nem grande nem pequeno demais.
Suas maçãs do rosto são saltadas, bem definidas, principalmente quando sorri. Os lábios não são carnudos, mas bem desenhados, assim como as sobrancelhas, deixando um toque especial em sua expressão quando ergue uma delas.




Seus cabelos são, provavelmente, a parte que mais gosta em si. Castanhos com leves mechas loiras, vistas mais à luz do sol. A fibra é naturalmente lisa, mas às vezes eles estão bem cacheados ou um tanto ondulados, pois ela gosta de dar babyliss. Este é crescido até, mais ou menos, um nível abaixo de seus seios medianos, perto da cinturinha fina de Barbie Girl.



Apesar de meio magrela, em seu corpo há curvas convidativas, sendo ele no formato "pera": o quadril é mais alargado que os ombros, formando um belo molde por se encaixar bem com a cintura.
As pernas são finas mas com coxas torneadas, os braços normais.
Basicamente, é magra e alta. Em seus 51kg e 1,72 de altura, tudo é bem delineado e proporcional.




Nina Dobrev




No meio de tantos rótulos que uma adolescente pode escolher ou simplesmente ser, Katarine não escolhe nenhum, ou, pelo menos, é um pouco de todos. Não há muito com defini-la.

Gosta de pensar que é feita de estações, mesmo que a que mais fique presente seja o outono: a estação que se situa entre o verão e o inverno; o meio termo. Seu outono é a mistura de uma leve brisa com o frio. A leve brisa é a sua felicidade e a parte que diz “é a vida” e continua, e o frio é todas as vezes que contem a tristeza e tem vontade de sumir.

Mesmo que seja confiável e não evite a simpatia ainda que com desconhecidos, ninguém de fora sabe muito sobre Katarine, porque ela realmente mostra ser simples quando na verdade emana um tipo de mistério.

Não é do tipo de pessoa que esconde somente os sentimentos ruins — mesmo que esses sejam com mais frequência —, mas sim quase todos. Mas não é algo intencional, não. Ser indecifrável é uma coisa que apenas pertence à sua essência, e, de vez em quando, por mais que pensem que a conhecem bem, ainda podem acabar se surpreendendo.



Rindo ela pode estar triste ou com raiva, e com aquela cara desinteressada ela pode estar sorrindo por dentro. Contudo, ela não é exatamente um enigma, só não gosta de se revelar muito e sempre acaba se adaptando a qualquer situação.
Possui um coração de ouro, mesmo que nem todos possam entrar nele. É amante do bom humor e dos sorrisinhos irônicos, que, mesmo que pareçam provocativos, não passam disso.

Pense naquele bad boy frio e sarcástico e encontre uma versão feminina chamada Katarine, mas tire a parte de ser rebelde e os trajes trevosos. Kat segue as regras, e, mesmo que já tenha feito o contrário, se veste e age como uma garota porque é o que ela gosta. Só é reservada, mas pronta para ajudar e aconselhar quando preciso, basta procurá-la.
Às vezes evita a sinceridade porque pode prejudicar muito, e pode ser “falsa” aguentando a companhia de pessoas que a desagrada, mas é uma pessoa boa.

Não ache que é difícil começar uma conversa com ela, Kat só prefere não se infiltrar totalmente no que os outros façam e ela não, o que pode levá-la a ser um tanto perseguida. Mas, por hora, nada de ruim acontece. Possui muita autoconfiança e gosta de ser reconhecida no que se esforça e admirada, mas não vive a criar modos para que isso aconteça, apenas aproveita quando acontecem naturalmente.



Afora, comente o erro de julgar à primeira vista. Se alguém tratá-la ruim de primeira, por exemplo, ela não procurará mais aquela pessoa, pois acabará achando que será dessa forma sempre — coisa que pode ser um engano —, porém, ela pode desfazer suas teorias se perceber o contrário.

Ela não tem persistência suficiente. Se algo que tenta fazer for frustrado, ela pode demorar a tentar de novo ou até desistir, mas na realidade tudo o que mais precisa são um “empurrãozinho” e apoio. Todavia, com um espírito um tanto autossuficiente, desde pequena sente vontade de saber fazer tudo sozinha. Ela gosta e quer ter escolha e liberdade para mandar em si mesma. E isto é algo que pode atrapalhar em algumas de suas relações, sejam fraternais ou amorosas.



Ser excluída é seu ponto fraco. Não importa se ela não expressou gosto suficiente por algo que você deu ou disse, se não demonstrou alegria por algum acontecimento ou se não soube dar o conselho certo numa hora ruim, nunca a faça se sentir rejeitada. Se Kat é esquecida/ignorada — ou ao menos aparentar — por alguém que considera significante, ela sente algo similar a uma dor física e vai ficar um tempo na isolação.

Sobretudo, para ser amigo dela tente sempre lembrar que ela é boa para guardar segredos e é uma ótima pessoa para se relacionar por causa da sua fidelidade, isso é inegável, porém, pode até ser fácil fazê-la concluir que você é uma pessoa direita, mas não se pode dizer o mesmo caso não faça por merecer.





Nascida e crescida em Nova Iorque, Katarine sempre teve o suficiente para uma boa vida. Filha mais nova de Clark e Jennifer Freeman, tendo vivido muito à sombra de seu irmão mais velho, Johnny, por escolha própria; ele sempre fora sua fonte de inspiração para criar seu estilo, mesmo que fosse um garoto. Contudo, parece que o suficiente sempre será impossível.

Katarine foi e é uma menina estudiosa, mas uma vez acabou por incorporar a frase que seu pai disse uma vez: “é mais fácil encontrar teorias em um bom vinho do que em todos os seus livros”. O financeiro nunca fora um problema para a família, pois seu pai é dono de uma fábrica de um dos melhores vinhos do estado de NY, fazendo assim a garota pegar um gosto a mais por tal bebida.

Fazendo parte de uma família chata e exigente por parte de pai, Katarine não podia esperar menos do que pessoas impondo o que ela deveria ser.

Você gosta disso apenas para agradar seu irmão, não é?

Ah, menina, não se preocupe, não vou contar a ninguém por quem você está apaixonada, pode dizer

Se vestir como um garoto e não estar (para todos, lê-se não dizer estar) apaixonada parecia ser algo absurdo, principalmente para algumas de suas tias. E, honestamente, poderiam ser coisas simples, mas não era fácil tê-las querendo se meter na vida de Katarine. Farta, esta disse de uma vez que mudaria somente se algum dia quisesse, assim, fazendo com que agora fosse vista como a filha rebelde de Clark.



Já falando de sua mãe, Jennifer foi sua grande companheira. E houve uma época que se dizia por aí que não era bom ser amiga de Katarine, porque ela contaria tudo o que ouvia à sua mãe mais tarde e, às vezes, isso poderia comprometer. A verdade é que nunca houvera melhor amiga pra Kat como sua mãe, e, no entanto, acabou perdendo-a.

Aos seus 14 anos, Katarine já tinha certa noção acerca da vida, mas ainda achava que se escolhêssemos bem nossos passos poderíamos ser felizes para sempre. Esta teoria não foi encontrada em nenhum livro, e muito menos em um bom vinho — pois já havia provado um pouco nesta idade —, veio dela mesma, mas acabou sendo falha.

Ela vivia bem com sua família e tinha bons amigos, mas talvez não soubesse da parte ruim. Aos poucos, sua mãe começou a ficar estranha. O casamento dela com seu pai foi desmoronando e, num piscar de olhos, Katarine e Johnny se viram em meio ao divórcio dos pais.

Com tantos problemas, seu irmão virou seu porto seguro, e foi exatamente neste período que eles ficaram muito mais amigos do que já eram. Katarine passou a morar apenas com seu pai e Johnny, enquanto sua mãe foi embora, afogada na sua aura juvenil e inconformada por estar presa à realidade que tinha quando havia uma vida toda para se viver lá fora.

Descobrir que sua mãe passou a ver a família como algo do tipo “investimentos que não deram certo” doeu em Katarine, mas ela procurou esquecer de vez Jennifer, já que para ela, naquele momento, aquela não merecia mais nem sequer ser chamada de mãe.



Logo, com a ida de Johnny para a faculdade e a chegada ao ensino médio, Kat se viu cada vez mais ocupada com responsabilidades e longe de ter alguém para conversar. Ela e Clark acabaram ficando afastados por um tempo, e foi neste que um destino ruim aproveitou para fazer uma visita à Katarine.

Festas e curtição. Será que era isso que suas tias queriam que ela fizesse ao invés de ler livros e usar camisas de rock? Provavelmente não, mas foi isso que ela fez. Kat passou uma parte do começo de sua adolescência afundada nessas coisas, perdendo muito de sua singeleza, mas com sorte conseguiu se libertar. Clark se esforçou para reconstruir sua relação com a filha, e não houve muito trabalho, porque tudo o que Katarine mais precisava naquele momento era de amor.



Com o passar do tempo, Kat acabou tendo notícias de sua mãe. Jennifer começou a lhe mandar cartas e e-mails, os quais ela queimava e excluía. Mas houve um dia que ela não conseguiu conter a curiosidade e abriu um e-mail, arrependendo-se sem demora porque nele sua mãe contava, com toda delicadeza possível, que estava saindo com outra pessoa. Tal coisa sobressaiu completamente o pedido dela de tentar reatar um pouco de uma boa relação com a filha.

Novamente, Katarine disse a si mesma que deixaria Jennifer de lado, mas não conseguia evitar querer saber o que tanto ela fazia de melhor, então continuou lendo, porém nunca respondia. Isso durou até o dia que Katarine percebeu que, de alguma forma, sua mãe queria dizer alguma coisa a mais do que dizia.

Kat não foi capaz de descobrir o que se passava e nem se deu muito ao trabalho de tentar, mas, no seu aniversário de 16 anos, a notícia devastadora lhe veio: Jennifer foi assassinada pelo seu ex/atual, chocando todos.

Um ano talvez tenha sido o suficiente para Katarine superar, mas, como se sabe, parece que o suficiente sempre será impossível.

Mesmo tendo perdido o laço que tinha com sua mãe, perdê-la ainda é algo que a afeta levemente, às vezes, fazendo-a se arrepender de não ter dado uma segunda chance. Mas ela se conforma um pouco ao pensar que não pode mudar o passado, e nunca poderá.






Clark Freeman ○ 45 ○ pai

Ah, Katarine é a princesinha de Clark, sempre foi. Ganhou muito mais apego e intimidade com o pai depois de perder sua mãe, e ela não nega que ele a dá todo o carinho possível, mesmo que ainda não possa substituir o amor materno.

Clark não precisa ser superprotetor porque Kat não é de “aprontar” muito, não mais, mas ele ainda acha que ela poderia se abrir mais para a vida e não gosta quando não consegue saber o que a filha sente. Entretanto, acima de tudo, eles têm uma ótima relação, um amor de pai e filha dificilmente abalável.





Jennifer Freeman ○ 38 quando viva ○ mãe

Como se pôde saber, Jennifer e Katarine não foram somente mãe e filha, mas também boas amigas. Não tinha por que procurar uma melhor amiga lá fora se já havia uma perfeita que lhe deu a vida e que faria qualquer coisa por você dentro. No entanto, tudo isso foi se decaindo aos poucos.

Kat ainda sente como se algo dentro de si tivesse sido rompido por não tê-la mais, e, mesmo com tudo o que Jennifer acabou fazendo, ela ainda é a melhor amiga que Katarine já teve. Não tem o que reclamar dos tempos em que ela agiu como uma verdadeira mãe, são uma das melhores lembranças que a garota guarda. E não importa o que aconteça, ela nunca deixará de ter sido sua mãe.





Johnny Freeman ○ 19 ○ irmão

Johnny foi visto como o modelo a se seguir por Kat entre os seus sete/oito anos, sem contar que os dois sempre foram “colados” um no outro.

Mesmo com uma diferença de idade um pouco significante, ambos possuem uma aproximação e uma amizade possivelmente invejável para outros irmãos, embora agora estejam um pouco distantes por Johnny estar em uma nova fase da vida, um mundo um pouco diverso do de Katarine.




Bi-curiosa.

Bi-curioso é um termo usado para se referir a alguém que não se identifica como bissexual nem homossexual, mas sente ou mostra interesse em atividade sexual com alguém do mesmo sexo.




Sim, mas quem fica a critério das autoras. De qualquer forma, Katarine está disponível para ter/ser par.




Angelina — @AlisonWaldorf



Agelina não é bem o perfil de pessoa que Katarine tem como amiga. As duas não se odeiam nem têm alguma rivalidade, mas também não possuem nenhum tipo de afeto.

Secretamente, desde a primeira vez que a viu, Kat vê Agelina como uma “pestinha manipuladora”, portanto, o melhor é ficar longe, não? Mas ela guarda suas opiniões sobre as pessoas para si, então não há riscos de Agelina saber. Ou muito menos se importar, coisa que Katarine acha que ela não faria.

Acima de tudo, se as duas fossem ter algum tipo de aproximação, provavelmente não seria muito boa.



Lauren — @CrazyTeen



Esta não é muito diferente de Agelina para Katarine. Mas, ainda assim, esta acaba por admirar Lauren.

Kat, lá no fundo, tem vontade de conhecer melhor a garota porque acha que ela possa ser uma pessoa boa quando quer, mas nunca chegou a fazer algo para que isso aconteça.

Por enquanto, as duas continuam apenas conhecidas de vista, de realidades um tanto quanto distintas.



Violet — @QueenBitchG



Supostamente, a que Katarine mais se identifica. Elas viraram amigas por imprevisto, e talvez o que as tenha aproximado mais foi por se entenderem em certas partes. Mas elas são apenas isso: amigas.
Não melhores amigas ou amigas próximas, amigas. Na real, as duas quase nunca estão juntas, o que torna uma amizade estranha, mas sabem que podem confiar uma na outra.



Amigos

Katarine é seletiva e exigente. Seus amigos normalmente não são pessoas que façam algo que ela considere errado ou que acabem infiltrando-se demais em sua vida. Mas, acima de tudo, é muito leal e acolhedora.

Seu jeito generoso com as pessoas é reconhecido, mas a mesma não se ilude esperando popularidade. A roda de pessoas pode ser pequena, porém ela não ligará se o nível de confiança for infinito e aquelas também se importem com ela.
Katarine é prestativa e sempre pronta para aconselhar alguém, mesmo que não seja boa nisso às vezes. Mas quando se trata de seus próprios assuntos, é confusa e atrapalhada, procurando sempre desviar.

Ela é super simpática e se esforça bastante para que possa agradar a todos, mas não se desespera se isso não for cumprido.



Inimigos

Kat gosta de ser o tipo de pessoa que ninguém tem muito do que reclamar, mas se chegar ao ponto de ter um inimigo, não iria ser do tipo que quando se cansa das palavras já parte para o físico. Ela sempre está à procura das palavras certas para qualquer coisa. Não é quem procura a briga.

Algo que pode irritar as pessoas a sua volta é sua forma indiferente de muitas vezes encarar tudo e todos e sua mania de sempre querer fazer o certo, sendo tachada por “santinha” algumas vezes — coisa que ela pouco se importa.



Família

Katarine, basicamente, ama todos por igual. Mesmo que alguns a tirem do sério, como suas tias intrometidas ou primas irritantes, ela não nega que continue sentindo algo por todos eles, pois afinal, são sua família, e família é algo que ela preza muito.
Porém, os maiores alvos de seu amor são seu pai e Johnny.



Par

Normal. Ela consegue agir naturalmente, como se fosse um simples amigo, o que pode chegar a ser questionável ou deixar dúvidas se realmente houver algo mais.
Ela acredita que para ter uma relação saudável é manter confiança, e essa sempre será a primeira coisa que Kat procurará em alguém, seja para relacionamentos ou não.

Às vezes, ela pode manter comportamentos em segredo, tendo dificuldades em assumir seus erros. E há uma grande tendência de se tornar cuidadosa e maternal.
Como uma pessoa decidida, provavelmente ela terá clareza no que quer quando chegar a hora certa para que tudo aconteça.

Sua forma de gostar de alguém é idealizado, romântico, e até com uma pitada de ironia. Algumas vezes seus "misteriosinhos" podem irritar, mas se a pessoa realmente gostar dela irá compreender que é apenas seu jeito de ser.




Gostos

Katarine adora comida, não engorda de ruim. Não é uma esfomeada, mas ok. Docinhos e frutas são seus favoritos, adora morangos, principalmente com cobertura de chocolate. Tudo acabou levando-a a criar habilidades na cozinha.

Kat adora preto, branco, azul... Mas rosa, atualmente, é sua cara. Prefere os tons mais claros ou não muito chamativos.

Gosta da noite, é horário que mais se pode divertir e traz inspiração para ela (também costuma dizer que é a melhor hora pois é a de dormir). Estar sozinha para ler, escrever estórias aleatórias ou fanfics (coisas que diz fazer apenas por hobby) é sempre bom.
Ama o frio, o cheiro da chuva, o vento.

É apaixonada por rock clássico, mas também curte outros estilos. Gosta de história, mitologias e O Diário de Anne Frank — livro o qual ela carrega consigo sempre que puder.
Tartarugas são répteis que não a incomodam, pelo contrário, ela admira muito esses bichinhos, nunca sabendo explicar por quê.



Desgostos

Ela sabe que algumas são essenciais para dar o toque especial à comida, mas não é muito fã de verduras. Algumas come apenas por obrigação.

Não é muito chegada ao chá, metal sinfônico e flores, pois lhe lembram enterros. Não gosta do calor, matérias que envolvam cálculos e pessoas mal-humoradas.
Detesta internet lenta, qualquer coisa com zumbis, que a questionem, acordar tarde ou cedo demais e ficar em segundo plano.

Foge de filmes de ação ou drama, mas ainda tolera se forem gêneros secundários. Sutiãs que abrem na frente são desconfortáveis e cores fosforescentes a incomodam de alguma forma.
Odeia que esnobem seus gostos, mas não se importa de ser chamada de garota comum.





Qualidades

— Leal;
— Aprazível;
— Dedicada;
— Coerente.

Defeitos

— Julgadora;
— Exigente;
— Facilmente frustrável;
— Autossuficiente.



Medos/Fobias

Herpetofobia — medo de répteis ou coisa que arrastam. Mais especificamente, tem fobia de iguanas ou répteis que se assemelhem a ela — o formato do corpo etc.

Ataxofobia — fobia de desorganização. Sim, Katarine odeia desordens. Tudo dela e tudo o que ela faz são no seu devido lugar e super arrumado. Não é tão exagerado, mas ela realmente gosta de organização.

Katarine tem medo de passar por cima de alguém sem perceber — sem ser no literal —, ou ficar sozinha na vida.



Segredos

[Mensagem Privada]






Quando ela era apenas uma garota
Ela tinha expectativas do mundo
Mas voou longe de seu alcance.
Então ela fugiu em seu sono





O que pensa sobre a "Gossip Girl"?

Acha que é uma pessoa fútil que, presumivelmente, não tem nada mais interessante para fazer ou até uma vida para se preocupar, embora também ache que esta deva ter bons motivos para fazer tal coisa.


Está ciente de que seu personagem pode ser a "Gossip Girl"?
Sim.


Favoritou a fanfic?
Sim, sim.


Sabe que seu personagem está em nossas mãos a partir de agora?
Oh, yeah.


Algo mais?
Não.




Escutando: wind of change - scorpions
Assistindo: gifs
Comendo: vento

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...