Jornal Navio pirata: A queda do capitão - Personagem 2


Por: ~




• Nome:

Handan Çelik

• Apelido:

Não tem

• Idade:

19 anos

• Nacionalidade:

Otomana

• Orientação sexual:

Pansexual

Pirata (X)
Braço direito do capitão Joseph Scowling ()
Soldado da corte Francesa ()
Príncipe/Princesa ()
Outros ()

• Aparência:








• Photoplayer:

Sofia Boutella

• História:

Nasceu numa cidadezinha do Império Otomano. Sua família era extremamente pobre, era a quarta filha entre nove irmãos. Seu pai tentava a todo custo sustentar a casa financeiramente, mas era difícil. Handan perdeu as contas de quantas vezes viu sua mãe chorar sem saber o que fazer, desesperada com os choros famintos dos filhos mais novos. Handan sempre lhe dizia que ficaria tudo bem. É, até ficaria. Mas Handan não pensou que uma boa quantia de dinheiro viria com a sua venda. Seu pai à vendeu para um cafetão de um grande cabaré localizado na zona central da cidade. O desconhecido disse que ficou admirado com a beleza da menina, que na época tinha apenas nove anos e que ela lhe renderia bons frutos.

Handan sabia, sabia que a relutância de seus pais para confirmar a venda, eles não queriam, ela não queria, mas precisavam. Quando foi levada aos puxões pelo cafetão, a última imagem que Handan teve da família foi vê-los chorando na porta de casa, sua mãe principalmente, segurando o filho mais novo nos braços e com a cara lavada de lágrimas.

No prostíbulo seu inferno iniciou-se. Perdeu as contas de quantas vezes foi espancada e abusada, no fim aceitou seu destino patético. Entretanto, em uma noite, quando ela tinha já seus onze anos, a esperança adentrou aquele imundo cabaré. Um homem alto, forte, um estrangeiro acompanhado de outras tantas pessoas. Handan correu para falar com ele e se ofertar para uma noite, pouco se importando se seu rosto cheio de hematomas arroxeados e seus lábios carnudos cortados o assustaria. Estava naquele desconhecido a esperança de ir embora. Handan indagava se ele não queria se deitar com ela, comprá-la, mas ele não entendia, mas ela insistia. No fim o desconhecido apenas sorriu e deu tapinhas gentis no topo de sua cabeça e aquilo foi a gota da água para a pequena otomana que desabou em lágrimas e contou tudo o que lhe acontecia.

Suas palavras chamaram a atenção do chefe do local que sem se importar com os clientes, puxou a menina pelos cabelos e arrastou para longe. Handan notou o olhar atordoado do estrangeiro vendo-a gritar, estender as pequenas mãos e pedir ajuda em seu idioma natal. Quando chegou num quarto, o cafetão fechou a porta, não a trancando. Handan apanhou muito, recebeu vários socos e chutes na cabeça. Como o grande final, Arda, o cafetão, arrancou um canivete de dentro da bota e puxou a língua de Handan para fora, cortando-a num golpe só. Um grito alto e sufocado pelo sangue ecoou pelo lugar barulhento, chegando aos ouvidos do estrangeiro que em questão de minutos estava no cômodo. Ele não pareceu nem um pouco feliz ao ver a quantidade de sangue que escorria de dentro da boca da garota, nem ao ver o canivete sujo com o sangue de uma inocente preso entre os dedos daquele homem imundo. O estrangeiro a ajudou. Ele era o Capitão Scrowling que estava junto de sua tripulação. O capitão cuidou dos ferimentos da menina que ainda estava em choque, a tripulação arrastou Arda para fora do local e o espancaram. No fim, deixaram a decisão final com a garota.

Na madrugada daquele dia ela, Handan Çelik, viu Arda queimar no fogo que ela mesma colocou nele. Naquela manhã, o Capitão a tirou da prostituição, naquele dia ela se tornou uma tripulante eternamente grata.

• Personalidade:

Sabe aquele tipo de pessoa que não existe tempo ruim? Essa pessoa é Handan. Dona de uma hiperatividade e otimismo sem tamanho, ela é a pessoa que sempre está lá para animar qualquer um, independente da situação, ela é a pessoa dona das boas notícias - mesmo que seja "muda".

Mas nem sempre foi assim, durante muito tempo Handan foi dona de uma personalidade tímida, soturna. Todavia, após ser espancada e ter recebido diversos golpes na cabeça quando ainda era uma criança, acabou ficando com sequelas, por isso de seu jeito impulsivo, hiperativo e de risadas fora de contexto. Independente do que você fale ela vai estar com um sorriso aberto, cheio de dentes, as vezes batendo palmas sem parar, empolgada, principalmente quando é o capitão planejando alguma coisa.

Handan tem o costume de pular para o abraço quando você menos esperar. Ela não se importa se você gosta ou não do contato com ela, se ela está fedendo e imunda, ela vai abraçar e te beijar e se você achar ruim aí que ela fará mais, só para provocar-te.

Handan é uma pessoa ingênua, muito ingênua. Não entende sarcasmo, irônias e custa-lhe identificar o que os outros estão sentindo. Se a pessoa está cabisbaixa, lá vai estar ela segurando o rosto do indíviduo e puxando-lhe as bochechas para fazê-lo sorrir; se a pessoa está brava, lá vai estar ela cutucando e lhe perturbando. Para Handan tudo se resolve assim, com carinho e toques.

Apesar de não falar, ela se expressa corporeamente, com expressões faciais bastante expressivas e gestos exacerbados. É muito apegada aos tripulantes e ao navio em si, pensar em perder isso já é motivo para ela chorar feito uma criança cujo o doce foi tirado. Handan não guarda rancor, nem mágoas, com exceção de algumas pessoas (seu ex-cafetão e as pessoas que mataram o Capitão Scrowling).

Handan é uma pessoa bastante glutona, então não reclame se ela comer com a boca aberta ou rir com a boca estufada de comida. Ela come com as mãos mesmo, qualquer comida, em qualquer lugar, ela não é fresca e também não gosta de frescura. Se for preciso dormir na lama, ela o fará sem reclamar, o que lhe vale é o resultado final: Barriga cheia e uma boa noite de sono.

• Gostos:

Ama fogo como ama o mar. É uma apreciadora de itens explosivos e não tem medo de usá-los e explodir meio-mundo, o que lhe vale é a diversão de ver tudo voando pelos ares. Adora animais, o navio onde navega, o céu, o Sol, a chuva, ela ama a natureza em si. Não tem medo de nenhum tipo de inseto ou bichos que as pessoas em geral ache nojento, inclusive gosta muito de sapos e aranhas, são um dos seus animais prediletos, assim como papagaios, gatos e cachorros. Handan ama comer, ela é o tipo de pessoa que come o que tiver na mesa e nunca parece satisfeita. Também aprecia dormir tranquilamente com o som do mar como música de fundo. Ela ama os Scrowlings e os vê como sua família.

• Desgostos:

Quando a inibem de acender suas dinamites ou quando a empurram depois que ela tenta abraçar calorosamente. Ela não gosta de ratos, não pelas doenças nem nada, mas é que eles teimam em roubar a comida que tinha que ser dela e do resto da tripulação - tirando esse fato, ela os acha fofinhos. Ela odeia se sentir presa, adora a liberdade.

• Trauma(s):

Ela odeia com todas as forças prostíbulos. Ela não entra nem que seja obrigada, nem que lhe paguem uma grande quantia de dinheiro, lugares do tipo fazem com que ela se lembre das barbaridades que sofreu nas mãos de tantos homens e ter essas recordações faz com que ela comece a chorar incessavelmente.

• Doença(s) ou alergia(s):

Ela não tem nenhuma doença ou alergia grave.

• Mania(s):

É muito comum, mais comum do que se possa imaginar, Handan acender a dinamite e depois com a ponta dos dedos apagar. Faz isso quando está distraída ou sem nada pra fazer, até em momentos inoportunos ela faz isso. Também gosta de acender e ameaçar arremessar, mas geralmente apaga, gosta de ver as pessoas assustadas.

• Vício(s):

Rum, fogo e cerveja.

• Habilidade(s):

Ela sabe manusear muito bem suas facas. Também sabe ser uma pessoa sorrateira, que age na surdina, que quando você menos esperar escutará a explosão vinda detrás de você e verá ela correndo sobre os telhados gargalhando estranhamente.

• Relação com a tripulação:

Ela se dá bem com todos. É comum escutar broncas, não só do capitão, pois geralmente ela se mete aonde não é chamada, cutucando coisas que não deve, entrando em lugares aonde não deveria, acendendo dinamites para apagar em seguida, deixando os tripulantes em pânico e rindo da cara deles. Entretanto, ela é meio que o alívio cômico de lá.

• Relação com o capitão:

O capitão a trata como uma irmã mais nova e ela o admira, nutre um forte amor fraternal e o respeita acima de tudo. Mesmo que Handan não fale - e mesmo se falasse não seria francês -, ele sempre entende o que ela quer dizer. Joseph a vê como uma criança hiperativa e é comum escutar seus gritos e broncas direcionados a Handan, a moça o responde com gritos iguais ou mais altos, como se fosse uma resposta bruta. Mas aí de quem mexer com Joseph, terá de enfrentar uma piromaníaca louca sem medo do perigo que com certeza pulará na sua garganta soltando uma gargalhada psicótica.
Joseph costuma dizer que Handan ri como um porco agonizando. Ela sempre ri disso porque nunca entende o que ele quer dizer.

• Par:
() sim, mas a autora escolhe.
() sim, o capitão.
() sim, mas eu escolho:
(X) tanto faz.
() prefiro que meu personagem não tenha par.

• Relação com o mesmo:

O parceiro teria de aguentar uma pessoa extremamente hiperativa, maluca e risonha, que não tem medo do perigo e que é espontânea com seus sentimentos e impulsos.

• Largaria tudo por amor?

Não. O amor dela está pelo mar, pela aventura, pelo perigo. Se alguém quiser estar ao lado para o resto da vida, que seja sobre um navio, saqueando e explodindo tudo o que vê pela frente.

✘ P A L A V R A - C H A V E: "Aqui não tem pirata de água doce"

• Arma:

- Ela tem um par de adagas de tamanho mediano que ficam em cada extensão de seu quadril. O cabo de ambas adagas é de prata, com desenhos ornamentais feitos de ouro.

- Dentro de seu sobretudo velho e desgastado, esconde-se um arsenal de dinamites e ela não tem um pingo de medo de usar.

• Tripulação, você seria capaz de trair o capitão para se dar bem na vida?

Nunca. Para ela o capitão é igual à um irmão e ela tem grande apreço pela família Scrowling.

• Algum animal de estimação?

Ela cria um papagaio. Ele geralmente fica solto pelo navio, voando e pousando em lugares inconvenientes. Entretanto o papagaio gosta muito de ficar no ombro de Handan. O animal tem uma língua afiada e adora xingar todo mundo, geralmente em francês, Handan sempre cai na risada quando escuta os palavrões, mesmo sem entender a maioria, se diverte também com a cara de desagrado das pessoas. O papagaio é como se fosse a fala de Handan, mas é claro, ela não seria tão boca-suja quanto ele. O bicho não tem nome, é apenas conhecido como o papagaio mesmo.

• Objeto pessoal:

Ela guarda um colar sem valor financeiro. É apenas uma pedra amarela, enrolada de qualquer jeito na corda marrom do colar. Porém para Handan aquilo é a única coisa que a deixa realmente pensativa. Foi dado pela mãe.

• Algo mais?

Ela usa uma espécie de véu, semelhante a um hijab. É preto, porém está desgastado, com alguns fios desfiados na parte frontal e tem um aspecto bem sujo, devido ao excesso de uso. Entretanto, apesar do véu cobrir quase sua cabeça por inteiro, seu rosto, sua franjinha e algumas mechas ficam de fora do véu, bem expostos. Também usa calças largas, botas e essas roupas típicas de piratas - com exceção do sobretudo, que usa para esconder os diversos tipos de bombas, dos mais variados tamanhos.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...