Lista de Leitura: Supernatural

Lista criada por: ~
1 história
Fanfic / Fanfiction A Filha do WInchester
Em andamento
Capítulos 43
Palavras 58.858
Atualizada
Idioma Português
Categorias Supernatural, Teen Wolf
Gêneros Ação, Aventura, Crossover, Escolar, Esporte, Famí­lia, Ficção, Lemon, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
"Ela gritava de dor, seu rosto estava cheio de suor misturando pelas lágrimas, ela estava atrás do beco sozinha, aguentando a dor do parto. Estava gritando pela ajuda, mas ninguém ouvia. Ela estava tão assustava que mal podia respirar, logo começou a rasgar o vestido e se decidiu fazer parto sozinha, ela já tinha lido uma vez no livro sobre partos.

Ela abriu as pernas, respirou com dificuldades, tentou fazer força para poder conseguir empurrar o bebê para fora, mas não conseguia. A dor estava ficando cada vez mais intensa e dolorosa, suas mãos suavam frios e seu corpo estava com calor quente, a noite era muito frio e ela sabia disso. Ela sabia que deveria ter indo ao hospital, mas não conseguia andar e nem sequer pisar o pé no chão.

Ela sentiu o peito apertar, ela tinha problemas de asma quando tinha 10 anos, mas estava assustada ao pensar que asma tinha voltando. Ela tentou manter forte, fez força mais, empurrando a barriga. Quando ela sentiu o peso do ventre sair, percebeu que o bebê tinha nascido, mal podia ouvi-la chorar.

Ela tirou o casaco rapidamente e pos o bebê nele, a criança chorava mais alto e ela fez "Shiii", se encostou na parede e respirou fundo, aliviada. Depois de alguns minutos se descansando, a criança parou de chorar quando estava mamando o seio da mãe, ela viu uma caixa no lixo, se arrastou para pegar a caixa e colocou a criança em dela.

Ela não odiava a criança, mas não estava preparada para ser mãe. Ela nunca quis ter filhos, mas não odiava crianças, só que ela não estava preparada, nem sequer saber o que era ser mãe. A loira abriu a sua bolsa, pegou o caderninho e caneta, anotou algo, rasgou o papel e colocou na caixinha que agora a criança já estava dormindo com serenidade.

Ela mal se levantou, pegou a bolsa e a caixa onde o bebê estava dormindo. Ela saiu do beco, que estava muito escuro e quase a rua estava vazia. Ela estava perto do bar e viu o impala preto, pensou que talvez a criança tenha chances com outra pessoa. Então ela colocou a sua filha atrás do banco de impala, sussurrou:

—Sinto muito.-Falou a loira que encarava a criança dormindo, ela saiu do impala e fechou a porta devagar para não acordá-la.

Ela saiu correndo."
  • 348
  • 290