~sambei

sambei
Sai hétero
Nome: Andy (~˘▽˘)~
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 13 de Fevereiro
Idade: 66
Cadastro:

Ficha - Little Things


Postado

Ficha - Little Things

Ficha:

Perdão pela demora :d e uma pergunta. Pode fazer irmã? Ela não precisa ter papel de importância na história, é só para melhor entendimento da ficha.

Nome: Killa (se lê "kiula", moça) Impetrovski. ->Aqui já coloque apelido entre aspas no meio do nome: Polaris “Umi” Zeiss e coloque como fica em hangul.<- não entendi. Perdão. Poderia me explicar?

Idade: 18 anos.

Aniversário e signo: 13 de Fevereiro - Aquário.

Aparência:



















Não muito alta, estatura média com 1,58. Possui 52 quilos e sangue AB fator Rh negativo.
Cabelos compridos que quando soltos chegam até abaixo da bunda, pretos e cheio de madeixas em formato de onda. Sua pele é pálida, regiões da bochecha e ponta do nariz levemente avermelhadas. A boca naturalmente avermelhada e carnuda. Seus olhos são uma mistura em tom profundo de amarelo e azul, dependendo da luz ficam extremamente claros. A maquiagem preta que ela usa destaca ainda mais os seus olhos. Suas sobrancelhas são bem marcadas.
Característica marcante:
Sua heterocromia.

Personalidade:
“Eu erro, eu fico fora de controle e, às vezes, sou difícil de lidar. Mas, se você não me aguenta no meu pior, então com certeza não me merece no meu melhor.” - Marilyn Monroe


Se alguém for visto cantando e dançando espontaneamente, a pessoa possivelmente é Killa. Killa fica super animada, e quer que todo mundo fique junto. Nenhum outro tipo de personalidade é tão generosa com seu tempo e energia como Killa quando se trata de encorajar os outros, e nenhum outro tipo de personalidade faz isso com um estilo tão irresistível.
Nascida para entreter, Killa ama ser o centro das atenções, e o mundo se torna um palco. Muitos famosos com este tipo de personalidade são realmente atores, e amam fazer um show para os amigos, conversando com uma inteligência única, absorvendo com atenção e fazendo com que toda saída se torne uma festa. Extremamente social, Killa aproveita as coisas simples, e não há nada mais divertido para ela do que estar junto de um bom grupo de amigos.
Não é só a conversa, Killa possui o maior senso estético de qualquer tipo de personalidade. De roupas até uma casa bem equipada, Killa tem um olho certo para a moda. Sabendo o que é atraente no momento em que coloca os olhos, ela não tem medo de mudar seus arredores para refletir seu estilo pessoal. Killa é curiosa por natureza, explorando novos designs e estilos com facilidade.
Apesar de nem sempre parecer, Killa sabe que o mundo não gira em torno dela, ela é observadora e muito sensível às emoções dos outros. Pessoas com esse tipo de personalidade são normalmente as primeiras a ajudar alguém com um problema difícil, oferecendo apoio emocional e conselhos práticos com facilidade. Porém, se o problema a envolve, Killa provavelmente evitará o conflito e irá ignorar a situação. Ela é o tipo de personalidade que normalmente ama um pouco de drama e paixão, mas não quando ela é o foco das críticas resultantes deles.
O maior desafio para Killa encarar é que ela normalmente está tão focada nos prazeres imediatos que negligenciam funções e responsabilidades para tornar esse luxo possível. Análises complexas, tarefas repetitivas, e combinar estatísticas com consequências reais não são atividades fáceis para Killa. Ela prefere confiar na sorte ou na oportunidade, ou simplesmente pedir ajuda de um dos seus muitos amigos. É importante para Killa se desafiar a manter coisas de longo termo, como planos de aposentadoria ou ingestão de açúcar, já que nem sempre haverá alguém por perto para ajuda-lá a manter as coisas em ordem.
Killa reconhece o valor e a qualidade, o que em si é uma ótima característica. Porém, combinado com sua tendência de ser uma péssima planejadora, isso motiva ela a viver com mais do que ganha, e os cartões de crédito se tornam um perigo. Mais focada em aproveitar oportunidades do que planejar objetivos de longo prazo, Killa pode descobrir que sua falta de atenção torna algumas atividades impossíveis de pagar.
Nada torna Killa tão triste como perceber que está trancada em uma circunstância, sem poder se juntar com seus amigos.
Killa é bem-vinda sempre em que há necessidade de risadas, brincadeiras e um voluntário para tentar alguma coisa nova, e não há nada mais divertido para Killa do que juntar todo mundo na diversão. Killa pode conversar por horas, às vezes sobre qualquer coisa que não seja o seu assunto original, e compartilhar as emoções dos seus amados nos bons e maus tempos. Se ela conseguir se lembrar de manter suas tarefas em ordem, está sempre pronta para mergulhar nas coisas novas e emocionantes que o mundo tem para oferecer, com seus amigos por perto.
Killa sempre impacta nos seus arredores, a melhor forma de encontrá-lá em uma festa é procurar pelo redemoinho de pessoa indo de grupo em grupo. Rindo e entretendo com humor. Se um membro é chamado para ir ao palco, Killa será voluntária (ou prontamente indicará um amigo tímido).
Ela mantém a conversa energética, com uma boa dose de inteligência, mas gosta de falar de fatos, ou melhor, de sair e agir. Killa salta antes de olhar, arrumando os erros ao longo do caminho, ao invés de sentar quieta preparando contingências e válvulas de escape.
Killa é o tipo de personalidade mais provável de ter um estilo de vida ou comportamento arriscado. Ela vive no momento e mergulha na ação, é o centro da tempestade.
Killa é uma verdadeira altruísta, reunindo a bondade com a bondade excessiva, e se engajando no trabalho e nas pessoas que ela acredita, com muito entusiasmo e generosidade.
Quando se trata de dar presentes, Killa usa sua imaginação e sensibilidade natural para expressar sua generosidade de maneiras que toquem o coração de quem está recebendo o presente.
A habilidade que ela possui de se conectar com os outros em um nível íntimo é imbatível, e a alegria que ela vivencia ao usar essas conexões para manter alguém feliz e encorajado, o que é um presente para todos envolvidos. Ela pode se sentir culpada levando o mérito por esforços da equipe mas, se ela puder garantir que seus esforços sejam reconhecidos, Killa provavelmente irá atingir um alto nível de satisfação no que faz, de forma que outros não conseguem sentir.
Killa também é uma verdadeira idealista, sempre procurando o bem, mesmo nas piores pessoas e eventos, encontrando caminhos para tornar tudo melhor. As pessoas nascem boas, a sociedade só corrompe as fracas.
Killa tem uma paixão e um fogo que podem realmente brilhar. É guiada pela pureza de suas intenções, não por gratificações e punições.
Killa é um espírito livre. Ela é o coração da festa, interessada em aproveitar as conexões sociais e emocionais que faz com os outros.
Felizmente, como flores na primavera, a afeição, criatividade, altruísmo e idealismo de Killa sempre retornará, gratificando ela e aqueles que ela ama, talvez não com lógica e utilidade, mas com uma visão do mundo que inspira compaixão, bondade e beleza onde for.

"Você precisa saber que são suas ações que fazem de você uma boa pessoa, não sua vontade." - Matthew Quick.

Gostos/Desgostos:
- Killa tenta ver o bem em todos, ela jamais traria ódio para o seu coração, então tenta gostar de todos, por mais banal que seja, todo mundo sempre tem algo bonito;
- Assim como o doce de pessoa que ela é, também gosta de doces, Killa tem um cheiro doce natural, vezes exalados de seus doces, e vezes exalado de si mesma. Sempre partilhando com o próximo;
- Killa gosta de se desafiar, caso nunca tenha comido algo, ela o come. Caso seu amigo tenha feito e esteja ruim, ela tenta não demonstrar a ina-feição pelo alimento, mas lhe dá dicas para melhorar. Seu estômago é um buraco negro, tudo está acessível para Killa;
- Em relação a bebidas é a mesma coisa, deixando as bebidas alcoólicas de lado. Algo que Killa não simpatiza, são bebidas alcoólicas, ela vê muitas pessoas se levando a ruína e auto-destruição por elas, então sempre que um amigo sai para cometer tais atos, ela sempre tenta ir junto para ajudá-lo à não cometer atos hediondos por causa delas;
- Para Killa os livros são válvulas de escape, são as chaves para as correntes que lhe trancam no mundo, ela é aberta para opções, por mais que o livro seja ruim, ela tem em mente que uma pessoa dedicou-se e dedicou seu tempo para escrever aquilo, ela não se sente bem se não terminar de lê-lo e desperdiçar algo que alguém tentou expressar e tirou de si;
- Filmes, tudo se encaixa dentro de Killa, desde os de terror até os de amor. Ela não é uma pessoa medrosa, por mais que não pareça e não demonstre, de livros a filmes, ela prefere os de terror;
- Por mais que ela não se perdoa tendo um pouco de ódio entro de si, esse ódio é causado pela desigualdade. Killa deia desigualdade com todas as forças;
- Ama jogar vídeo-game, sempre convida alguém que vê que está irritado, pois acha uma ótima forma de descontar essa tensão;
- Ela tem um gosto em especial por dias frios e chuva, quando está chovendo ela prefere deixar-se molhar.
- Tem gosto por desenhar, geralmente faz isso em quaisquer superfície que encontra, seja elas pessoas ou qualquer outra;
- Prefere chá do que café;
- Observar a lua é um de seus gostos particulares, quando a noite está com uma leve brisa e o silêncio está pairando, Killa ama isso, acha que o corpo de entope de calma.

História:
Nacionalidade: Russia.
Idiomas do qual sabe: Russo (língua materna), coreano (por um luxo seu), inglês e francês (por obrigação, são as línguas secundárias da Russia).

Quando ainda era uma criança, o pai de Killa, Malus, um homem muito arrogante e severo, um ser humano amargo e robótico, estava sempre ocupado, por isso ao invés de presentear suas filhas com amor e carinho, as presenteava somente no campo material e havia esquecido de presentear suas filhas no campo emocional. Em um exame médico foi encontrada uma grave doença, e o médico após muitos exames constataram que infelizmente Malus só teria mais dois meses de vida.
Aquele grande homem severo e poderoso se transformou em uma frágil criança, percebeu que a morte nos humaniza, já não sabia o que dizer, nem ao menos o que deveria fazer, seu mundo desmoronou.
Mas Killa e Ignis (irmã de Killa, caso eu possa enviar a ficha dela, ficaria grata) perceberam que a mãe parecia nem ligar para a morte do pai, havia uma intensa briga entre ela e os irmãos, que praticamente lutavam pela herança, familiares que antes eram tão unidos, agora estavam em pé de guerra.
A verdadeira felicidade está na simplicidade, procuramos tanto essa tal da felicidade, quando na verdade ela mora e se esconde dentro de nosso ser, nós tentamos conquistar e seduzir a felicidade através do luxo fútil exterior, mas no final todo luxo vai para o lixo; ao morrermos não levamos nada a não ser a vida que levamos e o legado que deixamos, do útero ao túmulo a única coisa que realmente existiu e sempre existirá e que irá nos libertar é o amor.
Vivemos em uma sociedade que inverte os valores, fazem do consumismo e da ignorância uma escravidão mental.
Com a morte do pai, Killa começou a mergulhar mais em si mesma e nos outros, não podemos pensar sempre pelo lado ruim das situações, devemos ser mais positivos e aprender com cada erro nosso. Mas Ignis começou a se preocupar com valores econômicos ao invés de valores de vida, se preocupava muito com o ilusório mundo exterior e esqueci do seu fantástico e libertador mundo interior. Ela obteve um novo caráter, não era mais aquela criança doce e encantadora, se tornou seu pai.
Killa não se perdoa pela personalidade abominável que a irmã, que antes era tão junta dela, adquiriu. Killa se culpa achando que poderia ter ajudado, que a mudança da irmã foi ausência dela mesma. Killa acha que não deu a devida atenção para a irmã, acha que se deparou com situações em que se poderia ter alterado algo e com a "preguiça" com o "deixa andar", com o cansaço não alterou e guardou para o outro dia, guardou para outro momento.
Se queremos mudar, alterar algo, devemos fazer sem hesitar, às vezes o pensar muito deixa fugir oportunidades. Devemos ter primeiro o impulso, depois a coragem e só depois o pensamento.
Aqui corremos o risco do imprevisto redobrado, do improvisar, mas não podemos esquecer que a vida é feita de imprevistos e nada sai como queremos e planejamos, só ás vezes ela , a vida, nos presenteia com algo que estava no previsto.
"Sempre é bom mudarmos de estratégia quando nada acontece".
É preciso mudar, arriscar, alterar, experimentar novas coisas, aprender algo novo, acima de tudo nunca parar, nem estagnar, pois isto sim é acontecer, é viver.
E Killa ainda tenta encontrar sua antiga irmã, que agora está perdida e ainda não se encontrou.
"viver" foi isso que Killa pensou. Seu pai (não querendo se espalhar nele) fazia muitas viagens dizendo que o conhecer era viver. Algo de seu pai que lhe serviu de utilidade. Em um luxo próprio, Killa foi para a Coréia, em tentativa de voltar a conhecer a sua paz interior e libertar a sua alma das diversas indolências que se encontravam em sua antiga residencia. Abandonou a sua irmã? Não!. Jamais o faria. Apenas abandonou o peso morto que pairava em suas costas.

Me perdoe caso a história tenha ficado exagerada, eu sempre tento fazer uma "lição" nelas.

Familia:
- Malus: Pai, 33 anos, dono de uma empresa e uma agência de futuros talentos - a sua presença só era material, Killa sentia como se ele estar com ela fosse uma obrigação, ele sempre estava distante, se mostrando irrelevante na família.

- Malum: Mãe, 33 anos, permanecia em casa (sim, os dois são irmãos, coisa estranha, não?) - Era sempre muito presente, deixava de lado seus afazeres para ficar ao lado das filhas, tinha seus próprios truques para fazê-las dormir ou pedir desculpas, até que ela se revelou um truque. Killa não pensa muito sobre os motivos da mãe para se revelar em tamanha cobiça, mas na sua juventude ela era miserável, talvez vendo o seu irmão enriquecer, ela não queria ficar para trás. Ao contrário de Ignis, Killa podia ver no olhar de sua mãe que ela realmente as amava.

- Ignis: Irmã - Um ano mais velha que Killa, sempre foi uma irmã que a protegia à qualquer custo, por Killa ter muita humanidade, algumas pessoas se aproveitavam dela, isso tornou Ignis figura essencial para proteger a sensível Killa. As duas realmente eram parte uma da outra. Ignis estava sempre se machucando protegendo a irmã, mas ver que a irmã não estava sendo machucada aliviava o coração de Ignis. Killa ainda não compreende o porquê de tal mudança na personalidade, ela passou a se tornar a personificação do pai.

Manias:
- Killa tem mania de desenhar em tudo, principalmente em mesas ou cadernos alheios;
- Tem mania de murmurar o som das músicas quando está só, e algumas vezes se movimentar na batida do som;
- Quando está nervosa fica batendo as unhas em quaisquer superfícies, e quando é dito algo que ela não gosta, tem mania de limpar a garganta e semicerrar os olhos.

Hobbies:
- Para si ela sempre está desenhando;
- Distribuir flores;
- De resto, desde que ela esteja ajudando ou fazendo alguém feliz, se compromete com qualquer coisa.

Medos:
- Medo que seus amigos se voltem contra ela;
- Medo de entrar em alguma situação que não seja de seu entendimento e não ter nenhum amigo para lhe ajudar;
- Medo de machucar alguém;
- Medo de desagradar. Ela sabe que em algum ponto vai se deparar com opiniões opostas, mas ela deve saber que a única responsável por sua vida é ela mesma;
- Medo da rejeição. A rejeição está presente em todos os momentos das nossas vidas. No entanto, muitas vezes não sabemos lidar com essa situação;
- Medo do fracasso. Falhar ou fracassar é um dos maiores medos que temos. Desde pequenos já introduziam nas nossas cabeças que devemos ser bons para ter êxito.

Dia a dia:
Killa não possui emprego algum devido as riquezas que seu pai deixou. Está sempre andando pela cidade tentando ajudar quem quer que ela possa, seja em um restaurante de garçonete (não pede para receber por prestar ajuda) ou por florista em uma floricultura.
Acorda cedo, vezes as 5 da manhã ou as vezes nem dorme. Ela possui insônia, alguns cochilos são o que lhe restam as vezes.
Killa possui talento para dançar e sempre está tentando aperfeiçoar, seu pai trabalhava no ramo de novos talentos, mas nunca realmente o compreendeu, estava ali porque ganhava dinheiro. Já para Killa, a dança e a música são uma paixão, algo que se fundiu à ela.
Quando Killa não favorece ajuda, dá um tempo para si mesma e procura relaxar no silêncio de uma biblioteca, ou descansar sua mente já que ela não dorme pelo tempo que deveria.
Killa cursa Arquitetura e Urbanismo (exatas) já que o desenho é um de seus dotes e a criatividade que flui de sua mente barulhenta lhe proporciona ótimas plantas (plantas são os desenhos da construção) E Psicologia (humanas), talvez entendendo a mente humana ela possa alimentar seu espirito e virtuar sua bondade ajudando psicologicamente mesmo querendo poder ajudar de todas as formas. Mesmo assim, Killa ainda não decidiu o que ela realmente quer fazer, as vezes está trancando o seu curso e abrindo outro até achar o que fará seu prazer por aquilo almejar, no entanto, ela pretende ir a fundo, se tornando uma Arquiteta e Psicóloga. Sua casa, por exemplo, foi arquitetada por ela.
A imensidão de dinheiro que Killa poderia até mesmo distribuir, pesa-lhe as costas. Com seu tempo livre ela percorre orfanatos, moradores de ruas, asilos e casa de necessitados para prestar ajuda, seja comprando brinquedos, roupas ou comidas, mas jamais dando dinheiro, Killa sabe que quando se tem poder, o dinheiro muitas vezes não é usado para o próximo, então prefere ser a madrinha das crianças do orfanato e dar-lhes o que uma criança da idade deles precisam. Com o resto, faz o mesmo. Senta com idosos dos quais a família já abandonou e conversa o quanto eles quiserem, nem que isso lhe custe uma aula ou outra, prefere deixa-los desabafar, do que faze-los morrer engasgados com o peso acalando-lhes a garganta. Sai em madrugadas em busca de moradores de rua com fome ou frio, é o único momento em que ela usa o seu Citroën Aircross. Motor 1.6 16V. Minivan, para carregar cobertores, alimentos e os brinquedos que ela leva nos orfanatos, de resto Killa não dirige, prefere ir apé para sentir-se mais viva.
Não possui tarefa doméstica em casa, por mais que quisesse se sentir mais independente, sabe que algumas pessoas necessitam de serviço dos quais não estão achando e tem uma família para sustentar. Possui Morgana para lhe ajudar, uma mãe solteira que não estava conseguindo arrumar emprego, apenas tarados a pegavam para cuidar da casa, e os que não eram, exigiam muito tempo fazendo-a não ter tempo para os filhos. Ela arruma a enorme casa e ajuda Killa a cozinhar. Morgana foi abandonada pelo pai de seus filhos no momento em que ele soube que ela estava grávida, são gêmeos lindos de 9 anos, iguais a mãe. Morgana já tem seus 37 anos, mas continua esbanjando beleza e bondade com seus cabelos loiros, curto e cheio de camadas com ondas, a pele clara assim como seus olhos que irradiam bondade. Para Killa, Morgana é uma segunda mãe.
Killa sabe fazer tarefas domésticas, por mais que em sua casa não necessita-se, devido aos seus tempos ajudando acabou aprendendo, por mais que ainda possua um pé atrás na cozinha.

Morgana:



->Tipo de pessoa que faz … e como se relaciona com..<- Também não entendi. Me perdoe.

Amizade/Amigos: Pelo que tu já leu sobre Killa, já deve saber que o coração dela é grande, cabe mó galera. Ela é amiga de todos.

Inimizade/Inimigos: Bem, acho que não preciso dizer :v caso precise de inimizades, por favor, me avise que colocarei.

Melhor amigo: Pelo que tu já leu sobre Killa, já deve saber que o coração dela é grande, cabe mó galera.

Par: Biscoito szz

Roupas:
Pijama:
-
-

Casual:
-

- http://www.polyvore.com/sem_t%C3%ADtulo_63/set?id=183066591

Faculdade:
-
-

Festa:
-
-

Balada:
-
- (a do meio)

Formal:
-
-

Banho:
- http://www.polyvore.com/sem_t%C3%ADtulo_75/set?id=199576143

- (primeira da esquerda)


Espero que goste sz


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...