~Niiko

Niiko
LuneCerise
Nome: 〔ℒune𝓒erise┇ℒola┇𝓧-23┇ℱiha de 𝓩eus┇𝓣eam𝓒ap𝓐lways ♥〕™
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: Indisponivel
Idade: Indisponivel
Cadastro:

🍭✽̣̣̣̥ Honey x Honey Drops - ⚫● ƒιcнα ●⚫ ✽̣̣̣̥🍭


Postado




“Todos nós temos nossas máquinas do tempo, não é?
Aquelas que nos levam de volta são as lembranças.
E aquelas que nos impulsionam adiante são os sonhos"



Mostrar Spoiler:




【♬】 Chiel Sakurai ( チール櫻井 ) —♫— 17 Anos —♫— Honey —♫— Shu Sakamaki —♫— Tamaki Ako 【♬】







Chiel Sakurai

Chiel — Origem japonesa
Significa: Ar da primavera

Sakurai— Origem japonesa
Significa: Poço de cerejeiras.






Panda-chan • Saigai • Chichi • Cherī

Panda-chan — As outras Honey passaram a chama-la assim pelo amor de Chiel por ursos pandas ♡.

SaigaiSignifica: Desastre
— Seu "mestre" a chama assim por causa de seu jeito desastrado avá, o que a irrita profundamente.

Chichi — Apelido dado por seus irmãos mais novos. É assim que ela é chamada por toda sua família.

CherīSignifica: Cereja
— Nos seus dias mais simpáticos, ou mais pervertidos, seu "mestre" a chama assim, por causa do seu cheiro de cerejas. Por não estar acostumada com palavras gentis vinda dele, ela cora todas as vezes.






Dezessete anos (17)

Atualmente Chiel possui dezessete anos, ou dezesseis se sua fic começar antes da data de seu aniversário. Nasceu no dia 13, do mês cinco (Maio) do ano de mil novecentos e noventa e nove { 13 - 05 - 1999 }; numa tarde de primavera florida com Sakura's, as 15:15h . Seu parto natural teve algumas complicações, parecia que ela sabia o quanto esse mundo é uma merda e não queria nascer, mas mesmo assim deu tudo certo e Chiel cresceu forte e saudável.
















⚫ Tamaki Ako ⚫

Apesar de ter características físicas bem... comuns, Chiel sempre fora muito bela e encantadora. Podia não ter cabelos rosa, verde ou branco, ou ter olhos violeta, vermelho, ou de duas cores ao mesmo tempo, mas sendo que ela já bastava para chamar atenção onde quer que vá. Ela é aquele tipo de menina que não vê suas próprias qualidades físicas, o que a torna bem modesta com relação a sua aparência, mas mesmo assim é bem satisfeita com seu corpo. Ela nasceu assim, e não há muita coisa que mudaria.

Seus cabelos são negros como as asas de um corvo, e, quando expostos a luz do sol forte, eles recebem uma tonalidade azul bem escura. São longos, chegando até a linha de sua cintura. Eles são meio que incontroláveis, por mais que ela tente nunca consegue arruma-los da maneira que deseja. Houve um tempo que Chiel não gostava de seus cabelos negros incontroláveis, mas, após vários elogios ela acaba aceitando-o do jeito que é, e tendo orgulho dele.

Seus olhos são azuis, um tom mais escuro, como as águas profundas do oceano, eu sou ótima em comparações né? :p. Eles são sempre muito expressivos, sempre acabam mostrando tudo aquilo o que ela deseja esconder. Adornados por cílios longos e negros, e emoldurados por sobrancelhas finas e bem feitas, completamente naturais, já que ela não se submeteria a tortura de tira-las.

Dona de um rosto de feições delicadas, que combinam bastante com ela. Seu queixo é fino, ao qual ela herdou de sua mãe, as bochechas são bem "gordinhas", o que faz muitas pessoas terem vontade de apertar. Nariz pequenino e arrebitado, dando-lhe um ar mais frágil, e maçãs do rosto levemente prominentes, naturalmente rosadas. E os lábios são pequenos, também rosados, finos, porém macios, os quais ela tem a mania de prender entre os dentes a quase todo momento. Seus dentes são branquinhos e alinhados, resultado dos cuidados que sua mãe sempre exigiu que ela tivesse, tornando seu sorrido algo tão belo e impossível de resistir.

Desde cedo seu corpo foi se desenvolvendo, de maneira rápida, como resultado, atualmente, Chiel possui várias curvas. Seus seios são fartos, e em alguns momentos incomodo, a cintura é fina e modelada, já o quadril é um pouco mais largo, com coxas grossas e roliças. Em outras palavras, ela tem um corpo de dar inveja a muitas mulheres por aí.

Sua pele é pálida, até demais pro seu gosto, mas ela para de reclamar disso quando conhece os Sakamaki, macia e com cheiro de cerejas. Chiel é baixinha, medindo apenas 1,59m e pesando 45kg bem distribuídos pelo seu corpo.





Chiel tem a alma leve e livre. Ela coleciona os sorrisos dos outros acima de qualquer coisa. Seu coração é quente e gentil, como um campo ensolarado. Já passou pelas mais diversas situações em sua vida, muitas delas que a maioria das pessoas não conseguiriam enfrentar, mas sempre passou por tudo com a cabeça erguida e um sorriso reconfortante no rosto. Sem se deixar abater.

Ela é alegre e superativa, simplesmente não consegue ficar muito tempo sem fazer nada, piora 100 vezes mais quando ela ingere muito açúcar. Tem uma personalidade magnética, que atrai a todos com sua luz e simpatia. Gosta de fazer as pessoas sorrirem, coleciona seus sorrisos no fundo de sua mente, pois acredita que são uma das coisas mais importantes de qualquer um. É amável e gentil com qualquer pessoa, ou nem tanto. Se ela não for com a sua cara, boa sorte.

Tenta ser sempre otimista, pois só assim para enfrentar as dificuldades da vida. Acredita que, por mais terrível que seja a situação, sempre há uma possibilidade de virar o jogo e fazer com que tudo volte a dar certo. É só ter um pouco de fé. Também prefere acreditar no melhor das pessoas, mesmo que elas não mostrem esse seu lado para os outros. Ela faria de tudo para ajudar um amigo, ou qualquer um que precise dela, mesmo que essa pessoa não admita isso.

É intensa como uma tempestade. Ela sente tudo em demasiada, raiva, rancor, amor. Tem um temperamento explosivo e inconsequente, é bem fácil deixa-la irritada (sendo mexendo em suas coisas ou com aqueles com quem ela se importa). Tem a língua solta, parece não ter um filtro entre o cérebro e a boca, pois sempre acaba falando tudo aquilo que lhe vem a mente, desde comentários sobre algo, a pensamentos e vontades aleatórias que teve. Na maioria das vezes é sempre algo engraçado, em outras algo muito constrangedor.

É teimosa e insistente, quando algo entra em sua cabeça nada a afaz mudar de ideia. Sempre dá o seu melhor naquilo que faz, o que desperta nela um certo espirito competitivo. É criativa e inteligente, mesmo tendo um Q.I bastante elevado ela nunca se deixa relaxar, sempre se esforçando. Chiel é muito curiosa, essa capacidade pode tanto ampliar seus conhecimentos, como mete-la em grandes furadas. Ela tem uma mania de falar sozinha, em voz alta, o que acaba sendo muito vergonhoso em dados momentos. É espontânea, tudo que faz é com a maior naturalidade e inocência, ou não.

Ela costuma sempre estar com um leve sorriso no rosto. Mesmo com todas as marcas em seu passado ela nunca deixa de acreditar que, um dia, as coisas melhoraram e ela obterá seu final feliz. Ela acaba pensando dessa forma, pois acha que é melhor ter esperanças, mesmo que vazias, do que ser vazia por dentro, sem esperar nada do futuro.

Tem uma espécie de dom especial, que ela gosta de pensar que seja um dom mágico, mesmo não sendo. Ela consegue saber o que as pessoas sentem só de olhar em seus olhos, e também, graças a isso, sabe quando ela está mentindo. E mentiras não agradam nem um pouco Chiel, pois a verdade é a base da confiança, e sem ela, tudo desaba. Se alguém mentisse gravemente para ela, Chiel não sabe se perdoaria.

É muito distraída, perde as coisas com facilidade. Não está muito atenta as coisas a sua volta, é um pouco esquecida. Costuma dizer que tem memória seletiva, que deleta tudo o que acha sem importância. Ela é tão avoada, que, mesmo que alguém goste dela, ela nunca saberia dizer, por isso espera que lhe avisem antes.

Ela cresceu sobre a pressão de muitas responsabilidades sobre si, então, muitas vezes, sente que tem o peso do mundo em suas costas. Ela sempre se sente responsável por aqueles que ama, sua família e amigos, e quando algo dá errado, ela sente que falhou consigo mesma. É como uma mãezona, calorosa e gentil, cuida sempre daqueles que se importa, e os protege com unhas e dentes, se torna até uma leoa para isso.

Após todas as... experiencias amorosas de sua mãe, Chiel passou a desacreditar nos homens e no amor. Ela acreditava que, assim como sua mãe, não tinha menor sorte com homens, e preferia envelhecer e engordar sozinha a ter que passar por tanto sofrimento e abandono. Apesar de estar sempre cercada pelo amor de sua família, há outro amor que ela deseja experimentar, o amor que ela mais teme e repudia. Ela deseja ter alguém que não desista delas, como tantos já fizeram.





Chiel vem de uma família muito humilde, então nunca teve uma vida fácil. Desde pequena teve de aprender a ter responsabilidades que a maioria das pessoas na sua idade não tinham, e até mesmo a enfrentar muitas coisas.

Ela é a mais velha dentre cinco irmãos. Sua mãe, Lina, tinha conhecido seu pai, Natsuki, quando ainda era uma adolescente de apenas 17 anos, no colégio onde estudava. Ele se encantou por ela,, ou ela por ele, e tinham um namoro feliz. Contudo, quando Lina descobriu que estava grávida, Natsuki não recebeu nada bem a notícia. Insistiu para que ela abortasse a criança, porque um bebê naquela idade só iria atrapalhar a vida dos dois. Lina ficou horrorizada com tal sugestão e negou veemente, se ele não queria aquela criança poderia ir embora, não era obrigado a assumi-la, mas Lina nunca mataria seu próprio filho. Natsuki teria feito exatamente isso se seus pais não o tivesse obrigado a casar-se com Lina e assumir sua responsabilidade como futuro papai.

Mesmo estando casada com o homem que um dia amou, Lina não se sentia mais feliz. Tinha agora que renunciar de uns bons anos de sua vida, os melhores, para cuidar daquela criança. Poderia ser uma perceptiva assustadora e inaceitável para qualquer adolescente, mas quando nasceu a pequena Chiel ela via que tudo poderia valer a pena. Desde então Lina passou a dedicar sua vida para cuidar da filha, e dos muitos outros filhos que vieram. Dois anos depois ao nascimento de Chiel, Lina deu a luz a um novo filho de Natsuki, Cecil.

Pode se dizer que Natsuki não ficou nada feliz em ter mais uma criança que o prendia àquela mulher. Estava perdendo o melhor da vida trocando fraudas, enquanto todos os seus amigos estavam curtindo por aí. Então com a morte de seus pais, a unica coisa que realmente o obrigava a seguir com aquela vida medíocre de pai pobre, ele viu sua liberdade. Abandonou Lina com dois filhos, sem nem pensar duas vezes. Apesar de ter ficado arrasada com isso, Lina sabia que esta era uma ação previsível, sabendo desde sempre que o "marido" nunca de fato quisera algo sério com ela. Então ela deu o melhor de si para cuidar de seus filhos, e jurou nunca mais se envolver com homem algum por um bom tempo, não queria ter de passar por tudo aquilo de novo.

Mas sua promessa se quebrou uns anos depois, quando ela conheceu Ren e resolveu arriscar a ter uma vida nova ao lado de um homem. Acabou tendo com ele três filhos, os gêmeos Akira e Midori, e o mais novo, Syo. No entanto Ren não era uma das pessoas mais confiáveis e indicáveis para ser um pai de família. Alguns anos depois, com ainda grávida de Syo, a polícia bateu a sua porta e levou Ren preso. O homem tinha envolvimento com a máfia e o crime organizado, era um bandido muito procurado pela polícia, e depois disso ela nunca mais o viu, nem fez questão de tal coisa. Estando mais do que comprovado sua falta de sorte com homens, e que falta de sorte, essa mulher precisa de um banho de sal grosso urgente, Lina definitivamente desistiu disso, agora é pra valer, e passou a trabalhar o máximo que podia para sustentar os filhos.

Chiel sabia o quanto a mãe se sobrecarregava, trabalhando em dois empregos, para sustentar os filhos e dar a eles tudo o que precisavam. Por isso ela tentou tirar algumas das responsabilidades dos ombros da mãe e coloca-las sobre os seus, cuidando dos irmãos e da pequena casa do subúrbio de Tóquio. Como Lina passava o dia inteiro, praticamente, trabalhando, quando chegava em casa tudo o que ela queria era descansar, então não tinha muito tempo para os filhos. Chiel se tornou a figura maternal para todos eles, principalmente para os mais novos, cuidando deles como uma verdadeira mãe faria. Pois mesmo com as péssimas condições de vida, mesmo que em algumas épocas eles chegassem a passar fome, naquela casa o que não faltava era amor.

Mas todas as suas famílias tem suas preocupações, Cecil, o segundo filho, era o mais apegado ao antigo padrasto, sua unica figura paternal, e o via como um modelo de ser um humano muito porcaria, ele foi o único a manter contato com Ren mesmo ele estando preso. E essa sua aproximação com o padrasto mafioso não poderia resultar em coisa boa. Já aos 14 anos, Cecil passou a se envolver no mundo das drogas e do crime. Ninguém na casa dos Sakurai sabia ao certo o porque do comportamento estranho que o menino passou a adotar, mas Chiel ficou muito preocupada. Tentou oferecer sua ajuda para qualquer problema que o garoto tivesse passando, mas foi rudemente afastada. Apesar de amar sua irmã mais nova, mais até do que amava sua própria mãe, Ren acreditava que estava seguindo o caminho que ele mesmo escolheu para si. O caminho que, segundo seu padrasto, o renderia muito dinheiro, e assim o menino poderia fazer algo para ajudar sua família, ajudar Chiel.

Todos esses problemas familiares preocupavam Chiel, mas meso angustiada e acabada, ela nunca deixava de lado o sorriso tranquilizador. Sabia que não podia se deixar abater por causa de seus problemas, haviam pessoas cotando com ela. Então ela tentava ser a melhor filha/irmã/mãe que podia. Ela, assim como Cecil, queria dar um futuro melhor para sua família, mas sabia muito bem diferencia a maneira certa da errada, não faria nenhuma besteira. Foi aí que ficou sabendo das bolsa que a Academia Ousai estava oferecendo. Estudar em uma escola renomada era a porta de entrada para um futuro brilhante que ela poderia ter, e compartilha-lo com sua família. Então não pensou duas vezes, mesmo não sabendo o que lhe aguardava naquela nova fase de sua vida.





Chiel sempre quis melhores oportunidades, para que pudesse ter um bom futuro, cuidar de sua família e ajuda-los a ter uma vida melhor. Mas sendo de família tão humilde, e com tantos outros irmãos para cuidar, era meio impossível ter um investimento pessoal em seus estudos. Quando ficou sabendo das bolsas que a renomada Academia Ousai oferecia, ela viu nisso sua chance. Além de ter uma oportunidade de ter um futuro melhor e sua família ainda receberia um pagamento por isso, muito mais do que necessário. Seria fácil. Afinal ela já tirava boas notas excelentes notas sem muita dificuldades, tudo o que ela tinha de fazer que não fazia em seu antigo colégio publico era cuidar de um aluno... Disperso. Fácil-fácil, né?











Quando foi escolhida para ser uma Honey, não estava nos planos de Chiel se envolver com seu "mestre". Afinal ele era só um garoto problemático que precisava de sua ajuda para não se tornar um completo fracasso. Sua relação não deveria ser mais do que profissional: ela ajudaria ele, ele pagaria ela. Mas nem de longe foi assim.

Logo ela descobre, da pior maneira possível, que Shu é uma pessoa muito difícil de se lidar. "Disperso" não chegava nem perto de descreve-lo. Ele era tão irritante com ela, sempre a ignorando fazendo-a ficar fervendo de raiva, por que ela odeia ser ignorada. Muitas vezes dava um surto de "taradisse" nele que a provocava, deixando-a completamente envergonhada e irritada. Eles de fato são opostos, enquanto ele é todo preguiçoso, não ligando para nada além da música, ela era agitada e dedicada. Uma combinação muito estranha.

De fato, a primeira coisa que Chiel pensou quando o conheceu era enquanto Shu era bonito, mas também no quanto seus olhos parecia tristes e vazios, mesmo ele estando com aquele sorrisinho de canto irritante. Ela queria vê-lo sorrir de verdade. Mas depois de ver como ele era realmente decidiu se focar totalmente na sua real missão ali, não se deixando distrair por... sentimentos estranhos. E ela levou sua tarefa a sério.

Está sempre correndo atrás dele pelos corredores da escola, pois o loiro faz questão de matar aula. Tenta de todas as formas fazer com que ele seja um aluno mais aplicado, mas Shu faz é leva-la para o 'mau caminho' com ele, fazendo-a matar aula junto de si entre outras coisas. O loiro era estranho, tinha pedidos e manias estranhas que, como Honey, ela era obrigada a aceitar, mesmo estando espumado de raiva. Mas quando envolve algum pedido pervertido ela não exita em bater nele e gritar um enorme NÃO. Shu poderia desistir dela por isso, mas acha o jeito da garota até divertido. Ela é como uma gatinha raivosa, querendo ser uma leoa.

Com o passar do tempo eles vão ficando cada vez mais próximos. Chiel lhe fala sobre sua família, sobre a necessidade de permanecer ali, mesmo ele sendo um completo idiota. Ele acaba se abrindo um pouco mais com ela também, se tornando amigos. No entanto a vontade de vê-lo sorrir de verdade nunca a abandonava. E ela não sabia o porque. A partir daí tudo fica cada vez mais confuso. Ela odiava ver com outras garotas por perto, sem´re suspirando por ele, e Shu sempre a provocava por isso, mesmo ele fazendo o mesmo com ela. Chiel não entendia, estava cada dia mais confusa.

Então, um dia, ela conseguiu. Pelo motivo mais bobo, ela conseguiu. Ele sorriu pra ela, não, ele riu, gargalhou. E foi algo tão bonito de ver, de se ouvir, e ela ficou tão exultante por ter sido a responsável do riso dele. Foi nesse momento que ela se deu conta do que estava acontecendo consigo. Ela gostava dele. E isso a apavorou.

Depois disso Chiel ficou assustada com esse novo sentimento. Tinha medo dele, sempre que lembrava de sua mãe, do que poderia acontecer com ela também. Tinha de parar com aquilo. Por dias ela ficou se falar com ele, sem ao menos ficar perto. Quem sabe a distância fizesse tudo voltar ao normal, e eles pudesse ser só amigos novamente. Quem sabe. Shu não entendeu nada do que estava acontecendo com ela, e logo foi atrás de tirar satisfação. Afinal tudo estava tão bem antes. Porque? Não sabia, mas só de estar longe dela se sentia bem mais vazio, como era entes de conhece-la





Pode ser algo meio óbvio, mas de fato Chiel não se enturmou bem com os outros alunas daquela escola. Todos vindos de família rica, tinha roupas que custava mais do sua casa, eram tão diferentes dela. Sem contar que a maioria deles não aceitou bem o fato de terem "plebeias" habitando no seu "castelo", e a repudiavam de várias maneiras possíveis. Já com as Honey era completamente diferente.

Com elas Chiel se sentia mais em casa, pois o jeito de algumas delas lembrava-a de seus irmão. Todas, ou a maioria, eram gentis com ela, pois sabia como era ter uma vida difícil e desprovida de luxos e ostentação. A morena acaba se tornando bem querida no meio delas, com seu jeito protetor passa a cuidar de cada uma, como faria como qualquer um de seus irmãs. Está sempre disposta a escultar seus problemas, ou oferecer-lhes um ombro amigo para despejar suas dores. Chiel também é meio que a "palhaça" do grupo, seu humor sarcástico e piadas sem graças acabam sempre arrancando risadas das meninas, e ela adora ver o sorriso no rosto de cada uma.

Em meio a uma discussão, que não poderia faltar em um momento deles, todas as cartas são postas na mesa. Ambos se dão conta do que sentem, mas somente Chiel admiti isso. Ela diz que não quer sentir, tem medo de sentir, então a distância sera melhor para os dois, pois nada doía como um coração partido. Então Shu se vê com duas opções: deixa-la ir e ser como era antes, ou estar com ela, sendo a pessoa que tinha se tornado.





•⚫• Lina Sakurai — Mãe — 35 anos •⚫•

Apesar de serem mãe e filha, ambas não convivem muito com a outra. Lina está sempre trabalhando para tentar sustentar a família, enquanto Chiel cuida da casa e dos irmãos. Chiel a admira acima de tudo, mesmo a mãe não sendo tão presente, ela faz de tudo para que nada falte aos filhos. É um exemplo de mãe determinada e batalhadora, o maior espelho que Chiel tem do que é ser humano. Assim como ela, Lina não se deixa abater pelas provações da vida e sempre segue em frente, sendo algo de família.

•⚫• Natsuki Tamashiro — Pai — 39 anos •⚫•

Chiel nunca teve muito contato com o pai, já que ele a abandonara quando ela ainda era muito pequena. Quase não lembra dele, mas odeia falar dele ou lembrar de algo relacionado a ele, pois assim é bem melhor. Dentro de si guardar uma mágoa enorme, ele desistiu dela, de sua mãe, de seu irmão. Os abandonou. Ela nunca perdoaria.

•⚫• Cecil Sakurai — Irmão — 15 anos •⚫•

Ela sempre foi muito próxima a Cecil, não por serem filhos do mesmo pai, mas pelos incríveis laços que os unem. Eram inseparáveis na infância e Cecil admira Chiel acima de tudo, até mais do que a mãe, que ele muito julgou injustamente por não ser tão presente na vida dos irmãos. Foi por causa dela que Cecil acabou se envolvendo com o mundo do padrasto, ou quase isso. Ele odiava ver a irmã se esforçando sempre sozinha para cuidar de todos eles, enquanto ele não fazia nada para ajudar. Essa acabou sendo a única maneira que encontrou, mas não sabia o quanto isso podia decepcionar Chiel.

Antes de ir para a Academia Ousai acabou descobrindo o que acontecia com irmão. Apesar da briga, apesar da decepção, ela entendeu. Cecil nunca foi uma má pessoa, só queria ajudar a família, assim como ela, mas estava fazendo da maneira errada. Depois de uma longa promessa ela o fez prometer desistir disso tudo, pois agora aquela família estaria nas mãos dele. Ela entraria numa nova fase de sua vida, faria de tudo para ajuda-los, mas ele teria de cuidar de todos. Cecil ficou surpreso e agradecido com a confiança que a irmã depositou nele depois de tudo, não iria decepciona-lo. Então eles voltaram a ser como antes, inseparáveis.

•⚫• Ren Houkai — Antigo padrasto — 37 anos •⚫•

Chiel nunca teve muito contato com o padrasto, desde o inicio temia que ele fosse como o pai, e acabasse machucando aquela família ainda mais. Apesar disso ele os deu mais novos integrantes a família, e ela é grata por isso, de certa forma. Depois do que aconteceu com ele Chiel não fez questão de ter mais nenhum contato, foi como se a existência dele fosse apagada de suas memórias.

•⚫• Akira, Midoria e Syo Sakurai — Irmãos — 7 e 5 anos •⚫•

Os pequenos são ainda mais apegados a Chiel, e ela a eles. Desde pequenos tratou deles como verdadeiros filhos, e eles até já chegaram a chama-la de Oka-chan (mamãe), mas ela logo os fez lembrar que, apesar de tudo, ela não era sua mãe. Com eles Chiel é ainda mais amorosa e cuidadosa. •Akira é super agitado e hiperativo, como ela, várias vezes chegava em casa com os joelhos ralados depois de jogar futebol na rua, e corria para os braços de Chiel em busca de carinho. Apesar disso ele quer ser independente, e não gosta muito dos mimos exagerados da irmã, mas acaba sempre sentindo falta quando não os tem, e vai atrás •Midori era a unica menina além dela, por isso são ainda mais próximas. A pequena sempre se espelha na irmã, e um dia espera ser que nem ela. Frequente-me estão trançando uma o cabelo da outra, ou fazendo coisas de garota. Chiel acha muito importante ter essa relação com a irmã. • Já Syo é o caçula, a alegria da casa. Esse sim é que nem chiclete, é quase impossível te-lo longe de Chiel por mais de 10 minutos. Consequentemente é ainda mais paparicado, o que causa o ciúmes de todos os outros irmãos.





Ela ama mitologia e fantasia, por isso seu escritor favorito é Rick Riordan (❤)

É ambidestra, pois aprendeu desde cedo a escrever com ambas as mãos, bem mais fácil.

Ela calça 34

Tem uma bela voz, apesar de não tocar nada, e adora dançar, sendo Ballet um de seus estilos favoritos.

Ama comidas apimentadas. E sempre que come muitos doces fica ainda mais agitada se é que é possível.

Sua cor favorita é azul a cor mais quente :p e preto

Ela adora animas. Mas ama Pandas de mais!

Um de seus hobbies é desenhar, e ela faz isso constantemente, sempre que está entediada também.






Mostrar Spoiler:
AƲISO! UƬiℓi∂α∂є Ƥυвℓicα!




Escutando: All Too Well - Taylor Swift
Lendo: A Ficha

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...