~Scorpio-no-Day

Scorpio-no-Day
Sua Morte
Nome: Daiana
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Currais Novos, Rio Grande do Norte, Brasil
Aniversário: 21 de Novembro
Idade: 15
Cadastro:

Camyno - Welcome to my world of fun :)


Postado

FOTO:























Camyno é albina . Ela tem cabelos brancos, pele pálida e olhos vermelhos; até mesmo as sobrancelhas e cílios são brancos. Seu cabelo é muito longo e atinge até os joelhos.

NOME HUMANO:

Camyno Stygman.

IDADE:

18

NOME CREEPY:

Suffocating. (sufocadora ou asfixiante)

CLASSE:

Bruxa.


Habilidades Especiais:

Manipular qualquer objeto que esteja a nove metros de distância de seu alcance.

Pode entrar na mente das pessoas só em tocar nelas, podendo manipula-las, fazendo-as se matar e etc.

Tem uma força sobre-humana, que foi dada a ela por Zalgo.

Vasto conhecimento em magia negra.

Pirocinese: é a capacidade mágica de criar e controlar o fogo, através das mãos, dos olhos ou da mente. Ele permite que o usuário crie bolas de fogos, além de jatos de fogo, entre outras formas. É um poder muito conhecido e usado pelos demônios, sendo de baixo ou alto nível. Apesar disso, esse poder é comunentemente usado como bolas de fogo, sendo que outras formas, são geralmente usadas por demônios de nível superior. Pirocinese é considerado um poder demoníaco, pois a maioria dos demônios o possui, mas não necessariamente, todos os demônios o tem.

Necromancia: é a suposta arte de se comunicar com o mundo espiritual para obter informações do passado, do futuro ou do pós-vida por meio da evocação dos mortos ou dos espíritos destes, utilizando-se ou não dos restos mortais que pertenceram a outras pessoas, podendo referir-se à feitiçaria ou magia negra. A necromancia tem a sua origem na crença de que os seres humanos viajam para um outro mundo após a morte e poderiam relacionar-se com os vivos, mantendo-se disponíveis para serem contactados e questionados.

Pode sufocar as pessoas só de olhar para elas.


Armas:

Não tem.

Personalidade:

Simpática e sorridente, uma pessoa muito hiperativa, está sempre balançando as pernas ou se pendurando em qualquer lugar que de para ficar pendurada ou de cabeça pra baixo. Costuma inventar canções em sua cabeça, as vezes só alguma melodia, as vezes cria letras muito estranhas, que geralmente falam de morte, de matar e coisas do tipo. É educada, mas não tem papas na língua, é sempre muito sincera e não hesita em falar o que pensa das pessoas na frente delas.

Tem um grande talento para descobrir coisas que as pessoas querem esconder, e nem precisa usar sua magia para isso, a arte de observar faz dela alguém meio que perigosa. Costuma deixar as pessoas muito confusas, pois ela é imprevisível, e digamos que ela seja uma ótima atriz, nunca se sabe quando ela está falando a verdade ou não.

Nunca se sente culpada, até hoje, não há uma coisa que ela tenha feito e se arrependido depois, não liga para as consequências, mas também não é uma pessoa impulsiva. Quando irritada, não da nem pra perceber, o sorriso largo que chega a ser perturbador nunca sai de seu rosto, mesmo que ela esteja consumida por ódio, sua expressão insana é sempre a mesma. Se está triste, se isola, costuma até chorar as vezes, raramente porque está triste, mas sim porque gosta de chorar, não entende ao certo o porque, mas ela gosta.

Tem um espirito muito cruel, falta humanidade e piedade nela. Apesar de ser "apenas" uma bruxa, tem uma personalidade e um jeito de pensar não muito diferente de um demônio, talvez seja por ter vivido sua vida inteira sendo vigiada e protegida por um. Gosta de brincar com objetos cortantes e de ficar em lugares altos.



História de como se tornou um Creepypasta:

30/10/1998

O quarto quente era iluminado apenas pelo circulo de velas negras, a dor física causada pelo parto recém-ocorrido nem se comparava ao imenso desespero da mulher. Estava sozinha, desde o inicio das dores, deu a luz sozinha, sem ajuda alguma, e agora, no seu local de rituais, deveria fazer a última invocação de sua vida para salvar a única coisa que tinha após tanto tempo de servidão ao mau.

Do lado de fora, o vento seco e quente batia-se contra a janela fechada do cômodo, fazia barulhos que mais pareciam murmúrios, deixando a noite mais triste que o normal. Tanto sangue escorria dela... O vestido branco agora se tornara rubro, a bruxa não teria tanto tempo. Só havia um jeito de salvar a criança, só havia um jeito de trazê-la de volta, não tinha outra opção.

Abraçou apertado o corpo pequeno e gelado em seu colo, enquanto as lágrimas grossas escorriam por suas bochechas pálidas e já sem vida, trincou os dentes ao fechar os olhos e chamou por ele com todas as suas forças.

- Ele está vindo... Ele é quem espera atrás da parede... Ele é quem espera pra acabar com tudo... – Disse ela a fitar o chão, começando o hino de invocação a Zalgo. – Tudo que tu sabe, tudo que tu é, ele vai destruí-lo e afasta-lo de ti. Ele vai chamar a besta para devorar tua alma, ele vai pegar o mundo todo e vai torna-lo imoral. Ele vem. Ele é quem irá cantar o fim da terra, como uma linda música. Que linda noite. Ele espera esta noite... Ele espera a escuridão. Ele é quem espera atrás da parede, ele é o caótico pânico geral. – Ela levantou o olhar, reparou na falta de efeito de suas palavras, fechou os olhos e clamou mais alto. – Comendo minha alma, fazendo-me imoral, assim como ele. Caos e casualidade, ambos desolados. Com ordem sem caos, não há mais. Ele espera por isso, ele é quem espera atrás da parede; espera o chamado, para liberta-lo. Ele vai destruir tudo, tudo será deitado para descansar nas mãos dele... Ele vai fazer tudo dele, se tu deixa-lo, TU deixa-lo, ele vai cantar a música do fim da terra. Ele é o sem olhos, o sem forma, ele será o que mente, ele estuprará tudo através desse mundo despedaçado, através dos meus olhos enegrecidos, através deste destino confuso, através dessa visão do mundo. – Uma corrente de ar fria se formou no quarto, ele estava perto, ela fechou seus olhos com força e falou com mais firmeza. – Eu cantarei a música, através de mim ele irá cantar, cantará todo o dia, para ele eu irei trazer. Eu trarei a volta dele, neste mundo cruel, do qual pisamos, do qual temos sido arremessados. Eu cantarei a música, e será assim... – O vento do lado de fora ficou mais forte, abriu a janela e invadiu o quarto fazendo as velas se apagarem, o vento seco agora era gelado. Ela podia senti-lo, os olhos da bruxa ardiam como se cem finas lâminas adentrassem os mesmos, olhou pra cima e apertou mais forte a recém-nascida em seus braços. – Serenatas do fim com a batida que todos conhecem, a batida do coração da terra, a música da alma. Aguente perto do teu coração, para a batida da música todos são a bateria, todos são a música. Ele espera atrás da parede, em um palácio de vidro triturado, servido por uma legião de esquecidos das lágrimas do morto sem forma, e vestido com uma armadura, esculpida pelo sofrimento das mães. Na mão direita ele segura a estrela morta, e na mão esquerda, a vela que ilumina a sombra. – Uma fumaça tão negra quanto as asas de um corvo ganhava forma a sua frente, Zalgo logo estaria ali. – A mão esquerda manchada pelo sangue de Dhaegar , e suas seis bocas falaram e diferentes, e a sétima deverá cantar a música que finaliza a terra. – A fumaça tomou a forma física de um homem. – Ele vem.

Os ombros da bruxa caíram, mas a mesma ainda segurava a criança com firmeza, respirava ofegante e se engasgava na própria respiração, olhou pra cima e seus olhos logo se encontraram com as orbitas negras e vazias do homem de manto negro a sua frente, Zalgo.

- Quanto tempo. Está cansada, Carmen? – Falou Zalgo com sua voz estridente, porém calma. Abaixou sua forma humana até a altura da mulher ajoelhada a sua frente.

- Meu Lord, por favor, tenho algo a lhe pedir.

- Pra que a pressa, criança?

- Eu não tenho muito tempo, Lord, estou morrendo. – A mulher de cabelos brancos falou já com os olhos encharcados mais uma vez.

- Diga. – Zalgo levantou-se e foi pra fora do circulo de velas, caminhado em volta das mesmas com um sorriso sínico no rosto de sua forma humana.

- No nosso contrato, 17 anos atrás, você me ofereceu o direito de pedir algo, qualquer coisa, em troca de almas, e guardei o pedido e usei meus poderes para lhe coletar almas por todos esses anos, quero fazer meu pedido agora.

- E eu já imagino o que seja. – Zalgo parou atrás da bruxa e entrou novamente no circulo, se ajoelhou bem próximo a ela.

- Ressuscite-a.

- Sabe que ela irá pertencer a mim, não sabe? – A mulher de olhos rubros sorriu discretamente e assentiu com a cabeça, olhou para o corpo sem vida em seu colo e o apertou com força mais uma vez. – Até logo, Carmen.

Carmen caiu para trás e foi segurada por Zalgo, ele a deitou no chão e a mesma já estava sem vida, neste instante, a criança nos braços da albina voltou a respirar e logo seu choro foi ouvido. Zalgo levantou-se e a pegou em seus braços, a pequena foi se acalmando pelos afagos do demônio que caminhava com ela em direção a janela, ele sentou-se na mesma e observou a criança abrir os olhos rubros lentamente e encarar sua face.

- Quem bom que não se assustou, Suffocating.



* * *


17/10/2012


“Na madrugada de ontem pra hoje, uma jovem de 14 anos foi responsável por um massacre em um orfanato, assassinou brutalmente os proprietários do local e mais de 30 crianças que moravam no orfanato, a garota já foi detida e levada ao manicômio de mais alta segurança do país.”




* * *



15/04/2014


Camyno estava deitada no chão da grande sala estofada, olhava para o teto e cantarolava uma canção qualquer que surgira em sua mente, balançava as pernas para lá e para cá.

- Está quase na hora, Camyno. – Sussurrou a voz de Zalgo, parecia estar atrás da parede.

- Sério? – Disse a albina virando rapidamente o rosto para a parede de onde a voz de Zalgo vinha.

- Sim, querida. Mas só vou te deixar sair se me prometer que vai se controlar mais de agora em diante, você não quer voltar a ficar em um lugar assim com essa coisa te prendendo e se nada pra fazer, quer?

- Não... – Falou a menina se sentando e olhando para baixo, fitando a camisa de força que puseram nela. – Eu prometo me controlar! – Disse ela sorrindo e se levantando em um pulo.

- Pode sair.

Camyno fechou os olhos e forçou seus braços contra a camisa de força, a mesma se rasgou na hora, Camyno pegou impulso e correu até a porta da sala, chutando a mesma e derrubando ela e todas as outras portas de aço que a trancavam naquele local. Enquanto caminhava, via que todos que estavam no manicômio tinham sido mortos, sorriu feliz, sabia que era coisa de Zalgo. Correu até a saída, não via a hora de respirar ar puro, chegando lá, havia vários homens do exercito aramados, olhou para o rosto de todos e ouviu a voz de Zalgo sussurrar atrás de si “deixo eles com você”, a garota abriu um grande sorriso, no momento em que os homens atiraram, ela fez as balas voltarem e matar os soldados.

- Está livre agora, Camyno. - Disse Zalgo em sua forma humana, sorrindo, parado ao seu lado, enquanto ela olhava o céu.

Se destaca em qual matéria:

A.I.

Vai se envolver com algum Creepy: (X) SIM ( ) NÃO QUAL:___Zalgo.____

Relação com os colegas de Classe:

Apesar de manter uma boa relação com todos, não se importa com quase ninguém.

Relação com seu par amoroso:

Durante todos esses anos, ela só teve Zalgo ao seu lado, ele a protegia como se fosse pai dela, ensinou a ela tudo o que ela sabe e até a ajudou com suas habilidades, mas Camyno nunca o viu como um pai, e depois de crescida, pode entender melhor o que sentia por ele. Ela é obediente a Zalgo, sua mãe o entregou a ele, então, ela sabia o que estava fazendo, por isso Camyno acha que não tem nada de mau em confiar em Zalgo, ele é o único que ela conta as coisas, e só o que ela ainda não contou é que o ama, e ela acha que ele nunca saberá disso.

Frase de Creepypasta:

"Bem-vindo ao meu mundo de diversão."

Como mata suas vítimas:

Sufocando-as apenas com um olhar. Ela tem muitas habilidades, mas essa é a que ela mais usa para matar, já que é a forma mais discreta.

Mascote:

Ela não tem, os animais não gostam dela :(

Informação Extra:

Apesar de ser muito ágil e flexível, se da melhor com sua magia do que com luta corporal.

Soundtrack: https://youtu.be/ML0XFlWkEvk


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...