~queenzone

queenzone
— alternative girl +
Nome: Isa[+bela] ❥ Boyfriend - @Bad_daddy
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: Indisponivel
Idade: Indisponivel
Cadastro:

Colégio RushMore.


Postado

Nome Completo:

Thomas Harrison.


Apelido:

Tom.


Idade:

32 anos.


Data de Nascimento:

02/06/1984


Descrição de aparência:

Thomas – ou professor Thomas – é um homem que, apesar de ter trinta e dois anos, não aparenta ter tal idade. Tendo uma pose e aparência bastante jovial, algumas pessoas ainda perguntam se ele tem vinte cinco anos, entretanto, ele apenas nega e sorri ladino.

Com os olhos azuis cerúleos e calmos, Thomas passa uma tranquilidade bastante curiosa, mas, de verdade, não queira vê-lo irritado. Soa mais como se a cor de seus olhos refletissem seus sentimentos. Seus cabelos são naturalmente castanhos, mas que, constantemente, ele vive mudando de cor. Algumas vezes para algo mais radical como: preto; loiro, e, até mesmo, rosa – mas isso foi apenas num surto de coragem.

Suas madeixas, atualmente, estão lisas – algo também natural – e compridas com, as pontas, descoloridas num tom loiro acobreado. Sua boca é, naturalmente, pequena e rósea, adornada por, quase sempre, sua barba por fazer.

Medindo 1,75 metro de altura ele pesa cerca de 63 quilos (que, por sinal) são bem distribuídos).


Interpretada(o) por:

Jared Leto.


Foto:


Suas tatuagens:



Personalidade:

Okay, eu podia contar, simplesmente, toda a personalidade mencionando sua história, mas vamos começar por partes.

Quer descrevê-lo como uma única palavra? Que tal mutação? A capacidade de se adaptar a tudo e a todos a sua volta? Thomas é, geralmente, uma pessoa bem inovadora. Carregando consigo pensamentos reformistas, Tom é do tipo de pessoa que odeia todo e qualquer tipo de rótulo e estereótipo – oque provem graças ao seu signo: gêmeos.

Considerado por muitos (exceto por seu pai que não aprova seu estilo de vida) uma pessoa bastante social, Thomas dificilmente tem algum inimigo, uma vez que ele não costuma julgar as pessoas apenas por sua aparência, ou algo do tipo, longe disso! Na verdade ele gosta de analisar as pessoas para, depois, julgá-las.

Tom odeia, definitivamente, rotinas – essa sim poderia ser considerada seu maior arqui-inimigo. Quando mais novo, gostava de se aventurar, realizar seus sonhos – ao menos os possíveis. Harrison poderia ser considerado um adolescente imprudente e rebelde. E, se ele for um pouco sincero consigo mesmo, admitirá que, apesar de todos os seus trinta e dois anos, ele ainda não é o exemplo perfeito para adulto-comum-com-uma-vida-comum-e-sem-graça.

“Eu saí dos dezesseis anos, mas os dezesseis anos não saíram de mim”.

Porém, juntamente com a idade, sempre vem o amadurecimento. E, com Thomas, não foi diferente. Talvez ele não tenha mudado completamente, mas mudou, (ele mesmo reconheceu). Antes, se lhe falassem sobre responsabilidades, ele simplesmente desconversaria e, antes mesmo que você percebesse, estaria envolvido num assunto completamente diferente do anterior. Porém, agora, com o amadurecimento de suas ideias e ideais, Thomas, como o bom a adulto responsável que é, simplesmente arca com suas responsabilidades. Pois, segundo seu pai, um homem de verdade arca com suas responsabilidades, independente de serem boas ou más.


História de Vida:

A história de Thomas está longe de ser considerado um conto de fadas, mas, também não acha que ela tem aqueles finais tristes e depressivos como a maioria das pessoas, na verdade, longe disso! Thomas nasceu dentro de um ambiente agradável ao lado de sua mãe, Elizabeth Taylor Harrison – uma doce mulher. E seu pai, Eliot Harrison.

Sabe quando você se senti a ovelha negra da família? Pois bem, era assim que Thomas se sentia dentro da sua: perdido. Para muitos, a família Harrison era a família perfeita e, de fato, eles eram. Mas, como Tom costuma – ou costumava – dizer: perfeição demais enjoa, aos quinze anos acabou fugindo de casa – uma decisão imprudente e impensada. Na verdade foi mais um impulso do qualquer outra coisa.

Porém, três dias depois longe de casa, Tom descobriu que viver nas ruas, sobre suas próprias regras – e sem nenhum dinheiro o bolso – não era uma alternativa tão boa assim, afinal de contas. Então, ele acabou voltando para casa. Todavia, apesar de ainda ter passado muitos anos vivendo sob o mesmo teto que seus pais, ele ainda sentia o mesmo sentimento. Por isso, ao completar dezoito anos e ter conseguido, com muito custo, juntar dinheiro, não tardou muito tempo para que ele, definitivamente, saísse de casa sem intenções de voltar.

Mudou-se para (cidade aonde a fic irá se passar) com apenas uma mochila nas costas, um celular descarregado, uma passagem de ônibus e alguns trocados no bolso. Se firmar ali foi difícil, mas não impossível – digamos que ele goste de um desafio. Começou de baixo: trabalhando num velho Starbucks da cidade, depois para um cercadinho e, em seguida, como garçom em um restaurante de luxo da cidade. E essa sina se repetiu por alguns anos, quando, numa entrevista de emprego para bibliotecário de uma escola – porque ele tinha sido demitido do anterior por ter discutido com um cliente racista que não aceitava dividir o ambiente com um neguinho (como ele chamara um dos clientes do estabelecimento) – ele percebeu que, o diretor do Colégio RushMore, precisava de um professor de filosofia e, caso eu não tenha citado, ele é ótimo em filosofia (inclusive até já fez faculdade e, na sua antiga escola, essa era uma de suas matérias preferidas assim como sociologia).

Começou no colégio como estagiário, mas, depois de alguns meses, mais precisamente cinco meses depois, ele foi efetivado pelo colégio.


Orientação Sexual:

Ele é homossexual e, eu não sei se terá cenas mais quentes, mas, ele é #temrevezamento.


Nome dos Pais:

Elizabeth Taylor Welter.

Eliot Harrison.


Idade dos Pais:

Se estivesse viva, atualmente, Elizabeth teria sessenta e dois anos.

E, seu pai, Eliot, setenta dois
.

Interpretados por:

Como sua mãe já está falecida não irei colocar quem a interpreta.

Eliot: George Cloney.



Personalidade:


Mãe:

Era uma mulher estereotipada que acreditava que quem deve sustentar a família é o homem e que, a mulher, só serve para satisfazê-lo sexualmente e cuidar da casa. Mas, apesar disso, meiga. Elizabeth era uma mulher bem evangélica, de olhar critico em coisas que não aprovava.


Pai:

Eliot era – ainda é na realidade – um homem sério e centrado nas coisas que faz. Sempre foi uma pessoa de olhar critico, do tipo que colocava defeito até onde não tinha. Agradá-lo era difícil e, deve ser por isso, que Thomas desistiu de tentar viver para ele, e sim viver por ele.

Atualmente ele vive sozinho, mas ele pouco se importa com isso. Eliot tem mal amor a si mesmo quanto mais por seu filho único.


Se tiver irmã(o) será () 1 () 2 () 3 () Mais de:

---


Nome Completo:

---


Idade:

---


Data de nascimento:

---


Personalidade Irmã(o):

---


Na Escola ele/ela é;

() Popular.
() Nerd.
() Bagunceira(o).
() Emo.


Nenhum, Thomas, na verdade é um professor da matéria de filosofia. Tudo bem que ele só fez faculdade e não fez pós-graduação, porém isso não atrapalha no seu desenvolvimento como professor. Na verdade, Thomas é uma pessoa bem antenada e isso facilita na hora de passar os conteúdos e debater sobre eles.


Música Tema:


Into the night
Desperate and broken
The sound of a fight
Father has spoken

We were the Kings and Queens of promise
We were the victims of ourselves
Maybe the Children of a Lesser God
Between Heaven and Hell
Heaven and Hell

Into your lives
Hopeless and Taken
We stole our new lives
Through blood and pain
In defense of our dreams
In defense of our dreams

We were the Kings and Queens of promise
We were the victims of ourselves
Maybe the Children of a Lesser God
Between Heaven and Hell
Heaven and Hell




Desesperado e sem dinheiro
O som de uma luta
O Pai se pronunciou

Nós fomos os Reis e as Rainhas da promessa
Nós fomos vítimas de nós mesmos
Talvez os Filhos de um Deus menor
Entre o Céu e o Inferno
O Céu e o Inferno

Em suas vidas
Sem esperança e tomadas
Nós roubamos nossas novas vidas
Através do sangue e da dor
Para defender nossos sonhos
Para defender nossos sonhos

Nós fomos os Reis e as Rainhas da promessa
Nós fomos vítimas de nós mesmos
Talvez os Filhos de um Deus menor
Entre o Céu e o Inferno
O Céu e o Inferno


Música Tema do casal:


Have you got colour in your cheeks?
Do you ever get the fear that you can't shift the type
That sticks around like summat in your teeth?
Are there some aces up your sleeve?
Have you no idea that you're in deep?
I've dreamt about you nearly every night this week
How many secrets can you keep?
Cause there's this tune I found
That makes me think of you somehow
And I play it on repeat
Until I fall asleep
Spilling drinks on my settee

(Do I wanna know?)
If this feeling flows both ways?
(Sad to see you go)
Was sorta hoping that you’d stay
(Baby, we both know)
That the nights were mainly made
For saying things that you can’t say tomorrow day

Crawling back to you
Ever thought of calling when you've had a few?
Cause I always do
Maybe I'm too busy being yours to fall for somebody new
Now I've thought it through
Crawling back to you




Você tem cor em suas bochechas?
Você já teve aquele medo de não poder mudar
O tipo que gruda como algo em seus dentes?
Esconda alguns ases na sua manga
Você não tem ideia de que você é minha obsessão?
Eu sonhei com você quase todas as noites essa semana
Quantos segredos você consegue guardar?
Porque há essa música que encontrei
Que me faz pensar em você de alguma forma
E eu a coloco para repetir
Até eu dormir
Derramando bebidas no meu sofá

(Eu quero saber?)
Se esse sentimento é recíproco
(Triste te ver partir)
Eu meio que esperava que você ficasse
(Baby, nós dois sabemos)
Que as noites foram feitas
Para dizer coisas que você não conseguirá dizer amanhã

Me rastejando de volta para você
Já pensou em ligar quando você teve poucos?
Porque eu sempre penso
Talvez eu esteja muito ocupado sendo seu para me apaixonar por um novo alguém
Agora tenho pensado bem sobre isso
Me rastejando de volta para você


Relação com os pais:

Eliot:

Depois de ter saído de casa, foram poucas as vezes que ele visitou o pai. Apenas umas três vezes e, todas, quando sua mãe era viva. Depois que Elizabeth morreu devido a um câncer, ele não tinha mais motivos para continuar a visitar a casa de alguém que não o apoiava e, muito menos, demonstrava carinho. O relacionamento dos dois era, e ainda é, de longe um dos melhores.


Eliot é um homem bastante conservador, sério e, de mente pequena. Tanto que, para evitar conflitos, Thomas não contou a ele sobre sua orientação sexual.


Relação com irmã(o):

---


Relação com amigos:


Por ser uma pessoa bastante interativa, ganhar a confiança de Thomas é algo fácil, e ele admite. Harrison é do tipo de pessoa bastante social e por isso, não têm alguém para considerar melhor amigo. Ele é aquela pessoa que, você está parado numa fila enorme do banco esperando que ela possa, finalmente, começar a andar, e ele puxa assunto com você, mesmo que seja sobre o tempo.

Thomas, geralmente, costuma passar bastante confiança e, deve ser por isso, que algumas pessoas acabam confundindo sua amizade com algo a mais.


Relação com inimigos:

Thomas, como já foi citado, dificilmente possui algum inimigo, mas, caso alguém algum dia, queira ser inimigo dele, saiba que a expressão “quem brinca com fogo, acaba se queimando”[/i] é perfeita para ele. Thomas, normalmente, não gosta de se meter em brigas, mas [i]“se me ataca, eu ataca”.


O sarcasmo é uma de suas defesas.


Relação com professores:


Seus colegas de trabalho.

Alguns apoiam, tanto a forma como ele costuma ensinar seus alunos, como seu estilo de vida. No entanto, sempre tem aqueles com quem não se dá bem e o reprovam alegando que a forma com que ele ensina os estudante do colégio RushMore, de forma muito libertina. Geralmente Thomas não costuma ligar para esses comentários – contando que eles não sejam ofensivos.

Eu poderia dizer que os que não gostam de sua metodologia de ensino são os seguidores do diretor do colégio, que ainda não aceita o fato de que o conselho estudantil deixou que ele desse aula em sua escola. Na verdade, se fosse por ele, Thomas a tempos já tinha sido demitido, porém ele não podia, simplesmente, demiti-lo sem justa causa.


Relação com o par:

Eu não sei se Thomas terá um par, até porque ele é professor, mas, caso alguém queira ser par dele, é só falar :)

Thomas é uma pessoa que presa sua liberdade e ele deixa isso claro, então seu par, não poderá ser ciumento, mas, se for, que seja um ciúmes moderado. Ele, geralmente, é uma pessoa difícil de se apaixonar, porém, se ele gostar, realmente, da pessoa, tentará fazer o seu melhor. Mas ele não mudará completamente, até porque ele acredita que, quem gosta de verdade, gosta até mesmo dos pequenos defeitos
.


Estilo:

Professor Thomas tem um estilo bem jovial: calças surradas e com rasgos nos joelhos; regatas; tênis; coturnos; jaquetas de couro ou jeans e camisas xadrez, são peças essenciais em seu guarda-roupa. Já com seus cabelos, ele costuma deixa-los solto, amarrados num coque alto, ou trançados – ele mesmo que faz as tranças.




Como é sua mochila? Descrição da mochila:

Às vezes ele usa mochilas, mas, geralmente, ele costuma usar pastas executivas.

Mochilas: normalmente são pretas, sem muitos desenhos. Com apenas três bolsos na parte exterior, onde ele costuma guardar pequenos papeis, estojos, e embalagens de doces – porque ele é um maldito viciado em doces. Na parte interior tem duas divisórias, uma onde guarda os cadernos e livros e, outra, onde ele guarda o notebook.

Já a pasta, é também negra de couro, com três divisórias na parte exterior, e na parte interior, apenas duas.


Foto da mochila:

Mochila:



Pasta:



Como é seu quarto? Descrição do quarto:

Por morar sozinho num apartamento pequeno, o quarto faz divisão com a cozinha/sala. As paredes são brancas, com prateleiras nos mesmos – estas que estão sempre ocupadas por livros, gibis, DVD’s. de frene a cama de casal, fica um tela plana de cinquenta polegadas. Do lado direito da Tv, tem uma porta que dá acesso ao banheiro, também pequeno.

Tem um balcão de mármore dividindo o apartamento, dois banquinhos de frente ao mesmo, uma cozinha pequena e no mais.

Um apartamento de solteiro.


Foto do quarto:



Sua casa é? Descrição:

Na verdade ele mora numa quitinete.


Foto:




Qual seria o número de seu dormitório no colégio?

---


Aceita sexo?

Yep!


Está ciente que se não comentar seu personagem sumirá?

() Sim.
(x) Obvio.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...