~atIantiz

atIantiz
»bitch«
Nome: •°•°•nobody's here°•°•°•
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Cabeceiras, Goiás, Brasil
Aniversário: Indisponivel
Idade: Indisponivel
Cadastro:

H I M


Postado


❝But {{y o u}} won'tsee』 me fall apart
Cause I'veg o t』 an elastic heart



・゚.✧*・.✧゚Nome & sobrenome・゚.✧*・.✧゚
Marilyn Young Morgan
O nome Marilyn é de origem inglesa e significa “estrela da manhã”. Seus apelidos mais comuns são Lyn & Mari.


・゚.✧*・.✧゚Idade & data de nascimento・゚.✧*・.✧゚
19 anos | 18.06 | Gêmeos


・゚.✧*・.✧゚Casta・゚.✧*・.✧゚
Casta 6 | Garçonete


・゚.✧*・.✧゚Aparência ・゚.✧*・.✧゚
A jovem Marilyn Morgan por toda sua vida foi dotada de grande beleza. Uma verdadeira obra prima, muitos diriam. Não foi agraciada verticalmente, mas isso nunca a impediu de esbanjar uma beleza diferente. Algo que foge dos padrões normais, algo mais misterioso, cativante. Seu rosto de formato alongado e maxilar marcado foi presenteado com os mais belos traços. Seus olhos levemente esverdeados esbanjam insanidade, um enorme poder de encantamento. Lembra para muitos a inquietude das ondas marinhas que se chocam fortemente contra as pedras. Sua pele cor de marfim é naturalmente perfumada de um aroma leve e adocicado. As madeixas castanhas da jovem possuem uma textura sedosa, com as pontas levemente clareadas, o corte que Mari utiliza cai perfeitamente sobre a altura de seus seios. Suas sobrancelhas são arqueadas, expressivas, o que costuma chamar atenção para sua boca carnuda e rosada. De fato, Lyn é dotada de extrema e pura beleza. Parece com uma boneca de porcelana, que se quebraria ao mais singelo toque.





[lucy hale]


・゚.✧*・.✧゚Personalidade・゚.✧*・.✧゚
Ela é jovem, isso em si já diz muita coisa. Lyn vive num mundo colorido e sensual inspirado por suas conexões com pessoas e ideias. É bem fácil encontrá-la em eventos sociais ou coisas do tipo, basta procurar pelo aglomerado de pessoas ao seu redor. Rindo e entretendo a todos com seu humor negro e rustico, definitivamente ama ser o centro das atenções, ela é a atriz e o mundo é seu palco. Uma pessoa sintonizada em variações sensoriais, isto lhe confere a incrível capacidade de trabalhar com diferentes tonalidades de emoções, acontecimentos e cores. Essa sensualidade observadora parece brotar naturalmente dentro dela, como uma capacidade inata.


Alegra-se a reinterpretar conexões, reinventar ideias, inovar. Gosta de fugir do senso comum e pensar diferente, ser diferente. Mari possui um inacreditável senso de espontaneidade, isso a faz ser imprevisível, até mesmo para as pessoas mais próximas. Gosta de drama, paixão e prazer, não pela emoção, e sim porque estimula sua mente lógica. Se pessoas fossem comparadas com fenômenos naturais, Marilyn Morgan seria o furacão. Incrivelmente sarcástica, utiliza da ironia em quase tudo que diz, seja brincando ou na direta intenção de atacar alguém. Não é difícil vê-la soltando os comentários mais absurdos e afiados nas piores horas. Não sebe lidar com emoções e nunca consegue descrevê-las muito bem, bom ombro amigo, mas uma péssima conselheira. Se alguém a pedir um conselho em seu lugar ela vai dar algum comentário sarcástico sobre a situação. Então, não a peça para acalmar ninguém, Lyn só vai fazer a pessoa se sentir pior.


A primeira palavra que descrevem Marilyn ao conhecê-la? Eufórica. Não se pode discordar, a jovem é de fato bastante extrovertida. Não reprime qualquer tipo de emoções e as libera a todo minuto. Seja sorrindo, gritando ou chorando, Mari simplesmente sente tudo que se deve sentir. Não possui papas na língua ou o mínimo bom senso do que se deve ser dito. Vive a vida de forma espontânea, livre, com a maior graciosidade possível. Seu maior desafio talvez seja planejar o futuro. Lyn não gosta de rótulos ou planejamentos, os odeia seria a forma certa de se referir. Costuma fazer tudo por impulso, no calor da emoção e no auge do improviso. Não segue padrões ou lê roteiros, Marilyn simplesmente faz o que der na telha. E mesmo que aparente uma face de pessoa gentil e fácil de lidar, ela é tudo, menos serena. Na minha mera opinião de narradora, explosiva seria o adjetivo perfeito. Alguém ferozmente independente. Repudia todo e qualquer tipo de subordinação. Nunca deu-se muito bem em locais extremamente organizados, tendo frequentemente problemas na escola. Não se engane, tal fato não é ocasionado pela falta de inteligência da jovem e sim por sua incrível teimosia. Regras são feitas para serem quebradas, pelo menos é assim que a Lyn pensa.


Marilyn vive todos os dias como se fosse seu último. O que a leva a ser agitada, vingativa, teimosa. Sua energia é tanta que quase pode ser palpável. Vive o momento e mergulha-se na ação, é o centro da tempestade. Seu maior defeito é sem duvida o seu incrível e inabalável orgulho, nunca admite estar errada por mais que tenha consciência disso. É raríssimo vê-la pedindo perdão a alguém e quando o faz, é por que ultrapassou todo e qualquer limite possível, mas ainda assim o seu perdão é de mau gosto, sem a mínima vontade. Engana-se ao pensar que Marilyn é alguém sonhadora. Incorpora os dons do carisma e confiança, projetando autoridade de um jeito que atrai multidões em busca de um objetivo. Mas apesar de tudo, é caracterizada por um nível cruel de racionalidade, usando sua motivação, determinação e mente astuta para atingir o que eles deseja.


Tem uma personalidade mais perceptiva e sem filtros, o que a torna capaz de notar as mais singelas mudanças, tanto físicas quanto emocionais. Brincalhona e debochada, Marilyn é simplesmente odiada pela maioria de seus supervisores. Ela não apenas gosta de causar confusões, ela é a confusão. Ferozmente rebelde e indomável, caracteriza a si própria como uma insana de corpo e alma. Mari ama contrariar, perguntar, rebater. Costuma entrar numa incessante batalha mental com seus adversários, e não para até cansá-los com suas respostas habilidosas. As palavras são sem dúvida sua maior arma. Não costuma partir para o confronto físico e a maioria de suas brigas caracteriza-se por argumentos rápidos e respostas sarcásticas. Por mais que nunca admita, ama uma briga de perguntas e repostas. Gosta de desafios, mas apenas os mentais, ela é horrível em esportes. Marilyn é o quente e o frio, o doce e o amargo, a luz e as trevas. Não é do tipo que se é possível descrever com um punhado de palavras soltas ao vento e sem conexão. Se de fato existe uma palavra no dicionário que a defina, esta é bastante complexa.




・゚.✧*・.✧゚História ・゚.✧*・.✧゚
Tudo começou numa noite desgostosa dos anos 90. Katherine Morgan tinha acabado de dar a luz a terceira filha quando tudo que ela tentava esconder desmoronou junto dela. Ela tinha três filhas com apenas 27 anos, nunca tinha realizado seus sonhos e trabalhava como recepcionista num hotel imundo. Tudo na sua vida estava errado e em poucos minutos segurando aquele pequeno bebê que nomeara de Marilyn, Katherine percebera isso, ela não poderia mais viver daquela forma. Tinha de fugir, precisava fugir. Levada pelo impulso enquanto todos dormiam, a jovem fugiu de casa e abandonou suas três filhas ao cuidado do marido.Quando Scott, marido de Kat, acordou ele encontrou apenas um bilhete de sua esposa, afirmando que não conseguiria mais fazer aquilo e que havia abandonado as filhas e ele. Foi nesse ambiente que Marilyn foi obrigada a viver, ou melhor, sobreviver.

Depois que sua mãe foi embora a vida da jovem, que mal começara, passou por altos e baixos. Suas irmãs não entendiam o que tinha acontecido, ou pelo menos não queriam entender. O pai da jovens, que deveria ter assumido o controle e cuidado delas, em vez disso afogou-se na bebida. Para esquecer todo o sofrimento e as magoas que tinha da mulher Scott bebia dia e noite sem parar, voltava para casa sujo, fedendo e sem falar coisa com coisa. Ele amava as filhas, é claro, mas não estava pronto apara assumir tudo aquilo sozinho. Os cuidados de Marilyn recaíram sobre os ombros de suas irmãs mais velhas, eram elas que cuidavam da garotinha. Até os 3 anos, Mari acreditava que sua irmã mais velha era sua mãe. As três se amavam e se protegiam de tudo.


Lyn perdeu as contas de quantas vezes seu pai foi demitido, ou quantas vezes encontrou as irmãs chorando e implorando para que ele parasse de beber, mas ele não parava, e o que antes era uma forma de esquecer a dor, virou um vicio terrível e incontrolável. Durante longos e cansativos anos a vida das garotas se resumia a ver o pai ser demitido e pedir dinheiro emprestado para pagar a escola ou o aluguel, quando não o emprestavam ele recorria a uma tática não muito eficaz: fugia de suas dívidas e mudava para outra cidade. Ele prometia que trabalharia para pagar tudo, mas quando dava por si ele estava bêbado novamente e sem emprego. Dessa forma as dividas foram se acumulando mais e mais e como tudo na vida, uma hora seu tempo acabou.


Com 14 anos Mari nem sentia mais tanto a falta do pai, suas irmãs e ela davam conta do recado e cuidavam uma da outra. Eram apenas elas três contra um mundo frio e cruel. Cuidavam da casa, arranjavam pequenos empregos que rendessem pelo menos algum tostão, cozinhavam e estudavam. De alguma forma maluca elas faziam aquela vidinha miserável dar certo. Até que um dia alguém bateu a porta da família Morgan enquanto as garotas estavam na escola. Marilyn foi a primeira a voltar para casa, já que era a mais nova saía mais cedo e assim que entrou em casa, viu a cena mais tenebrosa de sua vida: seu pai estava morto sobre o chão da sala, com uma faca no peito. As dívidas que ele tanto havia o encontrado. Suas três filhas foram enviadas para um orfanato. O local era sujo, mas pelo menos elas estavam juntas, pelo menos era isso que acreditavam. Depois de um mês no local, uma família rica decidiu que adotaria Marilyn, mas não adotaria suas irmãs que eram velhas demais. Tudo estava planejado, ao menos uma das garotas da família Morgan teria uma vida decente.


Mas Lyn não queria ir sem suas irmãs e elas não queriam abandoná-la. Então um dia antes de ser levada para a casa nova, Mari fugiu com suas irmãs. Já estavam tão acostumadas com mudanças que nem se importaram de fugir novamente de cidade. Arranjaram um apartamento pequeno e alguns empregos medíocres. Incluindo um de garçonete para Marilyn. As coisas foram se ajeitando e Marilyn terminou a faculdade de jornalismo, seu real sonho. Porém para ingressar no emprego desejado ela teria de escrever uma reportagem sobre a família real. A garota é ambiciosa e se inscreveu num dos maiores jornais do país, por isso a maioria das pessoas que também se candidatou é mais politicamente informada e inteligente que Mari. Não a julgue, quando se está tendo de cuidar de uma casa e de seu pai bêbado não sobra muito tempo para se informar. Foi então que ela teve uma ideia: iria se inscrever na seleção e ver a família real de perto, não esperava ganhar, mas de qualquer forma, sua reportagem sem duvida seria a melhor. Afinal, Marilyn Morgan não é o tipo de garota que desiste fácil.



・゚.✧*・.✧゚Gostos & Desgostos ・゚.✧*・.✧゚
Gostos
Ama ler, praticar esportes, cavalgar. Ama flores, de todos os tipos, por isso vive constantemente indo aos jardins que encontra pela frente. Estrelas, Lyn poderia observá-las o dia inteiro, cada constelação e luz é única para ela, sendo uma completamente apaixonada por astronomia. Fotografia, a garota tem uma terrível vontade de tirar foto de tudo e todos, levando sempre consigo sua câmera. É apaixonada pela praia e pelo mar, é prazeroso observar as ondas batendo fortemente contra as pedras enquanto sente a areia molhada em seus pés, porém é uma péssima nadadora. Ama cavalgar e sentir a brisa da manhã se chocando contra sua pele, sendo excelente em tudo que envolva cavalos. Tem uma paixão gigantesca por amoras e morangos, são suas duas frutas favoritas. Ela também adora ouvir músicas, qualquer tipo de música, mas principalmente as mais calmas, com uma pegada mais indie. Mari adora sentar ou deitar em algum lugar e ouvir pessoas contarem histórias, seja histórias de vida, ou histórias de livros, assim como ama lê-los. Se ela gostar da história, provavelmente vai fechar os olhos, e imaginar os cheiros, os tatos, os sabores, os barulhos. Gosta de pessoas divertidas, desenhar coisas aleatórias e tocar violão.



Desgostos
Odeia pessoas arrogantes, chega a sentir mal perto delas. Detesta qualquer tipo de sapato alto, afirmando que eles machucam seus pés, por isso se recusa a usá-los. Odeia que tentem lhe controlar ou que imponham regras, gosta de se sentir livre e defende com todas as usas forças esse direito. Não suporta quando a comparada com alguém. Não gosta limão e tudo que contenha limão, mas não a pergunte o motivo, pois ela não saberá lhe dizer. Ela também detesta quando as pessoas a colocam para baixo, ou começam a julgá-la sem motivo. Não suporta primeiras impressões, e sempre fica irritada quando alguém a julga. Não gosta de insetos, desde borboletas a baratas. Odeia neve e odeia inverno, por mais que ame se enrolar nas cobertas, ela não gosta do inverno. Prefere o outono. Também não suporta se sentir vulnerável. Pessoas que a acham idiota e creem que enganá-la será fácil, é patético. Pessoas que tentam controlá-la.



・゚.✧*・.✧゚Hobbies ・゚.✧*・.✧゚
Um dos seus hobbies é escrever, principalmente pequenos poemas aleatórios, que ela guarda em um pequeno caderno. Normalmente escreve sobre coisas que a fascinam, como as estrelas, personagens de livros e até mesmo sobre algumas pessoas que são importantes para ela.


Ouvir e tocar música. Marilyn sempre foi completamente apaixonada por música. Aprendeu praticamente sozinha a tocar diversos instrumentos, ela via alguns tutoriais e começava a praticar até aprender. Seu instrumento favorito é o violão. Conhece cada uma de suas notas como conhece a si. Adora dedilhar e instrumento, sem ter que olhar as notas, ou ter que ouvir alguém sussurrá-las para ela.


Outro de seus hobbies preferidos e fotografar. Ela fotografa qualquer coisa que acha interessante: pessoas, flores, estrelas. Vive com uma câmera e em seu quarto se encontra as mais variadas fotos, porém a maioria ela não está presente. Marilyn não gosta de tirar fotos de si mesma.


Observar a natureza. Mari costuma tirar um pouco de seu tempo para observar a paisagem ao seu redor, ela é uma completa obcecada pela beleza da mãe natureza. Gosta de estar num lugar belo, sentir os aromas, as texturas, até mesmo os sabores. Tais coisas acalmam a jovem e lembram-na que o mundo não é só maldade e perda.



・゚.✧*・.✧゚Medos/Fobias ・゚.✧*・.✧゚
Acrofobia | Medo de altura
Medo de acabar como seu pai
Medo de abrir seu coração e acabar se machucando

OPINIÕES

・゚.✧*・.✧゚O que ela pensa sobre o príncipe e a seleção? ・゚.✧*・.✧゚
Marilyn não tem uma opinião formada sobre ele. Não pode negar a sua beleza (e que beleza!), mas não o considera muito além disso, pode-se dizer que tem uma opinião neutra sobre ele. Sobre a seleção, acha que para muitas garotas pode ser a chance de mudar sua vida e criar novos horizontes. Mas acredita também que tudo não passa de uma farsa para iludir as jovens de casta baixa, pois acredita que apenas as de casta alta serão escolhidas. Dessa forma, suas esperanças em relação à seleção são bem baixas, quase nulas
.

・゚.✧*・.✧゚Está pela coroa ou o príncipe? ・゚.✧*・.✧゚
No começo por nenhum dos dois, mas depois pelo príncipe.

RELAÇÕES
・゚.✧*・.✧゚Com as outras selecionadas・゚.✧*・.✧゚
Tentará de fato fazer alguma amizade. Da forma como gosta de atenção, ela realmente deseja ser amiga de alguma das garotas. Porém se a maltratarem, ela irá maltratá-las.


・゚.✧*・.✧゚Com o príncipe ・゚.✧*・.✧゚
No começo Mari será meio relutante, por medo de abrir seu coração e por não saber como se lida com tais emoções, de inicio Lyn será meio indiferente, quase como uma amiga intima e não alguém que deseja algum casamento. Ela irá conversar com o príncipe sobre interesses em comum, rir, fazer piadas, desafiá-lo, enfim, ser ela mesma. Com o tempo Marilyn irá perceber que seus sentimentos não são apenas amizade, ela nunca imaginou que pudesse tanto amar um sorriso como ama o dele ou que fosse tão fácil conversar com alguém que ela conhece a tão pouco tempo.



・゚.✧*・.✧゚Chave ・゚.✧*・.✧゚
if this is love then love is easy.

・゚.✧*・.✧゚Algo mais? ・゚.✧*・.✧
Estilo
(eu não sabia se era proibido usar calças ou não, mas eu coloquei, qualquer coisa só avisar)








Curiosidades
A câmera de Mari é uma Sony SLT-A77V
O assassino do pai das garotas nunca foi descoberto.
Seus livros favoritos são: Sherlock Holmes e Orgulho e Preconceito. Ela afirma preferir livros e filmes antigos, pois acha que os atuais perderam sua essência, dessa forma seus filmes preferidos são os clássicos.
Algumas das roupas de Marilyn foi ela mesma que costurou. Não tinha dinheiro para comprar novas, então optou por fazê-las.
Marilyn nunca conheceu a mãe e nunca teve coragem de perguntar muito sobre ela, porém guarda consigo um bilhete que ela deixou para as filhas.

O bilhete
❝Queridas filhas,
Sei que provavelmente vão me odiar depois disso, eu também me odiaria. Mas eu não consigo mais. De uns dias para cá percebi quantos anos preciosos de minha vida eu perdi, percebi o quão sozinha eu estou. Não me entendam mal, isso não é culpa de vocês, nunca será, eu amo todas vocês. Acontece que eu tenho sonhos, quero seguir meus sonhos e não permanecer trabalhando para um hotel imundo pelo resto de minha vida. Escutem bem o que eu digo: lutem, nunca deixe que nada estrague o seu desejo de conquistar o mundo, de ser alguém, de sonhar. Mesmo que estejam fazendo alguma loucura como eu, façam sem olhar para trás. Sigam seus sonhos, assim como estou seguindo o meu. Mamãe❞



Família
「Louise Morgan • 27 anos • Irmã • Recepcionista」

[troian bellisario]

「Jessica Morgan • 25 anos • Irmã • Garçonete」

[victoria justice]





Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...