~ultravioletta

ultravioletta
> the queen B <
Nome: :*✧marizoka :*✧
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Londrina, Paraná, Brasil
Aniversário: 2 de Março
Cadastro:

Ficha - The shadows of the past


Postado

Salve-me se eu me tornar meus demônios, Shuu





Nome completo:

Martina Bonnacorsi


Martina é um nome presente em vários países, mas principalmente na Itália e é o feminino do nome Martinus, que é derivado de Martis o deus romano da guerra.
Também é o nome de uma mártir, Santa Martina, que é um dos santos protetores de Roma.


Bonnacorsi é derivado de um sobrenome italiano da época medieval e seu significado se dá em duas partes: "bonna" quer dizer "bom" e "acorsi" significa "ajuda".




Apelido:

Marty; apelido dado por seu pai e que é muito especial para ela, então quando alguém acaba por lhe chamar assim, Martina fica emocionada. Se você for íntimo dela, ela pedirá que continue usando o apelido, caso contrário, ela polidamente pedirá que a chame por seu outro apelido.

Tini; forma mais comum de se referir a ela e foi dado por amigos. Martina ama esse apelido e pode ser usado por qualquer pessoa.

Pimentinha; ela odeia o apelido, então ele somente é usado quando alguém quer mesmo irritá-la ou tirar sarro dela e ela é chamada assim porque seu rosto costuma corar muito: seja porque está nervosa, empolgada ou com vergonha.




Idade:

Martina Bonnacorsi nasceu em 7/12/1999, tendo assim 17 anos. Seu signo solar é sagitário, com ascendente em aquário e lua em áries.




Aparência:









Martina possui longos cabelos cor de caramelo que se estendem até seus joelhos, tendo as pontas e a franja repicadas; ela mantém duas mechas de cada lado do cabelo - acima da orelha - trançadas e unidas. Sempre cuida muito de suas madeixas, deixando estas sedosas, brilhantes e com o doce cheiro de baunilha presente em seu condicionador. Seus olhos também tem o mesmo tom morno e aconchegante de mel que seus cabelos e são grandes, penetrantes e com cílios longos, curvos e negros. O nariz de Martina é pequeno e empinado, extremamente delicado e "perfeitinho", assim como sua boca, que tem tamanho mediano e é carnuda. Ela possui um pescoço longo e elegante e seu rosto é extremamente simétrico.

O corpo de Martina é magro, porém com curvas razoáveis: a menina tem barriga negativa e o contorno de suas costelas é evidente, mas nada que não seja saudável; cintura fina e quadril estreito. Seus seios são medianos, porém suas coxas são torneadas e mais roliças e, além disso, suas pernas são longas e um "caminho para perdição", já que é a parte do corpo dela que é mais atraente. Seu bumbum é mediano, porém duro por todas as atividades físicas que pratica.




Personalidade:

Como uma boa italiana, Martina é extremamente sociável - se ela tiver uma boa impressão da pessoa - e alegre - desde que não pisem no seu calo. Ela costuma falar alto e com um pequeno sotaque, gesticular bastante e sempre está inquieta: balançando os pés, mexendo em seu cabelo etc. Quando ela quer conquistar a amizade de alguém, é certeiro que seu charme e paixão irão ganhar o coração da pessoa. Ela é extremamente leal a quem ama, guarda segredos como ninguém, ama ajudar a deixar quem gosta para cima e é muito divertida, fazendo brincadeiras, piadas e imitações.


Martina é uma garota extremamente determinada: quando ela decide que quer uma coisa, ela vai usar de todos os meios "limpos" para conseguir, já que ela tem horror à trapaças e sabotagens. Sua política de vida é nunca desistir, nunca se render e sempre ouvir aos seus instintos. É comum que a menina ignore conselhos e "siga suas entranhas", como ela costuma dizer, então não tente mudar sua mente, já que ela é uma rainha da teimosia. Também é frequente que ela se prenda a primeiras impressões e dificilmente ela não julga um livro pela capa, então procure deixar uma boa imagem logo de cara, pois quando ela decide que alguém não presta, Tini raramente vai dar o braço a torcer e se aproximar da pessoa.


Cuidado, Marty pode explodir a qualquer minuto! Ela é uma pessoa extremamente sensível, então ela é "comovida" facilmente. É muito fácil deixá-la irritada, basta o comentário errado e sua fúria será liberada. A menina fica extremamente vermelha e seu tom de voz se aumenta e, como sua voz é fina, tudo que ela esbraveja tem um soar extremamente ardido e que pode ser bem incômodo. No meio de seus "ataques de raiva", ela troca algumas palavras do japonês para o italiano. Ela também cora por tudo, basta um garoto se aproximar dela ou elogiá-la. Esses são dois dos três motivos porquê a chamam de pimenta.


O seu "lado" mais forte é sua extrema paixão por tudo que gosta. Quando ela conversa sobre o que ama ou quem ama, um brilho sonhador toma conta de seu olhar e ela fica até vermelha de empolgação (terceiro motivo de seu apelido). Como uma boa sagitariana, ela sonha em conhecer o mundo, ama viagens de carro ao anoitecer com a janela aberta e sentir o vento no rosto; adora tudo o que lhe traz energia e esse sentimento de mudar o mundo. Ela têm opiniões fortes e adora dialogar sobre temas polêmicos ou até mesmo casuais para enriquecer seus argumentos e mostrar seu ponto de vista, mas sem desrespeitar o que pensa a outra pessoa. Ela pratica várias atividades como um jeito de focalizar essa energia e paixão e, com isso como uma peça chave de se fazer qualquer coisa, ela é extremamente bem sucedida no que tenta fazer.


Martina gosta de fazer as coisas "bem feitas", então, mesmo com todas suas atividades extra curriculares, gosta de estar sempre com boas notas na escola e se controla para que, mesmo que alguém a provoque, sua fúria não atrapalhe seu comportamento perfeito no colégio. Ela quase nunca falta, tenta se envolver em projetos da escola e sempre demonstra interesse por aprender, principalmente geografia, já que ela quer conhecer todos os países de que aprende.


Tini nunca se apaixonou e tem reações sempre de vergonha quando um garoto tenta se aproximar de si. Ela não é inocente, muito pelo contrário, já que mesmo sem se apaixonar, acabou ficando com alguns garotos no "calor do momento", mas ela tem medo de entregar seu coração - que, como ela diz, nasceu para ser livre. Martina tem medo que uma paixão fique no caminho de seus sonhos de desbravar os continentes.


A italiana é uma eterna otimista e sonhadora. Mesmo que a sorte e todo o resto não estejam a seu favor, ela sempre irá sorrir e ver a luz no fim do túnel. A menina é aquela que tenta ver o lado bom de tudo, principalmente das pessoas que ela gosta e isso, às vezes, acaba a prejudicando: quando ela se apega a alguém, mesmo que a pessoa cometa muitas "pisadas na bola", ela sempre acaba perdoando, no final, mesmo que ela fique super brava de início. Sua pose de "pimenta" é um disfarce para seu interior suave e compreensivo.




Gosta:



Viajar; ela sempre nutriu uma admiração e fascinação pelas aventuras do pai, então tem claro como seu objetivo conhecer o mundo e escrever suas próprias histórias.




Escrever; quando ela diz “escrever suas próprias histórias”, Martina quer literalmente escrevê-las e publicar. A menina ama a escrita e escreve poesias e contos, e seu plano é fazer um romance.




Natureza; adora estar em contato com tudo que é natural: fazer trilhas, nadar, flores, animais etc.




Estudar; de tanto ser cobrada em relação ao estudo, ela acabou pegando gosto pela coisa e hoje coloca a cara nos livros com muito gosto.




Ler; ela também lê por diversão. Tini lê de tudo, desde história e filosofia até ficção ou romances policiais.




Massas e comida italiana; faz ela se sentir em casa.




Sorvete; também é um dos “fortes” da cozinha italiana e ela cresceu tomando o clássico sorvete italiano.




Cozinhar; principalmente massas e comida de seu país, mas acabou aprendendo de tudo um pouco e é uma ótima cozinheira. Sua torta de maçã com creme é insuperável.




Praticar esportes; tudo em que coloca sua forte determinação, ela faz bem e não ia ser diferente com esportes. Ela pratica vários: vôlei, futebol, natação, tênis e, seu favorito, ginástica rítmica.




Colecionar coisas; desde pequena coleciona os selos das cartas que seu pai mandava, conchas de praia, notas e moedas de vários países e várias épocas.




Fazer compras; como toda menina de boa condição financeira e apesar de
seu espírito mais livre, Marty ama ir às compras.




Sentir-se bonita; já foi dito que ela gosta de comprar, então nada mais inevitável que se preocupar com a própria aparência. Ela passa horas escolhendo roupas e maquiando-se (de forma bem natural) no espelho. E isso todo dia.




Seu cabelo; é seu orgulho e alegria. Tini cuida muito bem dele, tanto é que nunca o cortou na vida e hoje ele chega até seus joelhos. Não poupa despesas com hidratação, shampoos e condicionadores, cremes de tratamento etc.




Falar outras línguas; aprendeu desde pequena quatro idiomas, além do italiano: francês, inglês, alemão e japonês. Sempre que tem oportunidade, gosta de praticar para não “enferrujar”.




Debater e conversar; a menina gosta de conversas profundas dos mais variados assuntos e ela acha que o debate é saudável e fortalece a intelectualidade. Ela é membro do clube de debates e é quase imbatível nisso.




Calor; Martina ama o sentir o sol em sua pele e tudo que envolve o verão, como nadar e tomar sorvete.




Fazer amigos; é uma pessoa muito sociável e gosta de se sentir rodeada de pessoas.




Festas; ama a sensação de “se jogar” e viver como se fosse seu último dia na Terra. É uma sagitariana, afinal.




Dançar; ela não gosta de só dançar na pista. Na verdade, ela prefere dançar “de brincadeira”, rodopiando e se importando somente na diversão. Ela costumava dançar com os pés em cima dos do pai.




Piadas; gosta de fazer qualquer situação mais divertida quando está com seus amigos.




Filmes antigos; especialmente os que ainda eram em preto e branco.




Cantar; ela não tem uma voz de cantora profissional e só canta no chuveiro, para animar alguém ou para quem ama de verdade.




Ajudar as pessoas; Martina é muito caridosa e visita asilos, instituições de pacientes com câncer, pinta paredes de casas construídas para os necessitados e etc.




Chuva; ao contrário da maioria das pessoas, Marty ama tempestades porque ela acha que não devíamos só achar o céu bonito quando está calmo. Quando chove ela acompanha na janela mais próxima ou ela pode até mesmo tomar um “banho de chuva”.




Não gosta:



Comidas apimentadas; por causa de seu apelido, ela acabou pegando raiva.




Aviões; desde o acidente de seu pai, ela se sente muito desconfortável em um e morre de raiva disso, já que ela pretende conhecer o mundo todo e sabe que não tem outra forma.




Aproximações físicas de garotos; acaba ficando toda vermelha, não tem jeito.




Que desrespeitem suas opiniões; se falar que o que ela pensa não tem sentido ou debochar, se prepare para uma menina muito irritada.




Frio; não entende como as pessoas conseguem gostar de algo tão
sofrido.




Pessoas pessimistas; o que adianta em ficar reclamando das coisas?




Sentir-se presa; Martina faz questão de se sentir livre, então quando um ambiente estiver com um clima pesado e ela começar a se sentir claustrofóbica, ela vai sair para uma boa caminhada com muito vento no rosto.




Mentiras e deslealdade; como ela é verdadeira e leal até o fim, espera que os outros também sejam.




Ficar sozinha e entediada; não suporta a ideia de ficar sem fazer nada e sem conversar com ninguém, por causa do seu problema de ansiedade.




Filmes de romance; muita gente odeia filmes de terror, já Tini odeia os de romance. Muito melosos para o gosto dela.




Ser chamada por seu apelido “pimenta”; apenas não faça isso.




Ser fotografada; ela não se acha fotogênica e diz que a espontaneidade é sua “versão” mais bonita.




História:

Martina Bonnacorsi veio de uma família de classe média alta da Itália, mais especificamente de Veneza: sua mãe, Margarida Bonnacorsi era dona de casa enquanto seu pai, Romeu Bonnacorsi, era a fonte de renda da casa. O homem trabalhava com comércio e importações e exportações, então apesar de seu trabalho garantir uma vida tranquila para sua esposa e filha, ele mais viajava do que ficava com a família. Martina, mesmo sentindo falta do pai, nunca se revoltou com a ausência dele, já que quando ele voltava para Veneza fazia cada segundo com sua filha valer a pena. Além disso, mesmo longe, Romeu escrevia muitas cartas de onde quer que estivesse, contando tudo sobre as coisas maravilhosas de cada país que conhecia, alimentando a fascinação de sua Marty por viagens e pela escrita, que era como ela podia se comunicar com o pai e logo se tornou sua atividade favorita. O problema era que sua mãe não pensava como ela e todo o stress de criar uma filha praticamente sozinha acabou desgastando a mulher, que se irritava muito fácil com coisas “normais de criança”, por exemplo: a pequena não podia quebrar um prato ou voltar com a roupa suja de tinta porque isso era motivo de brigas feias – nunca físicas, mas que marcaram a menina – e ela acabou tornando-se muito sensível e explosiva, como um reflexo de sua criação. Ela não conseguia ficar feliz quando estava em casa, a menos que Romeu estivesse de folga. Pai e filha faziam tudo juntos. Ele ensinou Martina a cozinhar receitas de família, fazia trilhas na natureza com ela, a levava para tomar sorvete e ir ao cinema, entre outros. A atividade preferida dela, no entanto, era ouvir os relatos de pessoas que ele conheceu no mundo todo, as comidas que ele experimentou (às vezes até bizzarras, que arrancavam risos dela) e ele sempre prometia que assim que ela tivesse idade o suficiente, poderia viajar com ele. Muitas dessas histórias, ela escreveu como pequenos contos em seu diário e guarda até como seu bem mais precioso.

A menina tornou-se adolescente nesse dilema de sempre: confusões com sua mãe e raras visitas de seu pai, até que um dia o avião do seu pai que ia para o Japão acabou caindo, num desastre que vitimou quase todos passageiros. Foi uma fase muito difícil para a menina porque além da tristeza vinda do luto da pessoa que ela mais amava na vida, as explosões de fúria de sua mãe ficaram cada vez mais frequentes, levando a bate-bocas de horas e sem nunca uma “bandeira branca” de ambas as partes. Sua vida ficou estacionado nisso até Martina completar dezessete anos: como ela era uma aluna dedicada e só de notas A – principalmente por conta das exigências de Margarida –, Tini acabou ganhando uma bolsa, ironicamente, para ir estudar no Japão. Marty aceitou por dois motivos: ela ganharia “um tempo” de suas discussões intermináveis com a mãe e sentia que se fosse ao Japão, onde o voo de seu pai nunca chegou, ela estaria concluindo a aventura final dele, que ele nunca pôde terminar. Foi dito a ela que ela iria para uma das melhores escolas noturnas do país e que ela ficaria em uma Mansão que foi gentilmente cedida como moradia a ela.




Pessoas presentes na história:



Sua mãe chama-se Margarida Bonacorssi.
É uma linda ruiva, com os cabelos até o joelho, como a filha, e possui brilhantes olhos num tom de azul violeta.
A relação das duas não era nada boa e era baseada em brigas e cobranças. Até hoje Martina lembra dos gritos da mãe dizendo coisas que afetaram sua auto estima e ela nem se lembra de duas vezes que sua mãe lhe deu um abraço ou disse
"eu te amo".




Seu pai se chama Romeu Bonaccorsi.
É um homem alto, com cabelos loiros rebeldes e olhos azuis safira.
O homem foi a pessoa que Martina mais amou na vida porque ela nutria uma admiração incrível pelo pai, mesmo com a distância, e sonhava um dia participar das viagens com ele. O tempo que ficavam juntos, apesar de pouco, era de muita qualidade. Quando ele morreu num acidente de avião, a vida da menina transformou-se completamente e foi a coisa mais dura que ela já enfrentou na vida.




Medos/Fobias:



Escuro; por mais infantil que pareça, ela tem medo do escuro e prefere dormir com a luz da cômoda acesa.




Claustrofobia; odeia se sentir presa, ainda mais dentro de algum lugar pequeno, ela começa a ficar sem ar.




Casar-se; ela tem medo de se casar e isso a atrapalhar no seu sonho, ou até mesmo de se sentir presa ao relacionamento.




Altura; assim como tem medo de aviões, tem medo de altura.




Agulhas e coisas afiadas; Martina tem medo de tudo que possa lhe furar ou cortar (pois é hahah coitada, mal sabe)




Talentos:



Escrever




Cozinhar




Esportes




Costurar (ela faz muitas de suas próprias roupas)




Sua inteligência é praticamente um talento.




Hobbies:

Colecionar coisas

Costurar

Praticar esportes

Cozinhar

Fazer trilhas

Cultivar flores

Brincar com animais - principalmente alimentar e dar atenção aos de rua

Nadar em rios, lagos e cachoeiras

Escrever sobre as aventuras de seu pai ou até mesmo contos, poesias e ficção

Dançar e cantar por puro divertimento

Estudar e memorizar. Ela tem aqueles cartões para decorar significados de palavras, costuma cronometrar suas provas etc.

Fazer colagens com fotos de lugares que irá visitar em outros países

Experimentar comidas típicas diversas



Manias:

Sempre balança as pernas quando está sentada

Morder o lábio ou a parte interna das bochechas quando nervosa

Trincar os dentes e tremer as mãos quando está com medo

Fazer biquinho, corar e gritar com voz ardida quando brava

Fechar os olhos e sorrir quando está extremamente feliz ou realizada

Mostrar a língua ou dar uma piscadinha após fazer uma piada

Bater palminhas e dar pulinhos quando muito animada



Segredos:



Ela morre de medo de se apaixonar e nunca irá demonstrar para os outros quando realmente gosta de alguém porque ela está tão acostumada a ser livre, que tem medo de gostar de alguém e se sentir sufocada ou até mesmo de os papéis se inverterem e ela, que se acostumou tanto a ir embora, ser abandonada. Esse é seu grande segredo porque na frente dos outros, Martina gosta de deixar claro que não quer um relacionamento amoroso porque não liga para isso, mas, sim, ela liga, mas tem medo.




Ninguém sabe, sem contar sua mãe, que ela sofre de um transtorno de ansiedade. Esse é o motivo de ela nunca parar quieta, nem sentada (ela balança as pernas) e o motivo de ela ser tão tagarela: ela tem que ocupar sua mente para que ela não fique pensando em coisas ruins.



Par:


Shuu Sakamaki

Como age com:

No início, Shuu Sakamaki acha Martina muito irritante e barulhenta, pois ela, como uma boa italiana, está acostumada a falar alto, gesticular, entre outros. Já a menina não tem nada contro o loiro, muito pelo contrário, pois gosta de pessoas caladas e que não ficam dando ordens, já que isso a lembra de sua mãe.




Porém, com o tempo, os dois começam a conversar e percebem que tem coisas em comum, como por exemplo o gosto pela música, e Shuu começa a achá-la cada vez menos irritante e cada vez mais "fofa¨ com seu problema de controlar a raiva e seu otimismo. Ele constantemente a provoca e a chama de pimenta, o que faz ela ter reações que ele acha divertidas. A menina começa a tentar passar sua determinação para ele e se dispõe a ajudá-lo com as coisas da escola, se ele comparecesse mais às aulas e, em troca, ela mata algumas poucas aulas com ele e a justificativa de Shuu para isso é que ele queria ver a certinha da escola romper algumas regras.




Inevitavelmente, essa amizade vira algo mais quando Shuu começa a beber o sangue de Martina e os dois começam a se aproximar no sentido romântico. Como ela não gosta de envolvimentos, ele sugere que os dois tenham uma "amizade colorida" mas isso acaba levando a sentimentos reais um pelo outro. E o resto... a autora decide haha






Com os outros personagens:


Martina odeia completamente Reiji. Só pelo simples fato de ele gostar de mandar nos outros e ser perfeccionista, assim como sua mãe. O vampiro também desgosta da menina por seus ataques de raiva que ele chama de deploráveis para uma dama e porque acha um desperdício que uma menina tão inteligente no colégio seja "sem modos" em casa. Quanto mais sua relação com Shuu progride, mais Martina acha Reiji terrível pelo jeito que trata o loiro.



Os dois são bem amigos! Ayato gosta de provocar a menina para revelar sua fúria e também a chama pelo apelido que ela tanto odeia. Ela, em contrapartida, o chama de Tomate e também faz brincadeiras e provocações. Os dois jogam basquete juntos e Martina constantemente vai torcer para ele. Eles tem aquela relação bonitinha cheia de brincadeiras, mas os dois se importam um com o outro. Ataques de cócegas e pedidos de "faça minha comida" são frequentes.



Também uma boa relação. Martina compreende os ataques de fúria de Kanato por isso o trata sempre muito bem, cozinha doces para ele e sabe o jeito de lidar com a personalidade dele, já que a dela pode ser parecida. Como ela nunca explode quando está com ele, Kanato acha Martina fofa e a convida sempre para tomar chá com os brinquedos.



Martina é bem esquiva com Laito por conta de seu problema de corar por proximidade física ou insinuações. Quando ele finalmente para de dar em cima dela e invadir seu espaço pessoal, eles começam a conversar e se tornam amigos. Laito gosta de ler as histórias de Martina e ela gosta que ele toque piano para si. O único problema é que frequentemente Martina vai ver os contos que ele leu e ele resolveu adicionar uma parte "picante" ao conto haha



Ela tenta manter-se longe de Subaru para que a raiva dele não desencadeie a dela. Entretanto, ela admira o cuidado dele com as flores (já que um dos hobbies dela é cultivá-las) e respeita o mesmo, sempre pensando o quanto ela também odeia a mesma raiva que ele tem de lidar, mesmo que não conversem.



Uma "quase" amizade. Ruki não concorda com as explosões de Martina e ela não concorda com o jeito que ele trata as garotas - como gado. Apesar disso, eles tem muitos interesses em comum (estudo, livros, filmes antigos) e sempre acabam conversando agradavelmente. Porém, se Martina explodir perto dele ou Ruki destratar alguém na frente dela, eles brigam feio.



Kou sempre tenta chamar a atenção de Martina, já que a mesma (por ter morado na Itália sua vida toda) não conhece sua carreira e, portanto, não é uma fã. Quando ele consegue fazer com que ela ouça sua música e etc, os dois acabam virando amigos, já que Tini ama a alegria de Kou e ele também começa a ter verdadeiro afeto por ela. Ele é um dos únicos que já a ouviu cantar e eles dançam juntos de brincadeira também.



O jeito meio brusco de Yuma é motivo para a menina não se aproximar dele com medo de conflitos. Os dois falam um com o outro somente em caso de necessidade.



Com seu espírito humanitário e caridoso, Martina se aproximou muito de Azusa e sempre tenta cuidar dele, como uma mãe: ela impede ao máximo que ele se machuque e o ajuda quando isso acontece. Ela conta seus medos, segredos e inseguranças a ele e sempre o assegura que ela não se sente feliz ao vê-lo machucado.




Com as outras garotas:


Ela tenta ao máximo se dar bem com todas logo de início. Martina ama fazer amigos e sua personalidade já é extrovertida, então quando ela quer conquistar a amizade de alguém, ela consegue! É muito leal às suas amigas e sempre tenta fazer piadas e dar os melhores conselhos. Faz o possível para não explodir com ela e, se o faz, tenta consertar.




Roupas:

Casual:









Festa:







Banho:





Dormir:





Baile:





Formal:





Fantasia:





Músicas:

Da personagem:



Dela e do par:





Você sabe que está lidando com uma autora completamente louca e que pode fazer QUALQUER coisa com sua personagem?
Sim hahah

Você está ciente que não pode ser escolhida? E caso isso ocorra não é para ficar de mi mi mi nos comentários ?
Espero que seja escolhida, mas se não for... eu vou entender, claro.

Sabe que eu posso acabar modificando sua personagem?
Humrum.

Sabe que se você não comentar por 5 capítulos e não tiver avisado antes, sua personagem ira morrer ou ira para Alagoinhas ?
Estou ciente.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...