RPG - Dwarvens


Postado

RPG - Dwarvens

]Dwarvens[


Dwarvens, popularmente conhecidos como Anões, são a raça da terra e são possuidores de uma forte força física e uma curiosidade natural com a criação de novos itens, preferindo viver nas montanhas, seja em cidades esculpidas dentro delas ou em vilarejos fora delas, ainda havendo aqueles que vivem em cavernas conectadas à superfície. A maioria vive em baixo da terra, em cavernas ou túneis em constante mineração, enfrentando quentes vapores ou gazes do magma, tremores e desmoronamentos, existe os que vivem na superfície da agricultura e o comércio.

Na cultura anão, nomes de família indicam clãs. Algumas famílias usam nomes derivados de nomes de honra ou ganhos com algum feito. Por exemplo, o nome verdadeiro de Falstad Ladrão de Dragões é Falstad Selvagem Martelo. Seu nome pode ser passado para seus descendentes, mas cada anão tem o direito de escolher. A estrutura de sua sociedade pode ser comparada com a de uma grande corporação bem organizada e voltada principalmente para os negócios, onde há os caçadores que buscam itens e materiais e os artesãos que produzem novos itens com esses materiais. Para resolver seus problemas políticos, entre os clãs existe o conselho das maças, onde cada líder de seu Clã debatem os problemas, algo que as vezes dura dias.

Grande parte dos anões adultos são membros de um clã de manufaturas, onde inicialmente passam por um processo de aprendizagem. Durante esse período aprendem como fazer diversas armas, escudos, armaduras, armas de fogo e aprendem a coletar o material necessário para a confecção de suas produções. Os anões possuem força e conhecimento para fazer belíssimas armas e armaduras, sendo uma armadura de Mithril de excelente qualidade feita por anões o sonho de qualquer guerreiro. São os mais avançados tecnologicamente, muito disso se devendo à sua impetuosidade, persistência, curiosidade e engenhosidade, estando sempre em constante evolução, como utensílios que viraram tecnologia, vilarejos que se tornaram cidades e paliçadas que deram lugar a fortalezas, tornando-se os maiores peritos em forja, mineração e engenharia de máquinas, o constante trabalho com o conjunto de músculos potentes e peludos de seus compactos corpos troncudos lhes conferindo grande força, os que os torna guerreiros formidáveis. São ótimos na modelagem de ferro e aço e possuem facilidade em criar armas, algumas raças supostamente os acham os inventores da arma de fogo, algo contestado pelos humanos.

Os Anões sendo os mestres na arte da mineração e das forjas, possuem o dom de fabricar objetos mágicos, armas e jóias e os indivíduos dessa espécie são descritos como criaturas de baixa estatura, aparência carrancuda, barba longa e corpulentos, usando dessa vantagem sempre que possível. Possuem grande senso de visão no escuro, isso por causa do longo tempo que viveram dentro de montanhas.

Nesta raça as mulheres nascem em uma taxa de 1/3 comparada aos homens, ou seja, a cada 3 nascimentos, 2 são homens e 1 é mulher. Ao contrário dos humanos, a maioria dos anões preferem manter uma vida sem casamentos e romances, preferindo dedicar-se as carreiras por eles seguidas, como artesãos ou mineradores. E os que se casam são extremamente ciumentos e possessivos, e em virtude a isso dedicam suas vidas à vida da esposa.

Embora não sejam considerados por outras raças como atraentes e tão pouco cultivem as mesmas noções de beleza física que os humanos ou os elfos e fae possuem, eles partilham de uma única vaidade, a de conservar suas barbas longas e espessas. Comprar briga é tocar na barba de um deles e tradicionalmente, a raça que se asemelha a humanos baixinhos troncudos, de narizes protuberantes, acredita que a barba sirva como um indício de respeito e admiração.

Os senhores do mundo subterrâneo são extremamente leais, embora desconfiados, por isso demoram em fazer amizades. Mas os poucos amigos que fazem são para a vida inteira e em todos os momentos, por esse fato que optam por vidas solteiras, visto que a grande maioria dos herois e lendas dentre eles decorre de criaturas solitárias, já que a vida de casado representa o fim das aventuras.

Os anões são conhecidos pela sua dedicação e foco nos seus objetivos, eles se organizam em clãs, e pouquíssimos estendem seus laços de convivências com criaturas de outras raças. Podem até fazer laços com outras raças só para obter um bem maior, por uma motivação que estará acima das suas próprias. Geralmente são aliados dos humanos, mas às vezes brigam com os Elfos, aos quais olham atravessado, com ar de superioridade. Embora usem outras armas, preferem machado e martelos em combate, causando grandes estragos em seu oponente.

São uns impulsivos beberrões e quando esvaziaram os barris de cerveja das tavernas, ficam procurando por briga, adorando uma confusão, são espalhafatosos, ou simplesmente caem bêbados, roncando alto no chão. Amam cerveja e toda casa anão tem seu deposito com barris de cerveja e muitos anões até se dedicam a busca da cerveja perfeita. Gostam de cachimbos e não perdem a oportunidade de experimentar queimar alguma erva ou substância nova e também são mais resistentes à efeitos de intoxicação e envenenamento.

Muitos anões são vingativos e costumam guardar mágoas e insultos por muitos e muitos anos, podendo aproveitar situações impróprias para jogar na cara assuntos e situações que há muito tempo deixaram de ser importantes e relevantes. Entretanto, os anões possuem um senso de humor bastante peculiar. Sempre que um anão é responsável por salvar a vida de uma criatura de outra raça, sempre haverá um discurso de que se não fosse pelo anão, ninguém seria capaz de salvar a criatura, ou de que o anão simplesmente não acha que o problema que a criatura enfrentava fosse algo tão ruim (por mais horrível que seja a situação, o anão sempre diz que era uma coisinha de nada). Mesmo que a missão do anão envolva matar demônios destruir uma tribo inteira de orcs, o anão sempre irá falar sobre o feito de forma casual, como se não fosse algo simples e corriqueiro.

Quando um anão morre, é uma grande desonra deixá-lo sem ser enterrado. As comunidades dos anões enterram seus mortos em grandes mausoléus de pedra após uma cerimônia de cremação, simbolicamente devolvendo-o à forja de sua Divindade e à terra, enquanto a sua alma é libertada para ir para os planos exteriores.

Tentaram se manter do lado das raças mais poderosas depois da grande guerra. Entretanto, como resultado dessas alianças interesseiras o maior reino desta raça, Nidavellir se tornaram uma lugar isolada, não sendo bem vistos pelas demais raças.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...