~HappyLys

HappyLys
Louca, retardada e feliz XD
Nome: HappyLys
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: São Paulo, São Paulo, Brasil
Aniversário: 13 de Dezembro
Idade: 15
Cadastro:

Resenha - Por Isso A Gente Acabou


Postado

O que dizer sobre está dádiva divina?

Antes de começar esta resenha, preciso fazer duas coisas:


1 - Declarar meu amor ao meu autor favorito de todos os tempos! Daniel Handler tem um jeito de escrever incrível, ele consegue conversar com o leitor de um jeito inexplicável. Além disso, as histórias que ele cria são arrebatadoras. Descobri esse autor quando li Desventuras em Série, uma sequência de 13 livros em que o meu querido Daniel criou um personagem que é o autor dos livros: Lemony Snicket. Um dia, lerei todos os livros dele (tanto os que estão publicados com seu nome, quanto os que estão publicados com o nome de Lemony).


2- Deixar bem claro que esta resenha pode sair curta porque está muito (muito mesmo) difícil descrever o que estou sentindo depois de terminar esse livro.

A verdade é que eu acabei de terminar. Uma amiga me emprestou o bendito no meio da semana, na escola, e ele passou três dias em cima da minha mesa, me seduzindo enquanto eu fazia exercícios de física e escrevia uma paráfrase para a aula de redação. A primeira coisa que fiz no sábado, foi sentar com ele no colo. O devorei em dois dias e ainda estou tentando entender se isso foi bom ou não. Imaginei que escrever agora a resenha, talvez me fizesse sentir melhor.

O livro, resumindo, conta a história de uma garota chamada Min que, desesperada, deixa uma caixa na porta do seu ex-namorado, uma caixa repleta de objetos que simbolizam tudo que passaram juntos, uma série de souvenirs que Min guardou. Junto aos objetos, uma carta (de 362 páginas :v) que explica cada objeto e conta, em detalhes, tudo o que eles passaram, as loucuras e os horrores, e os vários motivos pelos quais terminaram.

Eu leria o primeiro parágrafo incansáveis vezes (e eu o fiz) e por isso mesmo vou deixar esse parágrafo aqui para vocês. Porque não tem como explicar o jeito incrivelmente diferente e sensacional que esse autor escreve e as sensações que ele causa em você:


“Caro Ed, Daqui a um segundo você vai ouvir o tump. Na porta da frente, aquela que ninguém usa. Quando ela tocar no chão, vai balançar as dobradiças, porque é pesada e importante, e vai ter esse outro barulho junto com o tump, e a Joan vai tirar os olhos de seja lá o que for que ela estiver cozinhando. Ela vai olhar para a panela de novo, preocupada, porque, se for até a porta para ver o que é, vai cozinhar demais. Eu a vejo franzindo a testa no reflexo do molho borbulhante ou sei lá o quê. Mas ela vai ver, ela vai. Você não vai, Ed. Não veria. Você deve estar no andar de cima, suado, sozinho. Você devia estar tomando banho, mas está de coração partido na cama, eu espero, por isso é a sua irmã, a Joan, que vai abrir a porta mesmo que o tump seja para você. Você nem vai saber o que é nem ouvir o que está sendo jogado na sua porta. Você não vai nem entender por que aconteceu.”

Conseguiram entender? Entenderam agora porque eu suo frio e eu coração bate mais forte e as borboletas em meu estômago se agitam quando leio qualquer frase escrita por esse cara? Digam que sim, que não estou ficando louca.

A história é tão rica em detalhes que fica difícil escrever uma resenha, apenas consigo elogiar o modo como o autor se expressa e dar um resumo tosco de uma história tão incrível. Espero que isso seja o suficiente para fazer vocês se interessarem pelo livro.

Li a história toda do casal, sabendo que eles haviam terminado, tentando entender qual foi a gota d’água no copo quase cheio que o fez transbordar. Fiquei confusa, chorei – admito –, gritei. Em um momento eu amava o Ed, sentia pena por tudo o que aconteceu (difícil explicar sem dar espoiler) e, no outro, do nada, estava com raiva dele. E no final, tudo o que eu queria não aconteceu e mesmo assim o encerramento não podia ser mais perfeito. Deixou um gostinho de quero mais, uma sensação amarga de vazio e uma pulga atrás da orelha: “Será que entendi direto?”. De novo, é difícil explicar sem dar spoiler, se algum dia vocês lerem, venham falar comigo e discutimos sobre isso!

Mais uma vez, a única coisa que posso fazer é dar uma crítica (mal feita, porque não sou tão boa nisso) apaixonada e dizer que o livro é avassalador, destruidor. Nunca tive uma ressaca literária tão forte. Vou acordar amanhã chorando e com dor de cabeça :v

Por ultimo, deixo com vocês as palavras na contracapa do livro, aquelas que me fizeram sofrer horrores quando as li novamente depois que terminei de ler. Como se eu fosse a própria Min, vendo os objetos e relembrando cada história, sem saber se chorava ou se sorria:



“Esta é a caixa, Ed.
Está tudo aí.

Duas tampinhas de garrafa,
um ingresso do filme Greta em fuga,
um bilhete seu,
uma caixa de fósforos,
o seu transferidor,
o livro da Joan,
um açucareiro roubado,
um caminhão de brinquedo,
aqueles brincos horríveis,
um pente de motel,
e todo o resto.

É isso, Ed.
Foi por isso que a gente acabou.”


Espero que vocês leiam e sofram muito, porque essa é a graça ;)

P.S.: Não, escrever esta resenha não me deixou melhor.

Lendo: Acabei de terminar Por Isso A Gente Acabou T.T

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...