~Yuro_

Yuro_
Aspirante a escritora
Nome: Caty
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 24 de Agosto
Idade: 15
Cadastro:

Ficha Horoskripture: A Morte do Amanhecer


Postado

https://socialspirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-originais-horoskripture-a-morte-do-amanhecer-interativa-5668755

Nome completo: Dalila Balbato Lib

Apelido: Tem um apelido pejorativo de "Computador" ou "Calculadora Humano", que é usado em tom de deboche por algumas pessoas na escola, mas ela realmente vê mais como um elogio do que uma ofensa. Os amigos a chamam de Day, e as pessoas realmente próximas de Dr. Xavier, pelo fato dela adorar esse personagem e ter uma inteligência a altura dele.

Idade e data de nascimento: 17, mas está no mesmo ano que o quarteto problemático. Os pais demoraram um pouco para colocá-la na escola. Nasceu no dia 25/12.

Sexo: Feminino

Sexualidade: Pansexual

Nacionalidade: Indiana

Aparência:



















Sua aparência é exótica e atraente. Seus olhos castanhos claros são puxados, sempre brilhando curiosos, pensativos, sonhadores, brincalhões, resumindo, quase sempre deixando transparecer o que ela sente, embora ainda haja mistério por detrás dele que incomoda alguns. Seus cílios são escuros, volumosos e longos. Suas sobrancelhas escuras, grossas e pouco arqueadas. Seu nariz é meio arrebitado e altivo. Sua boca voluptosa é carnuda e quase sempre torcida num meio sorriso cheio de intenções ocultas. A forma de sua cabeça é bem quadrada, com a mandibula e maçãs do rosto bem marcadas. Sua pele é bronzeada, escura. Seus cabelos castanhos escuros tem personalidade própria, um dia resolvem ficar bem lisos, outros já se vem algumas leves ondas em seu comprimento e ainda há os dias em que ele fica meio crespo. São longos e batem até o fim de sua cintura. Ela já desistiu de entendê-los a muito tempo. O corpo, por sua vez, é normal, com a maioria das medidas médias, menos a da cintura, que é bem fina. É relativamente alta, com 1,78 m e 63kg.

Photoplayer: Kelly Gale

Personalidade:

Importante não é ver o que ninguém nunca viu, mas sim pensar o que ninguém nunca pensou sobre algo que todo mundo vê. - Schopenhauer

O homem ainda vive mais de afirmação do que de pão. - Os miseráveis, Victor Hugo.

Se há alguma coisa mais pungente do que um corpo agonizante pela falta de pão, é uma alma que morre da fome da luz. - Os miseráveis, Victor Hugo.


Curiosa: Uma coisa pode descrever boa parte do que se resume a personalidade de Dalila, quase todo o resto orbita em torno desse grande Sol. Essa seria: curiosidade, sede insaciável por conhecimento, mesmo com os médicos lhe dizendo para parar de buscar tantas informações ela simplesmente não consegue. Essa recomendação vêm da sua doença, hipermnésia, que será melhor explicada na história. Extremamente curiosa, continuamente explora todas as possibilidades, principalmente se relacionadas a problemas complexos. Essa curiosidade é inspiradora e contagiante, que admira e encanta muitos por essa busca interminável por conhecimento dela.

Originalidade, gosto pela quebra de padrões e alta auto-confiança: Não gosta de fazer as coisas de uma maneira pré-estabelecida simplesmente por que foi daquela maneira que as coisas sempre foram feitas. Gosta de quebrar padrões com sua originalidade, inventividade e geniosidade, improvisando e criando soluções até para as mais complexas situações e problemas, seja eles sociais, matemáticos ou econômicos. Confia enormemente no valor de sua opinião e apresenta uma encantadora capacidade de ignorar o padrão, o tradicional e o autoritário.

Desejo por sempre melhorar e busca por novidades: Exibe um grande talento para conseguir atender as exigências até nas situações mais impossíveis. Uma característica sua é sempre estar atenta a melhorias, em busca de novos projetos, novas atividades e novos procedimentos. Obstáculos para ela é igual a desafios e oportunidades. Sempre trás coisas novas à sua vida e às dos outros ao seu redor.

Analítica e teimosa: Excelente em analisar tudo, desde a sociedade a um problema de matemática. Sua mente analítica e cientifica possui a capacidade de refletir bastante sobre algo até chegar a uma conclusão precisa. Embora tenha uma boa concentração e memória, tem horas que está completamente distraída. É teimosa e determinada e sempre que alguém lhe diz algo como "Isso é impossível de ser feito", ela tem uma reação instintiva de "Eu consigo fazer isso". Como a boa teimosa que é, tem certa resistência a aceitar ideias que não gosta ou que não concorda completamente. É uma idealista, defendendo seus ideais ferozmente. Por não aceitar ter esses ideais questionados ou confrontados, pode virar um pouco rebelde.

Impulsiva e desleixada: Não costuma fazer um plano meticuloso, só "se vira" com o que- ou quem - estiver a sua mão, contando com sua capacidade de resolver problemas conforme eles surgem. Por esse excesso de confiança em sua intuição e inventividade, pode acabar fracassando por não ter uma preparação mais completa.

Simpática, falante e mente aberta: É uma pessoa fácil de se lidar, raramente crítica, não que não forme uma opinião, só tem o hábito de mantê-la para si ao invés de compartilhar com todos, nem é ranzinza. Assim como sua curiosidade, seu bom humor é contagiante e se espalha entre seu circulo de amigos. Gosta de viver cercada de pessoas, sorri fácil e com frequência, tem a mente totalmente aberta, embora muitos a considerem uma excêntrica. Tende a tratar da mesma forma qualquer pessoa em qualquer posição hierárquica. A amizade é sua grande força matriz, a impulsionanda sempre a seguir em frente.

Boa em argumentar: É uma conversadora fascinante, capaz de articular suas próprias ideias complexas com clareza, assim como entender as dos outros. Não o faz com frequência, mas é capaz de manipular pessoas, usando táticas no meio do debate para por seu adversário em desvantagem. Versátil e de mente ágil, reage com rapidez a modificações nos argumentos das outras pessoas. Geralmente, está vários passos a frente.

Suas atitudes e gestos: É um tanto ansiosa e hiperativa. Eventualmente, pode faltar certo tato e diplomacia em suas relações com as pessoas a sua volta. Busca partilhar seu conhecimento com as pessoas, sentindo que ajuda a si mesma quando as ajuda. Quer usar seu conhecimento e ideias para melhorar a vida de todos. Costuma ficar mais preocupada com a proteção do bem comum a proteção de um individuo especifico. Não gosta de brigas e discussões, ao menos que seja para defender uma pessoa com quem se importa, um ideal ou um princípio. Já que é muito mente aberta, é impaciente e grossa com os de mente fechada.

História:
Suas mães atuais a conheceram quando ergueu o olhar numa das avenidas mais movimentadas de Nova Dehri, quando tinha 7 anos. Ela não passava de uma criança maltrapilha, faminta e ignorante. Dalila não gosta de lembrar dessa época, por mais que possa descrevê-la com perfeição a qualquer momento. Cada segundo. Ursule e Fiona, suas mães, acabaram por adotá-la, trazendo-a com elas para os EUA. Ela viveu em Nova York até completar 11 anos. Nessa época sua vó Anne morreu, e elas eram muito próximas. A hipermnésia não havia sido um problema até o momento, mas a morte de Anne mexeu com Dalila.
Para continuar, uma breve explicação da hipermnésia. Em resumo, é o contrário da amnésia, em vez da pessoa esquecer das coisas, ela não consegue se livrar das memórias, qualquer uma. Em prática isso quer dizer que, enquanto há pessoas que não se lembram o que jantaram no dia anterior, Dalila lembra-se de todos os jantares da sua vida, assim como das outras duas refeições e lanches. Seu cerébro, no entanto, não é mais evoluído que o normal ou coisa parecida, por isso, as memórias a sobrecarregam, fazendo o risco de um grave colapso mental.
Conseguir se lembrar da morte da vó com tantos detalhes causou em Dalila um mini-colapso, em que ela ficou em coma durante uma semana. Depois disso, seus médicos disseram que ela devia parar de viver numa cidade grande, onde há um grande nível de informações para se processar ao mesmo tempo e se mudar para um lugar tranquilo. O lugar escolhido foi Clifton Forge. Infelizmente, já vimos que "pacato e tranquilo" não são bem as palavras para descrever a cidade... ainda mais depois do assassinato dos três garotos.

Posição na escola: É uma verdadeira borboletinha social. Conversa com pessoas de todos os grupos, tendo mais assunto com os nerds e geeks, já que é uma de carteirinha. Mas de amigos íntimos e próximos mesmo, são o quarteto problemático. Por mais que não seja uma "fracassada", é somente diferente pela hipermnésia, a originalidade, imprevisibilidade e ousadia dos quatro garotos a encantou. Logo se viu andando com eles e metida em encrencas. As pessoas dizem que a garota mais inteligente da escola não devia andar com gente como eles, mas ela realmente não dá a minima para esses comentários.

Está na escola há quanto tempo? Desde os 12.

Família:

Ursule Balbato - 43 anos, advogada, mãe adotiva. As duas se dão muito bem, Ursule tem muito orgulho da inteligência e desejo por conhecimento de Dalila, vive falando que "lembra ela quando jovem" e está disposta a fazer Dalila ter um futuro brilhante.



Fiona Lib - 38 anos, pintora, mãe adotiva. Há uma intimidade maior com Fiona, já que ela é mais aberta e quase sempre está em casa, pronta para conversar com um sorriso doce. Dalila muitas vezes conta como é ter consciência de quase tudo ao seu redor e conseguir se lembrar perfeitamente de tudo, e Fiona usa esse tema em seus quadros, tentando captar essa sensação.



Maiores medos:
Que ela tenha mais um colapso mental e dessa vez não acorde do coma.

Hobbies:

Ler HQs (principalmente de super-heróis, sua favorita é a Ravenna)
Ler livros (romance policias, terror e suspense principalmente)
Assistir animes e ler mangás (é uma otome com orgulho)
Jogar video-game (seus favoritos são Zelda, Final Fantasy, World of Warcraft, The Wolf Among Us, Life is Strange, Assasin's Creed, Undertale etc)
Ler fanfics e escrever uma ou outra quando bate a vontade
Ir para convenções de cultura pop e oriental, arrastando seu amigos junto, claro, e de cosplay, obviamente

Gostos | Desgostos:

Gosta:
Seu estilo musical é o clássico, o rock indie, eletrônica e o pop menos extravagante, mais puxado para o country. Nas músicas clássicas e eletrônicas, gosta bastante de Zack Hamsey, sua banda favorita é Imagine Dragons.
Sua comida favorita de todos os tempos é chocolate. Come qualquer coisa que tenha isso no meio. Passaria na salada se pudesse.
Livros de suspense, terror, romance policial
Jogos RPGs, de terror e suspense, e depois de jogar Undertale, tem uma pequena queda por jogos 2D produzidos na atualidade, como Castelo Mogeko, Ib e afins.
A sensação maravilhosa de acordar tarde no domingo
Jogar alguma coisa online com sua turma, principalmente algo que eles nunca viram na vida, para ela poder chamá-los de noobs
Jogar Sherlock Holmes, o jogo de tabuleiro, já que sempre ganha

Desgosta:
Pop extravagante, rock muito pesado, onde mal se ouve os instrumentos e rap.
Odeia repolho e alface.
Livros de romance melosos e filmes de terror que são só susto
Jogos sem história
A sensação horrorosa de acordar cedo na segunda
Quando perde em algum jogo
Ouvir as pessoas falarem mau de seus quatro amigos

Habilidades físicas: É boa no baleado, não de atirar a bola, mas em desviar. Nunca é atingida pela bola, e mesmo que só sobre ela de seu time, ela consegue desviar sendo o único alvo. Não é uma má corredora também. Tem uma força média, mas com sua inteligência, consegue a empregar bem quando necessário.

Habilidades mentais: Sua memória incrível, a inteligência que a memória traz e um desenvolvido senso lógico e estratégico.

Relação com:

– Nathan: Dos quatro, é aquele que ela mais considera como um "irmãozinho", mesmo com a cara de mau dele, ela só consegue querer puxar as bochechas dele às vezes. Ela sabe que ele não gosta quando ela o chama de "fofo", mas essa é a graça. Ela tenta ajudá-lo a suavizar o seu olhar, para assim não assustar tanto as pessoas.

– Eric: É aquele que mais intriga Dalila, pelo seu jeito ainda mais imprevisível que os outros. Gosta de tentar adivinhar o que ele estará carregando de estranho ou o que irá queimar no momento seguinte. Se divertindo quando vê ele tentando se superar no nível de imprevisibilidade para ela não ganhar.

– Dylan: É o mais próximo, aquele que logo ficou amiga. Ele é meio bobo e infantil e muita gente crítica isso, mas ela realmente gosta disso. A conversa deles é difícil de entender para muitos, já que às vezes só precisam se olhar para lembrarem-se de alguma piada interna entre eles para começarem a rir incontrolavelmente. Dalila sempre passa o final de semana na casa dele quando é época de testes e provas, já que o ajuda (assim como aos outros) a estudar. Os dois compartilham da mesma curiosidade e sinceridade, e por isso acabam se dando super bem, Dalila chega a considerá-lo mais do que um amigo (que é uma forma mais digna para dizer que tem um abismo por ele), mas em seus 17 anos de vida, não sabe muito bem como funciona a cabeça dos garotos. Se uma pessoa como ela deixa de jogar Wow por uma hora só para ficar batendo papo fora por telefone, é praticamente um "te amo, me beija", e esses pequenos gestos unicamente dela é que falam tudo que não saí pela boca.

– Bradley: Pode-se dizer que os dois são rivais. Quando ele ficou conhecido como "Macho-alfa", ela fez questão de ser chamada entre eles de "Fêmea-alfa", só para irritar ele. Muitos devem achar que se odeiam, pelas constantes alfinetadas e provocações que vivem lançando um ao outro, mas na realidade, eles são amigos, dispostos para dar apoio um ao outro. Nas reuniões de jogo, os dois praticamente tem uma UFC por olhares enquanto jogam.

Relação com seu possível par:
É do tipo que sempre sente amizade primeiro, para depois sentir atração. Isso acaba fazendo ela e seu par continuarem com sua relação de amigos, ainda mais unidos, com os benefícios de carinhos, beijos e um colo para se deitar enquanto se joga ou lê algo. Não é do tipo grudenta, mas gosta de dar e receber carinho quando estão sozinhos. É pouco ciumenta quando já está num relacionamento sério, pois não vê o que temer, já que deposita sua completa confiança no par. Antes porém, pode ser mais, mas não demonstrando muito, por ser mais insegura de seus sentimentos e de seu par. Não é nenhuma santinha, mas mostra-se uma mulher muito mais ousada quando se sente amada. Embora houvesse muitas brincadeiras e risadas com o par, ela sabe quando ser séria e firme, tanto para sustentar o outro quanto para manter sua opinião.

Possui animal de estimação?

Uma gata siamesa, chamada Deva. Como todos os gatos, dorme bastante e é bastante manhosa. É até bem ativa, correndo pelos cômodos loucamente sem nenhuma razão às vezes, pulando da janela do quarto de Dalila, indo para a sala, pulando no sofá, em cima do fogão e depois voltado para refazer o ciclo. Tem os péssimos costume de ficar brincando com os fios dos video-games de Dalila e de sentar em cima de seu computador quando quer atenção da dona. Gosta de ficar perto de pessoas, e se há visitas em casas, ela sempre vai ficar seguindo ela, a observando. Fica mais ativa ainda na madrugada, momentos em que não é raro ver sua dona no chão, a bunda para o ar, miando e balançando a mão como se fosse uma pata e a gata fazendo o mesmo a sua frente, depois pulando em cima dela e mordendo seus cabelos. É uma cena bem engraçada.



Algum problema de saúde/limitação? É intolerante a lactose, mas com o passar do tempo foi superando, agora só não pode tomar leite puro. Hipermnésia.

Como se sentiu depois de ter recebido a notícia dos alunos mortos? Se sentiu mal e triste, mas alguns minutos depois foi preenchida pela curiosidade, pela vontade incontrolável de descobrir mais sobre o que aconteceu, achar respostas.

Alguma mania?
Tem um vocabulário bem nerd, geek e gamer, assim, faz inúmeras referências. Também fala ao invés do comum "Melhore, fulano, melhore", "Upe, fulano, upe de level". Também usa vários memes em sua linguagem, por exemplo, quando vê algo que ela quer muito ter, como uma edição limitada de um mangá que ela ama, só ergue a mão e fala a icônica frase do meme de futurama.



Sua própria cara é um criador de memes, aqueles que conversam com ela sempre estão atentos as suas expressivas caretas, prontos para registrarem as melhores.

Algo a acrescentar?

Estilo:





Tem uma tatuagem na nuca escrita "Morrer não é nada; horrível é não viver", Os miseráveis, Victor Hugo, nota-se que ela ama esse livro.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...