50 Fatos Sobre Mim


Postado

50 Fatos Sobre Mim

1 – Meu nome é Ingrid. Mas antes de chegar a esse nome meus pais pensaram em Bruna, Victoria, Maria Eduarda e minha vó queria que eu me chamasse Karolyne (leia-se ‘queroláine’).
2 – Ingrid significa “em forma de guerreira” e é um nome nórdico. Mas já encontrei sites que afirmam que ele também significa “Princesa da Paz” e “Guerreira de Ing”, que supostamente é um Deus do Ar em alguma cultura aí que agora não sei dizer qual.
3 – Sou geminiana, com ascendente em Capricórnio e lua em Escorpião. Mas, na real, não faço ideia se isso é bom ou ruim.
4 – Me considero agnóstica, porque acredito na dúvida. Não posso afirmar que deuses existam, assim como não posso afirmar que não existam. Porém, gosto de estudar mitologia e diversas religiões.
5 – Acho legal fazer parte de uma tribo urbana. Mas eu sou muito volátil quanto ao meu estilo. Um dia posso estar mais gótica, no outro posso estar ouvindo funk ralando a tcheca no chão da balada.
6 – Tenho 18 anos agora e até ano passado eu morria de medo de crescer. Tenho síndrome de Peter Pan, e ser independente me assusta muito. Mas estou aprendendo e me forçando a assumir responsabilidades. Não é tão ruim quanto parece.
7 – Eu realizei meu maior sonho aos 15 anos quando passei um mês inteiro no Japão. Hoje, eu estou ávida para voltar para lá.
8 – Estou no quarto período da faculdade de Direito e ainda não sei com certeza se é isso mesmo que eu quero fazer da vida.
9 – Eu comecei a escrever aos 10 anos de idade, mas tenho pouquíssimos contos terminados. Minha conta no Recanto das Letras contabiliza quase 80 textos publicados, mas a maioria são poemas e textos aleatórios de prosa poética.
10 – Lembro-me de três histórias que idealizei quando criança: a primeira surgiu de um sonho e era sobre uma aventura intergaláctica em que os personagens principais pulavam de planeta em planeta resolvendo charadas e desafios lógicos, como se estivessem desbloqueando “níveis” de um jogo, para salvar a Terra de ser invadida no final. A segunda surgiu num banho e era baseada no mangá D-Gray-Man: havia muito sangue, drama, personalidades fortes, exorcistas, demônios e armas legais. A terceira chamava-se “Amazônia: Uma aventura ambiental.” e era sobre um grupo de estudantes que se perdia na mata e acabava encontrando uma aldeia indígena ameaçada por madeireiros.
11 – Não conclui nenhuma dessas histórias, porque eu raramente consigo focar em uma coisa só por muito tempo.
12 – Eu tenho uma doença de pele chamada Vitiligo, porém num estágio muuuuito leve. Ninguém percebe.
13 – Eu amo cantar, canto bem, porém não é minha ambição levar a carreira musical adiante.
14 – Eu me arrependo de nunca ter dado problemas no colégio e de sempre ter sido uma aluna exemplar. Eu devia ter me arriscado mais e aprendido a levar broncas numa boa.
15 – Sou extremamente fria para relacionamentos. Nunca me apaixonei e não gosto da ideia de ter algo sério com alguém. Sou um espírito muito livre e enjoo fácil das pessoas com quem me relaciono.
16 – Mesmo nunca tendo sido muito religiosa, eu morria de vergonha de me masturbar na adolescência, porque eu ficava pensando que Deus podia estar me olhando.
17 – Quando me perguntam, eu digo que perdi o BV com quase 12 anos, mas a verdade é que quando eu tinha 6 um menino de 10 anos do meu antigo prédio se aproveitou de mim e me beijou à força. Rafael o nome dele. #meuprimeiroassédio
18 – Sou feminista, sim, com orgulho. E gosto de me envolver também em outras militâncias, como os movimentos raciais e os LGBTs.
19 – Sou sensível quando se trata de assuntos íntimos. Não consigo conversar com ninguém sobre meus dramas pessoais sem chorar, e as pessoas acham que eu estou sofrendo, mas na verdade não, é só uma reação natural.
20 – Tenho muito medo de depressão. Tanto para mim quanto para meus familiares, especificamente minha mãe, que tem estado depressiva ultimamente.
21 – Se eu pudesse pedir três coisas para um gênio da lâmpada, eu pediria: uma máquina do espaço-tempo (como a Tardis de Doctor Who), um botão com a opção de trocar de gênero sempre que eu quisesse e o poder de visitar universos ficcionais e dimensões paralelas.
22 – Eu sempre quis saber como é ser um homem.
23 – Escrevo diários desde os 13 anos de idade, mas eu uso agendas comuns sem cadeado, para não chamar atenção.
24 – Inventei um alfabeto baseado em Runas para escrever coisas secretas em meus diários.
25 – Amo estudar diferentes culturas e idiomas.
26 - Sei falar inglês, francês e um pouco de japonês.
27 – Já visitei os Estados Unidos, o Chile, o Japão, a França e a Suíça. Ando de avião desde meus 6 meses de idade (porque tenho parentes no Rio Grande do Sul).
28 – Sim, estou bem consciente da minha condição privilegiada na classe média alta e passo por um processo de policiamento todos os dias para não reproduzir pensamentos e preconceitos da elite. Estou sempre estudando temas políticos e me considero de centro-esquerda.
29 – Ainda sou preconceituosa. Criada por uma mãe muito bonita, vaidosa e frequentemente preocupada com o peso, muitas vezes tenho tendência a praticar gordofobia com os outros e comigo mesma. Estou criando consciência disso e tentando todos os dias aprender mais sobre e me livrar deste preconceito.
30 ¬– Às vezes sou muito dura com minha irmã mais nova, Sofia. Mas isso é porque eu tenho ciúmes e inveja da personalidade forte dela.
31 – Eu a amo. E minha primeira tatuagem será dedicada a ela: uma coruja de minerva simbolizando “Sabedoria”, que é o significado do nome Sofia.
32 – Me imagino daqui a 50 anos uma mulher bem sucedida (pessoal e profissionalmente), viajada e com alguns livros publicados. Não me vejo casada, mas gosto de pensar que terei sobrinhos e talvez um ou dois netos brincando na minha vasta biblioteca.
33 – Se eu não tivesse escolhido o Direito, minhas outras opções de curso seriam Letras, Publicidade, História ou Antropologia.
34 – Quero experimentar algumas drogas e fetiches sexuais antes de eu morrer. You only live once.
35 – Quando eu era criança, eu surrupiava coisas sem muita importância ou valor econômico das pessoas: como ligas de cabelo, borrachas e uma ou outra carta de Yu-gi-Oh!, apenas pela adrenalina.
36 – Eu amo travar diálogos intensos com o espelho, ou encenar coisas que eu gostaria que acontecessem. Passo horas no banheiro fazendo isso.
37 – Quando criança, eu não gostava de brincadeiras como esconde-esconde ou pega-pega. Preferia Roleplays, aquelas brincadeiras em que você tem que inventar um personagem para si mesmo e encenar uma história. Minhas favoritas eram fingir que eu era uma Índia ou uma Sereia.
38 – Odeio quando as pessoas perguntam as minhas coisas favoritas, como livro favorito, filme favorito, música favorita... Porque eu simplesmente não tenho favoritos! Eu escolho minha preferência de acordo com o modo como me sinto naquele dia, naquele momento.
39 – Mas minha cor preferida é Vermelho.
40 – Eu tenho ciúmes intensos da minha mãe. Odeio quando caras dão em cima dela nas festas.
41 – Não conheço a Amazônia e me envergonho disso sempre. Porque é contraditório o fato de eu já ter visitado vários outros países e simplesmente não conhecer a maior maravilha do meu próprio país!
42 – Meus atuais sonhos são fazer mochilões pela América do Sul, Europa e Ásia. Dos outros continentes, eu gostaria de conhecer o Egito e a África do Sul, a Nova Zelândia e alguns lugares nos EUA, como Nova Orleans, São Francisco e Havaí.
43 – Eu já viajei de navio para Fernando de Noronha. Mas não me lembro de muita coisa porque eu só tinha 6 anos.
44 – Eu chorei quando me disseram que eu ia ter que usar óculos. Eu tinha uns 14 anos e passei a usar lentes logo na primeira oportunidade que tive. Odiava óculos. Hoje ainda uso lentes, porém acho meus óculos estilosos e não tenho problemas com eles.
45 – Em termos de visão de mundo e independência, sair do colégio e entrar na faculdade foi a melhor coisa que me aconteceu. Hoje eu vejo o quanto eu era alienada antes.
46 – Sempre gostei de colecionar coisas: conchas, papéis de carta, folhas de fichário, adesivos, figurinhas, cartas de card games, selos, imagens, agendas, canetas... Hoje eu (ainda) coleciono mangás, frases e moedas estrangeiras.
47 – Nunca fui boa em vídeo-games e jogos, mas eu era viciada em The Sims, Habbo e Neopets.
48 – Não sou tão próxima de outros familiares quanto eu sou da minha mãe e da minha prima que veio morar comigo em Recife por um ano (e acabou se tornando até hoje a irmã mais velha que eu nunca tive). Até mesmo eu e meu pai não temos muito em comum (apesar de eu amá-lo incondicionalmente).
49 – Vou guardar esta lista de coisas sobre mim para abri-la daqui a uns 10 anos e ver o que mudou.
50 – Não achei que eu ia conseguir completar esse desafio, mas até que não foi difícil. Recomendo. É uma ótima terapia de auto conhecimento.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...