~Ankhy

Ankhy
A E S T H E T I C
Nome: Sccar ღ
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Lisboa, Lisboa, Portugal
Aniversário: 6 de Maio
Idade: 17
Cadastro:

Em Nome do Clã ─ Circe


Postado

Em Nome do Clã ─ Circe

I am lost and led only by the stars
Tumblr!



Stwo ─ Haunted

Nome do personagem e seu significado
Mikhail Rebenok ─ O seu nome de nascença.

Circe ─ Filha do Sol ─ foi o nome que escolheu para si. Não pelo significado em si, mas sim por quem representa; Circe, a feiticieira e Deusa do mundo Antigo. Chega a ser prepotência sua denominar-se com o nome de uma poderosa Deusa. Porém, não poderia escolher melhor para si.


Apelido
Ved’ma ─ Significa ‘bruxa’ em russo


Idade
19 anos


Nacionalidade
Russa


Data de nascimento e signo
6 de Novembro; Escorpião


Orientação sexual
Pansexual
Transgênero ─ Bigênero


História
Esteve cercado por aqueles muros e paredes desde que se reconhece por gente.

Mikhail tinha sido abandonado às portas do orfanato Rebenok¹ após poucas horas de ter nascido. Enrolado numa coberta, não trazia nenhuma mensagem, sequer um nome pelo qual pudesse ser chamado.

O orfanato Rebenok, por sua vez, não era propriamente conhecido nos arredores pela sua boa fama. Mikhail passou lá os que seriam os piores momentos da sua vida, mas também os mais importantes para construir o que é hoje.

Cresceu como qualquer órfão naquele lugar; mesma educação e mesmas regras. Porém, era difícil encarar os que o rodeavam e não se sentir excluído. Sempre que entrava nas brincadeiras, as outras crianças ficavam de olhos arregalados pelas ideias bizarras que Mikhail tinha para se divertir.

Nunca chegou a ser um bom aluno. Os professores até cogitaram que ele sofresse um Défice de Atenção. Na verdade, Mikhail não conseguia se concentrar por muito tempo, e logo desligava daquele mundo.

À medida que foi crescendo, foi desenvolvendo pensamentos suicidas. Não conseguia se encaixar, não encontrava a sua identidade. O seu interior era a mais pura confusão: Não sabia quem era. Por isso, quando sozinho, Mikhail começou a idealizar formas de como poderia acabar com a sua vida.



Foi numa visita de estudo a um Museu da cidade que Mikhail teve o seu primeiro contacto com o que viria a ser a sua grande descoberta.

Caminhando pelas ruas, os adolescentes aproveitaram para explorar as lojas. Eram poucas as vezes em que tinham oportunidade de sair. Mikhail escolheu uma livraria. Não que gostasse de ler, mas entre todas as outras, aquela pareceu a melhor escolha. Analisando as prateleiras com desinteresse, um livro em especial atrai-o. Era de capa dura e de uma cor negra. Acabou não resistindo e tirou-o para dar uma olhada. Tal foi o espanto ao ficar maravilhado com os símbolos na capa. Gastando a sua mesada, comprou-o.

Foi nessa altura que a sua vida deu uma reviravolta.

Mikhail foi sugado para aquele novo mundo. A cada página que lia, o seu peito enchia-se de um sentimento bom. Ele estava se encontrando naquele livro, todas as suas perguntas estavam sendo respondidas, cada uma a seu tempo.

Mikhail queria mais livros, muitos mais, mas o dinheiro não chegava. Livros de bruxaria eram caríssimos e a mesada não era de se orgulhar. Como se não fosse suficiente, não tinha disposição para esperar meses para juntar a quantia necessária. Foi aí que decidiu se prostituir.

Saltava de quarto em quarto, vendendo o seu corpo por livros. Escalava os muros nas madrugadas e corria para a floresta; era no meio da natureza que os lia.

Foi nestes vai e vens que Mikhail passou os últimos meses. De manhã tinha aulas, de tarde aventurava-se pelo quarto dos colegas, de noite estudava bruxaria.

Numa madrugada em particular, decidiu ir mais fundo na floresta, queria conhecer mais, até que se deparou pela primeira vez com o Clã Vanllir. As bruxas dançavam e cantavam animadas, rodeando uma enorme fogueira.

Mikhail ficou sem reação. Ele sabia que existiam outras pessoas como ele, afinal quem escreveria os livros assim? Mas encontrá-las? Esse era outro assunto.

Demorou dias e mais dias observando-as até ter coragem de revelar a sua presença. Mikhail era desconfiado e estudava-as até estar seguro para dar o próximo passo.

Quando arriscou, espantou-se pela maneira calorosa com que foi recebido.

Tinha dezassete anos na altura; fugiu do orfanato e embrenhou-se na floresta para viver com as mulheres. Foi aí que tomou conhecimento da guerra, de tudo o que acontecia, dos seus poderes, de quem era…

Circe, não Mikhail, passou cerca de dois anos naquele clã até ser expulso.
¹ ─ Numa pequena cidade da Rússia



Personalidade
Circe não é alguém visto como normal. Ele é diferente e reconhece isso. Já houve uma época na sua vida em que tentou convencer-se de que era como qualquer um dentro do padrão. Mas como todas as mentiras, elas duram pouco. Hoje não o nega, é como é, e orgulha-se disso.

As primeiras palavras que vêm à cabeça quando se vê Circe pela primeira vez provavelmente são: Sacana, libidinoso ou desinibido. Bonito também entra na lista! Circe atrai com o seu magnetismo e conquista com o sorriso atrevido. Ele não é social. Se você não der o primeiro passo, ele também não o fará; a não ser que você tenha algo que ele queira. Porém, é o seu jeito silencioso e misterioso que parece intrigar os que o rodeiam. Mas não se engane, Circe não é tímido, longe disso. Ele apenas acha que você não é merecedor da sua presença.

Se você conquistar a confiança de Circe, você tem o mundo na mão. Se você a trair, tenha a certeza que nunca mais a terá de volta. Pessoas doces e meigas, despertam o seu lado protetor; sabendo como a vida pode ser cruel, ele quer prevenir as pessoas que gosta que passem pelo mesmo.

Um puro escorpiano; intenso e profundo. Circe tem uma mente sombria, um passado sombrio e demónios mais sombrios ainda. Compreendê-lo e decifrá-lo renderá uma boa dor de cabeça.

Circe gosta do seu silêncio e da sua solidão. A floresta é o seu refúgio. É o único lugar em que se sente em completa paz e segurança, nunca sairia dali se assim pudesse. Foge para lá nas madrugadas sem dormir, quando precisa de pensar ou para simplesmente fumar um cigarro.

Detesta confusão, o que chega a surpreender muita gente. Quando se olha para Circe imagina-se um garoto que vive mais em festas do que na própria casa. Por outro lado, Circe é o amigo perfeito para a diversão e pregar peças; tem as ideias mais bizarras. Um perfeito vagabundo!

Tem uma postura superior e uma aura forte; dificilmente passa despercebido, mesmo querendo.

Quando em confusões, se o assunto não o envolve, Circe se manterá à parte, analisando a situação com olhos atentos. Caso ele esteja envolvido, Circe não morderá a língua.

É muito instintivo e teimoso; se tem a certeza, ele não desistirá do seu ponto de vista até ser provado contrário, e mesmo que isso aconteça, ele ainda estará desconfiado.


Características físicas
Aprendeu com os livros que o corpo é a casca da alma, mas foi com o orfanato que aprendeu que o sexo é a fraqueza de muitas delas.

Circe sabe que é bonito e não hesitará em usar isso a seu favor. Afinal, que culpa tem ele se os outros caem nas suas artimanhas?

Como andrógino, mais especificamente bigênero, Circe flui entre ambos os gêneros binários. Nascendo com o sexo masculino; isso para si não tem importância. Se Circe se sente como uma garota, o é. Se Circe se sente como um garoto, o é. O padrão social já foi um empecilho para ele ser quem é, mas hoje já não o é mais.

Tem um 1,72 metros de altura. Um corpo magro longe de ser musculoso, mas que não deixa de perder a sensualidade característica. A sua pele é pálida devido ao clima da Rússia, e, por isso, mais sensível. Os cabelos são negros e curtos quando é um garoto; quando uma garota, por vezes opta por extensões e alguma maquilhagem forte para acentuar o olhar. Os olhos são de um azul claro, comuns no país em que nasceu.








Estilo de vestimenta
Circe usa e abusa do preto. Cores neutras são as que ele mais veste; é raro vê-lo com um tom mais vivo. Apesar de sempre optar pelo couro, é um couro falso; Circe nunca utilizaria roupas com peles ou partes de animais.

Dependendo do dia e do seu estado de espírito, Circe usa roupas mais largas ou mais justas. Jeans são os seus preferidos; rasgados, intactos, salientando a bunda, qualquer uns. Raramente o verá com um vestido, calções ou saias. Se quiser ver mais da sua pele, terá que investir.

O seu estilo é quase desleixado. Uma camiseta, um casaco e uns jeans, e está feito.

Quanto ao calçado, Circe costuma usar botas ou tênis por questões de ser mais confortável, mas pode chegar a usar uns saltos altos provocantes.





Desenvolvimento
Seu personagem pertence a qual clã?

Exilados


Qual seu paquera?
Maxxie (Max) Oliver


Como seu personagem lida com os membros de seu clã?
Apesar de Circe ter finalmente encontrado pessoas como ele, teve dificuldades em se envolver com elas. Mesmo que os membros do seu clã tentassem se aproximar, Circe não se identificava com ninguém em especial, preferindo a sua própria companhia. Sempre foi autómono e independente, até no estudo da bruxaria, por isso, mesmo se deparando com dificuldades, Circe lia e relia até entender, só em última intância pedia ajuda; nem a bruxaria serviu como uma forma de se relacionar com os outros.

O seu corpo, depois do orfanato, ainda estava habituado ao toque de mãos diferentes a cada dia. Mesmo no clã continuou, envolvendo-se com bruxas. Não chegou a se envolver profundamente com ninguém a não ser de uma maneira sexual.

Gostava de observar os rituais e comemorações, mas não chegava a participar.


Como seu personagem lida com seu poder?
Circe é um bruxo novato. Tomou conhecimento das suas habilidades apenas há dois anos, estudando ainda feitiços e poções.

Já tem o seu próprio grimório, onde já rabisca algumas ideias e pensamentos quanto à magia.

Dos poucos elementos que consegue controlar o fogo está entre eles. Ainda só consegue manter a chama na ponta dos dedos ou na palma da mão, durarando pouco mais que meio minuto. Porém, Circe ficou imensamente satisfeito ao saber que conseguiu aprender logo um dos mais perigosos. Mesmo sendo uma chama fraca, fica contente de ao menos ela servir para acender um cigarro.

A sua proteção foi algo que também andou trabalhando. Mesmo ela ainda sendo uma camada fina e frágil, Circe consegue sustentá-la por um bom tempo.

Sempre lhe disseram que tinha uma energia forte e intensa, o problema estava em não conseguir domá-la. Ele precisa se soltar, confiar e deixar fluir, algo que Circe tenta melhorar todos os dias.


Como seu personagem lida com o paquera?
Circe e Maxxie são como dois paradoxos. Circe guarda tudo para si, Max não tem medo em mostrar. Circe manterá a palavra até ao último suspiro, Max não pensa duas vezes em pôr de lado o orgulho. Mas é isso que torna o relacionamento entre eles equilibrado.

A relação deles, a início, pode parecer desproporcional; Max sempre falando e Circe sempre calado. Mas não é como se Circe não estivesse interessado, pelo contrário, ele está a escutar tudo com muita atenção.

Circe diverte-se em provocar o Maxxie. Adora ver a faceta irritada e envergonhada do garoto; aliás, a sua meta é descobrir quantos tons de vermelho Max pode chegar. Por outro lado, só Circe pode fazê-lo. Se mais alguém se atrever a provocar Max à sua frente, Circe se manterá em silêncio, mas não poupará nas maldições que fará mais tarde.

Circe atraiu-se pela meiguice e gentileza de Max. Chega a ficar espantando como uma pessoa pode ter um coração daquele tamanho. Isso leva Circe a ser muito protetor; tem medo de que algo possa magoar o garoto. A olhos desatentos pode não ser notável, mas se houver um pouco de mais atenção, é possível ver como Circe sempre guarda as costas de Max.

Circe não gosta do jeito um tanto quanto pegajoso de Max. Sempre esteve habituado a virar-se sozinho e a ter os seus momentos, por isso quando Max insiste, Circe chega a ser rude. Pode acabar se culpando logo a seguir, mas dificilmente pedirá desculpa. Em vez disso, dará um pequeno sorriso como uma maneira de Max o perdoar.

A química entre eles faz Circe delirar. Circe acha o Max inocente demais, e ao mesmo tempo que tem vontade de ser cuidadoso com o garoto, Circe quer enlouquecê-lo, fazê-lo provar do pecado. Max, por ser lerdo muitas das vezes, pode não acabar percebendo as intenções de Circe. E isso em especial, dá a Circe uma enorme vontade de gritar, puxar o garoto pelo braço e trancar-se com ele num quarto.

Mesmo quando a relação deles tiver evoluído, Circe não se confessará ou sequer tocará no seu passado. Circe consegue ser difícil de entender e por mais que Max se confesse dia e noite, Circe não estará seguro. Não expor os seus sentimentos é uma forma de se proteger, e se Circe alguma vez o fizer, aí ele estará completamente perdido por Max.


Como é a relação dele com os amigos?
Circe pode contar os seus amigos pelos dedos de uma mão. As suas relações serão sempre diferentes, umas mais profundas, outras mais superficiais, mas todas marcantes.

Amanda

Amanda é a princesinha de Circe. Apesar de ter sido difícil a aproximação entre ambos, já que nenhum parecia querer tomar a iniciativa de falar um com o outro, quando se conheceram verdadeiramente, nunca mais se largaram.

Aquele jeito meigo e doce, mas ao mesmo tempo reservado, conquistou Circe. Nunca tentou qualquer espécie de investida, nem sentiu uma faísca de atração. A relação deles sempre se manteve no limite da pura amizade.

Quando algum mal entendido envolve Amanda, Circe está sempre às suas costas com os braços cruzados e encarando mortalmente a outra pessoa envolvida.

Chega a ser notável por aqueles que estão de fora, a mudança no Circe quando conversa com a Amanda. O seu olhar amacia e os seus gestos tornam-se mais leves.

Mesmo sabendo que a Amanda não é de porcelana, Circe tem sempre um extremo cuidado com ela. Não é de expor o que sente em palavras, mas mostra-o com mínimas ações. Ela é para ele a irmã caçula que nunca teve.

Torria

Torria é a parceira para todas as horas. É das poucas pessoas que Circe não tem problemas e sente-se bem em ser realmente como é. Sabe que com ela nunca será julgado por isso, pelo contrário, será apoiado e incentivado. Com ela, ele não se limita; o que sentir é o que sente, o que pensar é o que pensa. Os momentos entre eles são os melhores e rendem as memórias mais gostosas de relembrar.

Há quem os ache parecidos e realmente eles têm muito em comum. E, talvez, seja isso que os una ainda mais. Mas, para além disso, têm diferenças que complementam a relação. Torria gosta de ser o centro das ações, e Circe acaba gostando desse detalhe. Enquanto ela atrai os olhares, Circe fica no seu canto.

Apesar de Torria sempre ter o hábito de revirar os olhos quando Circe acende um cigarro, as discussões são raras. Eles sempre serão os dois amigos vagabundos sem limites!

Como é a relação dele com a família?
Não tem família.


Como seu personagem entrou no clã?
Trouxe um Incubus e uma Succubus ─ Torria ─ para a área do Clã. Transou com ambos e, tendo quase toda a sua energia sugada, Circe ficou inconsciente. Foi nessa altura que ambos os demónios aproveitaram para entrar nos sonhos da maioria das bruxas do clã, e as deixaram completamente sem energia.
No dia seguinte, Circe foi expulso, tornando-se um exilado.
[MusaLinn deu permissão para usar a sua personagem]


Como é a relação dele com membros de outros clãs? Ele tem afinidade com algum outro clã?
Circe tem afinidade com o clã Godheim e Eitri. Segundo Circe, eles são os que transam melhor.


Pelo que seu personagem é conhecido no clã em que pertence? Ele tem boa ou má reputação?
Ele tem uma má reputação, conhecido por sempre dormir em lençóis de diferentes bruxos e bruxas do clã. O facto de ser reservado e não interagir com os outros membros só alimenta a sua fama. Circe é uma pessoa distante e isso não atrai a confiança daqueles que o rodeiam que nada sabem sobre o que se passa pela sua cabeça.


Adicionais
Pontos fortes, fracos e habilidades do seu personagem


Pontos fortes e Habilidades

O facto de Circe ser uma pessoa analítica, pode ser visto como um dos seus pontos fortes. Estando no seu canto, observando com olhos atentos o que o rodeia, ele consegue captar várias informações que podem ser valiosas mais tarde.

A sua paciência, tanto na arte da sedução, quanto em qualquer outra situação. É difícil tirar Circe do sério, e quando isso acontece, ele estará realmente fora de si.

Circe é muito cauteloso, a vida obrigou-o a isso. Ele não dará o próximo passo sem ter a certeza das consequências que daí advêm e se está preparado para elas.

O charme e a sensualidade. Ele é alguém definitivamente muito sensual e sexual, e isso cativa as mentes mais fracas, e não só.

Circe é realmente bom em luta corpo a corpo. Na adolescência já se envolveu em algumas brigas, e dando e apanhando, aprendeu a como se defender.

Pontos fracos

A sua magia é um dos seus maiores pontos fracos. Ele não é como as outras bruxas que sempre souberam que eram retirantes. Circe só tomou conhecimento disso há poucos anos, e esse espaço de tempo não foi o suficiente para aprender a lidar com ela.

A dificuldade em se envolver com os outros.



Medos/fobias/traumas
Abissofobia (medo de abismos e precipícios);
Não gosta de se sentir fechado ou preso; isso lembra-o do orfanato.


Vícios/manias
Fumar após o sexo.
Dormir nu.
Fugir para a floresta quando precisa de pensar.
─ Mirar intensamente a pessoa com quem conversa.
─ Sorrir esporadicamente, sozinho, ao reviver alguma lembrança.
─ Andar constantemente de mãos nos bolsos.


Defeitos
A sua luxúria já o levou a vários problemas, a sua expulsão do clã é um deles. Se Circe controlasse a sua libido teria evitado muitas situações complicadas na vida.

A sua frieza quanto a relações torna difícil ele se envolver com alguém. Tanto que do seu antigo clã, ele era um dos mais reservados, senão o mais reservado.

A sua teimosia, o orgulho e a sua mania de achar que está sempre certo.

O seu excesso de confiança nos seus instintos que sempre se provaram verdadeiros.

Acrescentando o seu modo vingativo, rancoroso e ciumento.



Armamentos preferidos para batalhas
Circe ainda não tem controlo sobre a sua magia, para além de feitiços elementares, não pode usá-la em batalha.

Ele prefere luta corpo a corpo, algo que aprimorou nos anos passados no orfanato Rebenok.

Para todos os efeitos, Circe tem sempre uma navalha sob o cinto.


Sonhos ou objetivos
Ele não tem grandes sonhos ou objetivos. A sua única meta, por hora, é controlar os seus poderes de bruxo.
De resto, ele não está vivendo, só sobrevivendo.


Frase ou trecho de música que defina seu personagem
A work of art made of porcelain
You're smoking my dope
Let me fuck with you
Is that what you want?
Even if it rips you apart?
So, drive slow, drive slow
Let me see your face
Let me see it glow
Don't stop, don't stop
I wanna hide forever in your heart



Alguma curiosidade ou observação sobre o personagem?
Tem um gato selvagem apelidado de Satan.
Foi no orfanato que descobriu a sua paixão pelo cinema.


Chave
Girls can do everything


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...