~sxturn

sxturn
Dangerous woman
Nome: ━ saturno;✿
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 23 de Outubro
Idade: 16
Cadastro:

Ficha


Postado

∆Pessoal∆

•Nome completo:

Amber Whites D'Ângelo

•Aparência:



•Idade:

Dezesseis anos

•Data de nascimento:

Vinte e três de outubro

•Signo:

Escorpião

•Personalidade:



• História:

Amelié e Sebastian se conheceram no Castelo. Ela é uma cineasta renomada e desejava fazer um filme sobre a vida no castelo e depoimentos da família real, para recolher informações. Ele era um médico obstetra que fora fazer o parto da rainha.
Foi basicamente amor à primeira vista. Assim que o médico olhou para a mulher e se apaixonou perdidamente. O parto foi complicado, então, ao acabar, Sebastian resolveu caminhar um pouco pelo Jardim para esvair a tensão causada. Era uma responsabilidade grande fazer o parto de alguém tão importante. Assim que ele foi, avistou a mulher bonita que lhe encantou o coração. Assim que eles começaram a conversar, o homem a convidou para sair.



Amelié contou sobre os problemas da vida dela. O ex-namorado que a perseguia e ainda queria casar-se com ela. Ele se tornou possessivo, de todas as formas. Eles sabiam que aquele romance seria muito perigoso, caso Henri ( ex-namorado ) soubesse. Mas, o amor entre eles foi muito mais forte e eles decidiram que iriam se arriscar mesmo assim.
O amor floresceu em uma das festas dada pela família real para comemorar o nascimento de seu filho mais velho. Assim, Amelié iria filmar toda a comemoração e, por ter feito o parto, Sebastian fora convidado. Com toda certeza, aquela foi a noite mais maravilhosa da suas vidas. Eles deram o seu primeiro beijo juntos e, além disso, foi a noite que eles ficaram pela primeira vez.



Mesmo sendo a primeira vez, Amelié engravidou de Sebastian e isso só complicou ainda mais o namoro escondido deles, afinal, a moça não iria conseguir disfarçar a barriga quando começasse a crescer. Seus pais eram muito religiosos e não iriam aceitar. A única opção deles era fugir juntos para outro lugar.
Porém, Henri descobriu sobre a gravidez. Enquanto andava pela rua, avistou Amelié com a barriga já grande. Ele a parou e a ameaçou, dizendo que mataria o bebê e ela também. Desesperada, Amelié pediu para que o plano fosse executado o mais rápido possível. Não queria perder o filho gerado de seu amor verdadeiro.
Eles viviam tão felizes. Faziam de tudo para dar o melhor para o seu bebê. Quando a mulher foi fazer o ultrassom, percebeu que eram dois e não apenas só um. Havia uma menininha muito pequenininha atrás de seu irmão.
Quando eles estavam indo para outra província, Amelié sentiu fortes contrações e, como um bom obstetra, Sebastian sabia que a esposa estava em trabalho de parto. Não pesou duas vezes antes de levá-la para um hospital. O parto teve algumas complicações, mas os gêmeos nasceram saudáveis. A felicidade era visível nos olhos dos dois, porém o medo tomava conta de seus sentimentos.



As crianças recém-nascidas foram deixadas no Castelo, com a permissão do rei e da rainha, para que os dois pudessem se casar. Mas na viagem de jatinho que eles fizeram, ocorreu um acidente provocado por Henri. Ele era um piloto que conhecia tudo sobre aviões, sabotando o jatinho. Sendo assim, ele caiu.
Amelié acabou ficando muito mais machucada. Sua perna ficou presa entre as engrenagens e um pedaço de metal havia atravessado sua barriga, enquanto Sebastian gritava pelo seu nome.

— Sebastian, enquanto eu vivi, você me amou? — Amelié perguntou, entre um gemido e outro, de dor.



— Isso é bom, é muito bom. Eu sempre te amei. Agora que sei que esse sentimento é recíproco, posso ir em paz.Por favor, cuide dos nossos filhos. Por mim. Mostre o vídeo para eles. — ela responde, vomitando um pouco de sangue em sua roupa. Amelié estava partindo, isso era claro.





Amelié deixou uma lágrima escapar pelo canto de seus olhos e, assim, fechou os olhos. Dessa vez, para nunca mais acordar.

Sebastian não sabia o que fazer. Nunca mais veria o sorriso de sua mulher assim que acordasse. Nunca mais sentiria seu cheiro adocicado em sua roupa de cama. Amelié era agora um corpo. Apenas um corpo, que existia na memória do marido. Suas mãos que viviam constantemente quentes, estavam pálidas e seus lábios tingidos de um tom rubro de vermelho, adquiriram um tom azulado. Sua respiração não existia mais e o sangue já havia ressecado. Aquela não era mais a mulher que ele amara, era apenas mais uma pilha de ossos para enfeitar o mundo.
O vídeo a que ela se referia, foi um gravado com cenas entre seus pais. Amelié sabia que iria morrer e, portanto, fez um vídeo de despedida para os filhos e pediu para que Sebastian terminasse. Porém, o homem não tinha coragem de ver ou assistí-lo e muito menos mostrar aos seus filhos. Por isso, ele confiou o CD para a rainha, que acabou se tornando uma de suas amigas. Disse que era para mostrar para Aileen apenas quando achasse o momento certo.
Após ser salvo, ele voltou ao Castelo para buscar seus filhos. Os levou para a sua casa, em Amsterdã.
Por mais que fosse rico, ia deixar as crianças sob o cuidado da irmã.
Amber e James cresceram muito bem. Sempre foram muito unidos e defendiam um ao outro. Nunca se existiu uma relação de irmãos melhor.
Amber sempre foi independente e levada. Subia em árvores e jogava futebol com o seu irmão e outros meninos. Os dois sempre tiveram essa conexão de gêmeos, que fazia com que um sempre soubesse do que estava acontecendo com o outro.
A garota descobriu a sua profissão quando achou um cachorrinho perdido na rua, com a pata quebrada. Ela cuidou dele a todo momento e acabou se apegando emocionalmente com o animal, o adotando.



( esse é o cachorro dela )



( outro cachorro que ela cuidou na clínica )


Ela estava crescendo e o seu pai achou que era melhor arrumar alguém para ela se casar, fazendo um acordo com um garota da casta 2. Ele era uma pessoa especial, mas faltava alguma coisa. Amber não o amava com uma intensidade grande a ponto de aceitar o pedido de casamento que ele propôs a ela. Os dois acabaram terminando, afinal, ela queria viver a sua vida livremente e não, encarcerada com uma pessoa que ela teria que aturar todos os dias. Se fosse para amar alguém, tinha que ser algo incondicionalmente maravilhoso e verdadeiro, assim como aconteceu com seus pais.

'' O verdadeiro amor é aquele que suporta a ausência e sobrevive na saudade '' — Amber sobre o amor entre seus pais.

Assim, a garota começou a se interessar cada vez mais pela medicina veterinária. Como a sua mãe, ela é apaixonada por fotografia e vive com uma câmera em sua bolsa. Por mais que morasse no interior de Amsterdã, constantemente ia para a capital, para encontrar seu '' professor '', que era um veterinário renomado e ela era a sua ajudante na clínica dele.
Um belo dia, viu várias pessoas reunidas na Praça Pública, escutando um depoimento do rei, com o seu primogênito ao lado. Amber bateu os olhos nele e sentiu algo que jamais experimentara antes. Não sabia o que era, mas ficou interessada em descobrir. Quando a família real saia, Amber tentava tirar uma foto deles, para guardar em seu álbum. Não sabia quando os veria novamente e, muito menos, que o seu pai tinha uma conexão com pessoas tão importantes.
Ela estava em um ângulo perfeito, que dava uma perspectiva incrível para a foto. Porém, vários fotógrafos e repórteres apareceram em sua frente, a atropelando e fazendo a mesma cair no chão. Sua câmera escapara neste movimento e ela procurava incansavelmente pelo objeto no chão.



— Está tudo bem? — O príncipe pergunta, fazendo-a olhar para ele, hipnotizada. Por alguns instantes, ela fica paralisada por não acreditar no que estava acontecendo. Ele estende a mão para ela e a ajuda a se levantar. Amber não é o tipo de fã da família real, longe disso. Mas não pode esconder a sua curiosidade em descobrir um pouco mais sobre eles, além do que é dito na TV.

— S-sim. Eu estou bem, Alteza. — Ela responde, fazendo uma reverência desajeitada, porém sem perder a elegância. Ele tenta esconder uma risada, mas não consegue.



Ela o acompanha na risada, logo depois se desculpando. Tinha que ir embora, afinal, seu professor a esperava. Se despede do futuro rei e vai para a clínica. Estava muito mais pensativa do que o normal, deixando seu '' mestre '' curioso para saber o que havia deixado a mente da menina perturbada. Porém, o anúncio do Jornal Oficial lhe chamou atenção e ele resolveu focar na TV, chamando a menina para ver com ele.
O anúncio da Seleção estava sendo dito. As mulheres que esperavam seus animais começaram a suspirar, pensando no príncipe. Outras saíram correndo da clínica para fazer a sua inscrição. Amber não fazia parte de nenhum dos dois grupos. Ela ficou calada e voltou a examinar o cachorro que estava na maca, fazendo a sua ficha para a cirurgia.



— Vi que não se interessou pelo anúncio. Por que não fez como as outras garotas e saiu correndo para fazer a sua ficha também? — Dr. Stenford pergunta, ajudando-a a examinar o animal. Ela para de anotar os dados e olha fixamente em seus olhos.

— Não faço questão. É apenas um jogo de falsas aparências que a família real insiste em chamar de tradição cultural. Eu nem conheço eles. — ela respondeu de forma direta. Por mais que pareça que fora grossa, ela estava mais calma do que nunca.

— Talvez você deva dar uma chance para que o destino te mostre o contrário. — Foi a única coisa que ele respondeu, antes de deixar a sala. Amber ficara pensativa, tentando compreender o que ele dissera. Ligou para o pai imediatamente, perguntando se podia participar. Talvez conseguisse bons '' click's '' da família real.

'' Não faça isso, Amber. Eu te proíbo de entrar naquele Castelo '' — foi o que ele respondeu, antes de desligar o telefone. Ela não entendeu o que estava acontecendo, mas resolveu que iria participar mesmo assim, se inscrevendo escondido.

O que ela não sabia era que aquele Castelo escondia o segredo que poderia revelar muita coisa sobre o seu passado. Sobre o passado de seus pais. O CD. O vídeo de Amelié que fora dado a rainha para que ela entregasse à Amber assim que achasse que era o momento certo. O seu passado seria desvendado. E ela não saberia com quem compartilhar.

Sebastian escondeu durante toda a vida dos gêmeos que a sua mãe havia morrido em um acidente de avião e, pior ainda, nunca lhes contou sobre o vídeo. Não quera que as memórias da mulher que amava viessem à tona e, muito menos, que seus filhos descobrissem de toda essa mentira.

Quando seu pai chegou em casa, explicou tudo para os filhos, sobre a sua mãe. Não falou sobre o vídeo, mas Amber ficou irada. Gritou com todos por terem escondido isso, jogou as taças de vidro na parede. Ela teve um ataque de pânico e se trancou no escritório que tinha em casa. Assim que viu algo brilhar em cima do armário. Sem hesitar, ela pegou uma das escadas e subiu para pegar. Era uma caixa. Uma caixa com as coisas de sua mãe dentro. Ela abriu tudo e chorou com o que viu. Fotos de seus pais abraçados, sorrindo tão alegres, ela percebeu o quanto eles se amavam.

'' A madrugada estava fria. Parecia que tudo que eu acreditava estava se desmoronando, se quebrando, se desfazendo como um pedaço de vidro jogado ao chão, lá estava eu, lá estava o meu coração, lá estavam os sentimentos mais sinceros e verdadeiros que eu guardava dentro de mim. Talvez tenha sido erro meu de me deixar levar pelas maldades dos outros, ou não, talvez tenha sido você que acreditou nas pessoas e não a mim. Eu digo sinceramente que sofro, sofro por ter perdido quem eu amava por intrigas dos outros, sofro por não ter feito algo para mudar o ocorrido, sofro por não poder te abraçar novamente. O abraço que eu adorava receber foi embora, sim, foi embora para bem longe…Para longe do meu coração, para longe de mim. Não importa o que eu faça, não vou poder te tocar… Eu sei que você está me vendo, eu sei que você está do meu lado me protegendo todo o dia. Sabe, eu sofri muito quando nos separamos, porém sempre tinha a esperança de ter você de volta, entretanto, isso não é mas possível. Você se foi eternamente, e pra mim apenas sobrou as lembranças dos momentos felizes que você deixou na minha vida. Obrigado por ter feito parte dos momentos em que eu jamais irei esquecer. Eu te amei, eu te amo e sempre vou te amar, mãe. You turned my Angel. '' — Amber pensava enquanto se afogava em lágrimas no chão do escritório. Não conhecera a mãe, mas sentia a presença dela todos os dias de sua vida e, mesmo assim, a ama incondicionalmente.

Por estar naquele estado, ela sentiu que precisava respirar um pouco. Pegou a sua bicicleta e foi para a rua, apaziguar um pouco os seus sentimentos. Já estava de noite e a escuridão revestia o céu. Quando ela entrou em uma das ruas, um homem a derrubou da bicicleta. Um homem não, cinco. Henri perseguia os filhos de Amelié desde que eles nasceram e, quando a fama de Amber chegou, ele tinha certeza de que aquela era a filha de sua amada e aproveitara esse momentos de fragilidade da menina para atacá-la. Eles a espancaram e, quando ela não dava mais nenhum sinal de vida, saíram correndo.
Amber ficou desmaiada na rua até o dia seguinte quando alguns senhores a encontraram. Eles fizeram questão de prestar socorro à garota, mas a mesma recusou e voltou para a sua casa de bicicleta, mesmo que toda machucada.




∆Roupas∆

•Dia a dia {7}



•Encontros {4}



•Festas {5}



•Entrevista com o príncipe {1}



•Jornal Oficial {6}



•Pijama {2}



•Piscina {1}



•Halloween {1}



•Natal {1}



∆Família ∆






James D'Ângelo Carter | Dezoito ( 18 ) anos | Irmão gêmeo | Guarda Real

É a melhor relação de irmãos existentes. James e Amber tem uma conexão muito mais forte do que a maioria dos gêmeos. Eles conseguem perceber quando o outro está triste e fazem de tudo para animar a situação. Definitivamente se ama, por mais que quando briguem a troca de farpas rola solta, James faria de tudo para ver a irmã sorrindo.


Amelié Antoinette Carter | Teria quarenta anos | Mãe | Morta | Cineasta








Uma mulher doce e sempre muito simpática. Amber não chegou a conhecê-la, pois a mesma morreu alguns dias depois após seu nascimento. Mesmo sem saber como ela era ou ter falado com ela, a garota a ama muito, só pelo fato de saber o quanto ela amou intensamente seu pai até dar o último suspiro.
Faria de tudo para conhecê-la, mas infelizmente não poderá voltar no tempo.

Em relação ao vídeo que a mãe fez: Assim que a rainha lhe entregasse o CD, não conseguiria assistir sozinha. Chamaria o príncipe para ver com ela. Quando as primeiras palavras começassem a ser ditas e ela visse o rosto de sua mãe pela primeira vez, se emocionaria ao ponto de se afogar em suas próprias lágrimas.

Sebastian Edgard D'Ângelo | Quarenta e dois ( 42 ) anos | Médico









Sebastian é um pai bom, porém muito exigente. Após a morte de sua mulher, ele ficou muito solitário. Ao fazer os partos no hospital, se lembra do dia em que estava sentado na cadeira, esperando notícias de Amelié e seus filhos.
Ele não consegue olhar nos olhos de Amber pois a garota se parece muito com a mãe. É muito protetor e não quer que a filha se apaixone ou se envolva amorosamente com alguém por conta do que o ex-namorado de Amelié fez com ela. Odiou a ideia da Seleção e fico muito furioso quando descobriu o que Amber fez.

'' Meu pai é o tipo de homem que não consegue dar um de seus sermões sem rir. Após a morte da minha mãe, é muito difícil vê-lo mostrar qualquer sinal de alegria em seu rosto. Por isso, quando consigo fazê-lo dar um sorriso, me sinto a pessoa mais feliz do mundo. Por mais que trabalhe muito longe e não more na mesma província que nós, eu me sinto bem ao lado dele e ainda espero que ele supere a dor por perder a mamãe e encontre outro amor, que seja capaz de amá-lo tão intensamente quanto a minha mãe fez enquanto vivia ''Amber sobre o pai.

Com quem ela mora: a tia e o irmão

Valerie Elizabeth D'Ângelo | Trinta e cinco anos | Tia





Valerie é um tanto liberal de mais e sarcástica. Se um dos sobrinhos perguntar se pode pular no Grand Canyon, ela diria: '' Pode ir, mas leva um casaco porque está frio lá fora ''. Ela tenta ser o mais responsável possível, mas não consegue.
Ela e Amber se dão muito bem. Por mais que, às vezes, a troca de farpas rola solta, todos sabem que é brincadeira. Valerie cuida da garota desde que a mesma nasceu e, por isso, a ama muito. É como se, basicamente, a tia fosse uma mãe para Amber.

Melhores amigos:

Phoebe Ford | 19 anos |





Rebelde de primeira, Phoebe é completamente o inverso de Amber. Ama uma balada e bebidas alcoólicas, mesmo sabendo que não pode. Tenta sempre levantar o ânimo de todo mundo, fazendo as piadas mais sem graça existentes.
Ela e Amber, no começo, eram como gato e rato. Mas depois de se conhecerem, não se desgrudaram nunca mais.


Madeline Scarlett Clyford | Dezoito anos



∆Criadas∆


{Ponha a aparência, descrição, personalidade e relação com suas duas criadas}


∆Relações∆

Qual a relação e impressão dela com:

O Rei:



A Rainha Diana:



Príncipe Leo:



Princesa Camille:



A vida de realeza:



∆Pequeno questionário∆

Por que se inscreveu na Seleção?



Qual sua opinião e primeira impressão do príncipe?



Como vai agir com a realeza?



O que acha da Seleção?



Como pretende ganhar?



Já teve alguma relação amorosa antes da Seleção?

Nada muito sério. Além de que nem beijo tinha. Foi um namoro completamente inocente e arranjado pelo seu pai, mas como eu contei na história, não aconteceu.

É virgem?

(x) Sim
( ) Não

Como vai tratar as outras garotas?



É capaz de trair o príncipe?

'' Traição não é uma palavra que consta em meu dicionário '' — Amber D'Ângelo

É capaz de trapacear?



Como vai agir nos encontros?



Como vai agir na entrevista?



Se fosse a primeira a ganhar um beijo, abraço ou coisa assim, como iria agir?



Esta ciente de que sua personagem é minha?

Sim

Esta ciente de favoritar?

Sim


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...