~keady

keady
.rupert.
Nome: {/ghm/}
Status: Usuário
Sexo: Masculino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 27 de Dezembro
Idade: 17
Cadastro:

.só me perdoem


Postado

Oi, espero que não tenham sentindo minha falta.
Voltei para contar a verdade para todos, sem exceção. Queria que tivesse sido desse jeito, sem ter o primeiro, segundo, terceiro ou último a saber de toda a verdade. Sinto muito por ter levado tanto tempo para revelar essa terrível mentira. Eu só não sabia que chegaria a esse nível de eu me envolver tão profundamente com cada um de vocês. Peço desculpas mais que sinceras, mas não espero que perdoem pois sei que não mereço.
Eu menti e menti feio. Eu menti quem eu sou, eu criei alguém totalmente diferente da pessoa que eu sou e me sinto horrível por isso, por ter machucado tantas pessoas por ser simplesmente estúpidA. Eu sou uma garota. Uma garota estúpida e infantil, que ao começar com toda essa palhaçada, apenas pensei em mim e no quanto era legal ser uma pessoa mesmo que eu estivesse iludindo pessoas que não mereciam esse sofrimento e fingindo ser quem eu não sou só para poder ter amigos e pessoas que gostassem de mim pelo o que eu NÃO sou. Não exijo o perdão pois eu não o mereço de maneira alguma, pois fui estúpida. Só queria publicidade para a minha fanfic, então achei que ser garoto fosse o meio mais fácil de conseguir popularidade para isso. Mas no final, nunca fui reconhecida por ser um grande escritor. Fui conhecida por ser um doce garoto que eu nunca fui, um garoto que eu adoraria ter sido. Sendo esse garoto eu conquistei pessoas. Mas nunca era eu, Amanda, quem os conquistava. Era o Gustavo. O garoto doce, gentil, amoroso e apaixonante que eu havia criado. Eu queria ser ele, eu tinha inveja da vida que ele levava. Ele tinha amigas e amigos maravilhosos, que o amavam e o protegiam não importa o quo grande fosse o problema ou a maldita acusação. Eles estavam sempre lá por ele, dando força e dizendo "Eu te amo, Gustavo". Ninguém amava a Amanda, pois ninguém a conhecia. Eles conheciam e amavam o Gustavo. Eu, Amanda, o conhecia e o amava, assim como eles.

Eu nunca vou encontrar alguém que me ame como o Marcio o amou, ou como a Layla, Andreia, Gabriela, Gina o amou. Eles acreditaram no Gustavo até o momento em que eu acabei com toda a magia. Eu contei que ele não existia e isso apagou um pedacinho de cada um deles. Faltava alguém no coração deles e esse alguém era o Gustavo, que nunca havia existido. O lugar que ele ocupava no coração de cada um sempre fora vago. Ele nunca foi real. Eles amaram alguém falso, sem coração, sem olhos, sem nariz, sem cérebro. Eles amaram um nada!

Eu nunca parei para pensar que talvez, só talvez, eles tivessem amado a Amanda da mesma forma que amaram o Gustavo se eu tivesse sido a Amanda e nada mais. Mas eu fui egoísta. Eu poderia ter me poupado e poupado a eles também. Mas eu não o fiz. Eu machuquei cada um deles, inclusive a mim. Eu criei o Gustavo e eu o matei. E matei uma parte de vocês, então eu sinto muito. Eu acho que sinto.

É assim que eu queria que tudo tivesse sido revelado.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...