~not_a_princess

not_a_princess
Panterona
Nome: ✖Caju✖⭐Cajuina⭐
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 12 de Novembro
Idade: 17
Cadastro:

>>Apocalypse <<


Postado








O começo? Ou o fim?





→ Nome Completo:

Beatrix Belbonie Black (ninguém realmente sabe seu nome e ela prefere assim. Para todos os casos, a chamem apenas de B.B, a forma que é conhecida desde que se lembra).


→ Idade:
17 anos. Nasceu em 02 de novembro, sendo assim escoporniana ♏
➡Pode-se dizer que ela é a personificação de seu signo.

→ Aparência:
É simplesmente impossível olhar para B.B e não pensar em felinos. A jovem garota possui misteriosos e fugazes olhos verdes, circundados por uma grossa camada de cílios bem curvados e longos, sobrancelhas que casam perfeitamente com o formato de seu rosto. As maçãs do rosto são proeminentes e com coloração de pêssego, o nariz é reto e bem desenhado. A boca carnuda, rosada e muitas vezes torcida em um sorrisinho desdenhado possui dentes alinhados e brancos.
Cabelos curtos, de um loiro puxado para o mel, cacheados. Corpo ainda em formação, mas atlético, forte e incrivelmente flexível.






〰Camren Bicondova


→ Personalidade:
Não é só na aparência que B.B é igual a um felino, sua personalidade também faz jus. Como um gato, B.B exala mistério. Você não consegue dizer o que se passar cabeça dela, a não ser que ela quer que você saiba. Não precisa falar para demonstrar seus sentimentos, a garota possui toda uma linguagem corporal e expressões faciais que falam mais que 1000 palavras. É uma garota sorrateira, ardilosa, maliciosa ou quaisquer outros sinônimos que possa dar a essa palavra. Ela sabe como agir às escuras, movimentando seus pauzinhos sem que ninguém perceba. Aliás, embora seja a garota que não apenas chama atenção, mas que gosta de fazê-lo, B.B também sabe fazer coisas escondidas como ninguém, como entrar e sair despercebida, como uma verdadeira gatuna. Também é muito esperta, sempre foi uma causadora de problemas, mas raras as vezes que precisou de alguém para sair de um problema, os neurônios da garota funcionam bem e ela faz bom proveito dos mesmos. Tem um raciocínio rápido e uma mente que ou é brilhante ou completamente insana. B.B prefere pensar que é brilhante, embora as vezes tenha suas dúvidas.
Sempre tem um plano A, B, C e a maioria deles, embora não sejam ortodoxos, funcionam bem. É uma ótima atriz, quando assume um personagem, ela vai fundo e consegue te enganar mesmo que você tenha conhecimento da personalidade ardilosa dela. Uma coisa que chama muito atenção em B.B são seus movimentos, ágeis, graciosos, quase como se fossem uma dança, como um gato anda antes de pegar o rato.
Alguns pensam que por causa da pouca idade, B.B é apenas uma pobre garota indefesa. Ela ri da cara desses. Desde muito cedo, a vida a ensinou (de uma forma nada doce) que o mundo é um lugar cruel, e quem consegue sobreviver tem que sujar as mãos as vezes. Essa "pobre garota indefesa" tem mais colhões que muitas pessoas com o dobro de sua idade.
Muitos conhecem B.B, mas poucos (aliás, apenas Judith) conhecem Beatrix, a garota por trás de tudo. Quando perguntavam a Judith como ela suportava B.B, a madre sorria e dizia:
Ela se mostra para o mundo como uma leoa selvagem, mas com carinho, amor e muita, muita paciência, vocês vão ver que ela é apenas um filhotinho de gato que foi abandonado e que tem que lidar com tudo isso sozinha. Eu só mostrei que ela não está sozinha.


→ História:
B.B é órfã, desde que se lembra, seu lar era o orfanato Saint Marie para damas, mas se espera que a história dela seja algo sofrido e que por isso sua personalidade será de um pobre anjinho, sinto desaponta-los. B.B costuma dizer que seus pais foram estúpidos em abandonar alguém tão incrível como ela, e não diz isso em tom de brincadeira. Diferente da maioria dos órfãos que conheceu, B.B nunca se preocupou em descobir de onde veio ou quem são seus pais biológicos, para ela não importa de onde você veio, e sim para onde vai.
Desde muito pequena ela já demonstrava ter uma personalidade forte, talvez seja por isso que passou boa parte da infância mudando de lares adotivos, mas sem nunca encontrar uma família que gostasse dela. Ela nunca fez drama ou se importou com isso, B.B falava que se fosse adotada, a família deveria gostar dela como ela realmente é, não iria ficar agindo como um cachorrinho com o rabo entre as pernas para isso. No orfanato não tinha muitos amigos, as garotas a detestavam, as freiras consideravam-a uma mal influência. Havia apenas uma pessoa que gostava de B.B: a madre superiora do orfanato, Judith Black. B.B também gostava da madre e não foi nenhuma surpresa para ninguém que ao se aposentar, tendo 73 anos, Judith decidiu adotar B.B, que na época tinha 10 anos.
Ainda hoje B.B se lembra da cara de raiva de todos quando Judith anunciou que ia adota-la. No seu último dia, B.B sorria falsa e descaradamente para todos e, ao entrar no carro da madre, mostrou o dedo do meio para as freiras e outras órfãs que assistiam aquela cena, com muita indignação, do portão do orfanato.
Durante três anos, morar com Judith fora o paraíso para B.B, a garota tinha frequência e notas perfeitas onde estudava, também fazia curso de ballet clássico e ginástica artística ( por isso sua tamanha flexibilidade) e, mesmo odiando profundamente, todos os domingos acompanhava Judith para a celebração da missa na igreja matriz. Mas como nem tudo pode ser perfeito para sempre, chegou o fatídico dia.
B.B tinha apenas 13 anos quando aconteceu.
Ela não havia ido para a escola naquele dia, estava com um resfriado e a madre preferiu mantê-la em casa descansando. A madre havia feito sopa de abóbora e chamara a jovem para comer. As vezes, B.B ainda é capaz de sentir o cheiro e a textura da sopa quando fecha os olhos. Estava na cozinha, comendo a sopa e conversando com Judith quando tudo aconteceu. A madre começou a tossir, B.B perguntava se ela estava bem. Judith caiu o não, começou a ter convulsões. B.B, em estado de choque, só conseguia ficar perto da madre e pedir que ela ficasse calma. E foi isso que aconteceu. Judith não moveu mais um músculo sequer. B.B engoliu em seco, sem saber ao certo o que fazer. Ela ligou para a emergência e tudo que conseguiu sibilar foi que achava que sua mãe estava morta. Ela ficou ao lado de Judith, passando as mãos por seus cabelos, até que ouviu o som da sirene da ambulância. B.B raciocinou rápido. Com certeza iriam pensar que ela provocou a morte de Judith, e se fosse considerada como inocente, seria mandada para outro orfanato, ou pior, um reformatório. Ela deu um último beijo na testa de Judith antes de pegar uns trocados que haviam na mesa e sair do apartamento pela janela.
E tem vivido desde os seus 13 anos vagando pelas ruas, sobrevivendo de golpes e pequenos furtos. Isso até sua vida dar a segunda grande reviravolta...


→ Aceita par?
Yep. Pode escolher.


→ Gostos:
-Felinos, B.B adora felinos e vice versa;
-Adora leite e café bem quente;
-Peixe, de todas as formas, sendo assado ou até mesmo cru;
-Da noite, B.B é sem dúvidas um ser noturno. Quando é noite, ela parece ganhar mais vida, até seus olhos enxergam melhor (e ela tem uma ótima visão);
-Dormir, se pudesse passaria o dia todo dormindo;
-Desafios, B.B simplesmente ama desafios;
-Bolo de chocolate com recheio de chocolate e cobertura de chocolate. O que pode ser melhor que isso?
-Caldos, sopas e mingau, especialmente sopa de abóbora;
-Gostos apimentados e ácidos;


→ Desgostos:
-Cães, odeia esses pulguentos;
-Ratos, acha que são animais horríveis;
-Pessoas frescas;
-Que digam que ela não pode fazer algo por ser apenas uma garotinha;
-Sons muito altos e estridentes;
-Dias muito quentes;
-Tempestades.


— PERGUNTAS —

→ O que fazia no momento que ‘eles’ chegaram?
Ela havia acabado de roubar leite da sacola de compras de uma moça e alguns trocados do bolso de um rapaz que estava lendo uma revista pornô. Comprou um sanduíche e estava sentada em um banco com Rato, o gato de quem cuidava, comendo o que seria a sua única refeição do dia. Foi quando eles chegaram.


→ Por quê se voluntariou?
B.B não tinha nenhuma perspectiva de vida, a única pessoa com quem se importava estava morta, não tinha onde morar, sobrevivia do que furtava... o que tinha a perder? Além disso, sentia-de curiosa a respeito deles, mas é como dizem:
A curiosidade matou o gato.
Mas, da mesma forma que um gato, B.B também tinha "7 vidas".


→ Como foi parar em New York?
Depois que fugiu de sua casa por medo de ser presa ou levada a um reformatório, B.B vivia como uma nômade, mudando constantemente de cidade para cidade. Já havia passado por Las Vegas, New Orleans, Ohio, Manhattam, New Jersey e, por último, New York.


→ Se arrepende?
Não se arrepende nem uma grama de nada que fez.


→ Se sim, por quê?
X


→ Como acha que a Myster (Katherine McNamara + Personagem de autoria de @Wildy) é?
Apenas mais uma garota comum, que se importa de mais em manter as unhas impecáveis, a maquiagem bem feita e os cabelos perfeitamente penteados. Ah, é claro, não se esqueça das roupas da última coleção da Louis Viutton e Chanel.

OBS: Essa é a opinião de uma pessoa extremamente sarcástica, no caso, a B.B, que não espera nada além disso de ninguém.


→ Qual foi seu primeiro pensamento relacionado à ela (Myster)?
"Cabelo legal... será que é natural? Se não for, qual é o nome da tintura?"


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...