~feliste

feliste
Nome: Ivy
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 12 de Abril
Idade: 15
Cadastro:

Isso sim é um textão.


Postado


Então, amiges, eu estive pensando bastante e se quando eu penso já é ruim, imagina quando penso bastante... Quer dizer, vocês não precisam ler isso se não quiserem, claro que não. Eu sei que sou chata e que agora só sei postar jornal pedindo perdão e explicando, mas sei lá... tem coisas que eu gostaria de dizer e explicar. Às vezes é bom dizer umas coisas ou interagir com vocês.



Primeiro, eu queria dizer algo quanto à minha escrita. Olha, eu comecei a escrever fanfics com 13 anos e, considerando minha idade atual (15), não é muito tempo. Não pro meu corpo, pra minha aparência e coisas assim. Mas sim, é bastante tempo para minha mente, minha maturidade e meus gostos. Sim, a gente muda (e muito!) em dois anos. Muita gente deve achar que, por eu ter 15 anos e coisa e tal, não sei de nada, não sei do que falo, sou uma criança, não sei escrever e muito menos posso escrever algo maduro. Bem, pra mim, criança é não saber respeitar alguém e/ou suas respectivas opiniões. Voltando ao tópico... Como eu era mais imatura, não me importava muito ao escrever, escrevia baboseiras e achava que estava bom. Não conhecia muito bem o yaoi, nem o BTS e muito menos o EXO, que eram únicos grupos dos quais escrevo (hoje eu só escrevo de BTS). Então, por esses e outros motivos, os plots eram clichês, irritantes e mal desenvolvidos. Por isso, peço desculpas.
Um exemplo que eu posso citar é How to date an otaku (Chanbaek) e também, de quebra, uma fanfic bem velha, nem devem se lembrar: Bet (Jikook). Vou começar com Bet. Bet, para mim, não é nem péssima e nem ótima fanfic. Mas, por ser uma das minhas primeiras (however minha primeira fic e a segunda já foram excluídas!), nunca excluí, tem valor sentimental, tem muito valor. Não vou comentar muita coisa sobre ela, na verdade.
E agora sobre HTDO. Essa fic me incomoda demais, tudo nela me incomoda. Eu sei que tem muita gente que gosta dela, muita gente mesmo, fico até impressionada, mas eu particularmente me sinto decepcionada comigo mesma em relação à esta em particular. Na época que escrevi essa fanfic, eu realmente não me ligava que tudo que eu pensava era estereotipado. Eu escrevia como se um uke tivesse que ser obrigatoriamente uma moça e, ainda por cima, forçado demais e muito (muito!) irritante. Retratei mal os personagens e isso meio que quebrou um clima na fanfic. Foquei demais em citar animes e ficou desconexo, sem local e meio (???) no plot. Forcei a entrada e aparição de personagens e confundi a narrativa. Além disso, eu tinha a ideia formada na cabeça de que tinha que seguir o que os leitores me diziam e pediam, como, por exemplo, a cena de sexo. Nunca fui fã de escrever lemon, vocês sabem, e naquela época eu odiava ler esse tipo de coisa, mas, como era facilmente influenciada, escrevi para agradar uma porcentagem dos leitores. Não me orgulho nadinha. Não gosto da forma forçada e clichê dos sexos que escrevi, não gosto nadinha. Eu até mesmo escrevi Kaisoo interpretando Sebaciel e, me desculpem, eu não shippo Kaisoo e não gosto de Sebaciel. Por que fiz isso, né? Idiotice. Foi influência. Por isso, aqui vão duas dicas: se você é um(a) escritor(a), por favor, não siga o que seus leitores querem, mas sim o que você quer e se sente melhor escrevendo. E a outra dica é pra quem é leitor: por favor, não pressione um autor! Isso nos deixa ansiosos e nos influencia a caminhar a narrativa erradamente. However, não excluirei a fic, não. Apesar de eu achar ela uma confusão em vinte capítulos, tem valor pra mim, pois através dela eu conheci pessoas que guardo no peito desde 2014/15.
Mas sabe, nós amadurecemos. Quando eu tinha 13 anos e comecei a escrever, não tinha nenhum tipo de bagagem. Não tinha nenhum tipo de apoio acadêmico. Agora, com 15, naturalmente, tenho aulas de literatura e aulas específicas de gramática e redação, o que, podem acreditar, mudou e muito meu modo de escrever. Ao ler notícias, procurar sobre identidade de gênero e orientação sexual, aprendi que eu não devo seguir os estereótipos de revistinhas japonesas, que são errados e que na vida não é assim. Ofende, difama e nos rotula. Em dois anos, eu me entendi. E procurei entender os outros. Entendi que não é nada da forma rotuladinha que eu pensava que era (e graças a Deus que não, né). Eu, hoje, me arrependo da forma como taxei os gays por causa de histórias japonesas estereotipadas. Não serei hipócrita, ainda leio yaois japoneses, é claro, mas agora eu tenho outro olhar, eu sei avaliar quando vale ou não a pena, sei diferenciar aquilo do nosso mundo. Não é porque um pedaço de papel nos disse que é daquele jeito, que realmente é.
Nunca achei também que precisasse passar algo através de uma fic. E não preciso, mas prefiro. Se vou escrever, por que não algo que realmente alcance algo nas pessoas? Por que eu escrevo apenas por beijos insossos e cenas sem nexo de sexo? (Claro, não estou dizendo que é ruim ou errado você escrever uma fanfic só por sexo; dependendo do plot, também gosto! Cada um lê e escreve o que quer, mas essa aqui é apenas a minha opinião, baseando-me no meu modo de escrita, não o dos demais.) Por que, quando eu posso falar sobre assuntos como depressão, androgenia, transsexualidade, dislexia, entre outros? Não vou puxar muito, não vou fazer um diagnóstico, não vou fazer discursos longos e chatos sobre e muito menos vou tentar romantizar. Mas citar é bom, mostrar o que é, é bom. Eu gosto disso, de conhecer os outros, de crescer com os outros. Se não tenho nada a adicionar, por que escrevo? É por escrever sem motivos que nossa literatura tão bela e preciosa decai. Não que o que eu escreva seja alguma bíblia ou algo do tipo, mas se eu tenho algo a transmitir, por que não? A gente já é tão vazio, por que não encher alguém?
Eu sou sim muito observadora e perfeccionista, por isso estou sempre avaliando a mim mesma e ao meu modo de escrever e, fazendo tal avaliação, me veio tudo isso à cabeça.
Enfim, essa é basicamente a mensagem que eu queria transmitir.
Agora, sobre o meu sumiço.
Eu passei longos seis meses tentando me achar em algum lugar. Tentando me entender, me posicionar, me... não sei. Eu queria sentir algo, qualquer coisa que fosse, queria entender. Eu me apaixonei (como disse numa última fanfic), me desiludi, arranjei novos amigos... Mas também minhas notas baixaram muito e, em contrapartida, meus níveis de ansiedade, estresse e depressão, subiram. Sabe, isso me deixa super agitada. Não consigo sentar e desengasgar as palavras, como hoje. Não consigo ficar com raiva em forma de palavras, ou até mesmo depressiva ou cansada. Não consigo produzir e aprender, eu fico vazia. Porém me encontrei agora na arte, como antes, e me foquei isso. Encontrei-me num sorriso que não posso ter. E, além de tudo, eu me descobri. Aos poucos, me encontro em mim mesma.
Todo dia que eu tento escrever, fico meio:



Não digo que retornarei, pois não irei tão cedo. Estou exausta, estou agitada e cheia, ainda que vazia. Não quero encher vocês de baboseiras, não mais do que já enchi. Mas amo a todos e eu juro que, aos pouquinhos, me reestruturarei.
Obrigada pela paciência e por lerem tudo até aqui, vocês são demais!

ah, e btw:



xx ivy


Escutando: Heathens - Twenty one pilots.

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...