~ElectraMustaine

ElectraMustaine
.:Phasmatus:.
Nome: Electra.mp3 • Barbie Klaus • Cebolinha • Dake's lover
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 25 de Fevereiro
Cadastro:

Kathleen — Saving Lives


Postado











► Cidade onde nasceu ◄
Recife, Pernambuco, Brasil

► Cidade onde mora atualmente ◄
Chicago, Illionis, Estados Unidos

► Saúde ◄

Kathleen é saudável, nunca foi de apresentar muitos problemas. Contudo, é frágil para pegar leves dores de cabeça, principalmente quando se abaixa ou passa muito tempo em frente a algo como um computador. E, já psicologicamente falando, ela possui fobia de alguns répteis como camaleões ou que se assemelhem a ele.

► Estudos ◄

Kathleen concluiu seus estudos da escola com sucesso, logo após, ingressou na Universidade de Chicago, onde estudou por cinco anos e se formou em Farmácia.




► Profissão ◄
Farmacêutica Hospitalar do NM Hospital

► Como conheceu o Hospital? ◄

O conheceu quando o frequentou pela primeira vez quando criança devido ao seu pequeno acidente, logo pegando um pouco de familiaridade com ele. Mas, depois, conheceu mais sobre quando fez seu estágio.

► Médico, funcionário, paciente ou outro? ◄

Funcionário.

— Se funcionário, trabalha com o que no hospital?

Kathleen é responsável pela prestação de atenção e serviços farmacêuticos a pacientes, sejam fixos ou não. Indica as decisões de tudo que diz respeito a medicamentos.





Você pode ir pra onde quiser, ver o que quiser, mas o que faz um lugar ser bom são as pessoas que vivem nele.
Eu Sou o Número Quatro


Deixada ainda muito nova em um orfanato da capital pernambucana, a criança que mais tarde fora nomeada Kathleen estava sozinha no mundo. Porém, sua solidão não durou muito, pois logo foi adotada pelos Sparks, um casal norte-americano.

George e Hope Sparks, apesar de já terem um filho biológico chamado Tyler, queriam mais. Mas não exatamente deles. Quando Tyler tinha de três a quatro anos, o casal quis adotar crianças de diferentes nacionalidades, sendo Kathleen a primeira, uma brasileira.
Não houve tempo para que a garota soubesse algo sobre seu país de origem, pois foi tirada de lá prematuramente, e mesmo quando cresceu mais, seu entendimento era que ela era filha de seus pais adotivos e o lugar a sua volta era seu verdadeiro lar. E, na verdade, sempre foi.



O que sabe sobre suas origens é pouco. E descobrir quem são seus verdadeiros pais pode ser um pouco difícil. Mas, com isso ela é um pouco tranquila, pois enquanto estiver com todos que amam por perto, tudo estará bem para ela.

Sua infância foi algo animado e agradável, recebendo bons tratos, tanto no quesito emocional como no material, pois a família Sparks possui ótimas condições financeiras, afinal, George é um grande produtor de bons vinhos.

Kathleen não era uma criança nem um pouco insociável, adorava e possuía facilidade para fazer novos amigos. Contudo, sua maior amizade sempre fora Tyler. Eles não eram irmãos biológicos, mas isso nunca chegou a importar. O convívio sempre fez bem para a relação e apesar de, como todos os irmãos, brigarem de vez em quando, entre eles acabou nascendo um verdadeiro amor fraternal. E, aos seus sete anos, mais uma pessoa especial adentrou em sua vida; seus pais adotaram mais um membro.
Nara era uma garotinha dócil e amável, até hoje é. Uma asiática. Tendo apenas dois anos de diferença de idade, em pouco tempo virou grande amiga de Kath.



Houve um tempo em que Kathleen e Nara eram, digamos, umas colas. Adoravam brincar — e aprontar — em conjunto. Faziam muita coisa juntas e isso serviu para que se criassem mais o carinho e amor entre elas. E foi em uma dessas vezes que algo acabou não dando muito certo.

Elas costumavam desobedecer Hope, que as dizia para não correr dentro de casa. Mas, fazer o quê? A casa era grande. Crianças. E então, um dia elas estavam fazendo isso: correndo.
Nara estava quase alcançando Kathleen, e esta corria em direção à escada que levava à sala de estar. Sua intenção era descê-la e depois correr para a saída do jardim, onde teria mais espaço para não ser pega. Porém, ela acabou escorregando e rolou degraus abaixo.

Nara deu um gritinho, chamando a atenção de George e Tyler apenas, pois Hope não estava em casa.
Kathleen teve um corte um pouco profundo na testa, e foi levada ao hospital por seu pai rapidamente. George não queria dizer nada a Hope por aquele momento, porque sabia como ela era preocupada ao extremo e estava resolvendo algo importante, mas ela mesma acabou ligando para perguntar se estava tudo bem e, então, foi impossível esconder.

Hope foi a única a ficar com Kathleen no quarto do hospital, e a garota estava com medo do que poderia acontecer ali. Mas Hope lhe pacificou, segurando sua mão e dizendo “Tudo bem, logo vai passar. E, se doer, aperte minha mão bem forte”. Kath não conseguiu deixar de ficar temerosa, mas ela confiou em sua mãe.

Foram dois pontos para fechar o primórdio da cicatriz que até hoje existe. E, quando os retirou após o tempo determinado, Kathleen acabou fazendo uma pequena amizade com o enfermeiro que o fez. Desde aquilo, ela nutriu uma curiosidade pelo ambiente hospitalar, esta que foi adormecida por alguns anos, mas quase tudo que vai, volta.



Quando Kathleen e Nara já estavam na pré-adolescência, George e Hope foram francos com elas sobre a adoção. E, com delicadeza e carinho, eles conseguiram passar a notícia de uma forma não tão chocante.
Embora houvesse aquele pequeno sentimento dentro de Kathleen fazendo-a querer descobrir os que lhe deram a vida, ela se sentia e ainda se sente completa com a família que recebeu.
Aqueles podiam não ser seus pais e seus irmãos de acordo com a biologia, mas são eles quem ela ama e foram eles que fizeram parte de sua vida, a apoiaram, estiveram com ela nos momentos bons e ruins.

Ao entrar no ensino médio, a vontade de provar diversas coisas que a adolescência tem a oferecer surgiu nela. Amigos, festinhas, equipe de Líderes de Torcida, primeiro namorado. Mas foi justamente nessa época que ela desenvolveu sua paixão por substâncias, cálculos, análises e várias outras coisas que fez Tyler denominá-la nerd, apenas brincando. Química lhe conquistou. Mas nesse tempo ela ficou um pouco mergulhada no que era; aquela típica garota popular que gosta de curtir.




Porém, chegado aquele momento onde os jovens precisam se decidir na vida — caso ainda não tenham feito isso —, ela decidiu que faria Farmácia. Foi a área que mais se interessou e se identificou. Sem contar na apreciação que nasceu dentro de si por trabalhar nisso.

Foi durante o estágio da faculdade que começou a cogitar a ideia de trabalhar no Northwestern Memorial Hospital, aquele lugar que lhe trazia lembranças, que talvez não fosse uma das melhores, mas fez parte do seu crescimento. E então, se esforçar para que isso acontecesse foi o que ela mais fez. Não foi tão fácil, mas com sua dedicação e multidisciplinaridade, ela conseguiu.

Agora, ela é a Farmacêutica confiante, meio amostrada, porém, simpática do NM Hospital. Mora sozinha, mas ainda mantém o contato e o apego por aquelas pessoas que ama, sua família.
Kathleen sabe que ser o que é não é a coisa mais descomplicada, mas ela realmente gosta. E acredita que, para trabalhar com vidas, você precisa realmente amar o que faz, porque se o fizer apenas pelo que irá receber pode acabar prejudicando a vida que deveria ser cuidada. Sua função talvez não seja tão trabalhosa quanto a de um médico, mas fazendo isso ela ainda consegue realizar algo que a deixa feliz: ajudar pessoas.



De uns tempos para cá, se o hospital já era sua segunda casa, quando Hope foi diagnosticada com câncer no olho virou ainda mais. Já identificado em uma fase um pouco avançada, este, ao poucos, está fazendo Kathleen perder uma pessoa importante para uma doença.
As coisas não ficaram muito bem para a família depois disso, e o clima feliz que sempre costumavam ter quando se reuniam acabou virando um pouco triste. Mas, sobretudo, mesmo que seja uma doença rara de presunção um tanto ruim, Kathleen, assim como os outros, acredita com todas as suas forças que com os tratamentos adequados e com fé, pode ser vencível.

E neste delicado momento, ela quer estar ali, para dizer a sua mãe que vai ficar tudo bem e que logo irá passar. E, claro, para segurar a mão dela e dizer para apertar a sua se isso doer.





► Estilo de vestimenta ◄

O estilo de Kath é um romântico meio misturado com algo moderno e sofisticado. Ela adora estampas leves, tanto na cor quanto nos enfeites. Rosa, vermelho e preto é as cores que você mais a verá usando, mas normalmente não tudo de uma vez só, ela gosta de inovar e misturar de uma forma que não fique extravagante.

Tem preferência por vestidos e saias rodadas. Também adora blusinhas justas, regatas; ambas combinam muito com shorts jeans e botinhas, em sua opinião. Sapatilhas e botas são seus sapatos favoritos e, mesmo que seja um pouco vaidosa, não é muito chegada no salto, estes ficam apenas para as ocasiões mais adequadas.







► Aparência ◄

Kathleen é uma mulher bastante abençoada, daquele tipo de pessoa que envelhece e quase não muda a cara, felizmente. Tem um rostinho que muitas vezes é comparado ao de uma boneca. É uma mulher bonita e sabe disso. Ela se ama, ama se cuidar e deixar-se cada vez mais linda.



Seus olhos são de uma coloração clara, castanhos mel. Possui uma pele amorenada e bem tratada. Seu rosto assume o formato oval, de forma que combina perfeitamente com as outras partes dele.
O nariz é fino, um pouco empinado e mediano em tamanho; nem grande nem pequeno demais. Suas maçãs do rosto são saltadas, bem definidas, principalmente quando sorri.
Os lábios não são carnudos, mas bem desenhados, assim como as sobrancelhas, deixando um toque especial em sua expressão quando ergue uma delas.





Seus cabelos são castanhos com leves mechas loiras, vistas mais a luz do sol. Ele é uma das coisas que ela mais gosta em si — sem contar que são ótimos para cobrirem suas orelhas, a parte que ela não gosta, por ser um pouco grandes. A fibra dele é naturalmente lisa, mas às vezes eles estão bem cacheados, pois ela gosta de dar babyliss. seu tamanho vai até, mais ou menos, um nível abaixo de seus seios medianos, perto da cinturinha fina de Barbie Girl.




Apesar de meio magrela, seu corpo possui um formato, digamos, "pêra": seu quadril é mais alargado que os ombros, dando um belo molde por se encaixar bem com a cintura. As pernas são finas mas com coxas torneadas, os braços são normais.

Basicamente, é magra e alta. Em seus 51kg e 1,72 de altura, tudo é bem delineado e proporcional.



Nina Dobrev

► Tatuagens/Piercings/Sinais de nascença ◄

Tem uma cicatriz no canto da testa, a de quando caiu da escada. E uma tatuagem no ombro direito de um avião de papel, que fez pouco antes de entrar na universidade.






Kathleen é de longe aquela pessoa confiante, esforçada e divertida. Vive tentando aprender coisas novas, possui facilidade para socializar e gosta de ser “dona do seu pedaço”, ou apenas ter seu próprio espaço.

Tende a ser uma pessoa muito afetiva e generosa. Tem o verdadeiro espírito protetor e acolhedor.
É uma mulher um tanto devaneadora, criativa e otimista. Responsável, mas possui um espírito jovem.
Tem mania de sempre querer estar fazendo algo, às vezes, até ficando entediada quando desocupada. É alguém que sempre trabalha e tenta dar tudo de si para mostrar o seu melhor tanto no que é interiormente quanto no externo.

No entanto, normalmente comente o erro de julgar à primeira vista. E, se quando for tentar fazer amizade, alguém tratá-la ruim, rude ou friamente de primeira, ela não procurará mais aquela pessoa, pois acabará achando que será dessa forma sempre — coisa que pode ser um engano —, porém, ela pode desfazer suas teorias se perceber o contrário.

Tem uma autoestima lá em cima, costuma ter uma postura e um andar do tipo “superior” e se há alguém que se ame, esse alguém é ela. E isso pode parecer meio egoísta, mas na verdade ela não é. Só tem amor próprio.
Ela gosta de ser reconhecida no que se esforça, admirada, é verdade. Mas não vive a criar situações para que isso aconteça. Entretanto, muitos acabam achando que Kathleen trata-se de uma mulher convencida e cheia de si — coisa que também pode ser um engano. Mas se parar pra conhecê-la bem, verá que ela é mais.

Afável, muito extrovertida e ri de piadas boas e ruins. Estar na presença de pessoas "radiantes" a agrada.
Muito amável e carinhosa, ao mesmo tempo em que possui algum tipo de sedução, às vezes, não intencionada. Porque quando algo ou, mais especificamente, alguém a interessa, ela não poupa seu charme. Contudo, ele vai embora quando ela comete algum desastre do tipo esbarrar em algo ou derrubar alguma coisa. Kathleen não é dessas pessoas que, praticamente, tudo que toca pega fogo, mas há 45% de chances de isso acontecer com ela, então ela se esforça em dobro para que tal coisa não chegue a acontecer.



Sem contar que é um tanto desligada. Aliás, isso é mais no quesito de não perceber quando suas palavras ou atos prejudicam alguém. Se a pessoa a procurar e falar o que há, ela será humilde para pedir desculpas, mas senão, pode ter uma inimizade sem saber. E muitos podem até achar que ela está a ser falsa e, na verdade, ela é, mas não nisso.

Demonstra seus sentimentos com facilidade, por vezes chegando até ser óbvia demais. E não é teimosa, apenas prefere manter tudo no controle e não ser muito mudável ou se deixar levar por opiniões alheias.
Mas mesmo sendo alguém que tenta expressar bem o que pensa, às vezes pode reprimir seu pensamento porque isso poderia prejudicar muito, e aí está o seu lado meio falso. Quer dizer, às vezes ela apenas aguenta a companhia daquela tal pessoa mesmo desgostando dela.

É paciente e prática. Não se estressa tanto, ou pelo menos, evita se estressar.
Em momentos tensos prefere pensar antes de agir. É decidida, mas não precipitada. Porém, de vez em quando pode acabar tentando analisar todos os mínimos detalhes, medindo as consequências que podem gerar qualquer decisão e quando se der conta, pensou demais.

Compreensiva e de confiança. Boa para guardar segredos e é uma ótima pessoa para se relacionar por causa da sua fidelidade. Pode até ser fácil fazê-la concluir que você é uma pessoa direita, mas não se pode dizer o mesmo caso não faça por merecer.

Kath sabe dar e ouvir conselhos, mesmo que não pretenda segui-los. É educada e gosta de ajudar no que precisar, mas também sabe dizer um não. Além de às vezes possuir um jeito tão delicado de pedir as coisas que seria impossível negar.

Odeia ser excluída de algo, e tem um espírito um tanto autossuficiente. Desde pequena sente vontade de saber fazer tudo sozinha, e mesmo que já saiba várias coisas, isso é meio impossível. Ela gosta de ter escolha e liberdade para mandar em si mesma, e isto é algo que pode atrapalhar de vez em quando em algumas de suas relações, sejam fraternais ou amorosas.
Além disso, ela sempre estará enturmada se depender dela. Ser rejeitada é, basicamente, seu ponto fraco: ela se sentirá mal se for esquecida. E quando ela é ignorada por uma pessoa cuja atenção seja significante para ela, sente algo similar a uma dor física e vai ficar um tempo na isolação.




► Possui algum talento ou habilidade? ◄

Possui uma facilidade com números e é boa em sua área, mas Kathleen também tem seu lado solto que se mexe ao som de diversos tipos de música. Ela tem uma relação com dança, ama dançar, e dança bem — tirando as vezes que faz isso apenas "enlouquecendo" ou brincando.



Mesmo que já tenha bagunçado cozinhas, quase queimado coisas e transformado refeições que deveriam ser belas em pequenas catástrofes, Kath tem jeito com comida. Isso foi algo em que vem evoluindo desde nova.
Ela adora cozinhar e faz isso maravilhosamente bem, conhece várias receitas, principalmente de guloseimas que gosta de fazer nos finais de semana.




► O que gosta de fazer nas horas vagas? ◄

Ouvir música com fones de ouvido é um santuário para ela, embora também goste de por a música para tocar fora deles enquanto cozinha. Isso a deixa inspirada.
Kathleen gosta de ler alguns livros, em destaque os inspirados/baseados em fatos reais, O Diário De Anne Frank sempre será seu amorzinho. E estudar culturas de outros países, assistir seriados de comédia, filmes de animação — de preferência aqueles que os personagens são animais — e/ou ação, mas, adora mais quando faz isso acompanhada de alguém.
Também gosta de sair apenas para perambular por aí, seja passear em um parque ou sentir o vento à noite em uma saída mais animada.



► Tem algum tipo de preconceito? ◄

Não entra na cabeça de Kathleen como algo normal o fato de uma pessoa se relacionar com outra do mesmo sexo, portanto, ela possui um tipo de aversão a pessoas que praticam tal.
Ela não é de expor isso aos quatro ventos, mas se alguém a perguntar ela arranjará uma forma de ser sincera sem ser grossa, pois acha que é nessas horas quando mais devemos ser fortes para expressarmos nossa opinião.
Mas também, não é dessas que xingam ou faz coisa do tipo, ela respeita, relacionando-se quando necessário.




► Gostos ◄
Ela adora comida, não engorda de ruim. Não é uma esfomeada, mas ok. Docinhos e frutas são seus favoritos, adora morangos, principalmente com cobertura de chocolate.
Gosta muito de vinhos e, obviamente, seus favoritos são os produzidos pela fábrica de seu pai. Mas água sempre será uma perfeição inexplicável para ela.

Kath adora preto, branco, vermelho... Mas rosa é sua cara, rosa é sua cor, o que a torna um pouco "menininha" para sua idade, mas ela não liga. Prefere os tons mais leves ou não muito chamativos.

Gosta da noite, é horário que mais se pode divertir em sua opinião. Estar na companhia de bons amigos é ainda melhor que estar sozinha para ela, principalmente quando o que fazem é algo que a faça rir.

Adora o frio, o cheiro da chuva, o vento.
É apaixonada por Scorpions e U2, mas seu coração tem um espaço que ainda entra eletrônicas e até boybands. De filmes, seus favoritos são os de Velozes e Furiosos, e Madagascar.
Ela gosta de borboletas. E tartarugas são répteis que não a incomodam, pelo contrário, ela admira muito esses bichinhos, nunca sabendo explicar por quê.



► Desgostos ◄
Ela sabe que algumas são essenciais para dar um toque especial à comida, mas não é muito fã de verduras. Algumas come apenas por obrigação.

Não é muito chegada ao marrom e cinza, e não gosta muito de flores pois lhe lembram enterros. É mais fácil que fique meio estressada no calor, o clima quente não lhe agrada muito.

Reggae não. Foge de filmes somente de drama. Cores fosforescentes a incomodam de alguma forma.
Pessoas sem senso de humor não são muito sua praia, e nem aquelas impacientes demais, as quais ela costuma dizer que são "de sete meses".

Não é muito fã de torta de amora (acha um pouco enjoativa); vestidos longos; brincadeiras de mau gosto; chá; redes sociais — por mais que seja mesmo meio exibicionista, acha desnecessário estar colocando um pouco de sua vida na internet.




► Sobre relacionamento, já teve ou está em algum? ◄

Kathleen nunca foi de se focar muito em relacionamentos, mas acabou tendo alguns “quebra-galhos” de festinhas e teve um namoro durante a faculdade e um na adolescência, que foi o seu primeiro.
Anthony foi um dos amigos que mais lhe divertiu e fez viver diversas coisas naquela fase, tornando-se algo mais em pouco tempo. Ele definitivamente foi o primeiro de tudo.



► É virgem ou possui uma vida sexual ativa? Comente sobre. ◄

Nem um, nem outro. Kathleen perdeu sua virgindade com Tony, e depois dele só houve Oliver, seu ex-namorado da faculdade que cursava medicina.
Ela não é do tipo que se foca muito em sexo, mas, é claro, ainda pretende ter alguém especial para que possa realizar esse tipo de coisa.



► Se considera uma pessoa romântica? Ou prefere a liberdade, sem se apegar a alguém? ◄

Sim, se considera uma pessoa romântica. Kathleen dá muito valor à família e até pensa em um dia encontrar “aquela pessoa” e construir sua própria, mas, apesar disso, no momento não está muito interessada nisso.
Ela é do tipo gosta muito de sair, se divertir, conhecer novas pessoas mas nem sempre procurando ter exatamente algum envolvimento.

Não é de ‘se entregar’ com facilidade, pois acha um pouco desnecessário se você nem conhece aquela pessoa direito. Mas, por ora, ela pode ser uma ótima galanteadora quando alguém desperta sua atenção.

► Deseja um paquera ou gostaria de tentar vaga como secundário? ◄
Um paquera.



Nome
Dakota Walker

Apelido que deu a ele
Dakota soa mais sexy, ela diz. Mas o chama de Dake também, por ser uma preferência do mesmo.

Treco; Kathleen tem costume de chamar as coisas de treco quando não sabe o nome, então, um dia ela simplesmente decidiu chamá-lo disso às vezes, sendo assim um apelido um pouco engraçado, mas até carinhoso.

Como ele (a) a (o) chama?
Kathleen, Kath;

Kathwoman; é como um trocadilho para dizer que ela é uma mulher gata, utiliza poucas vezes e normalmente quando não estão na presença de mais ninguém.

Como o conheceu?

Em uma noite um pouco antes de seu primeiro dia no NM, Kathleen saiu com Nara e algumas amigas. Não iria aprontar muito, só sair e se distrair um pouco. Elas foram a um barzinho legal e bastante conhecido do centro, tranquilo e confortável.
Enquanto ela e Nara estavam esperando o barman lhe entregarem o que pediram, Nara falou sobre Kath está sendo “secada” por um cara não muito longe.

Kathleen esperou um tempo até olhar na direção indicada em um gesto discreto por sua irmã, e quando o fez, seu olhar acabou batendo em uma figura belamente questionável. Ela se perguntou por que aquele treco estaria olhando para ela, já que estava acompanhado de uma garota humilhantemente linda. Mas apenas decidiu deixar pra lá.

Contudo, no seu primeiro dia no hospital, ela o viu de novo. Novamente trocaram olhares enquanto ambos passavam por um corredor, indo para direções opostas. Depois, eles não demoraram a verbalizarem uma comunicação, pois durante o trabalho isso foi inevitável. E, aos poucos, ela soube: ele era Dakota Walker, o vaginecologista, amigo da garota que acompanhava. Kathleen talvez teria aquela pitada de desgosto por Priya se não tivesse visto que ela realmente era legal e amigável.

Mas, o mais importante de tudo, é que uma boa energia se assentou sobre Dake e ela a partir dali.



Quais são as qualidades que mais admira nele (a)?

É praticamente infinito listar tudo o que Kathleen admira em Dake. Assim, ela o acha sensacional. Mas não pretende dizer isso em voz alta. Nunca.

Kath adora sua simpatia e sinceridade, sua natureza sedutora, e a forma que ele a faz se sentir especial com elogios — que por mais que ela tente não se iludir, é impossível dizer que desgoste. Ama demais seu humor, que às vezes pode ser sem graça ou um pouco pervertido, mas sempre a diverte de alguma forma.
Gosta de sua pose confiante, seus olhos verdes e, ah, aquele sorrisinho.

Quais são os defeitos que mais detesta nele (a)?

Embora não possa reclamar muito por também ter um pouco, não gosta muito do seu ego enorme. Ou de quando ele trata outras mulheres da mesma forma que a trata, do tipo dando elogios e fazendo brincadeiras. Ele aparenta ser uma pessoa que gosta de ser livre e isso a incomoda, pois com ela não é bem assim. Sua liberdade, por mais admirável que possa ser, é uma das coisas que ela mais desgosta, às vezes chegando a deixá-la insegura e triste.

Como é a relação entre eles (as)?

A primeira vez que Kath viu Dake, ela o julgou como um verdadeiro mulherengo. E, não que a atitude dela estivesse certa, mas, sem surpresas: ele é mesmo. Entretanto, isso, de algum jeito, a surpreendeu. Porque foi como se ele não tivesse tentado se desfazer do que é para impressioná-la.



Eles criaram uma ligação entre os sorrisos e risadas, muitas vezes podem se entender apenas se encarando. Apreciam conforto e estar com boas companhias. E, apesar de se respeitarem da devida forma acima de qualquer coisa, adoram uma diversão.

Kathleen e Dakota sabem um sobre o outro; ela tem consciência de que ele não é muito de viver em um só relacionamento e ele sabe que ela é o contrário. Mas quando os sentimentos afloram, eles abrem mão de tudo e se jogam de vez, mesmo que isso talvez resulte em ambos saírem machucados.

Ambos são um tanto diferentes ao mesmo tempo que possuem muito em comum. As diferenças podem levar à problemas, e talvez precise de muito esforço para que eles deem certo, mas o que constroem juntos toda vez que se comunicam pode ser maior que isso.

Tratam-se daquele casal que se encaixa como duas peças de quebra-cabeça, podendo até serem classificados como o clássico clichê "os opostos não se atraem, se completam". Mas um ter o que o outro não tem e precisa é, muitas vezes, um propósito para que a união funcione.

Se dão super bem na hora de elogiar um ao outro e expressar carinho, seja físico ou não. Eles amam se curtirem, se envolvem nos momentos picantes — que provavelmente é onde mais se esquecem o que há e aproveitam o que está a acontecer —, mas não são totalmente afogados no prazer físico, pois também sabem se apreciar de forma diferente.



Kathleen é como um artista que precisa de admiradores e Dake como um admirador que precisa de um pouco de arte. Ou vice-versa, já que os dois gostam de atenção e se entendem nesse lado.



Uma música que defina o casal
Perfect — One Direction



Possuem algum objeto especial, alguma mania ou tradição em conjunto?

Há horas em que eles conversam apenas se encarando, ou até mesmo discutem dessa forma. Pode ser cômico para quem percebe.

Em alguns finais de semana, Kathleen gosta de convidar Dake para passar um tempo com ela. Então, eles assistem filmes de animação enquanto degustam a receita/besteira da semana que ela sempre prepara.

Qual o maior motivo de brigas?

Tecnicamente, eles não possuem apenas um motivo. São um casal cheio de altos e baixos como qualquer outro.
Primeiro, temos Kathleen com seu jeito de às vezes ela querer fazer tudo, saber de tudo, mandar em tudo, mas ela precisa aprender a lidar com a atitude de Dake. Também porque ele é o homem da relação.
Depois, tem ela de novo, que não é de ter ataques e muito menos ser um chiclete, mas Dakota e seu jeitinho chamativo e provocante podem despertar uma coisa chamada insegurança nela, coisa que raramente sente. Ela não é de brigar por isso, mas existem tempos em que isso importa por ela acabar mostrando que não está bem.
Mas também, é normal que ela espere algum tempo para falar sobre algo que ele fez e ela não gostou, ou até mesmo deixe para que o próprio descubra por si só, porque ela tem certa mania de achar que tudo o que é óbvio para ela é óbvio para todos.


Traíria o (a) parceiro (a)? Como reagiria se fosse traído (a)?

Não, não trairia. Isso simplesmente não é de seu feitio. E, se alguém desperdiçar a confiança que ela der, se afastar provavelmente será a primeira coisa que ela fará. Pode perdoar, mas voltar a agir como antes ou até voltar a ter envolvimento com essa pessoa será outros quinhentos.




► Como é a voz do seu personagem? ◄



► Essa história terá cenas de sexo (+18) e palavras inapropriadas. Está ciente e de acordo com isso? ◄
Sim, sim. Mandem ver.

► Está ciente que caso seja aprovado, seu personagem estará em nossas mãos para utilizarmos como melhor se encaixar na história? ◄
Sim.

► Está ciente que se não comentar por dois capítulos seguidos, seu personagem será removido da história? ◄
Sim.


| Créditos e agradecimentos à @ChelePlushie por nos apresentar as fichas em Design |

Escutando: coldplay feat. 1D, ambos na minha mente
Assistindo: minha agonia barra ansiedade
Jogando: as mãos para o alto

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...