~ElectraMustaine

ElectraMustaine
Klausando
Nome: Mrs Morgan ♦ Mrs Ackles ♦ Mrs Pettyfer ♦ Dake's lover ♦ Cebolinha
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 25 de Fevereiro
Idade: 41
Cadastro:

Perdidos no Labirinto - Ficha


Postado






> Nome:

Olivia Paxton Kober — o sobrenome mais usado é Kober, tipo, “Olivia Kober”.
E raramente as pessoas falam com ela usando “Olivia”, é sempre seu apelido; Liv.
("Liv Kober")

> Idade: 18 anos, e por mais estranho que pareça, ela faz aniversário no Halloween.


> Personalidade:

Liv costuma ser uma garota legal e sociável, mas também é muito fechada. Raramente compartilha seus sentimentos ruins, e nunca fala sobre suas tristezas e inseguranças com alguém. Ela é daquele tipo de pessoa que chora antes de dormir, e de manhã sempre põe um sorriso no rosto, e tem um bom senso de humor. Ela nunca chora na frente das pessoas, a maioria acha que ela é feita de pedra ou algo do tipo, mas acontece, que ela apenas não consegue demonstrar seus sentimentos para alguém; não é porque ela não quer, ou porque acha que ninguém vai entender, é porque ela realmente não sabe, não consegue.

É simpática com todos, mas muitos podem considerá-la chata pelo seu jeito meio teimoso de ser.
Odeia ser uma pessoa indecisa, e não é; raramente lhe falta uma ideia do que se fazer, mas também por vezes, acaba sendo precipitada.
Liv não é tímida.

Também tem o costume de ajudar as pessoas, e, as vezes acaba por colocar as prioridades de outras pessoa acima das suas — isso só acontece se ela realmente gostar da pessoa ou achar que ela merece uma segunda chance para mudar —. Não tem um raciocínio lerdo, processa informações rapidamente, mesmo que sejam chocantes, ou complicadas.

> História:

Liv veio de uma gravidez indesejada, e foi deixada muito nova em um orfanato. Não demorou a ser adotada, e foi criada por uma família adotiva americana até seus 15 anos. Ela nunca aceitava o fato de ser tão diferente de seus pais ou sua irmã pouco mais velha, Bradley. Então, com sua certeza, ela decidiu pesquisar mais sobre si. Não teve sucesso, mas sua mãe adotiva acabou lhe contando toda a verdade aos seus 11 anos, e desde então, ela sabe sobre ter sido rejeitada pelos pais verdadeiros.
Porém, sua mãe lhe procurou após alguns anos.

A partir de seus quinze anos, Liv deixou os EUA e foi morar na Alemanha — sua terra natal —, com sua mãe, Mariane Kober. Lá ela aprendeu a melhorar seu alemão, conheceu novas pessoas, e, teve experiência de modelo, pelo fato de sua mãe ser uma estilista bastante conhecida na Europa.
Nos primeiros anos tudo eram flores, mas depois sua mãe começou a tratá-la como um “nada”, ela não dava mais atenção à filha. E não demonstrava nem um pouco de amor maternal. Mas assim, para a imprensa, ela fingia ser a melhor mãe do mundo, e Liv tinha de concordar para não estragar a tão importante reputação da mãe.

Com isso, Liv foi ficando cada vez mais sozinha. Ela não tinha muitos amigos. E ainda fora obrigada a inciar a uma pequena carreira de modelo, e entrar para a faculdade de moda, sendo que a garota adora tecnologia e é muito boa com computadores; o que não tem nada a ver com moda e estilismo.
Não mantém mais contato com os pais ou a irmã adotiva, e os contatos que tinha de seus colegas da escola, também foram todos perdidos. Não por excluir ou algo do tipo. As amizades dela apenas esfriaram. Ela se arrepende amargamente de ter ido morar com sua mãe. E não a considera sua mãe sentimentalmente, ela é apenas um ser que a deu vida.

Sobre seu pai; ela não o conhece, e Mariane se recusa a contar dele. Ela se recusa até a dizer “oi” para a filha, ou até mesmo sorrir. Faz isso em público, claro.
Sem mãe, sem pai, sem amigos; esses são os elementos que fazem Liv ser uma garota sozinha. E o motivo dela esconder seus sentimentos, é inspirado na fama: sempre achamos que os famosos são perfeitos, mas, nem tudo o que assistimos, lemos, e vemos sobre eles são a total verdade. Porém, nós nem sempre sabemos seus verdadeiros sentimentos. Na maioria das vezes, eles os escondem. Assim como ela.

> Aparência:

Liv possui cabelos ruivos naturais, que vão até o nível abaixo de seus seios, eles nunca foram atingidos ou cortados curtos demais; e são naturalmente ondulados.
Sua pele é branquinha, e ela não curte muito deixá-la bronzeada.

Seu corpo é mediano; ela tem uma aparência de "magrinha" logo de início, mas se observar bem, você vê que há belas coxas, seios, e uma cintura bem desenhada. Uma coisa a qual ela não gosta em seu corpo, é o fato de seus ombros serem levemente mais largos que seu quadril, deixando aquela leve impressão de "forte".

Seu rosto tem um formato um pouco arredondado, fazendo ser mais uma coisa que ela não gosta. Sua boca tem um certo jeito para ser um "biquinho", e ela a adora. Seus cílios fartos, não necessitam tanto de alguma maquiagem para deixarem seus olhos caramelizados, destacantes e bonitos.
Ela tem 1,77 de altura, e gosta bastante disso, pois não gosta de se sentir baixa.

~Imagens~
(se ajudar em algo, ela é representada pela atriz Karen Gillan)








> Par:

Dake (*-*)

> Como ela é na convivência com o paquera:

Para Liv, Dake é como aquela frase “Você não vale nada, mas eu gosto de você”. Dake consegue ser irritante com seu jeito mulherengo. E suas inúmeras cantadas, as quais muitas se incomodam, e não gostam dele, mas apesar disso, Liv acha engraçado, e, de certa forma, não se incomoda tanto. Ela gosta de receber cantadas, contando que venham somente dele. Ele sempre a faz se sentir especial.
Dake tem seu jeitinho “pervertido”, como dito acima, isso não incomoda tanto a Liv. Mas ela odeia quando ele é assim com outras garotas.

Liv costuma ser chata com quem gosta. Talvez porque ela não admita facilmente o fato de gostar de alguém. Vive dando “patadas” e tirando onda da cara dessa pessoa. Mas tudo é porque ela não quer admitir a real forma de como vê aquela pessoa. Liv demonstra em seus gestos o sentimento, sendo a maioria das vezes de forma inconsciente, o que faz a outra pessoa perceber.

Não importa o que o garoto faça, ela nunca vai corar, se sentir envergonhada, ou tímida. Os sinais de que ela sente algo são como, falar daquela pessoa frequentemente — mas ela não fica tipo “Ah, o Dake é tão lindo, já viu os olhos dele? Ai, ai...” Não, não assim —. Ela não fala das qualidades da pessoa para outras, o que ela fala sobre a pessoa são coisas simples, faz isso somente pelo fato de estar citando o nome da pessoa ou algo assim.

Ela adora ouvi-lo falar, sorrir, e vê-lo empolgado com algo. Também, por vezes, acaba forjando algum tipo de pequeno acidente que ninguém percebe, mas que foi apenas para esbarrar nele, tocá-lo, chegar perto, e coisas simples assim. Também gosta de fazer diversos elogios, arranjando algum motivo para tocar seus cabelos, braços, ou qualquer outro lugar que a traia — não pense malícias.
De início seria apenas uma amizade. Gostos em comum. Concordâncias de personalidade. Mas, aos poucos vão ficando cada vez mais empolgados um com o outro. E podem acabar criando aquela coisinha que faz a “só amizade” desaparecer.

> Como ela é na convivência dos amigos:

Liv não é difícil para fazer amizades, é simpática, e é aquela garota que sempre vai estar puxando o assunto. Vai tentar fazer sempre com que ele nunca morra. Mesmo que tenha vivido muitos relacionamentos (de amigos) que não deram certo, ela gosta de estar aberta para as novas amizades.
Porém, se a pessoa for uma Ambre da vida, ela será em dobro. Não com infantilidades, e planinhos idiotas, mas sim, com respostas afiadas; é incrível como praticamente ela sempre sabe o que dizer.

> Tem alguma habilidade com armas?

Quando morava nos EUA, ela tinha um melhor amigo, Tyler, e por algum motivo a criatura, com apenas dezesseis anos, sabia usar algumas armas — créditos ao pai por ser policial, e deixar visível por acidente coisas indevidas para “crianças” —, e ele acabou dando algumas instruções a Liv, ela não teve uma aula prática, mas entende bastante da teórica. Se pegar em uma arma provavelmente saberá muito bem o que fazer com ela.

> Algo mais? Sim.

Um detalhe: Tyler faleceu de forma drástica. Ele foi refém de um criminoso que seu pai tentava prender, e acabou, que essa história não teve um final feliz.
Isso aconteceu quando ele e Liv estavam prestes a admitirem que se gostavam mais do que amigos; eles faziam muitas coisas juntos, e se entendiam perfeitamente.
Mas, o mundo não é uma fábrica de realização de desejos.

- Liv as vezes tem sonhos com ele, a maioria se passa na infância; quando ambos brincavam na neve, ou se fantasiavam deles mesmos no Halloween, a festa onde ganhavam doces, tanto pela tradição estadunidense, quanto por ser o aniversário dela.
- Ou acordar assustada por reviver o dia em que soube de sua morte.
E não gosta muito de falar sobre o mesmo.



Ɛ>•<3


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...