~Icce

Icce
Chim
Nome: → MB → 말이아
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: São Paulo, São Paulo, Brasil
Aniversário: 12 de Maio
Cadastro:

~Icce - Chim

→ Lcce ✿
jikook/vmin → bts → chanbaek/kaisoo → exo → yj/jb → got7.
✿ ❀ ✿

| já faz um tempo |

Postado


Já faz um tempo que eu procuro a dor. Também já faz um tempo que somente ela não é mais o suficiente. Talvez seja por isso que as cores perderam o brilho, talvez seja por isso que você foi embora. Foi embora porque eu não pude mais satisfazer sua sede por felicidade.
Já faz um tempo, já faz um longo tempo que eu deixei de ser feliz.

Já faz um tempo que as ruas se tornaram mais geladas. Por mais que eu coloque casacos quentes no verão, o frio se torna cada vez mais acolhedor. É bom, uma das poucas coisas que eu ainda não pude dizer com firmeza que passei a odiar. Por que eu passei a odiar muitas coisas, tantas que você até debocharia de mim, me chamaria de hipócrita, e depois sorriria, como sempre, como em todas as outras ocasiões.

Infelizmente.

Sim, infelizmente.

Lembro-me de todos os detalhes. Eles estão tão claros na minha cabeça que provavelmente eu esteja enlouquecendo aos poucos. Não sou saudável, eu sei disso. Você também sabe, por isso me disse uma vez que eu deveria ser menos radical. Disse que me ajudaria. Disse que entenderia se eu não fosse capaz de fazer tudo o que prometemos. Disse que me olharia com carinho, mesmo quando tudo o que eu merecia era desprezo. E no final, foi o que você me entregou; longas mensagens, frias mensagens, doces mensagens, falsas mensagens, carregadas, lotadas, pingando e flamejando desprezo.

E eu não pude reclamar, nem sequer uma vez. Mas eu quis, quis tanto que até agora posso sentir meus dedos queimando. Posso ouvir as batidas do meu coração, elas soam tão estupidamente depressivas. Parecem aquelas músicas que você costumava escutar quando estava triste. Parecem suas lágrimas, lágrimas que você derramou por ele. Foi bonito. Foi alto. Foi estrangulado. Foi excruciante. E mesmo querendo arrancar sua dor, eu quis ficar para ver cada uma delas escorrendo pelo seu rosto. Porque era você e continua sendo, mesmo que agora eu não possa mais as ver.

Uma vez você me disse que as pessoas odiavam a morte, que elas fugiam cada dia mais dela, tinham meios estranhos de se livrar, tinham manias e uma vida planejada para permanecer no mundo o máximo de tempo possível. Só que, talvez antes não, mas agora, você errou feio. Elas passaram a gostar do suicídio, passaram a gostar do fúnebre, na verdade, passaram a venerá-lo e exatamente por essa razão eu comecei a temê-lo. E novamente eu lembrei de você. Lembrei do quão estranha você parecia falando sobre isso. Lembrei dos seus poemas. Lembrei de quando você quis tirar a própria vida, pela terceira vez.

Imaginar um mundo sem você. Eu chorei tanto, só pensando uma única vez no quão horrível seria. Chorei até meus olhos queimarem, chorei de uma maneira absurdamente desesperadora. Joguei tudo no chão, meu quarto ficou muito bagunçado. Quebrei porta-retratos e cortei quase todos os dedos tentando recolher os cacos de vidro. Eles pareciam um espelho, eles refletiam o meu rosto triste. Ou talvez fossem mais parecidos com um quebra cabeça, um que eu nunca consegui montar. Por isso os joguei fora rápido, exatamente como você fez comigo há alguns meses atrás.

Alguns meses, vários dias, diversas horas, inúmeros minutos e incontáveis segundos. Todo esse tempo, todo esse maldito tempo sem você. É como sofrer de abstinência, e eu nem sei o que é abstinência. Você sabe, nunca pude fumar ou fazer qualquer coisa do tipo. Asma, eu te contei num dia de sol e ventos frios, maio, três dias antes do meu aniversário de 16 anos. As pessoas costumam me chamar de preguiçosa, e mesmo que eu tente, eu poderia apenas parar de respirar se corresse demais na educação física. Mas eu nunca quis me explicar para ninguém. Nunca senti necessidade de pena, preferia que continuassem pensando o que sempre pensaram. Só que você me tocou nos dedos e disse que se eu quisesse parar eu poderia descansar e que você se sentaria comigo na arquibancada. Foi a primeira de diversas vezes que ficamos apenas paradas, enquanto todos os outros alunos estavam desesperados atrás de uma bola.

Agora eu preciso correr. Preciso correr para não ver sua sombra acenando para mim. Preciso me mexer e pelo menos tentar não ser aquilo que éramos juntas. É difícil, é tão difícil que às vezes preciso que o apito para de fazer barulho para conseguir respirar como humanos realmente devem fazer. Passei a contar para todos sobre a minha asma, contei detalhes e até datas. Você não poderia continuar sendo sempre a única em tudo, sinto muito, precisei fazer isso, realmente precisei. Parece que te traí, parece que a cada dia estou te superando mais e mais. É uma recuperação dolorosa. Igual quando se queima os dedos com pimenta e a pomada passa a fazer efeito. A mesma sensação de pele sendo puxada. A mesma sensação de desespero e alívio. Alívio e tristeza.

Porque a cada instante, a cada parte sua indo embora, uma minha se vai junto.
Eu estou me perdendo, eu estou caindo, eu estou definhando, eu estou desaparecendo cada vez mais, a cada dia mais, a cada segundo mais.

E já faz um tempo.

Permalink Comentários (3)

[11/12/2016] | Fichas |


Atualizações do Usuário

Usuário: ~Icce
@ChelePlushie mananana vou dormir bjs <3 love you
Usuário: ~Icce
@ChelePlushie já fui peguei e voltei na mesma perna que fiz o chá cohli sensa
Usuário: ~Icce
@ChelePlushie djfjsjde socorro, descobri novas habilidades essa noite
Usuário: ~Icce
fiz chá apoiada em uma perna só, ninja da folha que ene foi descoberta ainda
Usuário: ~Icce
Adicionei uma nova história
História: Doloroso
História: Doloroso
É doloroso. E parece estar me matando aos poucos. ? Jimin.


Dados do Usuário

O que você encontra no meu quarto?:
solidão

Poeta ou Escritor Favorito:
Stephen King