~Sparkly

Sparkly
• {love me blue} •
Nome: 이 • ᴸᴵᴵᴴ
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 20 de Junho
Idade: 19
Cadastro:

Um Breve Adeus


Postado

Um Breve Adeus

Olá.

Devo dizer que nunca fui muito boa com as palavras, o que me leva a não ser boa em expressar meus sentimentos, os quais estão me sufocando esses dias, mas tentarei expor tudo aqui.

Sinceramente, não espero que vocês se interessem por esse jornal, ou o leiam até o final. Portanto não sei se isso vá ficar demasiado extenso para a leitura, ou se vai ser um simples parágrafo resumindo um emaranhado de sentimentos. Por isso vou pedir para que tenham paciência comigo. Principalmente, aos que vão se dispor a ler o que estará escrito daqui em diante.

Esse mês faz exatos dois anos que criei essa conta no Spirit; eu era apenas uma estudante do segundo ano do ensino médio, que com seus 17 anos queria apenas um refúgio para todos os problemas que eclodiram de repente, me desestabilizando de maneira irreparável, problemas esses que estavam se reunindo desde 2012. O Spirit me acolheu, não de braços abertos, mas aos poucos, me introduzindo lentamente e mais profundamente ao nosso tão amado mundo das fanfics.

Minha ideia nunca foi começar a escrever. Eu sempre fui do tipo que apenas observa, como um mero personagem secundário, que jamais terá seu próprio holofote. Mas eu sou carente, apesar de tímida, eu gosto de atenção; eu queria ter minha luz própria, já estava cansada de ficar escondida atrás das cortinas. Então escrevi pela primeira vez; me arrisquei na realidade, afinal, meu hábito de devorar os livros começou pouco depois de criar essa conta no Spirit, ou seja, meu português era fraco demais, demasiado pobre para ser usado na autoria de uma história, mas mesmo assim me arrisquei. Escrevi uma história, que na época me agradou, hoje acho o enredo dela fraco, mas ainda assim a aceito como sendo minha primeira história.

A partir daí passei a escrever mais, ler mais. Me afastar mais do mundo real também. Não vou mentir dizendo que era a excluída da escola, cujo não tinha amigos, pelo contrário, até a oitava série eu tinha a simpatia dos populares da escola, andava com eles, que se diziam como meus amigos. Isso até a mudança de casa, que veio juntamente com a mudança de escola, pela obrigação de cursar o ensino médio; no meio da transição, pessoas que eu falava diariamente se tornaram desconhecidos. Me senti reclusa pela primeira vez, comecei a ser afetada por lugares cheios, aonde eu me sentia julgada por cada um que me olhasse de canto; minha timidez foi confundida com arrogância, e então prováveis amizades jamais foram feitas. Assim como as prováveis chances de ter passeios com os amigos foram resumidas em cinzas, nunca recebi convites para festas, encontros, ou como preferirem denominar. Não reclamo disso, afinal, tinha tudo o que precisava em casa, dentro da minha bolha. Tinha meus livros, um caderno cheio de folhas em branco, uma caneta e o Spirit. E assim me adaptei melhor ao mundo das fanfics, passando a ganhar gosto pela escrita.

Enredos eram produzidos em massa na minha mente, os conteúdos imaginados eram transferidos para o papel com mais facilidade que eu poderia imaginar. Então me encaixei aqui, vi que algumas 10 pessoas liam o que eu escrevia, o que para uma pessoa que nunca pensou chamar atenção já era um bom número. Então fora da minha bolha, na minha nomeada zona de guerra encontrei um problema maior, o qual não soube lidar, o que resultou na primeira fic que gostei do resultado, My Angel é uma versão totalmente adaptada, não de um acontecimento, mas de um sentimento; naquela época eu disse olá aos sintomas da depressão pela primeira vez; esses sintomas fizeram amizade com minha velha companheira que eu já tinha esquecido, a anorexia. Sou uma pessoa inconstante, então isso impediu qualquer um de notar o quão destruída por dentro eu estava - ainda estou - e foi aí que me senti feliz ao ver que poderia recorrer ao Spirit, principalmente para suprir essa necessidade recorrente de ter com quem desabafar. Meus leitores se tornaram inocentemente o pilar ao qual me apoio até hoje.

Até então eu escrevia da forma que queria, com o enredo que queria e criava o personagem que queria, o que me dava certa liberdade de criação e me fazia ficar contente ao ver que eu poderia agradar pessoas fazendo aquilo da maneira que eu gostava. Até eu ver que meu jeito já não era tão chamativo mais, já não conseguia conquistar muitas outras pessoas, o que resultou na minha necessidade de me moldar aos padrões mais aceitos aqui para me encaixar.

Eu já não escrevia com o que sentia, com o coração, mas sim com um padrão, com um enredo preestabelecido, mas eu estava feliz, afinal, havia conseguido a atenção que almejava, havia conseguido me inserir ao que era mais bem recepcionado aqui e automaticamente, ganhei mais leitores, sentia meu pilar ficando mais forte na medida que eu tratava de forma mais profissional o que deveria ser um divertimento. Então enxerguei que precisava dar uma pausa nesse mundo, para viver um pouco mais a desgastante realidade, assim dei uma pausa de longos meses da escrita, não sumi daqui de repente, eu avisei, não me abri como estou fazendo agora, mas pedi que me esperassem, então recebi apoio de pessoas que nunca tive contato, as vi dizendo que iriam me esperar.

Assim tive a minha primeira decepção aqui no Spirit, que se sucederam a várias outras. Primeiramente, quando em Dezembro postei algo diferente de tudo o que já tinha escrito aqui e vi a recepção ser incrivelmente menor que a do meu primeiro imagine, meu eu já fragilizado pelo fim de mais um ciclo natural da vida, foi partido e uma cicatriz adquirida aqui se fez presente. Então optei, não por continuar escrevendo o que me agradava, mas sim por fazer o que resultou em bons frutos aqui, por mais que me sentisse mal escrevendo, ou na maioria das vezes apenas cuspisse as palavras sem sentimento algum. Aí eu vi que eu perdi, mesmo que com poucos meses distante, o apoio de leitoras e também a maneira de conquistar pela escrita. Meu pilar estava abalado, assim como meu emocional.

Estou sendo sincera ao dizer que o conteúdo que produzi para o site desde o ano passado, não foi escrito pelo "eu" que ingressou no site, mas sim pelo "eu" que sente a necessidade de se encaixar, de ter atenção, ressalvas para "Surprised By Love", "Come Back Again", "Vicious Cicle" e "Forbidden Love" que são histórias das quais me orgulho de ter feito, me senti realizada com o resultado, não me importando se agradei ou se teria incontáveis views, favoritos e comentários. Mas apesar de tudo, sou extremamente grata a cada pessoa que leu, favoritou e perdeu um pouquinho do seu tempo para comentar, afinal, ainda é por vocês que estou me esforçando para não me render e desistir daqui, assim como diversas vezes pensei em desistir da vida.

Mas como me expliquei logo no início, sou uma pessoa carente, que sente necessidade de uma atenção que não está sendo dada ultimamente, a propósito, ainda estou curiosa a respeito de algo, quantas pessoas ainda me acompanham de verdade? As coisas aqui no site estão muito mudadas, de forma que eu já não consigo mais me encontrar, o tão acolhedor Spirit me parece um ninho de espinhos, os quais me perfuram toda a vez que trago algo novo. Talvez minha forma de produzir conteúdo para cá tenha se tornado antiquada, e a fachada de "profissionalismo" que eu insisto em manter seja incômoda e ultrapassada.

Sinto muito por isso, mas não me sinto "em casa" quando venho aqui, nem sequer me sinto "em casa" dentro da minha bolha. Sou um emaranhado de fios prestes a entrar em curto e não quero que isso venha a refletir aqui outra vez, por isso estou me expondo agora de uma maneira que nunca o fiz, nem pessoalmente. Já completei 19 anos e ainda não ingressei na faculdade, nem arrumei um emprego, sinto que era porque estava fechada demais em minha bolha, até o exato momento que esses mesmos espinhos do Spirit que me machucam, me libertaram dessa realidade que eu insistia em me apegar.

Não quero dizer que estou parando de escrever. Estou apenas parando de escrever dessa forma que está me agredindo. Ainda tenho conteúdo a postar, o que me rende mais um mês de frequência aos finais de semana aqui, mas nada que vá me fazer voltar para minha bolha. E então agora estou decidida a dar uma pausa desse mundo das fanfics e me dedicar na fase de aceitação, e buscar me encontrar novamente, já que ando completamente perdida. Não sei quanto tempo isso vai demorar, pode ser até que eu comece a trabalhar, ou até que eu volte aos estudos, ou simplesmente até que a minha mente fique limpa o suficiente para que as histórias fluam como eu quero.

Me esforçarei para dar fim aos inúmeros plots e imagines interminados que tenho, se não o que faria com aquelas palavras tão aleatórias jogadas ao acaso. Estarei me dedicando estritamente a isso, para me livrar aos poucos do passado. Então colocarei todo o meu amor em "Where Sin Begins", que se tornará minha única ligação ao Spirit por esse período indeterminado. A escrita ainda acaba sendo minha válvula de escape para muitas frustrações, então não se surpreendam caso vejam algo de minha autoria vagando pela categoria "Originais".

Francamente, estou me sentindo leve após passar algumas horas deixando que minha enxurrada de sentimentos saísse pelos olhos e se tornasse palavras sob meus dedos. Declaro encerrada uma fase agora, não somente aqui no Spirit, mas uma fase do meu antigo "eu". Desabafar por meio das palavras nunca se fez de uma maneira tão satisfatória quanto foi hoje, então agradeço com todo o meu coração a cada um que perdeu seu tempo lendo as minhas mais sinceras palavras, não sinto que teria melhores "ouvintes" do que meus próprios leitores. Vocês ainda são o meu pilar de apoio.

Nos veremos com certa frequência ainda, então não vou denominar isso como "Adeus". Mas quero que tomem o conhecimento de que eu não estarei mais escrevendo até voltar a me sentir bem comigo mesma, já que fiquei tanto tempo preocupada em agradar aos outros, que esqueci de pensar nos meus próprios princípios.

Espero vê-las enquanto ainda tiver algo para postar, ao menos pelos próximos finais de semana. Então depois será um até breve, o qual eu não sei quanto tempo irá durar.

Não vou me esquecer que cada uma de vocês compõe o pilar que me manteve firme até hoje, devido a isso sou eternamente agradecida por me fazerem crescer. Mas agora preciso soltar esse pilar e dar alguns passos sozinha.

Foi bom enquanto durou e obrigada pelo apoio. Vos digo este breve adeus, para enfim me libertar de certas amarras que tenho aqui.


See Ya! ♡


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...