~MaduCure

MaduCure
M. E. Cure.
Nome: M. E. Cure.
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil
Aniversário: Indisponivel
Idade: Indisponivel
Cadastro:

Ficha Modelo Para Sádicos da Noite


Postado

Ficha Modelo Para Sádicos da Noite

Oi gente! Bom, para as curiosas que vieram aqui para saber que personagem é essa (será uma das principais da fanfic) só tenho uma coisa á dizer; espero que gostem ;)

Nome: Akami

Sobrenome: Desu

Apelido: Seu irmão a chama de Neko ou adiciona apenas um chan (Akini-chan). Seu par irá chama-la de Neko também :3

Photo-player: Rin Kagamine (é uma vocaloid, para quem não conhece. As músicas são realmente muito boas!).

Descrição da aparência: Akini porta uma aparência infantil e angelical, com seus grandes olhos azuis que fervilham de tão brilhantes e estupendos. Ela é baixa, da altura de uma criança de dez anos (não é exagero). Seus cabelos são loiros, seus fios macios e usa eles pequenos, apenas roçando os ombros. Ela tem uma pele branquinha igual leite, daquelas que dá vontade de fazer ficar vermelha só pra ver se tem cor, sabe? (Não fui sádica, fui?). Tem um sorriso maravilhoso, de fazer as pessoas pararem para apreciar e cílios bonitos e longos, que destacam as maças de seu rosto. Seus lábios são pequenos e finos, deixando-a com a aparência de alguém frágil.

Idade: 16 anos.

Trabalho: Empregada na mansão dos Sakamaki (mandada pela igreja católica á qual sua tia era muito fiel).

Manias:

*Enrolar seus fios loiros e puxa-los.

*Franzir a testa.

*Bater o pé no chão nervosamente.


Gostos:

*Passear.

*Ler clássicos.

*Tocar piano.

*Cantar (bem alto, na maioria das vezes).

*Dançar.

*Recitar poesias.


Desgostos:

*Açúcar (não gosta de nada que tem açúcar).

*Sangue (tem pavor, ela não aguenta ver sangue na sua frente).

*Pessoas que explodem com qualquer coisinha.

*Pessoas que não conseguem ser fortes.


Personalidade: Akini tem a aparência mais doce possível, mas não é tão angelical quanto parece. É alguém triste e melancólica, como um espírito infeliz e não tem paciência para muitas coisas, mas não costuma explodir com as pessoas. É fria e não demostra ter sentimentos, também pode ser masoquista e levemente sádica. É perturbada, sempre analisando as pessoas dos pés á cabeça, e sendo arrogante muitas vezes. É alguém fácil de conviver, desde que você goste de ser ignorada ou repreendida nas horas que ela está praticando piano, lendo ou estudando. Tem a maturidade de um adulto na maioria das vezes, tento coragem para fazer tudo sozinha e muito mais; ser a única pessoa que ela precisa. Ela tem muitas personalidades, o que levou sua mãe á procurar ajuda de profissionais, mas eles apenas concluíram que era algo dela. Akini pode ser falsa sem se envergonhar, obtendo o que quiser, na hora que quiser. Pode, por muitos, ser considerada mimada, mas na verdade é apenas muito calculista e determinada. É alguém que encara medos... Dos outros, com muita coragem. Mas se forem os seus medos... Ai ela já dá um passo para trás. Akini pode ser doce e fofa, mas é claro que isso só vai acontecer se ela quiser deixar uma boa impressão para alguém que lhe será útil depois. Sua avó dizia que Akini tem essas máscaras porque demônios pedem passagem pelo seu corpo o tempo inteiro, várias vezes tomando sua cabeça e a controlando. Akini acredita nisso e até acha poético.

Defeitos:

*Perturbada.

*Aparecer do nada.

*Ser incrivelmente traiçoeira e vingativa.

*Ser malvada e desalmada.

*Esquecer dos segredos que as pessoas lhe contam (ela não se lembra porque, na verdade, nem se importa).



História: Akini teve uma infância incrível, e não estou dizendo isso para quebrar um clichê. Ela simplesmente tinha tudo que precisava, bem perto dela. O irmão gêmeo sempre lhe ajudava em tudo, sua mãe era carinhosa e a ajudava sempre, seu pai a chamava de princesinha e brincava de casinha com ela e tomava chá da privada. Era algo que uma família normal passava. Tinham uma boa casa, uma boa vida e tudo que podiam pedir. Até o dia em que sua mãe descobriu que seu pai tinha uma amante. Akini tinha oito anos e só se lembrava de sua mãe gritando com seu pai, mas também lembrava das mãos do irmão, tapando seus ouvidos e o sorriso que ele lhe transmitiu aquecendo seu peito e costurando dentro de si algo que poderia ter quebrado naquele dia (seu coração). Foi uma separação difícil, mas suportável. Sua mãe não ficou tão mal quanto diziam que ela iria ficar e seu pai não viu problema em dividir o tempo dos filhos com a mãe deles. Estava tudo bem, dentro do possível e Akini estava feliz novamente, com dentro do mundinho dela e de seu irmão que ela não via nada cinzento á sua volta. Era tudo colorido, bem pintado até. Rin, que era como se chamava seu irmão, nunca desgrudou da irmã e estavam sempre juntos. Quando completaram treze anos eles começaram a se ver om outros olhos. Estavam mais bonitos e maduros e ouso dizer que aquela relação fraternal se tornou algo mais. Eu sei, irmãos se relacionando... Mas pensem bem; eles foram tudo o que um outro precisava por muito tempo e gostavam um do outro desde sempre. E ainda mais o fato de serem gêmeos! Claro que nunca contaram para ninguém, afinal era um segredo só deles. Pobres coitados... Sabe, quando você fica vivendo muito tempo em um mundo colorido se esquece, que, na verdade, existem partes do mundo que são todas negras. E Akini estava prestes á conhecer pedaços daquelas partes malvadas e maliciosas, pois a garota simplesmente atraia aquilo para si. Tinham quatorze anos e estavam voltando do colégio de mãos dadas. Sorriam um para o outro, tão felizes e em paz. Então alguém bloqueou o caminho deles e simplesmente os puxou violentamente, arrastando-os para longe do caminho de casa. Mas é claro que tentaram gritar, mas mãos fedorentas e sujas tapavam suas bocas, machucavam seus cabelos, puxando-os para cada vez mais longe de uma vida normal.

Foram levados para um culto demoníaco. Não sei se vocês sabem mas gêmeos completamente iguais não é completamente, ou exatamente, o que podemos chamar de comuns. Os dois foram postos em um circulo, que era feito de sangue humano e simplesmente foram violentados por todas as pessoas presentes no local. Gritaram várias vezes os nomes um do outro e por fim, quando Akini sentia a pressão dentro de si, ela olhou para os olhos azuis de seu irmão e desistiu. Akini morreu por seis minutos e quando acordou foi simplesmente puxada para dentro de si, ainda no chão sujo, com o irmãos nu e desmaiado ao seu lado. Ela chorou muito aquele dia, querendo ter morrido e tudo dentro de si se quebrou. Cada fio, cada peça e o curativo que Rin havia feito em seu coração se rompeu e ele se partiu em pedaços, fazendo ela virar a pessoa que é hoje. Foram resgatados uma semana depois, mas antes passaram por cárcere privado e estupro repetidas vezes, tanto por homens quanto mulheres. Eles sempre se olhavam nos olhos e pensavam em desistir, mas era frustrante, pois nenhum dos dois conseguia morrer. Era como se suas almas estivessem grudadas em seus corpos. Perderam muito sangue para, segundo os seus torturadores, rituais dedicados á Lúcifer. A polícia encontrou o lugar uma semana depois, prendendo todas aquelas pessoas e encontrando os dois irmãos, respirando com dificuldade e sedados. Akini acordou no hospital e descobriu que seu irmão, Rin, estava em coma. Ela se recusou a abandonar o hospital e sair do lado do irmão por longos messes, rosnando para os médicos e até para seus pais, enrolada nos pés da cama como se fosse um gato tristonho e perigoso. Foi então que Akini começou a ver coisas, ou melhor dizendo, pessoas. Akini agora, por ter morrido e voltado a viver, conseguia ver os mortos. Quando contou isso aos médicos e aos seus pais eles lhe levaram em diversos hospitais, fazendo-a sair do lado de Rin á força. Ela não viu o irmão desde então, e ele continua em coma. Akini Desu foi levada para viver com sua tia, que após rezar muito e mante-la em casa achou melhor fazer o que a igreja dizia (que ela serviria á Deus indo para a mansão Sakamaki e provavelmente se curaria). Akini foi, e levou sua alma negra e traumatizada com ela.

Família:

Rin Desu. É seu irmão gêmeo. Estudante. Status: em coma. Akini ama ele com todas as suas forças e se alguém pode perfurar sua barreira de sentimentos, é ele. Nunca quis sair de perto do irmão e ficou ainda mais desestabilizada por causa disso, de tanto que o ama. Cabelos loiros e repicados, olhos azuis e brilhantes, sorriso gentil.

Issa Izume. Sua mãe. Status; viva e solteira. Akini ama sua mãe, mas passou a odia-la depois que esta se mostrou fria quanto ao que ela sofreu, priorizando "seu próprio trauma" de ter os filhos sequestrados e violentados. É loira e alta, com uma pele branca e olhos castanhos.

Yoki Desu. Seu pai. Status; vivo e com uns rolos (:v). Akeni ama seu pai, mas se fechou completamente com ele, assim como fez com todos.

Qual irmão prefere: Kanato (tem trauma dele e não prefere, mas ele é o que mais abusa dela) e Nathaniel. (desculpem pegar dois, mas o Kanato ninguém mais queria ;-;).

Sexualidade: Bissexual.

Algo mais? Akeni é má, muito má.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...