Ficha Angels - Interativa


Postado

Ficha Angels - Interativa

Nome: Park Yura
Idade: (18-23): 18
Personalidade (cuidado com a bipolaridade): Yura é uma jovem mulher extremamente inteligente e eximiamente habilidosa com palavras, o que a ajuda muito na hora de negociar algo. Calma, é extremamente simpática e compreensiva, ao ponto das pessoas se sentirem quase que imediatamente confortáveis conversando com ela, como se fossem conhecidos de longa data. Sua inteligência e compreensão a tornam uma ótima pessoa para resolver problemas e lidar com situações tensas, considerando que ela é a pessoa que costuma manter a cabeça no lugar quando todos já perderam o bom senso. Isso a torna uma excelente líder, por transmitir confiança e conforto aos outros. Ela também tem uma memória praticamente de computador; querer que ela literalmente esqueça algo é impossível, mas ela pode fingir que não aconteceu. Isso lhe faz capaz de recitar livros, conversas e coisas do gênero sem errar uma vírgula sequer.
No entanto, ela não é um ser humano perfeito. Yu sente muita dificuldade em realmente formar laços com as pessoas ao seu redor. Ao passo que ela é capaz de compreender os outros, ninguém parece ser capaz de fazer o mesmo por ela. Devido ao meio em que está envolvida, alguém sempre queria algo dela, portanto ela se decepcionou cada vez mais com as pessoas. E como ela não consegue esquecer, sempre temia que acontecesse novamente. Não veja como se ela fosse rancorosa, pois ela não o é. O que acontece é que ela está sempre receosa quanto aos outros, com medo de que venha a ser machucada, pois ela é frágil.
Como se não fosse o suficiente, ela desenvolveu Depressão Psicótica após um evento traumático em sua infância. Isso causa nela alucinações, além dos efeitos normais da depressão. Yura toma remédios e faz acompanhamento psicológico e psiquiátrico desde os sete anos de idade. Na maior parte do tempo, a doença está controlada. Apesar disso, em certos momentos do ano (como em seu aniversário) ou em eventos aleatórios, ela entra em crise. Ela pode sentir quando está prestes a acontecer, o que a dá tempo de encontrar uma forma de ficar sozinha. Em dias bons, ela apenas é atacada pelas memórias de seu trauma; nos dias ruins, ela realmente alucina com o que aconteceu numa memória viva, e leva alguns dias para se recuperar. Ninguém além de seus irmãos, sua agente e seus médicos sabem disso. Quando entra em crise, ela não consegue respirar direito e fica assustada (isso também varia em escala de quão ruim está sendo a crise).
Ninguém sabe os detalhes do acontecimento traumático, pois ela nunca confiou em ninguém o suficiente para fazê-lo. O que mais a ajuda a se acalmar é a música; se tiver um piano (de preferência), ou qualquer dos instrumentos que saiba tocar (ou se alguém tocar para ela) ela lentamente se acalma.
Gentil, leal e devotada, ela se esforça ao máximo para fazer o melhor de si no que lhe é pedido. Se precisar, ela passará noites em claro sem pensar duas vezes para consegui-lo. Paciente e inocente, ela se dá muito bem com crianças e consegue cativar aqueles que estão ao seu redor. Ela é um doce de pessoa e é, por muitas vezes, mais formal e educada do que exigem as situações cotidianas. Humilde, ela é atenta e observadora, sempre se dispondo a ajudar os outros ao seu redor.
Não tem nenhuma experiência no campo amoroso, o que a torna muito tímida quando se trata desse assunto, ficando vermelha facilmente. Não sabe muito bem distinguir seus sentimentos, mas é capaz de dizer quando alguém gosta de outro de forma especial (mesmo que nem sempre saiba dizer quem é a pessoa a quem a afeição é dirigida).
Dificilmente perde a calma, mas não consegue aguentar ver alguém ser injustiçado sabendo que não foi o que aconteceu. Também a magoa profundamente quando as pessoas tem uma impressão equivocada dela, principalmente quando ela está se esforçando para fazer o melhor. Apesar disso, ela procura não repassar para os outros o que ela sente nesses momentos, tentando manter aqueles ao seu redor em bom humor sempre. Seu riso e sorriso são contagiantes.
Em certos momentos, ela sente como se não valesse a pena viver, por achar que ela não tem valor algum para alguém. Normalmente se dá quando ela está sozinha, em momentos de crise.
Ela é sonhadora, mas sabe que não pode consertar o mundo inteiro sozinha; é uma pessoa fofa mas não se sente na obrigação de tratar as pessoas bem quando percebe que elas estão sendo maldosas sem qualquer motivo. Procura ver sempre o que há de melhor em todos, mas não a tome por ingênua por isso. Ela sabe muito bem distinguir as pessoas e seus tipos, dificilmente errando. Tende a não desistir das pessoas, mesmo que elas queiram.
Nas crises psicológicas que acontecem, é como se valesse muito mais a pena morrer do que qualquer outra coisa. Yura pode se matar em momentos de crise, e esse é o problema. Ela precisa ser salva.
Já tentou se matar sim, algumas vezes. Na verdade, muitas vezes. Principalmente no dia de seu aniversário.
No dia do seu aniversário, tudo fica mais forte.
Quando entra em seus momentos de crise, porém, toda essa sua personalidade desaparece, levando consigo apenas a crise e a depressão, a vontade de se matar. É difícil, para Yura, respirar normalmente, e a única coisa que ela pensa naquele momento é: ninguém se importa comigo, ninguém me ama, é bem mais simples desaparecer.

História (resuminho): Park Yura é a mais nova de uma família de quatro filhos. Seu pai morreu devido a um infarto fulminante enquanto sua mãe ainda estava grávida dela, por isso nunca o conheceu. Sendo assim, ela foi criada com seus irmãos e mãe.
Era muito próxima da mãe, saindo sempre que podia com ela e com seus irmãos. Quando criança, seu passatempo favorito era ver a mãe tocar piano e desde cedo, aprendeu o instrumento, desenvolvendo uma profunda paixão pela música. Aquilo a aproximava ainda mais de sua mãe, já que seus irmãos, apesar de apreciarem, nunca tinham demonstrado um real interesse pelo instrumento ou o estudo musical. A extrema dedicação e inteligência da pequena a tornaram uma exímia musicista com o passar dos anos.
Um dia, no seu aniversário de sete anos, ela e a mãe saíram para ir a um recital de música clássica enquanto seus irmãos preparavam uma festa surpresa. No entanto, enquanto voltavam para casa, um homem as abordou e levou-as para dentro de um carro. O sequestro durou horas que pareciam se arrastar. Sua mãe, conseguiu persuadir os sequestradores a não encostarem em Yura, e em troca poderiam fazer o que quisessem com ela. Aqueles homens não buscavam dinheiro, mas sim vingança contra seu pai, que irritara pessoas perigosas no meio diplomático. Teresa, sua mãe, convenceu-os de que ela não era filha de seu falecido marido, com a desculpa de que ele morrera antes dela nascer. As cenas que se seguiram foram brutais. Yu foi amarrada e amordaçada a uma viga de ferro num galpão, de onde pode assistir, horrorizada, sua mãe ser brutalmente torturada. Aqueles homens pareciam querer fazê-la implorar pela morte. Eles chegaram até a violenta-la sexualmente. Tais cenas, assim como todo o resto de sua vida, jamais seriam esquecidas.
Quando tudo finalmente acabou, eles saíram e deixaram a garota sozinha com o corpo pálido, ensanguentado e sem vida de sua mãe. Ela conseguiu se soltar e correu para abraça-la, chorando. Com as mãos trêmulas, ela ligou para a polícia, dizendo com detalhes o caminho pelo qual passaram até o lugar. Não demorou muito até que chegassem e encontrassem a pobre garotinha agarrada ao corpo inerte de Teresa. A notícia se espalhou rapidamente e muitas famílias da província se comoveram com a história.
Depois do interrogatório, onde ela negou ter visto as cenas devido ao estado de choque, que realmente a impediu de lembrar, ela foi encaminhada para acompanhamento psicológico. Pouco a pouco, os sintomas da Depressão Psicótica foram se mostrando e ela precisou de tratamentos mais específicos, com medicações e sessões regulares de terapia.
Sua irmã mais velha, Jin-Young, que na época tinha vinte e dois anos, assumiu a tutela de seus três irmãos mais novos e se encarregou de cria-los. Ela fez um excelente trabalho administrando as finanças da família e cuidando dos três. Por sua família ser bastante abastada e ter uma boa administradora, nada nunca os faltou. Apesar disso, todos sofreram com a falta de seus pais, principalmente Yura. Ela foi educada em casa pelos melhores tutores que seu dinheiro podia pagar, não tendo condições de assistir as aulas em alguns momentos, devido as suas crises.
Desde sempre se mostrou eloquente e uma excelente escritora, o que sempre trabalhou em seu favor no meio diplomático. Apesar de jovem, o histórico de sua família impunha respeito e a fazia ser ouvida pelos outros e sua excelente dialética a ajudava a fechar negociações que eram por muitos julgadas delicadas, para dizer o mínimo.
Sua forma dedicada e apaixonada pelo que faz refletem seu caráter e sua profunda devoção às coisas que ama. A mídia costumava a tratar como a “garota boazinha”, devido a sua postura e comportamento exemplares, mas ela nunca clamou o título para si. Do contrário, sempre buscava melhorar e se superar, agindo com humildade.


Quais você considera seus piores pecados: (aqueles pelo qual você terá que pagar): Bom, tentativa de suicidio é um pecado, não? Pois bem, em momento de crises psicóticas isso acaba acontecendo e cada vez com mais frequência.
Nome daquele que será seu anjo e salvação: (também conhecido como bias) Park Jimin :3
Como será a relação com ele: (lembrando que anjos e humanos não podem se relacionar, então isso se torna um empecilho) Eu gostaria que eles fossem amigos. Sabe, melhores amigos. Yura poderia contar a ele o evento traumático de sua infância, algo que nunca contara a ninguém. Poderia... Se abrir com ele.
Relação com amizades: Ela tenta ser amigável com todos. A não ser que não façam por merecer sua doçura (aí são outros quinhentos).
Aparência: (foto/descrição/ quem representa)
Foto logo aí embaixo e ali em cima tbm huahuahua
Descrição: Yura tem cabelo castanho. Nem longo nem curto, seu tamanho é mediano. Naturalmente, ela tem cabelos lisos com algumas madeixas mais onduladas. Ela costuma mudar de corte assim que enjoa do que usa. Yu tem uma pele extremamente macia e aveludada, sem nenhuma única marca, com a exceção de uma discreta cicatriz na lateral da cintura (resultado de uma vez que caiu da escada) e uma mais discreta ainda no pulso (quando foi tentar andar de skate). Seus lábios são finos, mas ainda assim são cheinhos. Seus dentes são alinhados e também são bastante claros. Seus olhos são castanhos e parecem vasculhar a alma de quem se aventura a encará-los por muito tempo. Seu corpo é muito bonito. Ela tem 1,70 de altura e pesa 46,5 kg. Sua cintura é fina, seu busto é mediano e seus glúteos também. Naturalmente, ela possui traços orientais. Mas seus olhos são mais arredondadinhos, não são praticamente fechados nem nada.
Quem representa: Bae Suzy, do Miss A (amo aquela mulher, margent)



Roupas (pode colocar foto ou só falar como se veste) Yura ama vestidos, tendo um carinho especial pelos longos, e usa as mais diversas estampas (tipo estampas florais, de gatinhos, de flores pequenas, bolinhas, listras... Nessa linha). Também usa muito saias e blusas de botões com gola, suéteres se o clima permitir. Não que ela tenha algo contra calças e shorts, mas foi acostumada a usar vestidos e saias por toda a sua vida. Dependendo da temperatura e ocasião, se permite usar conjuntos de croppeds.
Costuma usar sandálias baixas, a não ser que a ocasião peça por um salto, e sapatos estilo Oxford. Também gosta muito de chapéus, principalmente em lugares com sol forte, já que não está acostumada com ele.
Não costuma usar roupas muito decotadas e maquiagem sempre bem leve, quase inexistente, no dia-a-dia. Em festas, ela sempre acerta na escolha e aparece estonteante (não que ela não seja linda normalmente –q).
Gostos/Desgostos:
[/i]Gosta *[/i] Ela ama gatos, torta de limão, dias ensolarados, piadas sem graça (ela acha isso fofo), tocar instrumentos dos mais diversos, ajudar as pessoas, estudar, cantar. Ela gosta muito de fazer aqueles ao seu redor se sentirem bem e é apaixonada por jardins. Ela gosta de dias frios, por lembrarem sua casa e também de pianos de cauda (por ter herdado um de sua mãe). Ela adora poder observar o céu noturno e por alguma razão ama andar descalça sempre que pode.
Adora lugares iluminados e quanto mais luzes, maior o seu fascínio.
Música é sua paixão. Ela toca violino, violão, flauta doce, flauta transversal, violoncelo, e piano (sendo este último seu preferido).
Desgosta * Ela se sente mal em ver pessoas sendo tratadas mal por nenhuma razão, não gosta de comidas apimentadas e nem muito doces (torta de chocolate com chocolate? Nem pensar.). Ela não gosta de não poder tocar instrumentos musicais, por isso sempre tenta levar um de seus com ela para qualquer viajem que vá fazer.

Sabe que se parar de comentar a personagem morrerá, certo? Sim, estou ciente disso ‘u’
Um extra: Não sei se você percebeu, mas Yura tem uma família que trabalha no meio diplomático e foi criada a vida inteira para ser diplomata também. E é rica, naturalmente, levando em conta a situação de sua família.
Outra coisa: Coloquei um pouco da família dela também, o irmão em especial, que ela ama muito. Será que posso...?
• Park Jin-Young: Yura tem profunda admiração e respeito por sua irmã mais velha. Elas se dão muito bem e ela tem em sua irmã um porto seguro e melhor amiga. Ela assumiu o papel de mãe de sua irmã mais nova após a morte de sua mãe, por isso elas são tão próximas. Yu nunca contou nada sobre o que realmente viu a ela por não querer que ela se preocupasse demais. Apesar de ter assumido a função de mãe, Yura achou que sua irmã merecia viver a própria vida.
• Park Nickhun (Nick), 26 anos (irmão meio mais velho)
Nick é mais reservado, mas demonstra enorme carinho por sua irmã, e ela por ele. Eles sempre se deram muito bem e principalmente depois do que aconteceu com sua mãe, eles se aproximaram bastante. Ele a admira por toda sua trajetória de vida e é a pessoa a quem Yura recorre sempre que quer ou precisa conversar sobre qualquer coisa aleatória. Eles confiam um no outro, e ele se preocupa muito com ela. Pelo motivo de não querer preocupa-lo ainda mais, ela nunca contou sobre o que realmente aconteceu naquele fatídico quatro de abril.
• Park Chang-Min, 20 anos.
Por ser o mais novo antes da própria Yura, os dois acabaram por desenvolver um relacionamento de cumplicidade maior e ele foi o que mais compreendeu o que ela sentia na época. Todas as noites, ele cuidava dela até que ela dormisse e sempre estava lá quando ela precisava. Ele é a pessoa a quem ela procura quando precisa de consolo, ajuda ou se sente aflita. Ela costumava recorrer mais a sua irmã mais velha, mas com o passar do tempo Chang se tornou sua primeira opção.

Tá, é isso.

Ok, é isso. Espero que não esteja pequeno ou grande demais huahuahua Eu realmente me esforcei, e espero que goste da Yu tanto quanto eu gostei. Qualquer coisa que não tiver entendido muito bem, pode falar *u*
Se alguma vez aparecer o nome “Helena” ou “Lena”, peço que desconsidere e leia “Yura” no lugar e.e Porque, olha, o nome da Yura no começo ia ser Helena. Daí eu achei melhor por um nome oriental mesmo.












Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...