~lisamanobs - Clan Fantasy

lisamanobs
/.dreamer.\
Nome: ❥비앙카❞ ━gosto de me shippar com as amiguinhas♡
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
Aniversário: 23 de Maio
Idade: 14
Cadastro:

➸ Ficha - As Belas Mentirosas ✦


Postado

➸ Ficha - As Belas Mentirosas ✦

❝ Vá em frente e me teste. É o seu mundo contra o meu. E você sempre perde.❞

☾ As Belas Mentirosas ☽

♥ Nome ♥

Elizabeth Monroe

♥ Apelido ♥

Lizzie // Qualquer um {Aliás, ela praticamente obriga todos a lhe chamarem assim}
Ma Chérie // Qualquer pessoa que queira zombar de seu sotaque francês {Significa "minha querida" em francês, e Lizzie até que gosta desse apelido}
Baixinha // Quer irritá-la? Essa é uma das melhores formas.
Imã de problemas // Sociedade em geral. xD

♥ Idade ♥

17 anos | 24/05 | Gêmeos

♥ Personalidade ♥

Confiante e firme, Elizabeth é totalmente o contrário de meninas deslocadas da maioria das histórias. Ela não é nada tímida, não vai chorar por receber algum olhar torto alheio e muito menos se rebaixar a qualquer coisa, independente do motivo. Ela não se deixa abalar ou intimidar por absolutamente nada, e frisando: nada e nem ninguém é capaz de deixá-la com o rabo entre as pernas, exceto aqueles com quem se importa. A menina sempre anda com postura e confiança, exatamente como uma dama, e apesar do queixo nunca estar abaixado, este também nunca está levantado demais.

Elizabeth é desapegada e independente, não gosta de viver dependendo dos outros - mesmo que, claro, tenha seus momentos - e sabe muito bem como se defender. Isso muitas vezes chama a atenção de homens, porque grande parte das mulheres [pelo o que eu vejo nos animes, então penso ser no Japão em geral] são submissas, e Lizzie se recusa a deixar alguém dominá-la, além de odiar que pessoas - tirando sua família e amigos - fiquem dando palpite em sua vida. Também detesta quando tentam lhe colocar um "freio" ou dizer o que ela deve ou não fazer.

É melhor não testá-la. Lizzie tem uma paciência enorme, mas ao ser testada, subestimada ou simplesmente perder a calma, não nada bom por aí. Ela faz questão de mostrar para as pessoas com quem estão se metendo. Ela é a típica cabeça-dura: não se deixa influenciar por absolutamente ninguém. Mas ela é honesta, tão honesta que se provarem que está errada, passa por cima do orgulho, pede desculpas e ainda muda de opinião. Mas isso só se provarem o seu erro, caso contrário, bate o pé até o fim.

Apesar disso, Elizabeth conquista muitas pessoas com seu bom humor e simpatia. É sorridente e engraçada, nunca tira o sorriso do rosto e fazer as pessoas rirem é como seu hobbie - fazendo novos amigos com facilidade. Lealdade e confiança é algo que Lizzie honra demais. Sempre está lá para as pessoas em todos os momentos, nunca abandona ninguém e se recusa a deixar as pessoas sozinhas. Mas não força a barra, odeia ter sua privacidade invadida, então não faz isso com as pessoas.

Gentil, Elizabeth não mede esforços para ajudar as pessoas. Não se importa nem ao menos um pouco em sair prejudicada. Ela ajuda as pessoas sem esperar nada em troca - mas obviamente desconfia se alguém tentar abusar de sua gentileza. Além disso, é muito carinhosa, ou seja: ama qualquer demonstração de afeto. Desde um simples ato de confiança até mover os céus por alguém. Mas o que a menina mais ama é abraços. Para ela, abraços possuem todos os sentimentos: alegria, amor, amizade, saudade, tristeza, confiança, qualquer coisa. Um simples abraço pode não ser muita coisa para a maioria das pessoas, mas para ela, significa muito mesmo.

Lizzie é ciumenta com seus amigos, com animais e qualquer pessoa que ela goste. Não chega a ser possessiva mas é realmente bem ciumenta e não sabe esconder isso. Algo inevitável é que sempre que é pega no flagra com ciúmes, suas bochechas ganham um tom mais avermelhado do que o normal. Pervertida, ela tem a capacidade de ter pensamentos errados nas horas errados, o que pode levá-la a dar um sorrisinho acompanhado de bochechas um pouco vermelhas do nada.

Elizabeth, apesar de tentar não mostrar - só tentar mesmo -, é muito sonhadora. Por isso já ouviu muitas vezes falarem que é otimista demais, consequentemente criando muitas esperanças e se machucando ainda mais no final. Muita gente diz que ela tem alma de artista, já que sente as coisas com mais profundida do que as outras pessoas. Tristeza, alegria, amor, raiva, saudade, tudo ela aparente sentir dobrado. Com isso, acaba sendo daquelas pessoas que se importam tanto com os que gosta que é capaz de fazer sacrifícios sem nem se importar.

Dependendo da situação pode ser vingativa, e com sua enorme paciência e inteligência - não é um gênio, mas consegue se destacar nas notas da escola -, o destino não reserva nada de bom para as pessoas infelizes que acabam entrando em sua lista. Um de seus pecados, além da vaidade, é a gula. Ela come o que quer, na hora que quer, onde quer e não há ninguém que a pare.

Ah, e ela é muito distraída. Tipo, muito mesmo. Até uma mosca consegue a distrair. Até uma rachadura na parede a distrai. Com isso, é extremamente desastrada e não tem o mínimo senso de direção.

♥ Aparência ♥









Elizabeth possui cabelos pretos escuros como o mar noturno, que alcançam um pouco abaixo do seu quadril, sendo longos. Porém metade de seu cabelo possui a cor rosa na parte debaixo/"dentro", sendo que a menina nasceu com isso, é natural. Lizzie tem a mania de falar que possui "heterocromia capilar". Eles são lisos e sedosos, possuindo um aroma doce de morango. Sua franja é reta e bem arrumada, cortada a milímetros de seus olhos, cobrindo boa parte de suas sobrancelhas angulosas e bem feitas.

Os olhos de Elizabeth são azuis profundos, sendo que ocasionalmente ficam de um azul cristalino, dando-a uma aparência angelical. Ela diz que seus olhos são bipolares. Estes são vibrantes, sendo levemente puxados, dando-lhe um ar levemente felino e naturalmente sedutor. Estes são acompanhados e longos e volumosos cílios negros. Lizzie possui 1,63 de altura, é baixinha, algo que a irrita profundamente, e pesa 52kg. Tem um corpo curvilíneo e bonito, possuindo seios fartos, coxas definidas e fartas nádegas empinadas.

A morena ou rosada? possui duas covinhas fundas nas bochechas - que são naturalmente coradas -, dando-lhe um ar adorável e inofensivo, mas não se engane, Lizzie não é uma princesa em perigo. Possui longas e quadradas unhas e estas sempre estão bem feitas. Sua boca é pequena com lábios carnudos e rosados. Ele sempre está usando um laço da cor preta azulada no cabelo, sendo este sua marca registrada, sendo segurando seu cabelo em um meio rabo, em um rabo ou apenas enfeitando-o. E com sua "heterocromia capilar", olhos bipolares, sorriso de tirar o fôlego, corpo curvilíneo e outros atributos, Elizabeth sempre foi a menina que atrai olhares por onde vai.

» Não é que eu queria que a Elizabeth seja tipo "a menina mais bonita da Via Láctea", mas a sua beleza é muito importante na história, ok? «

♥ História ♥

Elizabeth nasceu na França, sendo a filha mais velha de Lilian, uma francesa, e Yato, um japonês. Apesar de que a mãe de Lizzie possuía uma saúde frágil, a família era muito unida, principalmente quando descobriram que teriam um segundo filho e irmão.

A notícia da gravidez foi motivo de festa e estava tudo ótimo até que a saúde de Lilian deu uma recaída meio grave. Ela desmaiava constantemente e ninguém sabia dizer a razão, mas tinha pesadelos todas as noites, e então acordava gritando. Isso levou Elizabeth a criar uma aversão enorme a gritos ou barulhos extremamente altos ao longo do tempo. Sempre que ouve algo assim, tem flashbacks do passado e um ataque de ansiedade/pânico.

Quando o trabalho do pai não conseguia mais sustentar com facilidade a estadia de Lilian no hospital, os remédios e as observações, Elizabeth teve uma ideia aparentemente "brilhante". Desde pequena não se importava em se arriscar para ajudar os outros, e isso não mudara com 14 anos. Era o seguinte: A irmã de Yato, Kalya, tia de Elizabeth, morava numa cidade do interior perto do Japão e tinha um bar muito famoso e movimentado. Então, aproveitando essa oportunidade de emprego, a ideia de Lizzie fora: era iria trabalhar no bar e mandaria o dinheiro do salário para os pais na França, para assim ajudar na condição da mãe. Os pais não queriam, falaram para ela simplesmente arrumar um emprego ali, mas Lizzie discordava, dizendo que aproveitaria para reencontrar a tia e conhecer o Japão.

Assim Elizabeth fora trabalhar como garçonete no lugar, mas o que não esperava era que de noite, um simples bar virasse um clube de strippers, aqueles que os homens pagavam para ter danças particulares. Até aí "tudo bem", mas Kalya obrigou Lizzie a fazer parte disso, e nem ao menos ofereceu um aumento, apenas colocou roupas vulgares na mesma e pronto.

A partir daí, a noite inteira era a mesma coisa: Elizabeth fazia danças particulares e constantemente recebia "mãos bobas". Já até quase fora estuprada, mas sempre dava um jeito de escapar, sendo continuando a dança em outros pontos da pequena e fechada sala em que ficava ou simplesmente dizendo que havia acabado. Claro que haviam os insistentes, que praticamente tentavam arrancar a roupa de Lizzie, e a partir daí ela aprendeu a se defender corretamente. Jurou para si mesma que jamais deixaria alguém daquele tipo a tocar sem sua vontade.

Quando Lizzie se recusava a fazer algo, Kalya a trancava no porão durante, no mínimo, nove horas. Tudo o que ela dizia, no maior sarcasmo e deboche do mundo, era: "Meninas malvadas ficam de castigo e sem comida", e quando a mais velha se irritava, pegava um pedaço de vidro e fazia pequenos e superficiais cortas nas costas da menina - mas o bastante para deixar algumas cicatrizes, só para mostrar "quem está no comando".

Elizabeth era a atração do lugar. Nunca tinha um descanso, sempre tinha que ficar a noite inteira fazendo danças particulares sem vontade própria e de dia ainda tinha que ter seu emprego de garçonete. A única coisa que a motivava era que Lilian, sua mãe, estava melhorando. Ao mesmo tempo que aquilo a motivava a continua, a prendia naquele lugar. Precisava continuar a passar por aquilo para Lilian ficar bem, assim como seu futuro irmão.

Um dia recebeu a notícia de que Lilian havia saído do hospital. E Lizzie, pronta para ir embora daquele lugar, ouviu Kalya falando no celular, dizendo que a sobrinha havia adorado o Japão e decidira ficar lá por mais um tempo. Quando a mais velha viu Elizabeth escutando a conversa, apenas sorriu e disse que "Não abriria mão da minha maior fonte de lucro". A mais nova, decidida a ir embora daquele lugar, arrumou suas coisas na mala no mesmo dia. De noite, quando o bar havia fechado e Kalya dormia, Elizabeth pegou suas coisas e foi embora, mas não sem antes deixar o seguinte bilhete na porta do quarto da madrasta - elas moravam "em cima" do bar -, dizendo: "Meninas malvadas ficam de castigo e sem dinheiro." O que Lizzie fez? Pegou uma certa quantia de dinheiro do cofre, mesmo não sendo muito comparado ao que Kalya tinha, era o bastante para ela, e além disso, trancou a porta do bar e colocou a chave em cima do batente da porta, apenas para irritar a madrinha.

Assim, Lizzie fugiu, determinada a voltar para a França de algum jeito, mas ao acidentalmente conhecer a Equipe A, percebeu que era ali que deveria ficar.

♥ Letra na Equipe ♥

L.
L de Lizzie, pois se colocasse E de Elizabeth facilitaria para os vampiros, e não é isso que queremos, certo? :3

♥ Gosta ♥

Frio - Não só o frio, mas Elizabeth ama qualquer coisa relacionada a ele, como chuva e neve. Se pudesse, passaria, no mínimo, metade do ano debaixo do frio.

Música - Ouvir música é como escapar do mundo para Lizzie, algo que ela gosta de fazer.

Animais - Ela tem uma paixão absurda por animais. É melhor nem fazer uma careta para um animal perto dela, senão esta fica irritadíssima.

Crianças - Assim como ama animais, ama crianças. Ela é como um imã para elas, e apesar de às vezes darem trabalho demais, gosta de passar tempo com elas.

Cantar - É o que faz para se expressar. Elizabeth simplesmente ama cantar, mas ela não acha a própria voz bonita, por isso só canta sozinha ou numa multidão.

Observar o pôr do Sol - É, definitivamente, um de seus hobbies. Elizabeth costuma subir no telhado de onde estiver, somente para observar o Sol se pôr. Ao mesmo tempo que faz isso para se distrair, também faz isso para pensar e para fugir das pessoas quando quer ficar sozinha.

Escrever - É uma de suas paixões. Assim como cantar, Lizzie se expressa muito ao escrever, e é algo que reconhece que faz bem.

Tocar piano - Apesar de saber tocar também violão e um pouquinho de violino - mas sempre acaba desafinando uma nota ou outra no segundo -, sua paixão mesmo é por piano.

Cozinhar - Não só por amar comer, mas também porque se diverte fazendo isso. O problema é que Elizabeth costuma ser uma pessoa extremamente distraída, então chegamos a tal conclusão: sua comida fica boa sim, mas só quando fica pronta antes de a cozinha explodir. É sério, tem grandes chances de perder a cozinha

♥ Não Gosta ♥

Ser Acordada - Se não for por um motivo bom [tipo fazer bagunça ou algo importante], Elizabeth vira um bicho de sete cabeças ao acordá-la. Ninguém será perdoado. leia isso com uma voz do além

Que não usem o seu apelido - Pode até ser o tio da cantina, mas Lizzie "manda" todos lhe chamarem por algum apelido, qualquer um. Não que ela não goste de seu nome, muito pelo contrário, mas acha apelido algo mais íntimo e menos formal.

Machismo - Elizabeth é uma feminista de primeira. Não que ela ponha as mulheres como superiores - por mais que elas sejam em muitos quesitos -, só enxerga os dois gêneros como igual. Mas uma coisa que ela não admite é ouvir alguém dizer que mulher é do sexo frágil. As mulheres passam por muito mais coisas que homens e se equilibram no salto e sorriem ao mesmo tempo, ONDE que as mulheres são do sexo frágil? pelo menos elas não morrem por causa de um chute entre as pernas

Rotina - É algo que Lizzie detesta. Fazer a mesma coisa todos os dias, sempre igual e nada para variar, ninguém merece, não é?

Ser Subestimada - Está aí algo que a irrita de verdade. Até mais do que ser chamada de baixinha. Ela faz questão de fazer todas as pessoas que a subestimaram, se arrependerem.

♥ Segredo mais profundo ♥

Além de ter sido forçada a trabalhar como stripper, as pequenas cicatrizes em seus pulsos. Como já havia dito antes, os cortes eram superficiais, então tudo o que restou foram algumas linhas quase imperceptíveis, porém visíveis. Elizabeth se sente triste ao se lembrar de seu passado e ao pensar em como deve estar sua família na França, e por isso evita conversar sobre essas coisas.

♥ Par ♥

Shuu Sakamaki

♥ Relação com o Par ♥

Desde a primeira troca de olhares, foi como se algo como uma corrente elétrica tivesse os ligado, e apesar de ter sido algo súbito e estranho, ambos acabaram se interessando naquilo. E essa "corrente elétrica" - o nome que Lizzie deu - parecia, de certa forma, os ligar. Shuu, claro, não demorou a começar a provocá-la sempre que encontrava com a mesma, era de certa forma natural, porque ele nem pensava antes de dizer algo. E isso era estranho, porque o vampiro raramente achava algo realmente interessante, mas Elizabeth despertou esse sentimento nele.

E Lizzie, ao ouvir suas provocações, não começava a gaguejar, e sim retribuía no mesmo nível, acompanhada de um sorriso divertido. Ela não se intimidava diante de nada, e aquilo deixava Shuu intrigado. Elizabeth é naturalmente o tipo de pessoa que irradia luz e cega os outros à sua volta, e apesar de ter consciência disso, não abusava. Já a menina também sentia uma certa curiosidade em relação a Shuu. Queria saber o que passava por trás daqueles olhos azuis lindos, porém inexpressivos. Era uma atração mútua.

E nenhum deles tinha medo de enfrentar um ao outro. Tinham, além do amor pela música e a preferência pelo silêncio, coisas em comum, como por exemplo o fato de que nenhum deles deixava barato quando o outro provocava. Era sempre uma troca de provocações e sorrisos, e mesmo que de início tenha sido inocente, geraram contatos físicos depois. Os dois juntos formavam uma combinação explosiva e ao mesmo tempo harmônica. Chamam atenção para onde vão, mesmo que no início, Elizabeth negava quando lhe perguntavam se eram namorados, só que Shuu se metia no meio e dizia um vago "Talvez", em seguida a puxava pela cintura para outro lugar.

Elizabeth até matava aula apenas para ficar ao lado de Shuu. Ela gostava de sua companhia, apesar de ser um preguiçoso que a ignorava de vez em quando - o que a irritava muito -, tinha a plena consciência de que deveria ser uma das pessoas que conseguiu manter uma conversa sem ele acabar dormindo no meio desta. Era estranho, mas estranho de um jeito bom, o quanto ficavam confortáveis perto do outro, seja conversando, cantando, tocando música ou apenas ficando em silêncio.

Lizzie é independente, forte e teimosa. E isso chamava a atenção de Shuu. Ela raramente gagueja, porém facilmente fica corada. Tem a mania de fazer um bico e desviar o olhar quando fica envergonhada. Ela sorri de olhos fechados enquanto canta, como se sentisse a música - e realmente parecia colocar seus sentimentos em toda música que cantava. Nunca havia visto uma menina que é confiante e provocante, mas ao mesmo tempo sensível e sonhadora. Shuu já estava percebendo demais sobre ela, mas ainda queria saber mais sobre esses dois lados dela. Elizabeth era um desafio, e Shuu incrivelmente estava com uma enorme vontade de desvendá-la.

O loiro via que Lizzie corava mais facilmente ao lado dele, e via que ela sorria mais quando o via. E isso o causava um sentimento estranho, algo mais que felicidade. Shuu tinha certeza de que, se fosse um mero humano, seu coração dispararia toda vez que Elizabeth sorria para o mesmo. E isso o assustava, só que quando pensava em se afastar, Lizzie aparecia novamente, fazendo essa ideia sumir de sua mente. Elizabeth também percebia que se sentia bem ao lado de Shuu, mas por mais que tentasse, não conseguia colocar na cabeça que não poderia se apegar a ele. Ela também via os efeitos que causava nele. Até já conseguira fazê-lo ficar vermelho, e achou isso uma fofura, e a partir daí foram ambos tentando fazer o outro ficar corado.

Mas uma coisa deixava o clima meio tenso: quando Shuu lhe perguntava sobre seu passado, Elizabeth imediatamente desviava do assunto, parecendo que ia chorar ali mesmo quando ele começava a tocar no assunto. E então Shuu se sentia mais instigado a saber sobre ela. Lizzie era realmente um grande mistério, que aos poucos se abria para ele. E vice-versa, porque o vampiro já estava confiando na menina, e até falava uma coisa ou outra sobre seu passado, gostando do interesse da menina em si.

Quando Shuu descobriu sobre as pequenas linhas nos pulsos de Elizabeth, ficou surpreso e curioso ao mesmo tempo. Ela, que punha toda a sua confiança no vampiro, contou a sua história, mas sem conseguir segurar as lágrimas. Aquilo assustou ainda mais Shuu, visto que Lizzie sempre se mostrava forte e sorridente. E foi aí que ele percebeu que, no fundo, muitos de seus sorrisos eram apenas uma máscara. Ao contrário do que a menina pensou que ia acontecer, Shuu a abraçou, enterrando a cabeça dela em seu peito - não se importando se ia molhar suas roupas -, e apoiando a própria no cabelo dela. Foi aí que Elizabeth descobriu que poderia confiar em Shuu, e vice-versa.

ain gent q final bunitinhu
corta isso produção, estraguei o clima

♥ Relação com as outras personagens ♥

Reiji - Esses aí são como fogo e água, totalmente opostos na maioria dos tópicos. Quando Reiji começa a reclamar com Lizzie ou com alguma das meninas, ela imediatamente vai em defesa própria e de todos, não apenas para provocar - ela adora irritar Reiji, mesmo que possa acabar em problemas depois -, mas também porque quer vê-lo sair daquela vida não, não é morrer. Ela nunca tira o sorriso do rosto quando o vê, e o verdadeiro objetivo de Elizabeth é fazê-lo parar de se preocupar tanto e viver direito. Claro que ele tem toda a eternidade, mas vai passar esse tempo seguindo regras e sendo rígido não só com todos, mas consigo mesmo também? Aí também não. Ela quer mais é fazê-lo matar aula de vez em quando, ver algum filme idiota ou simplesmente ficar fazendo nada - assim como o tão amado irmão mais velho - em vez de ficar trancado naquele projeto de laboratório que Reiji chama de quarto. Claro que nunca consegue tirar sua formalidade, afinal Reiji é o Reiji, e na mente da menina, apenas a acha uma humana irritante.

Ayato - Ambos se deram bem logo de cara. Elizabeth e Ayato são verdadeiras crianças e essa amizade começou quando o vampiro começar a chamá-la de baixinha e dizer que ela não pode fazer isso ou aquilo. O que ele disse mesmo foi que ela não teria coragem de bater de frente com o professor mais chato e rígido que existe - eu consigo vê-los na mesma sala, já que ela tem 17 anos, assim como Ayato -, e o que Elizabeth fez? Exatamente, aceitou o desafio simplesmente por não gostar de ter sido subestimada. Acabou indo bater altos papos na diretoria - não antes de mostrar a língua para o professor -, mas voltou com um sorriso vitorioso de orelha a orelha, se achando por ter mostrado que pode fazer o que quiser. Então Ayato já pensou "gostei dela", assim como ela fez com ele.

Kanato - Não são próximos. Elizabeth odeia que gritem consigo, não só por uma simples raiva do jeito mimado de Kanato, mas também por sua aversão a barulhos altos. E ficar ao lado de alguém que começa a berrar do nada não combina com ela, o que a faz se afastar do vampiro. Apesar disso, quando Kanato está calmo, Lizzie o trata como um irmão mais novo, mas é capaz de soltar um palavrão se ele gritar de repente ao seu lado. Então ela respira fundo e diz: "Será que você pode, por favor, me avisar quando for gritar?", deixando as pessoas confusas, tirando as que sabem a razão de ela ser afetada por gritos. Se ele gritar com ela novamente, Lizzie apenas pede licença e sai do lugar, tentando evitar um ataque de ansiedade. E se Kanato começar a agir como uma criança mimada, Elizabeth se irrita e simplesmente sai do lugar. Ela não suporta pessoas mimadas.

Laito - Apesar de Lizzie ser um pouco mais próxima de Laito do que é de Kanato, continua não sendo próxima dele deu pra entender?. O acha engraçado e divertido, e sempre diz que é melhor ter Laito ao lado quando o clima fica tenso, além de entender todas as suas piadas e frases ambíguas, ainda sendo capaz de responder as mesmas só por diversão. Isso o incomoda, já que ela não age como todas as outras meninas. O que mais afasta Elizabeth de Laito é seu jeito exageradamente pervertido. Nada contra pessoas pervertidas - adora elas -, mas já teve que fugir de homens que passam do limite e tem um certo trauma com isso. Se Lizzie o encontrar assediando alguma de suas amigas, dará um sermão de duas horas e ainda sairá batendo o pé.

Subaru - Apesar de Subaru ser um dos mais agressivos e imprevisíveis, Elizabeth sempre o trata com a maior paciência do mundo. Ela vê algo a mais nos olhos rubis do vampiro, e apesar de este sempre tentar te afastar assim que Lizzie dá um sorriso, ela não se afeta por suas palavras bruscas - apenas algumas caretas por causa de barulhos de paredes quebrando -, e sempre o trata com gentileza. Isso sempre deixa Subaru com uma sensação estranha, uma sensação de compreensão. Mas como o vampiro não sabe muito bem como lidar com sentimentos, continua os escondendo atrás da raiva. Mesmo assim, Lizzie está disposta a entrar na pele de Subaru, algum dia.

As meninas - Elizabeth ao mesmo tempo que é daquelas bagunceiras, faz de tudo para proteger as amigas, nem que tenha que sair no tapa. Adora matar aula para fazer uma festa do pijama, concorda com tudo que tenha confusão envolvida. Não é sem motivo que é chamada de imã de problemas. E do mesmo jeito, se alguém encostar um dedo em alguma delas, pode rezar pela sua vida. Lizzie é muito carinhosa, e não poupa nada para fazer algo especial em alguma data importante ou para alguém que precisa, e claro, não podem faltar abraços em seu dia. É capaz de ela obrigar as meninas a fazerem uma fila indiana antes de irem dormir para darem "abraços de boa noite". É muito ciumenta e faz questão de mostrar que as meninas são apenas dela, e de mais ninguém.

♥ Medos, Traumas e Fobias ♥

✰ Medo de ser estuprada, não chega a ser fobia, é mais um trauma pelo o que quase já passou. E mesmo que deseja que nunca tivesse ter tido que fugir dos homens, agradece por não ter acontecido nada consigo.

✰ Medo de reencontrar a tia.

✰ Tem uma fobia enorme a gritos, e sempre que ouve algum, tem um ataque de ansiedade [também conhecido como ataque de pânico], mas sempre tenta disfarçar para não preocupar as pessoas.

✰ Claustrofobia. Depois de ficar trancada no porão durante tanto tempo, é natural que tenha adquirido essa fobia.

♥ Curiosidades ♥

» Apesar de não ser muito, Lizzie tem um leve sotaque francês, já que é originária da França.

» Nunca teve nada com nenhum menino, nem ao menos um perdeu o BV, e então sendo virgem.

» O laço que sempre usa no cabelo foi dado por sua mãe, Lilian, assim que Lizzie foi para o Japão.

» Pode ter algum animal? Se sim, ela tem uma gata chamada Lily, este nome em homenagem a sua mãe.



♥ Como ela reagiria ♥

❥ Quando seu par descobrisse seu segredo?
Ela de início ficaria estática, porque é algo que esconde das pessoas por puro medo. Depois olharia para o chão, para os próprios pés, para o chão novamente, incomodada com o repentino silêncio que havia se formado junto com a expressão chocada de Shuu. Não demoraria a não conseguir mais segurar o choro, e tentaria esconder isso, mas não daria certo.

❥ Quando descobrisse que está apaixonada?
Ficaria atordoada de início. Não saberia o que fazer, porque além de nunca ter se apaixonado antes, tinha que se apaixonar logo por Shuu? Presa em pensamentos, ficaria um pouco distante. Primeiro iria tentar comprovar se era verdade, e quando finalmente aceitar esse fato, tentaria esconder os seus sentimentos de Shuu, o que seria incrivelmente difícil, porque agora que ela sabe o que sente, as sensações apenas multiplicam. Já as meninas, teria que contar para ao menos uma, porque não aguentaria ficar com aquilo só para si, mas ainda com medo do que a escolhida achará.

❥ Quando enganasse o par para conseguir o que quer?
Se sentiria deprimida por estar traindo a sua confiança, e querendo ou não, havia se apegado a ele, mesmo tendo a plena consciência de que fazer isso era necessário. Ficaria com raiva de si mesma, e provavelmente ficaria se xingando o tempo inteiro, desde "eu sou burra" até "eu me odeio", até esse peso nas costas finalmente for embora.

Acabou? Acabou! Well, espero que tenha gostado da minha humilde ficha *---* Me diga se precisar de alguma mudança </3


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...