~MiyukiKitty - Clan Fantasy

MiyukiKitty
I AM DIVA ~ MUAHAHAHA ~
Nome: Alana||Niana||Miyu||Kitty||The Cord||Nee da Ake||Parceira of Gab•Tsu•Candy•Panda•Nemi and Yui
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Salvador, Bahia, Brasil
Aniversário: 13 de Janeiro
Idade: 12
Cadastro:

Ficha: Apocalypse


Postado


"A Luz da Manhã sempre vem"

[N]ome:
Izzy Weiss Blairke-Bukosky

[A]pelido:
Iz.
Apesar de ser chamada assim desde pequena, ela odeia o apelido, o acha exageradamente estranho e "pequeno".

[I]dade:
17 anos

[A]parência:
Amanda Steele



De cabelos artificialmente esbranquiçados - que naturalmente são morenos e bem escuros -, Izzy se destaca dos demais; Seu visual nunca é o mais delicado, além de várias cicatrizes espalhadas pelo corpo, ao qual esconde grande parte com suas roupas. O que chama mais atenção em Izzy, se não seu cabelo, são as orbes azuis. Apesar de todas suas outras características, seus olhos tem a capacidade de a dar um traço de inocência. Possui um corpo atlético, e é alta, 1,75 de altura.

[P]ersonalidade:
Izzy nunca foi o que alguém chamaria de "fácil de se lidar". Desde pequena, sempre foi uma pessoa muito grossa, fria e autoritária ao extremo. Hoje, seu temperamento não mudou muito; continua a ser indiferente com os outros e quase não demonstra carinho, até com sua própria família.
Izzy é, de certo, orgulhosa. Ninguém nunca ouviu um "obrigado", "por favor", "desculpe" ou "denada" da parte da garota. Também nunca foi alguém confiável, ou amiga, apenas gostava de tirar proveito das pessoas, por isso sempre foi odiada e repudiada pelos outros. E ela? Os fazia o mesmo.
Não é de desistir muito facilmente e chega, as vezes, a ser irritante e impulsiva, além de ter uma coragem e curiosidade automáticas.

[G]ostos e Desgostos:

Gosta de seu sossego, silêncio; para ela, a melhor imagem em sua mente é um dia de chuva onde qualquer ser vivo falante (excluindo ela) seja acertado por um raio. Gosta de mandar em todos e ser respeitada. Em seus desejos mais profundos também tem um gosto por atividades, comida fresca e história (já que sempre comeu bastante comida fresca, e seu pai lhe contava histórias antes de dormir. Acabou pegando o gosto).

Não gosta de barulho, odeia, na verdade. Ser o centro das atenções (apesar de ser tão almofadinha a ponta de falar para si mesma "Você não pode evitar"), ser confrontada; que a desrespeitem ou tentem a colocar em um nível inferior. E por mais incrivel que pareça, odeia ter seu cabelo tocado por outras pessoas.

[H]istória:

Apesar do que todos possam pensar, minha vida nunca foi normal, mesmo antes de nascer.

Meu pai era um russo, professor de arqueologia em uma universidade da França. Como era filho de fazendeiros, teve de ralar muito para conseguir estudar e se formar.
Lá, ele conheceu minha mãe, a "professora de matemática mais bonita que eu já tinha visto", nas palavras dele (não que ele tenha conhecido muitas na vida, mas enfim). Não demorou muito tempo para ele começar a dar em cima dela e a famosa paixão florescer, evoluir para o amor, e etc, e etc, depois finalmente eu nasci! Linda, forte e saudável. Ou quase isso.

Bem, acontece que eu nunca me dei muito bem com as outras crianças, nos odiávamos igualmente. Era quase uma harmonia.
E eu nunca me importei também. Não a ponto de me cortar e ter uma autopiedade depressiva. Isso só aconteceu uma vez, quando um antigo colega de meu pai, um gordo encalhado, abusou de mim.
Na época eu tinha só sete anos, mas conseguia entender que aquilo tinha acontecido pois minha casa vivia cheia de gente. Então meus pais simplesmente fizeram da casa uma área isolada, e praticamente ninguém mais apareceu por lá.

Até foi uma surpresa quando uma noite a porta foi arrombada. Assalto? Sequestro? Quem dera fosse. Naquele momento estava começando o apocalipse, algo que eu apenas esperava a hora de acontecer.

Se eu paro, olho ao redor, e fico perplexa com a destruição ao meu redor? Se eu fico horrorizada com os corpos pelos cantos? Não. Eu sabia que alguma hora aquilo iria acontecer, e que não seríamos salvos.
Por isso, não me amaldiçoo por ter simplesmente virado as costas e abandonado meus pais. Eu já sobrevivi, curiosamente, à marca, e posso não dar sorte novamente.


[5] Curiosidades:
•Nunca aproveitou nenhuma oportunidade ou talento que tinha para conseguir um futuro melhor, já que achava que não valeria a pena.

•Seus pais eram super religiosos, sendo seu pai católico e sua mãe hebreia.

•É de origem meio russa e meio oriental (provavelmente israelita).

•Seu nome deriva do hebraico Issy, que significa Promessa de Deus.

•Antes do Apocalipse, tinha vários hobbies, como fotografia e culinária.

[M]edos:
Já foi diagnosticada com aracnofobia, mas até hoje se recusa a acreditar. E se for bem observado, Izzy sempre olha para trás, pois tem medo de estar sendo seguida.

[M]anias:
Passa constantemente a mão pelo cabelo, por isso o motivo de sempre estarem um pouco desalinhados.
Também tem o costume de passar a unha do polegar direito no indicador quando nervosa ou pensativa.

[H]abilidades:
Tem um bom preparo físico, consequente de vários exercícios que faz diariamente, sem contar que já fez vários esportes ao longo da vida, entre eles artes marciais mistas como Muay Thai e Karatê.

[J]á obteve A Iluminação? Se sim, como foi?
Ainda não.

[R]elação com os Anjos:
Eu resumiria em uma palavra: Desdém. Apesar de não ter nada contra eles, acha-os inúteis; que não tem autoridade e apenas servem para seguir ordens de um deus que nunca apareceu.

[R]elação com os outros Iluminados?
Tenta ser indiferente ao extremo, se recusando a dirigir alguma palavra a alguém, apenas para ser grossa ou dar ordens.

[O] que acha de Lúcifer? E dos cavaleiros do apocalipse?
Odeia todos. Apesar de saber que algum dia tudo aconteceria, culpa-os por tudo que está sendo obrigada a passar.

E mesmo sabendo que não adiantaria, morreria feliz após atirar no meio do rosto de cada um.

[D]eseja ter par? Se sim, coloque sua relação com ele.
Sim.

Começa o tratando como qualquer outro, apenas se interessando no que o mesmo pode beneficiá-la, mas aos poucos começa a criar uma espécie de afeto. E após travar uma batalha interna, decidiu seguir o que sente, enfim se tornando protetora, possessiva e um pouquinho mais carinhosa.

[T]em um sonho? Simpatiza com alguma das causas?
Sobreviver. Fará o possível e o impossível para poder sair viva do que, para ela, já é o inferno.

[F]aria de tudo por seu sonho/causa?
Sim, a ponto de que apenas alguém que confie muito poderia pará-la

[A]lgo a mais?
No.

[C]iente que pode morrer?
Yes.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...