~Morgana_Unicorn

Morgana_Unicorn
SOU UNICORNIA SIM! Problema?
Nome: Morgana
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Aniversário: 27 de Novembro
Cadastro:

Ficha- Asylum


Postado

Palavra-chave:
''Asylum''

Nome:
Katterine ''Katty'' Richards Merryweather

Idade:
22 anos/ 11 de Novembro

Vaga pretendida:
Paciente

Gênero:
Feminino

Sexualidade:

[ ] Heterossexual
[ ] Homossexual
[x] Bissexual

História:
Katty sempre teve a vida dos sonhos. linda, popular, chefe das lideres de torcida, rica e muito desejada. Alem de a melhor e mais inteligente aluna da prestigiosa Escola Briston Hills. Tinha tudo o que querias, as melhores amigas do mundo, pais ótimos, popularidade, inteligencia e um namorado perfeito.

Certa noite, noite essa que era a de seu aniversario de 21 anos, Katterine voltava com seus pais e namorado- agora noivo- de um restaurante, no qual, todos juntos, foram comemorar seu aniversario. Conversa ia e vinha cortando o silêncio da estrada escura, e, junto ao rádio ligado no máximo, não se ouvia absolutamente nada. O carro estava em completa felicidade, mas, num desviar de olhos, seu pai, que dirigia o carro, acabou por não ver um caminhão desgovernado vindo em sua direção. E então um baque surdo. O carro entrou em chamas, as portas explodiram, o caminhão explodiu também se partindo ao meio, sua mãe, voou pela janela, seu pai e noivo, tiveram a cabeça decepada por uma porta que atravessou o vidro, perfeitamente em suas direções. Ela, acabou por ser jogada no asfalto perto da janela do carro, e então ouviu um zunido logo depois mergulhando na completa escuridão,

Nove meses se passaram, finalmente Katterine acordou de seu coma profundo. Havia se passado tanto tempo que ela nem sequer havia reparado. Ao acordar, não se lembrava de absolutamente nada, e foi apenas se lembrar do acontecido quando sua tia e unica parente viva, Emeraude, lhe contou do acidente, o qual ela, por um milagre, foi a unica sobrevivente.

Ela ficou extremamente abalada e deprimida com isso. Se recusava a falar com os médicos, ou qualquer um, se recusava a comer qualquer comida, se recusava a fazer qualquer coisa inclusive falar. Nem ao menos dormir a garota conseguia, por ter constantes pesadelos, se lembrando do acidente toda a vez que fechava os olhos.

Semanas depois, ela já aparentava estar melhor e recebeu alta, indo morar com sua tia em Dallas-Texas. Mas, mesmo saindo do Hospital, a jovem se recusava a fazer qualquer coisa, e não saia de seu quarto. Claro, ela comia sim, e as vezes conseguia dormir sem nenhum pesadelo ou quaisquer sonhos, com a ajuda dos remédios. Mas fora isso, ela estava um caco.

Mais dias se passaram e, para sua surpresa, seus melhores amigos, Elouise e Tomas, foram lhe visitar. Ao ser abraçada pelos amigos, uma coisa curiosa aconteceu. Ketty conseguiu ''ler'' os pensamentos de Loise, mas não eram bons pensamentos, do tipo:''Coitada da minha amiga, não imagino o quanto ela deve estar sofrendo''. E sim, pensamentos cruéis, sujos. Katty se desvincilhou dos braços de Louise, e ao olha-la, se deparou com uma cor que emanava de si, era uma cor de verde, um verde pálido, cor de defunto, uma cor de podre. Esta era a cor de sua aura, de sua essência. Era podre. Podre, era o que ela realmente era por dentro. Conseguia saber tudo sobre Elouise apenas com aquele toque. Sabia de todos os seus segredos, de todos os seus desejos e de todas as suas mentiras, conseguia ver quem ela realmente era. E parou para se perguntar: ''Será, que algum dia, eu realmente a conheci de verdade? Será que algo foi real, ou apenas uma ilusão, uma mera mentira?''

Para não levantar suspeitas, por ela saber de fato quem era sua melhor amiga, Katterine fingiu não ter visto nada, e foi logo cumprimentar Tomas. E, novamente, conseguira ler sua aura. Mas, com Tomas fora diferente. Dele vinha pensamentos bons, preocupados, de carinho para com ela. De apoio para tudo que precisasse. E sua aura, era azul. Um azul safira, brilhantes como o céu azul. Tão, ou mais intensos que seus olhos, que também partilhavam da mesma cor. Katterine sabia que com ele sim poderia sempre contar.

Os meses se passaram, Katterine desfez sua amizade de anos com Elouise e aprofundou mais a sua com Tomas, que desde que Katty havia se mudado para Dallas, também passou a morar lá, para ajudar a garota na sua recuperação.

Muitos dizem que os dois namoravam, ou que até mesmo se ''pegavam'', mas não, eles apenas partilhavam de uma amizade muito forte e eram praticamente irmãos. E, por este motivo, Tomas era o único que sabia dos ''poderes'' de Katty. E por falar em poderes, Katty sentia que iria acabar enlouquecendo por saber tudo sobre todos. Qualquer um que tocasse, ou sequer esbarrasse na rua, seja conhecido ou não, ela acabava sabendo tudo sobre a pessoa. E isso a dava uma enorme dor de cabeça. Isto acabava com ela, definitivamente acabava com ela. E por mais que Tomas dizia que seu poder era ''um dom vindo dos deuses'' ela apenas pensava que aquilo não passava de uma horrível maldição.

Então, no seu 22° aniversario, o qual passou a odiar, ela decidiu se presentear, se internando em um asilo. Sim, um asilo, afinal, ela só poderia estar louca não?

Créditos da Historia:
Mãe-

Pai-

Noivo-

Elouise-

Tomas-


Personalidade:
Antes do acidente, Katterine era uma garota realizada. Era feliz e espontânea e divertida. Bem humorada, estava sempre com um sorriso radiante e fazia todos a sua volta rir. Tudo para ela dava certo, era muito sortuda. Inteligente e bem sucedida! Tinha uma vida perfeita e todos a amavam. E não era para menos, afinal a garota era muito altruísta, justa e boa com todos, alem de muito caridosa também.

Mas, depois do acidente, ela ficou mais fechada. Não é mais a ''animação em pessoa'', não da mais tantos sorrisos, não fala muito, e quem chega perto dela logo se deprime. Ficar isolada, sozinha, longe de tudo e de todos, longe do mundo, se tornou constante em sua vida. Ela passou a tomar mais cuidado, e se tornou um tanto quanto neurótica e paranoica. Se tornou meio que uma ''antissocial'', com medo do que as pessoas podem lhe mostrar caso as toque. Claro, ela continua a mesma garota, só não demonstra mais tanto, e é um pouco fria por conta do que aconteceu, como qualquer um ficaria.

Motivo para ter sido internado no asilo:
Ela mesma se internou. Ela se sentia muito sufocada, e saber praticamente tudo sobre todo mundo a sufocava, ela não aguentava isso. Não aguentava viver assim. Sempre que tocava nas pessoas, isso praticamente a deixava com dor de cabeça, não conseguia viver assim, então decidiu se isolar .

Fobias:
Logo após o acidente e ''descoberta dos poderes'', ela desenvolveu Fobia Social, Claustrofobia e Hematofobia;
Ela também possui Acrofobia e Entofobia;

Photo Player:
Emma Watson

Família:
Sua única família é sua tia Emeraude Richards de 38 anos;


Observações: Eu irei trocar o ''Observações'' pela aparência, ok?
Aparência:






Status:
Rica- Herdeira de uma grande fortuna deixada pelos seus pais.

Vai querer par?

[x] Sim
[ ] Não

Vai querer hot?

[x] Sim
[ ] Não

Sabe que seu personagem é meu e que posso fazer o que quiser com ele?
Sim, eu sei.

Vai comentar e avaliar os capítulos?
Sim, sempre que eu puder eu vou, e se não puder eu aviso.

Vai cobrar capítulos?

[x] Não, entendo que tem seus motivos para fazer algum hiato.
[ ] Sim, eu estou cagando pros seus motivos. Eu só quero mais e mais.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...