~CrazyInsanity - Clan Impossibile

CrazyInsanity
Coffee Lover
Nome: Edmund Lorena ✘ Sammy ✘ Freak Show ✘ Angel Of The lorde ✘ Sourwolf ✘ Srt. Sherlock ✘ Rainha Cliche
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: Indisponivel
Idade: Indisponivel
Cadastro:

Akai Ito


Postado

AKAI ITO

Akai Ito ou fio vermelho do destino, é uma lenda de origem chinesa, e de acordo com este mito os deuses amarram uma corda vermelha invisível, no momento do nascimento, nos tornozelos dos homens e mulheres que estão destinados a serem alma gêmea. Deste modo, aconteça o que acontecer, passe o tempo que passar essas duas pessoas que estiverem interligadas fatalmente irão se encontrar!

“Um fio invisível conecta os que estão destinados a conhecer-se…
Independentemente do tempo, lugar ou circunstância…
O fio pode esticar ou emaranhar-se,
mas nunca irá partir.”

– Antiga crença chinesa

AKAI ITO “O FIO VERMELHO DO DESTINO”, HISTÓRIA:

Akai Ito significa “Fio Vermelho”, teve origem na China, durante o Período Hokuso. Segundo a lenda chinesa, a divindade a cargo do “fio” do destino, acredita-se ser “Yuè Xià Lǎorén” (muitas vezes abreviado para “Yuelao”), um antigo deus lunar “casamenteiro”. Ele é representado por um velho, conhecido como o “deus do amor e do casamento”, e aparece somente sob o luar. Dizem que vive na lua ou no “Yue Ming” (mundo obscuro, equivalente ao “Hades” da mitologia grega). Sendo este deus, o responsável por colocar o fio do destino nos humanos.
A lenda chinesa original diz que quando uma pessoa nasce os deuses amarram um fio vermelho (invisível para os humanos) nos tornozelos dos homens e mulheres que estão destinados a ser a alma gêmea um do outro. A pessoa com quem estamos fadados a passar o resto da nossa vida, não importando a situação.
Acredita-se, que quanto mais longo for o fio, mais longe e tristes as pessoas destinadas estão e vice versa… (Quanto mais curto for o fio, mais perto e mais felizes as pessoas destinadas estão). De acordo com a crença, não importa quantos relacionamentos tenhamos, pois só viveremos a “experiência do verdadeiro amor” com a pessoa que estiver na outra ponta do Fio Vermelho.

A lenda, desde então, se espalhou por toda a Ásia e, tendo sido incorporada ao folclore destas regiões, sofreu pequenas modificações.
No Japão, onde a lenda tornou-se um mito popular, a linha que conecta as almas gêmeas passou a ser associada ao dedo mindinho. Como a versão chinesa, a história fala sobre um fio invisível que é amarrado no dedo mindinho de duas pessoas que estão destinadas a viverem juntas para sempre. É como uma ligação espiritual que representa o amor eterno.
Ao se espalhar, a lenda se dividiu em diferentes versões, mas as mais conhecidas são a chinesa e a japonesa.

AKAI ITO LENDAS:

Debaixo da escura noite, iluminada apenas pela brilhante lua cheia caminhava, apressadamente, para a sua casa um pequeno menino. Enquanto caminhava encontrou um velho, sentado embaixo de uma árvore observando a grande lua.
– Boa noite rapaz! – Disse-lhe humildemente o velho que, na realidade, era o Deus Xia Lau Yue. O menino nunca antes vira o velho, por isso, continuou o seu caminho sem lhe prestar atenção.
– Sabes! – continuou o velho. – Devias começar a preparar-te para o teu destino. Já não falta muito para te tornares um homem e, como todos os homens, precisas de arranjar uma esposa.
O menino era ainda muito jovem e não mostrava nenhum interesse em se casar. – Eu nunca vou me casar. – Disse amargamente. – Isso só o destino pode dizer… Completou o ancião. – E sabes o que ele diz agora? Mesmo não estando a gostar muito da conversa o menino acenou que não com a cabeça.
Mesmo assim o velho homem continuou… – O destino diz que te casarás com a jovem que estiver do outro lado da corda que amarrei ao teu tornozelo. Pela primeira vez, o menino conseguiu ver a corda vermelha amarrada ao seu tornozelo, que se estendia no chão formando um estreito caminho cor de sangue.
Na outra ponta da corda estava uma jovem menina, sentada à porta da sua casa, observando o céu escuro da noite. O menino não queria acreditar no que os seus olhos viam, pegou então numa pedra e atirou-a ao rosto da garota, pensando que aquilo seria o suficiente para mantê-la longe dele para sempre.
Em seguida, limpou as mãos sujas de terra nos calções e correu, correu como nunca antes havia corrido, passando por tortuosos caminhos, deixando completamente emaranhada a corda vermelha que continuava amarrada ao seu tornozelo, mas que por algum motivo, já não conseguia ver.
Passaram-se anos, e o menino de outrora tinha-se transformado num belo homem cobiçado por muitas mulheres. Ele sabia que tinha de desposar uma daquelas jovens para honrar a sua família, dando-lhe continuidade, mas a verdade, é que nenhuma daquelas mulheres lhe interessava. Na aldeia, diziam que mesmo que procurassem pelo mundo inteiro jamais encontrariam uma dama que lhe agradasse.
Certa noite, o menino, agora já homem, esquecido da conversa que tinha tido com o velho a anos atrás, caminhava debaixo da lua cheia, pensando que talvez nunca conseguisse encontrar o seu par ideal. Foi então que, passando por uma das casas da região, viu a silhueta de uma mulher.
Pela primeira vez, pressentiu que aquela era a mulher com quem queria passar o resto da vida, mesmo que dela conhecesse apenas a sua silhueta. Essa jovem, por quem tão abruptamente se apaixonara, era conhecida como sendo uma das mais belas mulheres da vila, contudo raramente saia de casa por ter vergonha de uma cicatriz em seu rosto.
Contudo, pelo arranjo de seus pais, os jovens acabaram comprometidos, marcando seu casamento. No tão esperado dia, a jovem não mostrou o rosto, mantendo-o escondido sob o tradicional véu. No entanto, no fim da cerimônia, quando se encontravam sozinhos, o homem perguntou-lhe por que motivo ela ainda cobria o rosto. – Acredite, não vai querê-lo ver. É feio e está marcado por uma horrível cicatriz. – Respondeu. – Quando era pequena, um rapaz atirou-me uma pedra ao rosto, deixando uma cicatriz sobre a minha sobrancelha.
Aquelas palavras trouxeram-lhe à memória aquela noite. A noite em que tinha falado com o velho, o deus Xia Yue Lau. E com um suave movimento retirou o véu da sua esposa, deparando-se com a mais bela mulher que alguma vez havia visto. Nesse dia o jovem percebeu que não adianta fugir, pois o destino do Akai Ito será sempre cumprido.


Outra história envolvendo o fio vermelho do destino, conta sobre um casal e um desenrolar não tão feliz assim…
Um homem caminhava tranquilamente pelas montanhas. Caminhava feliz, pois ia visitar a sua pretendida noiva. De repente, um velho homem apareceu diante dele. -Sendo eu o Deus Xia Lao Yue, tenho o poder de ver a corda vermelha que liga uma pessoa à outra. E posso alertar-lhe que a pessoa que estás a ir visitar agora não é a tua destinada e, se casares com ela, não será feliz. A pessoa a quem a corda te liga é aquele bebê. – Disse, apontando para um bebê que dormia no colo de sua mãe.
O homem não acreditou numa única palavra de Xia Lao Yue e, apaixonado e cego pela raiva diante de tal revelação, encarregara o seu criado de matar a pretensa criança, ateando fogo na casa em que a mesma morava. No entanto tudo o que o Deus lhe dissera era verdade. O homem não estava ligado à sua noiva, e foi muito infeliz durante todo seu casamento, até se tornar viúvo.
Passaram-se muitos anos e, um dia, quando já tinha perdido toda a esperança de voltar a ser feliz, estava novamente a andar pelas montanhas quando encontrou uma bela mulher. Sem saberem o que tinha acontecido no passado, os dois se apaixonaram perdidamente e se casaram, descobrindo finalmente a felicidade. Por se amarem, e para não terem segredos um para com o outro, o homem contou tudo o que havia feito no seu passado.
A jovem desatou a chorar, e entre soluços disse: – Aquela garotinha era eu, perdi tudo, meu pai, irmãos… Mas minha mãe me embrulhou em um pano molhado e me salvou. A verdade era um fardo muito doloroso e resolveram se separar.
O velho deus Xia Lao Yue, ficou muito triste com os dois, pois seu amor era sincero. Então, reatou no tornozelo do homem e da jovem o fio vermelho, na esperança de que os dois se reencontrem um dia…

YUBIKIRI GENMAN “RITUAL DE JURAMENTO”

Foi ainda a partir desta lenda que surgiu o Yubikiri Genman. O Yubikiri Genman é um ritual de juramento japonês, muito simples, no qual as duas pessoas que estão a fazer uma promessa unem os dedos mindinhos e cantam o seguinte:

“Yubikiri genman: uso tsuitara hari sen bon nomasu yubi kitta.”

“指切りげん: まんうそ ついたら 針 千本 飲ます指切った。”

o Yubi (指 Yu-Bi): significa dedo.
o Kiri (切り Ki-Ri): Cortar ou um corte.
o Genman (げんまん Guen-Man): Punho.
o Uso (うそ U-So): Mentir / uma mentira.
o Tsuitara (うそ ついたら Tsu-I-Ta-Ra): Se eu mentir / Se eu estiver a mentir.
o Hari (針 Ha-Ri): Agulha.
o Hari sen bon (針千本 Ha-Ri Sen Bon): 1000 agulhas.
o Nomasu (飲ます No-Ma-Zu): Beber (Neste caso engolir).
o Yubi Kita (指切った Yu-Bi Ki-Ta): Cortarei o meu dedo. (Esta é a ultima frase dita e serve para quebrar a ligação dos dedos e celar a promessa.)

Promessa do dedo mindinho: Se eu estiver a mentir, engolirei 1000 agulhas e cortarei o meu dedo.

O objectivo deste ritual é garantir que a promessa seja cumprida


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...