{.::masters.of.war_+;;


Postado



“— And physically she was fine. It was just that whole rest. Emotionally, psychologically, romantically; could not be worse.”


“the good and the evil, this is war”


Nome completo:

Thomas Vagarneald Lee — gosta de ser chamado apenas por Tommy, Lee ou algo do tipo.

Idade:

Dezenove (19) anos de idade, nascido em quatro de maio de mil novecentos e noventa e sete (04/05/1997).

Aparência:



{byun baekhyun}

Dono de madeixas escuras — que são quase sempre tingidas — e olhos puxados, acompanhado dos traço infantis e seus 1,74 de altura o fazem assemelhar-se a uma criança na puberdade, o rosto limpo de qualquer cicatriz ou espinhas, a pele branca — como a de qualquer outro asiático — dá um destaque maior aos lábios rosados e machucados por culpa do vício de mordiscá-los. Dentes brancos e caninos levemente afiados, nada de exagerado, nariz redondo e levemente arrebitado na pontinha; o Vagarneald pode facilmente considerar-se um homem lindo.
Seu corpo é pouco definido, nada de especial, pele sensível á toques brutos podendo ficar manchada facilmente. Sinceramente, Thomas não se acha grande coisa.

História:

Seus pais, Lee Dahyn e Maeve Vagarneald, eram conhecidos de infância. Nunca mantiveram uma relação estreita e conviviam apenas por serem vizinhos. Quando a situação financeira de ambos caiu para um nível crítico, casaram-se na esperança de conseguirem sobreviver. Isso provou-se uma péssima ideia; Dahyn possuía um temperamento irritadiço — com sérias tendências violentas —, e apenas o auxílio financeiro impediu Maeve de separar-se.

Alguns anos após a fatídica união, Thomas nasceu; o único filho que teriam. Foi visto pelo pai com irritação, por ser mais uma boca para alimentar, e por sua mãe como a corrente que a ataria para sempre àquele casamento infeliz.

Nunca recebeu, portanto, atenção ou amor de qualquer um deles.

A irritação e violência de Dahyn ficaram cada vez mais acentuadas com o passar dos anos. Thomas, antes considerado uma criança insignificante, passou a ser visto como sua segunda vítima. Seus acessos de raiva e violência acabaram por unir mãe e filho de forma inusitada, e ele conseguiu até mesmo adquirir carinho por ela. Escondiam-se juntos e protegiam um ao outro, mesmo que tais ações servissem apenas para atiçar a cólera do agressor.

Transformou-se pela primeira vez aos quatorze (14) anos, exatamente no dia de seu aniversário. Foi doloroso — sentiu seu corpo curvar-se, as unhas curtas darem lugar a garras, os dentes tornarem-se presas e caudas crescendo em si. Para além da dor, quase morreu de susto; não fazia a mínima ideia do que estava acontecendo consigo. Quando a transformação completou-se, a mudança súbita de perspectiva o deixou ligeiramente tonto e ele não fazia ideia de como usar as quatro patas de uma vez. A situação toda havia sido surpreendente o bastante para que ele cogitasse a hipótese de um sonho — rapidamente descartada — e não fizesse nada além de ficar parado por um bom tempo.

Quando finalmente decidiu "testar" seu novo corpo, quinze minutos haviam passado. Apenas sua mãe estava em casa; ela não pôde reconhecer a enorme raposa vagando pela cozinha e, num ataque de pânico, fugiu - para nunca mais ser vista. Thomas tampouco sabia o que estava acontecendo consigo. Após voltar à forma humana, sua confusão deu lugar ao desejo — cravar suas novas garras no peito daquele que tornara sua vida tão infeliz. O sentimento de impotência que sentira durante tantos anos poderia ser facilmente aplacado com uma segunda transformação. Possuía, porém, uma moral firme demais para tais atos - sabia que, ao cometer um ato tão violento, seria igual a Dahyn.

Thomas transformou-se uma segunda vez poucas semanas depois, após remoer a ideia durante tanto tempo e encarar suas novas orelhas no espelho. Queria entender como aquilo funcionava - precisava transformar-se uma segunda vez. Passada a confusão da primeira transformação, Thomas pôde experimentar uma sensação de liberdade completamente nova.

E sem querer segurar-se, saiu de casa para correr e explorar em seu novo corpo.

Personalidade:

Thomas é no geral uma pessoa fechada, porém simpática, com certeza não o irá ver sendo grosso ou ranzinza sem razão alguma pois costuma ser amável e prestativo com todos, por conta disso é normal encontrá-lo sempre rodeado de alguns amigos ou conhecidos e algumas vezes sozinho, talvez por ele ser uma pessoa difícil de se aproximar, desafiando os outros a conquistar sua confiança. Claro que nem tudo são rosas, mesmo que o garoto não goste de arrumar confusão por si só, definitivamente sua paciência não é infinita, não é do tipo tolo que aguenta receber desaforo com um sorriso na cara, ele se irrita sim se provocado e com certeza não será bonito se explodir. Não gosta de ser passado pra trás e tem certo espírito competitivo, perder não é algo que ele leve exatamente “na boa” pelo fato de sempre dar seu melhor em tudo que faz, um garoto que se cobra mais que todos a sua volta.

Confia plenamente na capacidade das pessoas que ama, sendo do tipo que sempre estará lá por elas, seja as apoiando ou dando conselhos sinceros mesmo que não seja exatamente o que queiram ouvir, talvez sua plena confiança não seja da mais fácil obtenção mais com certeza vale a pena, mas cuidado porque uma vez que se trai sua confiança nunca mais irá tê-la novamente e ele vai fazer questão de deixar isso muito claro. Em relação a seus próprios sentimentos, tem certa dificuldade em demonstrá-los de modo efetivo, quer dizer ele tende a guardar suas mágoas e inseguranças pra si mesmo, tanto para não preocupar as outras pessoas quanto para não transparecer fraqueza e fragilidade.

Seu personagem é um:

Kitsune.

Gostos:

Tempos frios, de preferência, nevando.

Ouvir, cantar e dançar músicas favoritas suas - no máximo volume, claro.

Qualquer tipo de animal terrestre, dispensa sem pensar duas vezes os aquáticos.

Arqueologia, é completamente apaixonado por dinossauros e a era jurássica.

Desgostos:

Odeia mimimi. Simples.

Ele odeia ser comparado com Dahyn, tanto pela aparência, tanto pelos adjetivos.

Criaturas abissais, acha-as feias e no mínimo, assustadoras.

Épocas de calor, não vê necessidade nas mesmas, além do suor se muito e pela mania de limpeza, ter que tomar quatrocentos banhos por dia em tais épocas.

Manias:

Mania de limpeza.

Rói as unhas sempre que entediado, coisa que acontece com frequência.

Machucar os lábios é algo normal para o garoto, desde morder à mordiscar.

Mexer no cabelo.

Medos:

Altura, sempre que está em um local muito alto costuma ficar tonto.

Avião, um dia viu pessoas comentando sobre um acidente fatal, deixando-o apavorado.

Tem medo de se afogar, para Thomas essa é a morte mais tortuosa possível.

Tem um medo mórbido e injustificado do oceano. Sua fobia está relacionada ao medo de ondas grandes, medo do imenso vazio marinho, medo das criaturas consideradas grotescas ou assustadores aos olhos dele e tudo isso só piora com sua ansiedade e o fato dos oceanos serem vastos e pouco explorados.

Habilidades:

Flexibilidade; porém uma noção de espaço levemente ruim.

Visão e olfato aguçados mas sua audição é uma tremenda bosta.

Tem uma ótima pontaria.

Ele pode facilmente se considerar o melhor cozinheiro, mas ele com certeza não o faria.

Orientação sexual:

Bissexual.

Quer ter um par na história?

Claro, porque não?

Música tema:

RE-BYE - AKMU || RE-BYE - AKMU (Legendado)

Algo a mais?

Consegue mudar o timbre da voz se bem quiser, sem forçar as cordas vocais a um nível exaustivo.

Não fuma e bebe pouco. Odeia cerveja e bebidas fortes. É fraco para o álcool e por isso evita beber até as coisas mais leves.

Gosta de animais, porém acha cruel demais tirá-los da liberdade para aprisioná-los em um apartamento.

Prefere bebidas do que comidas.

Já atropelou um gato com uma bicicleta, por isso tem "medo" de se aproximar demais de algum gato e acabar o matando sem querer, mesmo gostando muito do animal, prefere ficar um pouquinho afastado dele. Os miados desesperados daquele pobre gatinho ainda o atormenta.

Tem um panda de pelúcia chamado Senhor-Não-Racista, costuma desabafar com ele quando está completamente sozinho.

Ciente que seu personagem estará sob meu total domínio se enviar essa ficha?

Sim estou.




“— Thou shalt become eternally responsible for what captives.”


“the good and the evil, this is war”



– in progress....


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...