~Nataori

Nataori
Daddy's lil Monster
Nome: Luan
Status: Usuário Veterano
Sexo: Masculino
Localização: Uberlandia, Minas Gerais, Brasil
Aniversário: 14 de Novembro
Idade: 18
Cadastro:

Ficha - Suicide Squad


Postado



Tu és um Panda, chamado Mika \o/

1° Ficha – Antes de se tornar vilão


╋ Nome Completo: John Elliot Williams


╋ Significado dos nomes:

Jhon - "Deus é cheio de graça", "Deus perdoa".

Elliot - "O senhor é meu deus"

Williams - "Desejo", "Proteção"


╋ Apelido(s):

- Johnny - Ele acha estranho um apelido que deixa seu nome maior, mas não se importa muito quando o chamam assim.


╋ Nacionalidade: EUA


╋ Idade: 25 anos

╋ Sexo: Masculino


╋ Sexualidade:Bissexual


╋ Dia do nascimento: 06/12/1995


╋ Signo: Sagitário, com lua e ascendência em Ares

(P.s: Dessa vez sem mapa astral porque esse computador não ajuda >//<)


╋ Aparência: Cabelos em uma coloração tão escura que apenas pode ser chamado de negros, pele clara e geralmente excessivamente pálida, chegando a por vezes ter um aspecto doente, o que é reforçado pelo corpo naturalmente magro, o deixando com uma aparência um pouco "frágil", mesmo com seus 1,85 de altura. Seus olhos são um estranho tom azul, que por vezes tendem a parecerem acinzentados, como um céu nublado e outras vezes tão azuis como um oceano.
















╋ Personalidade: Em sua infância, costumava ser uma criança quieta, gentil e muito carinhosa, daquele tipo que não podia ver lagrimas nós olhos se alguém que logo se aproximava com palavras carinhosas e abraços apertados.Já na adolescência, digamos que ele não pode ser considerado a pessoa mais sociável e extrovertida de sua turma, ou de sua família, mas ele também não era o tipo "antissocial". Sempre uma pessoa divertida, com suas piadinhas sarcásticas e inteligentes, aproveitando bem de todos os momentos para faze-las, tendia também a ser uma pessoa "bobona" e atrapalhada, sempre divertindo a todos com seu jeito meio "palhaço da turma". Um grande fã de aventuras, nunca perdia uma festa, uma chance de um passeio ou de uma viagem, mas tudo para ele tinha que ser agora. Se queria beijar alguém, queria nesse momento, depois já era, passou, mudou. Nunca foi uma pessoa que ficava para baixo com facilidade e ele apenas se machucaria caso alguém realmente pisasse fundo na bola e nesse caso, sem meias palavras, era franco o suficiente para mandar a pessoa ir a merda e se ela insistisse tinha a boa vontade de se levantar e "dar na cara" ate que a pessoa deixasse de ser idiota. Franco, divertido, bem humorado, bobão, um pouco louco, impaciente, excessivamente precipitado e desprendido de tudo e todos ao seu redor. Alguém que apenas curte cada momento de sua vida sem pensar muito no amanha.

╋ História: Sua mãe engravidou cedo, aos 16 anos de idade e após descobrir que a namorada estava grávida, seu pai simplesmente decidiu que "não era hora de ter um filho" e insistiu para que ela abortasse. Felizmente para Jhonny, sua mãe era incapaz de fazer aquilo, ela já amava muito o bebe e se sentiu frustrada ao descobrir que o namorado não compartilhava desse amor, então eles terminaram. A parte mais difícil foi quando ela teve que contar a seus pais, ambos extremamente religiosos e conservadores a expulsaram de casa, dizendo que aceitar uma filha gravida aos dezesseis anos em casa era a mesma coisa de jogar "fora" o nome de toda a família. Desamparada a garota buscou um trabalho para conseguir alugar um lugar para ela e o filho, mas não conseguiu facilmente. Acabou contando com a ajuda de uma amiga, que ofereceu um quarto na própria casa para que ela ficasse ate conseguir onde morar, Depois de muita luta ela finalmente conseguiu um emprego como domestica em uma casa de família, o dono da casa a chamando para morar com eles durante o tempo que ela estivesse trabalhando ali. Ela sabia que não podia depender da casa da amiga e por isso se mudou para a casa dos patrões, eles haviam lhe dito que ela poderia ficar por ali ate ter o dinheiro suficiente para alugar um local para ambos, contando que o bebe não atrapalhasse seu trabalho.Embora não tivessem muito dinheiro, com o tempo eles tinham um lar e podiam viver pacificamente. Jhonny entrou para a escola, se tornando um "filho exemplo" para sua mãe, era o garotinho adorável que todos gostavam. Já aos 10 anos ele começou a passar os dias sozinho em casa, sua mãe havia conseguido dois empregos, o que lhes davam uma vida mais confortável, porem também contribuiu para o desenvolvimento do espirito livre e independente do garoto devido as ausências de sua mãe. Aos doze ele fez seus dois melhores amigos, Mark e Alec, os três tendo interesse pelo mesmo tipo de musica "macabra e sombria", assim como pelo magico e o místico, eles gostavam de brincar com fantasmas e quando Jhonny se tornou o "bobão" da turma, Mark se tornou o fanático leitor de ocultismo e Alec o "nerd" não "CDF", o que não os impediu de continuar com a amizade e mais tarde, já aos 15 anos formarem uma pequena banda, que ate mesmo viajava as cidades vizinhas para cantarem em algumas festas e eventos. Foi apenas em seu ultimo ano escolar que as coisas saíram do controle.

✖ Família ✖


▶ Nome: Amélia Alison Williams

▶ Idade: 41 anos

▶ Relacionamento com o personagem: Eles sempre tiveram apenas um ao outro, por isso um sempre foi a força do outro, uma relação realmente engraçada, onde não pareciam mãe e filho e sim amigos prontos para se ajudarem, mas sem perder o amor incondicional que sentiam, mesmo sem trocar muitas palavras.

▶ Aparência:



▶ Vivo ou morto:Viva, porem em coma.


2° Ficha – Vilão


╋ Identidade falsa: Jack Strange

- Essa se tornou sua assinatura, uma homenagem ao Jack estripador e uma menção a sua própria forma de se vestir e se portar.

╋ Aparência de vilão:Fez uma tatuagem em forma de risco, de um lado ao outro em seu rosto e seu corpo perdeu um pouco do aspecto extremamente magro.






╋ Habilidades:

- Tiro
- Imobilização de oponente
- Defesa pessoal simples
- Tocar guitarra
- Cantar
- Cozinhar
- Fazer vários tipos de "drink's".

╋ Poderes: Nenhum poder ~


╋ História de vilão: Em seu ultimo ano escolar, as coisas iam bem, ele se preparava para as provas e planejava com os amigos para qual faculdade eles entrariam . Entretanto em um dia aparentemente normal de aula, quando todos estavam em suas salas, esperando pelo professor, um grito preencheu os corredores vazios, sendo seguido pelo som de tiros. Depois desse momento, o caus se instalou por toda a escola, alunos gritavam, tentavam se esconder dos atiradores, mas a maioria caiam mortos nós pés uns dos outros, fazendo alguns deles tropeçarem e irem de encontro ao chão. E foi assim que, após tropeçar no corpo de uma ex colega de sala, ele acabou caindo no chão, o atirador entretanto já havia disparado contra ele e com sua queda, Mark foi atingido pelas costas, caindo morto a sua frente. Em desespero ele tentou se levantar e ajudar o amigo caído, mais logo ouviu um estrondo muito alto e tudo lentamente virar escuridão. Quando acordou, ele não sabia direito se estava sonhando, mas o quarto branco do hospital e a figura chorosa de sua mãe a seu lado lhe alertaram que tudo havia de fato acontecido. Ele não sabia como reagir, não sabia o que pensar, apenas sentia muita dor, um vazio imenso que se preencheu seu peito, tudo piorou com a noticia de que Alec, que não havia ido na aula naquele dia, se suicidou assim que descobriu que um de seus melhores amigos estava morto, como boa parte dos alunos de sua escola e o outro estava deitado em uma cama quase morto após levar um tiro na cabeça, mas com o passar dos dias Jhonny apenas sentia amargura, perdeu completamente a vontade de viver, as coisas não pareciam fazer nenhum sentido e ele só sentia muito ódio de quem havia arruinado o seu ultimo ano escolar, mas ele ainda tinha sua mãe, então se esforçava para sorrir e não deixar a raiva e a amargura lhe dominarem. Foi nessa época, enquanto ainda se recuperava do tiro que levou ( e que por pouco não lhe matou ou deixou alguma sequela incurável) que ele conheceu Juliet, uma enfermeira doce e dedicada, que dedicava um pouco do seu tempo para conversar com o garoto e faze-lo esquecer do incidente e da falta que seus amigos faziam, não demorou muito para que ele ficar completamente "fisgado" pela mulher, uma vez que ele sempre foi o tipo de pessoa que sofria por rápidas e alucinantes paixões intensas. O problemas era que a enfermeira não parece cultivar o mesmo sentimento pelo garoto e logo tentou se afastar dele, mas em um belo dia, ao entrar no quarto de seu paciente para lhe dar a dose diária de remédio, o mesmo lhe atacou e por pouco não levou aquilo "mais a fundo", sendo interrompidos pela mãe, que ficou enfurecida com o comportamento do filho e chegou a bater no paciente, mas implorou para que a enfermeira não o denunciasse para a policia. A enfermeira, que já duvidava da sanidade do garoto, preferiu acatar o pedido da mãe desesperada, mas repensou no caso mais tarde, lembrando-se que não estava colocando apenas sua vida como a de suas colegas de trabalho em jogo e por fim o denunciou. Jhonny deveria ter sido preso, mas como ainda estava se recuperando do tiro levado na cabeça e tinha o psicológico em jogo, acabou sendo levado para o asilo Arkham, onde estava impedido de fazer qualquer mal a outras pessoa e podia tratar seus problemas psicológicos, embora ele insistisse que não tinha nenhum. Cerca de dois anos apos o ocorrido na escola, agora aos 20 anos, ele se via novamente livre e retornou para a sala de aula, apenas para descobrir que era incapaz de conviver de novo em um ambiente escolar, apenas de entrar na sala ele começava a ter crises de panico e revivia os momentos anteriores. Desistindo de seu futuro acadêmico, acabou arrumando um emprego como barman em uma boate para ajudar sua mãe com as despesas de casa e entrou em uma especie de "curso" para se tornar segurança. Em uma dessas noites de trabalho, ele reencontrou Juliet e descobriu sem querer que ela trabalhava como "acompanhante de luxo" para conseguir dinheiro extra, aquilo foi o suficiente para deixa-lo enfurecido, sem acreditar que havia ficado mais de um ano preso em Arkham por tentar atacar a moça (coisa pela qual se arrependeu profundamente) e ela trabalhava vendendo o próprio corpo, foi então que, planejando se vingar, ele reuniu a quantidade de dinheiro necessária e se passando por um cliente, pediu pelos serviços da enfermeira, quando ela entrou no quarto e descobriu a verdadeira identidade de seu cliente ela lhe disse que não faria o serviço e que chamaria a policia caso Jhonny tentasse algo, o garoto ficou ainda mais irritado e perguntou qual era o problema em fazer o serviço para ele se ele estava pagando, a mulher magoada lhe disse que o corpo era dela, e ela fazia o que quisesse com ele e que ela não queria mais ter que olhar para um garoto estranho como ele, aquilo sendo mais do que o suficiente para o fazer sair por completo do eixo, ele apenas retirou a arma que havia comprado para seu futuro trabalho como segurança e atirou na garota, que não teve chances de se defender. O sangue escorrendo pelo chão, a arma em sua mão e o corpo caído o fizerem surtar, lembrando-se mais uma vez do dia da chacina em sua escola e em desespero ele ligou para sua mãe, lhe contando o ocorrido, a mulher desesperada correu até o filho e em panico pelo momento, o ajudou a "se livrar" do corpo da enfermeira, mas ela não conseguia se perdoar pelo que tinha feito. Já Jhonny, tinha dado adeus a seu bom senso e depois disso passou a perseguir garotas de programa, sem de fato chegar a matar nenhuma, até que, em um dia após um consumo excessivo de álcool, ele acabou contando o que fez a Juliet a uma deles e depois, teve que mata-la, com medo que ela espalhasse o ocorrido, dessa vez matou a garota asfixiada com um travesseiro. A adrenalina causada por aquela sensação o faziam se sentir novamente vivo, como nas épocas de aventura escolares e foi assim que pela primeira fez ele assinou seu "novo nome" no corpo de sua vitima, "Jack Strange". Ele mais uma vez se livrou do corpo, dessa vez sem o conhecimento de sua mãe, o problema e que os assassinatos continuaram e como esperado para alguém tão descuidado como ele ao realizar os crime, a policia não demorou a encontra-lo e prende-lo. Sua mãe, que não se perdoava por ter ajudo o filho com Juliet, entrou em desespero com a prisão do garoto e em uma tentativa de se "punir" por tudo o que havia acontecido, pulou de um prédio. A queda não foi o suficiente para mata-la, mas o suficiente para deixa-la em coma.

╋ Personalidade de Vilão: Se antes ele fazia as coisas de modo inconsequente e sem pensar nós resultados, agora ele mais se parece com um trem desgovernado, passando por cima de tudo e todos para alcançar o que deseja, vive em função da sua vontade de sentir mais uma vez a adrenalina de matar suas vitimas, sua forma favorita sendo deixa-las morrerem asfixiadas lentamente. Extremamente sem noção, o tipo de pessoa que fala pelos cotovelos e adora fazer alguma piadinha idiota, as vezes ele se perde nas próprias lembranças e geralmente fica em estado de choque quando isso acontece, tende a gostar de provocar as pessoas apenas para testar o limite delas e não sabe quando é a hora de "esperar", fazendo as coisas quando quer e no momento que quer, depois já era, passou. A unica coisa que ainda resta de seu antigo "eu" é a melancolia e saudade por seus amigos mortos e a culpa que sente pelo estado da mãe. Ele não necessariamente gosta de ser um vilão, ou do que se tornou, mas ama o sentimento de liberdade e adrenalina que isso trás.

╋ Roupa de vilão:







╋ Armas:



- Sua arma favorita, adora usa-la para asfixiar suas vitimas, comprou em uma loja especializada em construção.



- Comprou em uma loja, para seu "treinamento" como segurança.



- Comprou quando ainda era adolescente, do pai de seu amigo Alec.


Informações


╋ Gostos:

- Rock
- Bebidas alcoólicas
- Programas de televisão
- Jogos antigos
- Quadrinhos
- Preto
- Viagens
- Aventuras
- Asfixiar pessoas
- Sua mãe

╋ Desgostos:

- Prostitutas
- Tiroteios
- Pessoas "certinhas"
- Falsidade
- Escolas
- Hospitais (principalmente se forem psiquiátricos)
- Desanimação
- Silencio
- Ficar preso
- Receber ordens
- Se sujar de sangue
- Que riam da dele e não com ele
- Soldados

╋ Manias:

- Passar a mão pelos cabelos para joga-los para trás
- Arquear as sobrancelhas sempre que duvida de algo
- Fazer comentários sarcásticos apenas para provocar os outros
- Dormir de olhos abertos

╋ Medos:

- Perder sua mãe
- Nunca mais conseguir deixar seu vicio de matar pessoas de lado
- Voltar para Arkhan
- Coringa, ele realmente tem medo do palhaço louco e todos os seus seguidos que atiram para todos os lados.


╋ Objeto valioso: Por alguma ironia do destino seu objeto mais valioso é uma guitarra "do Batman", o ultimo presente que ganhou de seus melhores amigos, antes de tudo acontecer.




╋ Extras da aparência:






╋ Alguma meta de vida: Seu real sonho é conseguir voltar no tempo, para o dia em que sua escola foi ataca e assim pode salvar seus amigos e sua própria sanidade, mas sabendo que isso é impossível, ele apenas espera poder conseguir o perdão de sua mãe algum dia.

╋ Par:


( ) Escolherei eu mesmo
( ) Criarei o par do meu personagem
(X) Quero que a autora escolha por mim

- O que ele procura nas pessoas?Audácia, loucura e principalmente iniciativa, ele tem uma certa paixão por movimentos e pessoas ativas, assim como um certo repudio a pessoas muito "certinhas" e "soldados" que apenas seguem ordens em silêncio.

╋ Música do personagem:




╋ Frase que seu personagem sempre diz ou interpreta em sua vida: "O que? Eu nem sei se vou estar vivo amanha!"


╋ Algo a mais:

- Sua mãe escolheu seu nome especificamente para que "deus lhe perdoasse", pois embora ela não quisesse admitir, seus pais conseguiram a fazer acreditar que ela era um monstro destinado ao inferno por ter engravidado tão cedo.

- Aos 17 anos, ele e os amigos eram fanáticos pelo Batman, o que o fez ate mesmo fazer uma tatuagem em "homenagem" ao morcego.


╋ Sabe que posso matar seu personagem se preciso, não sabe: Yeps :3

╋ Seu personagem será de minha autoria a partir dai, tem noção disso: Claro ~






1° Ficha – Antes de se tornar vilão


╋ Nome Completo: Angel Jamie Fournier


╋ Significado dos nomes:

Angel: Anjo, mensageiro
Jamie: “Aquele que vem do calcanhar”


╋ Nacionalidade: Francês(a)


╋ Idade: 26

╋ Gênero de Nascimento: Masculino

╋ Gênero: Gênero fluido


╋ Sexualidade: Assexual


╋ Dia do nascimento: 03/02/ 1994


╋ Signo: Aquário, com lua em câncer e ascendência em leão.


╋ Aparência: Sua aparência tende a parecer angelical, embora não seja nem de longe uma beleza comum. Pele pálida como um papel, cabelos descoloridos em um loiro platinado tão claro que tende a parecer branco, lábios geralmente sem cor e olhos expressivos em uma tonalidade castanha que contrasta brilhantemente com toda sua palidez. Por volta dos 1,60 de altura, corpo muito magro e de aparência quase frágil, sem se quer um músculo proeminente.

(Eu realmente não consegui nenhum gif, mas estou mandando mais de 1 video, então espero que compensar T-T)









[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=pAiy-_WQagE[youtube]





╋ Personalidade: Angel sempre foi uma criança calma e tranquila, do tipo que evitava entrar em conflito ou provocar as pessoas. Gostava de ficar em seu cantinho, lendo qualquer conto de fadas ou livro que lhe fosse entregue, preferindo ajudar suas “tias” a brincar com as demais crianças e desenhar a perder tempo saindo em passeios escolares ou qualquer coisa nesse sentido. Na verdade Angel tinha muito medo, sentia que não se encaixava em nenhum lugar, que não era como os outros e por isso preferia agradar as pessoas ou quando não pudesse fazer isso gostava de simplesmente nem mesmo ser percebido. Com seus amigos imaginários era uma pessoa divertida, dava risadas em momentos aleatórios e adorava criar diversos contos para contar a eles, com as suas “tias” também era sempre gentil e muito educado e com os seus “irmãos” simplesmente gostava de mostrar seus desenhos ou ler alguma historinha para todos na hora de dormir. Se divertia ao som de uma boa musica e perdia por parte de seu tempo literalmente no mundo da lua, o que o fazia ser um péssimo aluno, por mais que fosse inteligente e aprendesse as coisas com facilidade. Angel parecia simplesmente nunca ter vivido no mundo real, por mais que se magoasse e chorasse com facilidade quando tentavam lhe trazer para esse.


╋ História: Angel nasceu em uma família muito pobre no interior da frança, devido as ressecções financeiras de seus pais, que também já tinham outros filho, ainda bebe foi dado a um orfanato em Paris. Não era difícil que vários pais estivessem interessados em adotar um bebe, mas por algum motivo nenhum deles se afeiçoava “ao menino” de olhos castanhos chorosos e pele pálida de mais, sendo assim acabou sendo criado entre as varias crianças mais velhas no orfanato onde foi deixado. Nunca se sentiu confortável ali, não lhe parecia um “lar”, lhe faltava o amor e carinho necessário para qualquer criança e nem mesmo as outras crianças do lugar pareciam gostar de si,”ele é esquisito”, era o que elas sempre diziam para as tias quando elas questionavam o porque de eles não brincarem com “o irmãozinho”. Devido a isso, Angel preferiu se isolar cada vez mais das demais crianças, até mesmo na escola ele não conseguia se adaptar, sentia-se um estranho, um alienígenas entre eles e foi então que ele começou a ler, aos seis anos de idade. No mundo dos livros ele encontrava seu consolo, sua inspiração, sua esperança para dias melhores, se imaginava nas historias e imaginava se algum dia poderia viver algo assim, sonhava acordado e depois chegaram seus “amigos imaginários”, muitos deles personagens de seus livros favoritos, finalmente a companhia que tento desejava para suas brincadeira antes tão solitárias. Aos 13 anos, já não tinha nenhum esperança de que algum dia conseguiria uma família, seus amigos imaginários já não lhe davam o suporte necessário e ele se tornou ainda mais quieto e solitário. Aos 15, descobriu que não era mesmo como os outros, detestava que lhe dissessem o que ele “devia ou não vestir”, se irritava por não poder usas as maquiagens que gostava e chorava de raiva quando as demais crianças do orfanato caçoavam de seus “estilo diferente” e lhe diziam que “ele era gay” ou “se parecia com uma garota”. Aos 18 anos finalmente pode sair daquele lugar que lhe fazia tão mal e a partir desse ponto seguir com sua vida. Não havia conseguido entrar para um faculdade devido a suas notas baixas e sem nenhum amparo, apenas pode se deixar levar pelos caminhos que a vida lhe guiassem. Aos 19, enquanto trabalhava em um pequeno Bistrô, um cliente lhe chamou para tentar na vida de modelo, lhe dizendo que sua beleza atípica era muito apreciada naquele ramo. O que poderia haver de ruim em tentar?



✖ Família ✖


▶ Desconhece a existência de seus familiares, nunca teve interesse em procura-los e tudo o que tem vindo deles é o seu sobrenome, o restante tendo sido escolhidos pelas funcionarias do orfanato que lhe acolheu. Se quer tinha uma certidão de nascimento ao ser deixado no orfanato e o que lhe colocaram como sobrenome estava escrito na manta em que ele estava enrolado.


2° Ficha – Vilão


╋ Identidade falsa: Poupée, ou em inglês Doll, assumiu esse nome porquê era assim que "seu mestre" o chamava.

╋ Aparência de vilão: Cortou os cabelos acima do ombro e as vezes, deixa a parte superior deles azul.





╋ Habilidades:

- Fazer facilmente e rapidamente qualquer tipo de calculo.
- Excelente estrategista.
- Habilidade de distração.
- Habilidade de sedução.
- Pode facilmente amenizar conflitos, usando para isso apenas seu carisma.
- Habilidade em se disfarçar.
- Resistencia a dor.
- Agilidade.
- Rapidez em armazenar uma grande quantidade de dados uma vez que os tenha lido.

╋ História de vilão: O homem no dia seguinte o buscou para que eles pudessem seguir ao lugar onde " faria seu teste", se passasse, Angel teria a chance de começar uma nova vida, com um trabalho de longe melhor e mais bem pago que o seu atual, mas o que mais lhe motivava a ir era a atenção que receberia, seria um rosto conhecido, todos o notariam e não seria mais visto como um estranho deslocado. Mas ao contrario do que pensava, o homem o guiou a uma cas, grande, bonita, certamente em um bairro nobre de paris. Ao entrar lá dentro, ao contrário do que esperava, não havia se quer uma pessoa além de um homem sentado em uma das poltronas da sala. O homem pediu para que fosse a sala do lado e vestisse a roupa que seria usada em seu teste e Angel o fez sem reclamar, era uma pessoa sonhadora e inocente, jamais veria maldade no que estava acontecendo, mesmo quando vestiu as roupas sexys que lhe foram pedidas ( foto acima da ficha) e voltou para a sala, apenas para ter o corpo medido por uma fita métrica pelo homem que estava sentado na sala, o outro que lhe trouxe ate ali tendo sumido enquanto se trocava. E então o homem lhe falou que tinha as medidas perfeitas para um modelo e que certamente se sairia bem, que era lindo, de uma forma especial e aquilo o agradava. O homem então pediu para que ele relaxasse e tomasse um copo de suco enquanto ele subia para buscar a câmera. Angel o fez, agradecendo a moça que lhe entregou o liquido, mas quando estava na metade do suco de morango, começou a se sentir tonto, tudo começou a girar e ao tentar se levantar acabou indo de encontro ao chão, foi então que seus amigos imaginários começaram a reaparecerem. Quando acordou, nunca soube quanto tempo depois, seus pulsos estavam presos por correntes pesadas, as pernas ainda sem força e ele não podia se levantar. Pouco tempo depois o homem voltou, sorrindo em diversão enquanto Angel se encolhia com medo. Não se lembra claramente das coisas após isso, mas as vezes ainda consegue sentir dor, o homem abusava de si com frequência, tanto sexualmente como fisicamente, descontando qualquer tipo de raiva que tinha sobre ele, ate mesmo chegando a dopa-lo quando ele surtava de raiva ou reclamava de dor, sua mente sempre tentando sempre buscar seus contos de fada para não surtar, mudando as próprias memorias, criando novas melhores e enchendo a sala vazia por um insistente "Lalala" que so sumia quando seus amigos imaginários voltavam para conversar ou quando o homem voltava. Com o tempo se acostumou com os constantes abusos, passando a ignora-los, fechando completamente em seu conto de fadas imaginário. Um certo dia, porem, o homem o soltou, voltando a dopa-lo e quando voltou a acordar tinha os longos cabelos loiros claros cortados, apenas um pano preto cobria seu corpo e estava em um lugar deserto. Foi nesse momento que surtou de vez. Seus amigos imaginários agora não saiam mais do seu lado, eles sempre sussurravam, lhe dizendo o que fazer, o que roubar, quem queria lhe machucar, quem ele devia machucar, que merecia morrer. Suas vítimas sempre foram aleatórias, desde crianças a policias, todos mortos estrangulados. Se tornou perigoso ao ponto de ser finalmente preso e depois jogado naquela maldita sala branca, preso por aquelas camisa de força apertada e passando a maior parte do tempo sob o efeito de drogas, cantarolando.

╋ Personalidade de Vilão: Não perdeu o sorriso gentil, o carisma e o jeito doce de falar, mas agora tagarela sem parar, começa a dançar em momentos aleatórios, adora cantarolar, dá pulinhos de felicidade e sempre fala sozinho respondendo seus "amigos" imaginários, a forma como age é semelhante a de uma verdadeira criança, gostando de fazer as coisas por pura diversão, nunca deixando de imaginar seu mundo dos sonhas, hora sendo o heroi, hora sendo a princesa, hora sendo o vilão. É completamente instável, infantil e certamente carente.

╋ Roupa de vilão:




╋ Armas:

Não possuía de fato uma "arma", a única coisa que usava para espancar suas vítimas era um pedaço de madeira, achado no lixo de alguma cada.




Informações


╋ Gostos:

- Desenhos animados
- Filmes
- Contos de fada
- Livros
- Parques de diversão
- Brinquedos
- Facas
- Algodão doce
- Desenhar
- Dançar
- Musica Pop
- Lugares bonitos
- Castelo
- Vestidos


╋ Desgostos:

- Pessoas "malvadas"
- Que lhe chamem de louco
- Quando batem em si
- Que tentem lhe encaixar em um padrão
- Silencio
- Armas elétricas
- Ficar sozinho
- Que tentem lhe trazer para a "realidade"
- Filmes de terror
- Lugares cheios
- Vegetais
- Correntes
- Quebrar a unha

╋ Manias:

- Dormir abraçando um travesseiro
- Conversar com seus amigos imaginários
- Cantarolar suas musicas preferidas sempre que elas estão em sua cabeça.
- Comer doces
- Se alongar

╋ Medos:

- Lugares fechados
- "Crianças malvadas"
- De ser acorrentado

╋ Objeto valioso:

[IMG]http://g01.a.alicdn.com/kf/HTB1U3xXLFXXXXbZXXXXq6xXFXXXR/Grande-globo-de-neve-bola-de-cristal-caixa-de-música-de-giro-flutuante-crianças-presentes-namorada.jpg[/IMG]

- É um globo de neve que toca uma musica no piano, Angel é apaixonado por esse globo pois acha o lugar dentro dele encantador, as vezes se imaginando lá dentro, como um dos bonecos. O roubou do bistrô onde trabalhava.


╋ Alguma meta de vida: Angel vive de sonhos, sempre sendo a pessoa que se perde em seu mundo particular, por isso, vive em função e tem como maior sonho conseguir alcançar esse mundo perfeito, que nunca mais o tirem de lá.

╋ Par:


( ) Escolherei eu mesmo
( ) Criarei o par do meu personagem
( ) Quero que a autora escolha por mim
(x) Não desejo um par, pois meu personagem não se interessa nem romanticamente, nem sexualmente por ninguém.

╋ Música do personagem:



╋ Frase que seu personagem sempre diz ou interpreta em sua vida: "Vejam so! Hoje teremos companhia para o lanche!"


╋ Algo a mais:

- Meu personagem tem genero fluido, o que significa que ele se encaixa tanto no genero masculino quanto no feminino, usando roupas e agindo de acordo com ambos os gêneros. Angel prefere ser tratado de modo neutro, mas como isso não é possível no português, você pode se referir tanto como " ele" quanto "ela".

- Seus amigos imaginários se chamam Rose ( a francesa que é apaixonada por livros) , Drake ( o americano que gosta de jogos e esportes) e Anna ( a inglesa que ama chá e contos de fadas), Angel fala frequentemente com eles.


- Por sempre ter uma aparência frágil, delicada e atípica, ele sofria muito preconceito das demais crianças, mas realmente tentava ser gentil com elas, o que lhe deixou ainda mais magoado.


╋ Sabe que posso matar seu personagem se preciso, não sabe?
- Sim :3

╋ Seu personagem será de minha autoria a partir dai, tem noção disso?

- Sim ~

[


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...