~NayKarneval

NayKarneval
Nome: Mi-inLove
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Campinas, São Paulo, Brasil
Aniversário: 16 de Maio
Idade: 30
Cadastro:

Curiosidades de Therapeia mia Kardiá 04


Postado

Curiosidades de Therapeia mia Kardiá 04

Tmc TalkShow

- Começa agora o seu programa favorito de toda a net, o TMC Talk Show, e eu sou Mikayla, a apresentadora mais amada dos jornais. (risos) Hoje temos a presença especial de Téo Petraski. Seja bem-vindo, Téo!
- Obrigado Mikayla, é com prazer com que venho participar desse programa tão interessante.
- Temos muitas perguntas para você Téo, eu dirá que até mais do que seu filho ou seu genro receberam, e olha que as fãs os amam muito.
- Verdade? Então agradeço todo esse amor, minhas queridas.
- Podemos começar Téo?
- Sim. Estou super ansioso em responder.
- Ok.
- As fãs estão curiosas sobre como você conheceu a sua esposa. Nos conte um pouco sobre ela e como se apaixonaram.
- Ah! Minha querida Cibele... Tão linda e sedutora quanto à deusa de quem ela ganhou o nome... (suspiro) Como vocês sabem eu era o filho de um pescador. A minha mãe era tecelã e falecera quando eu tinha 16 anos, de idade mesmo. Ambos queriam que eu tivesse um futuro maior do que o que eles tiveram, então se esforçaram para que eu estudasse muito. Comecei meus negócios com o comércio e transporte marítimo, negociações principalmente, quando eu com muito custo me formei em administração.
- Seu pai deve ter ficado muito orgulhoso.
- Ficou sim. Deixamos a casinha humilde na parte pobre da cidade e passamos a morar em uma casa melhor. Ainda não era uma mansão, pois meu negócio se desenvolvia muito lentamente. Foi em uma das atividades de pós-graduação que encontrei Cibele. Eu diria que foi amor à primeira vista. Pelo menos da minha parte. (risos) Ela demorou um pouco mais.
- Por quê? – perguntou a apresentadora curiosa. – Ela não gostou de você ou tinha algo que a impedia?
- Bem, na época ela namorava um daqueles riquinhos esnobes que nunca trabalham e tinham o dinheiro do papai para torrar. Era algum filho de um amigo qualquer do pai dela, um mauricinho estúpido. Enfim, eu me aproximei dela e fui sincero sobre meus sentimentos. Disse que eu seria amigo dela se era apenas isso que ela queria.
- E ela? Como reagiu?
- Ela disse que fossemos amigos por enquanto. Na época ela ainda gostava do namorado. Fui paciente, amigo e amoroso. Com o tempo ela gostou muito mais de mim que dele, e para ajudar o cara estava cada vez mostrando o seu pior, até que ele a traiu. Foi à gota d’água necessária para transbordar o copo. Ela deu-lhe um pé na bunda e ficou comigo. O rapaz ainda tentou voltar, mas ela já não gostava mais dele. É claro que quando sua família descobriu que ela trocou um sangue azul por um reles ser humano de origem humilde não gostou nenhum pouco e exigiram que ela voltasse com o ex. Como ela nunca aceitou, sua família nos deu as costas.
- É uma pena pensarem assim. Eles deviam pensar na felicidade da filha.
- Para eles isso nunca foi mais importante. Mesmo depois que minha empresa se tornou um sucesso e deu lucros eles nunca nos aceitaram.
- Você acha que algum dia eles iram mudar de ideia? Eles faram parte da vida de vocês e seus netos?
- Não. Eles sempre foram orgulhosos e esnobes, mesmo no enterro de Cibele nenhum deles compareceu ou mandou uma mensagem de condolências.
- Que triste... Qual era a opinião de Cibele quanto ao modo como eles rejeitaram vocês?
- De nós dois, ela sempre foi a mais forte. Ela dizia que a opinião deles não era importante, portanto serviam apenas para serem ignorados.
- E como foi o seu relacionamento com sua esposa ao longo dos anos?
- Maravilhoso, intenso e desafiador. (risos) Maravilhoso por me fazer sentir-me o homem mais sortudo de todo o universo, intenso porque com ela sempre tudo era intenso e desafiador porque ela tinha um mau gênio épico. (risos)
- Podemos entender que era muito feliz.
- Sim, tão feliz que chegava a ser um paraíso, mesmo com os momentos de altos e baixos.
- E como foi quando chegou o pequeno Caesar?
- Céus! Essa mulher virou um dragão durante a gravidez. (risos) Ela vivia irritada ou chorando, e somente eu conseguia melhorar seu humor. Um pouco apenas, diga-se de passagem. Quando ele finalmente nasceu, grande e gordo, ela ficou mais calma. E virou uma mamãe leoa. (risos) Tinha um ciúme do seu bebê...
- Que lindo. (risos) E como ele era? Criativo como Tommie?
- Não, não. Caesar era calmo um bebê comportado. Curioso ao extremo, mas comportado.
- Que meigo. Sua esposa devia adorar isso.
- Ela amava. Ficava falando toda orgulhosa sobre como ele era inteligente e comportado. Mas eu diria que metade disso foi por ela ser uma mãe coruja muito zelosa. (risos)
- Ok. Outra pergunta: quando foi e por que vocês decidiram vir para os Estados Unidos?
- Logo após a morte da minha esposa. Caesar e eu precisávamos de novos ares, então optei por um lugar que não tivesse o que se lembrar de Cibele.
- Foi uma mudança radical. Como foi criar um bebê sozinho?
- Difícil, mas não impossível se feito com amor. Criei meu Caesar tentando sempre o diálogo. As coisas foram difíceis, mas no final valeu a pena.
- Verdade. Ele é um filho que te dá muito orgulho.
- Sempre deu, desde a barriga da mãe. (risos)
- Quando conheceu os Harris?
- Primeiro Caesar falou muito do novo amigo na escola nova, depois aos poucos as nossas famílias foram se conhecendo, e então eles se tornaram amigos especiais ao longo dos anos. Eles sempre nos apoiaram e me ajudaram muito com Caesar. Ficamos mais ligados quando Caesar ficou muito doente e eu não sabia mais o que fazer, o levei ao hospital e ele teve que ficar internado por pneumonia. Os Harris ficaram comigo e me deram todo o apoio.
- Eles são bons amigos.
- Sim, os melhores. São a família que eu e Caesar precisamos e não temos. Queria que minha Cibele tivesse os conhecido, ela teria amado todos eles.
- Falando nos Harris, uma das fãs perguntou sobre Nay. Você torceu para que Caesar conseguisse o coração do Nay?
- Torci para que meu filho fosse feliz. Se fosse com Nay ok, se não ok também. O que me importava era exclusivamente que Caesar fosse feliz, e é isso que ele é hoje.
- Verdade. E quanto à oferta de emprego, era verdade?
- Sim. Preciso de um mordomo, se alguém conhecer alguém competente como Nay, por favor, me indiquem.
- (risos) Como o Nay eu acho meio difícil...
- Tem razão, é por isso que eu estou me virando com o que eu tenho em casa. (suspiro)
- Você desconfiava que Caesar acabaria se apaixonando por Scott?
- Não, mas eu diria que foi uma surpresa agradável.
- Agora é sobre seus netos. Como é poder finalmente se relacionar com Kevin e como se sente com os novos netinhos?
- É maravilhoso finalmente fazer parte da vida de cada um dos meus netos. Kevin é um ser especial com um coração enorme. Meus netinhos Ajax e Zarek são lindos e espertos! Quero poder vê-los crescer, os três, e serem homens feitos. Quase não consegui conhecê-los...
- Estamos muito felizes que superou isso e conseguir realizar a sua vontade de conhecer cada um dos seus netos. E isso nos leva a última pergunta, como foi passar por uma doença tão grave quanto o câncer?
- Foi difícil. Passei muito mal, mesmo antes do tratamento. Foi o apoio de Caesar e Scott, até mesmo dos Harris, que me fizeram ter forças para continuar. Sem o apoio e o amor deles eu nunca teria conseguido.
- Você tem nosso apoio e carinho também Téo.
- Obrigado.
- Infelizmente nosso tempo acabou. Ficamos felizes com sua visita Téo. O TMC talk show acaba por aqui, mas teremos muitas outras entrevistas em breve. Até logo!


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...