~JooyNii

JooyNii
|| Blizzard of Hell ||
Nome: 『Jooy Kelly 』
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Porto Real, Rio de Janeiro, Brasil
Aniversário: 6 de Julho
Idade: 19
Cadastro:

Um pouco de amor, com açúcar e canela, e mais cor.


Postado



Quando o que era para ser prazeroso se torna uma tortura, é hora de abandonar, certo? Nem sempre.
Não vamos encarar a vida desta forma, não quando o assunto do desânimo em questão é a depressão.
Vamos falar de um assunto sério - muitas vezes banalizado - e mais comum do que imaginamos.
Vamos falar sobre depressão.


No relógio, a hora não para.
Em seu quarto, a escuridão te cerca.
Debaixo das cobertas, os olhos brilham sob uma tela plana de vidro, isso não te é uma surpresa, é a rotina, uma vida pacata.
Vez ou outra, um sorriso surge. Por trás daquela mesma tela, em outros lugares, existem pessoas.
Muitas vezes, pessoas como você, como nós.
Estamos conectados através de palavras, sentimentos. Isso não envolve afeto físico, e muitas vezes o valor não é dado através de uma nota de dinheiro, e sim, através de amizade. Nos envolvemos pela alma.
A vida virtual é realmente interessante. As amizades virtuais são realmente belas.
Mas, isso muitas vezes não é o suficiente.

Me conectei através da tela do meu computador com todos vocês.
Meus leitores, meu seguidores, até mesmo meus fãs.
Mas, muitas vezes, vocês não sabem o que realmente acontece com as pessoas que conhecem apenas através da internet.
O tempo passa mais rápido do que imagina, meses parecem anos, e envelhecemos. Os momentos parecem perder seus valores, e facilmente esquecidos.
Uns adoecem, uns morrem, outros casam-se, vivem. E não sabemos.
Somos tão insignificantes diante a tantas situações, somos pequenos flocos de açúcar debaixo da chuva. Podemos nos despedaçar, derreter, e desaparecer a qualquer momento, só basta a gota cair sobre você.
E a minha gota caiu sobre mim.
Não hoje, não ano passado, mas a muitos anos. E eu me despeçado, derreto, e desapareço desde então.

Eu comecei falando da vida virtual, pois é a única coisa que tem me erguido a tempos. Amigos virtuais.
Não tenho amigos por perto. Digo sim, nenhum. Em pleno 18 anos na minha vida, e eu percebi que isso não é somente uma fase. Eu pude amadurecer, e olhar para trás e perceber que minha adolescência foi toda em depressão.
Uma pequena formiga que caiu em uma xícara de café, e tentou, por anos, sair de lá. Mas as paredes eram altas de mais para fazer isso sozinha.
A culpa não foi dos meus colegas, a culpa não foi dos meus pais, e não foi minha. A culpa foi da falta de informação.
Foi da ignorância.
Foi, a partir do momento em que você fechou as orelhas para o mundo, para as milhares de pessoas que vivem nele, e para a verdadeira essência da vida.

Eu tenho um enorme desânimo crescendo dentro de mim.
O mesmo que me faz ficar minutos na cama antes de levantar.
Que me faz olhar para o espelho, odiando cada minuto que respirava.
Um desânimo de viver, de estar viva.
De continuar vivendo.

Eu tinha meus 15-16 anos quando tentei me suicidar pela primeira vez.
Nunca me cortei, eu já tinha dores de mais para querer mais uma.
Me embebedei de remédios, um seguido do outro, mas meu corpo reagiu primeiro, me fazendo repelir todo aquele conteúdo tóxico que iria acabar com minha amarga existência.
Eu nunca me arrependi de ter tentado àquela vez.
Depois disso, fui envolvida por uma grande fumaça de depressão diária.
Nessa época, comecei a frequentar psicólogos, mas até chegar neste ponto, fui até mesmo "exorcizada" em igrejas, posta em humilhação, pela ignorância dos que me cercavam.
A psicóloga me ajudou nas primeiras consultas, mas não mais.

Fazem quase 2 anos que tenho consultas de 15 em 15 dias, nunca recebi alta, e nem acho que vou. Mas isso não me ajuda, pois eu minto até mesmo para ela.
Não por querer, meu corpo mente.
Conto minhas dores com um sorriso.
Conto meus problemas com os olhos brilhando.
Mas quando pergunta:
- Como se sente quanto a isso?
Eu travo
Não falo mais nada
Não consigo.
É como se a depressão fosse um grande homem forte com uma fita adesiva em mãos, e sempre quando perguntam como me sinto, ele agarra minha garganta com força, tampa minha boca, e bate. Eu choro por dentro.
Mas sabe como me sinto?
Me sinto morta.

Não ignore a depressão.
Uma grande tristeza, recorrente a isolamento, diminuição na alimentação, afastamento da vida social é sinal de depressão, deste inferno da alma.
Não esperem os pensamentos suicidas, procurem ajuda antes que seja tarde de mais.
Ajude, antes que seja tarde de mais.
Não abandone quem está em depressão, nem todo mundo tem um coração negro e machucado pra passar por tudo isso sozinho.
Pois, quem vive desta doença, não pede ajuda, pois não a conhece.

Não banalize depressão em suas fanfics de romance, não banalize automutilação em suas redes sociais, não banalize o bullying entre seus amigos. Assuntos sérios em situação alguma deve ser tratado como "qualquer coisa".

Abra sua mente.

________________________________________________________



Desculpe pelo texto, foi um desabafo que eu nunca fiz aqui, em 4 anos.
Aos meus leitores, saibam que apesar de tudo, estou me esforçando para voltar com Lacrimosa. Já mudei a capa da fanfic, voltei a ler o mangá, assisti novamente ao anime e me sinto pronta.
Eu amo todos vocês que amam minha história, pois não é apenas fanfics, é meu pequeno raio de felicidade. Ler todos os comentários, até hoje, me faz muito feliz.


Beijos da Jooy <3


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...