~NikyNeko

NikyNeko
I'm not strange, I'm special
Nome: Nicole
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
Aniversário: 26 de Março
Idade: 16
Cadastro:

Os 12 Escolhidos


Postado

✧Nome✧
Sasha Hoshizora

✧Idade✧
14 anos

✧Signo✧
Rato

✧Sexo✧
Feminino

✧Opção sexual✧
Heterossexual

✧Elemento que usa junto de sua arma✧
Tempo (ela não pode dar saltos no tempo, mas pode acelera-lo ou retarda-lo e apenas em espaços específicos. Por exemplo, ela não é capaz de fazer o tempo no mundo inteiro acelerar e levar todos para o futuro, mas pode acelerar o tempo de um objeto ou pessoa em específico e até de uma área do tamanho de uma quadra. Ela pode fazer isso inclusive à distância, acelerando o tempo de uma filmagem ao vivo e acelerando o tempo de quem está sendo filmado ao mesmo tempo. Ela não pode voltar no tempo depois de acelerá-lo, então ela não costuma fazer isso em áreas grandes)

✧Aparência✧
Kafuu Chino






✧Descrição✧
A primeira coisa que se nota nela é seu tamanho. Sasha, com 149cm, não se passaria por uma garota da própria idade nem se quisesse. Some isso ao fato de que, além de glúteos levemente avantajados e coxas proporcionais a estes, suas curvas sequer chegam a ser medianas. Ela tem membros curtos e aparentemente delicados, mas graças a seu peso leve ela tem como únicas habilidades físicas a sua incrível velocidade e sua flexibilidade invejável. Talvez por ser tão fácil para ela se fazer confortável em espaços apertados, ela os adora. Sasha tem cabelos platinados sedosos, com leves ondulações, que lhe chegam até o final de suas costas e ela adora brincar com eles, fazendo penteados a todo momento e os desfazendo apenas para recomeçar o trabalho. Tem grandes olhos azulados, emoldurados por cílios longos.

✧História✧
*A mãe de Sasha possuía um corpo frágil e morreu pouco depois de seu nascimento, incapaz de suportar a dor ou os danos à seu corpo, levando Sasha a viver apenas com o pai. As condições financeiras de sua família eram muito boas, pois seu pai era um juiz muito respeitado. Ele jamais culpou a filha pela morte da esposa e amava sua garotinha com todas as forças. Em vários sentidos, a garotinha possuía uma vida invejável. Ela fazia facilmente amigos na escola e tinha uma boa vida dentro de casa, apesar de não gostar da superproteção do pai. Por ela sempre ter sido menor e aparentemente mais frágil que as outras crianças seu pai sempre foi muito cuidadoso com ela, e não apenas seu pai como todos os outros. Mesmo as crianças de sua idade pareciam pensar que ela iria quebrar com o menor toque e, mesmo que fossem amigáveis com ela, eles nunca se tornavam próximos à ela. Não gostavam de brincar com ela porque achavam que ia se machucar e não iam apenas parar de brincar porque uma das amigas não pode, certo? Então ela conseguiu, de alguma forma, ter amigos e ainda assim ser excluída.

*Por um bom tempo esse foi o maior e único problema em sua vida. Claro, sempre tinha o fato de seu pai as vezes ficar o dia inteiro fora de casa, mas ele poderia pagar babás. Por culpa de roubos ou trabalhos mal-feitos das mesmas nenhuma de suas babás durava muito. Às vezes Sasha se machucava e, preocupado, seu pai às culpava e as demitia, trocando por outras no dia seguinte. Com o tempo, à medida que seu pai era mais requisitado, ele acabou se estressando ainda mais. Sasha tentou fazer alguma coisa para ajudá-lo, como aprender à cozinhar, mas adivinha? Ela não podia mexer com fogo. Claro, poucos pais deixam uma criança de 6 anos mexer no fogo, mas ela ainda sentia que aquele cuidado excessivo era só com ela. Não podia mexer com facas, não podia comer com garfos, não podia tocar ou brincar com coisas ou animais perigosos.

*Depois de alguns meses Sasha acabou percebendo que os problemas que possuía até então não eram nada. Existe um problema grave em ser juiz que é: ao mesmo tempo que você livra alguém da cadeia, você também prende alguém. E se você prende alguém, essa pessoa ou conhecidos dela vão querer vingança. Ela começou a sofrer atentados um atrás do outro, afinal, o que machuca mais? Matar seu inimigo ou matar alguém que ele ama? Tentativas de sequestros e homicídios uma atrás da outra. Seus professores começaram à levá-la para casa de carro assim que a aula terminava. Seus colegas, que já não eram tão próximos, acabaram pensando que ela estavam sendo favorecida e à excluíram definitivamente, irritados.

*Quando ela completou 7 anos, seu pai cancelou todos os seus compromissos para passar o dia com ela. Ela convidou alguns colegas. Normalmente, mesmo os que não quisessem vir seriam forçados pelos pais, interessados em estabelecer um laço com pessoas importantes, mas como a quantidade de atentados aumentou ocorreu o oposto. Preocupados, os pais não deixaram seus filhos irem comemorar com ela. Sinceramente, ela já esperava. Ficou triste, mas estava bem. Afinal, seu pai faltou ao trabalho para comemorar com ela! Tinha um bolo delicioso na mesa que ela poderia comer por dias e apenas suas comidas favoritas. Foi um dia ótimo, seu pai lhe deixou brincar com dartos. Ele sabia o quanto ela gostava desse tipo de jogo, então comprou um conjunto de dartos que grudavam no alvo e lhe ensinou à jogar. Ela aprendeu rápido e acertou o centro do alvo várias vezes. Sua maior dificuldade era a força que precisava usar quando o alvo estava muito longe, mas sua mira era ótima. Ela se divertiu. Eles riram o dia inteiro e ele prometeu lhe deixar brincar com mais coisas divertidas no futuro.

*À noite, quando ela já estava dormindo, seu pai de repente entrou repentinamente em seu quarto e lhe levou para o andar de baixo, em direção à porta dos fundos. Ela perguntou sonolenta o que estava acontecendo, mas ele apenas dizia "vai ficar tudo bem, não precisa se preocupar", mais como se estivesse encorajando à si mesmo. Ele se preparou para abrir a porta dos fundos, mas uma voz do outro lado o fez congelar.
- Boa tentativa, Sr. Hoshizora. - A voz era calma e parecia estar logo do outro lado da porta. - Eu quase me esqueci que você poderia fugir pela porta dos fundos. - Ela ouviu uma risada. - Brincadeira! Sabe o quanto eu estudei sua casa antes de aparecer aqui? Todas as portas e janelas tem algum dos meus homens vigiando. Que tal você abrir à porta? Não vamos te matar nem nada. - Alguns momentos de silêncio e uma risada seca. - Bem, ao menos não imediatamente. - Seu pai tremia e sequer conseguia se mexer. Ele deu alguns passos pra trás, com ela ainda no colo. - Sr. Hoshizora, nós vamos arrombar sua casa exatamente à meia noite, sabe, o horário onde tudo acontece. Se você e sua filha... Sasha? Não estiverem mais respirando quando entrarmos... Bem, vamos só roubar tudo e ir embora, mas, sabe, meu irmão foi pra cadeira elétrica por sua culpa. Ele agonizou por vários minutos antes de morrer. Então, se algum dos dois ainda estiver vivo quando entrarmos... Acho que eu vou me ver forçado a me vingar. O que você prefere? Eu posso torturar você primeiro ou sua filha, mas você vai ver ela se contorcendo de dor antes de morrer, definitivamente não vou te deixar morrer antes de assistir o show. O que acha? Eu posso até deixar sua filha viva, mas ela ainda vai sofrer bastante, talvez perder alguns membros... Eu estou te dando muitas escolhas, Sr. Hoshizora, deveria se sentir grato! Eu não tive escolha nenhuma! Bem, você tem 1h. Pense com cuidado. Eu realmente espero que vocês ainda estejam vivos quando eu entrar. - Ela ouviu uma risada cruel e a voz se afastou.

*Seu pai começou a respirar com dificuldades e ela podia sentir seu coração dolorosamente acelerado. Ele correu aos tropeços até a janela do banheiro do segundo andar, que era escondida entre as árvores, mas ele pôde ver um homem de plantão logo abaixo. Não tinha esperanças. A vida dele acabava agora. Agora só restava uma decisão: deixar a filha sofrer nas mãos dos homens e deixá-la viver com essa memória ou matar à ambos agora mesmo. A morte mais rápida que pensou foi o enforcamento. Claro, eram vários momentos de sofrimento, mas se feito da altura certa, o que seria fácil no caso de Sasha, seu pescoço quebraria e ela morreria na hora. A garotinha era tão frágil que com certeza funcionaria. Ele arrancou as cortinas da sala, que eram um estilo segurado por cordas. Quando às retirou ele pôde ver claramente o lado de fora. Estava escuro, mas ele via as lanternas e os homens sentados próximos ao portão. Saiu correndo para longe das janelas com dois longos pedaços de corda e uma garotinha confusa o perseguindo.
- Papai, o que está acontecendo? Estou com medo! Quem são eles? - Ela implorava por respostas, mas a resposta continuava sendo "vai ficar tudo bem".

*Ele amarrou as cordas no lustre do teto. Era resistente e ele acreditava que seria capaz de aguenta-los ao menos até que estivessem mortos. Ele se abaixou até estar quase na altura de Sasha.
- Vai ficar tudo bem meu amor, vai doer só um pouco, você vai dormir e quando acordar esses homens terão desaparecido, tudo bem? - Ele estava nervoso e assustado, mas sua tentativa de se manter calmo acalmou a garotinha, que apenas assentiu.
Ele amarrou as cordas, uma ao redor de seu pescoço e outro ao redor do pescoço fino na garotinha. Eles estavam em cima da mesa da sala, mas quando ele saltasse de cima dela eles seriam enforcados. Morte rápida. Talvez fosse melhor assim, o que ele podia fazer? Ele pediu para a filha contar até três e ela o fez. Em três segundos ele saltou. O pescoço de seu pai quebrou na hora e seus braços mortos soltaram a garotinha. Mas não foi o suficiente. Por ele tê-la segurado até o último segundo, o impacto não quebrou seu pescoço. A dor era insuportável. O ar foi arrancado de seus pulmões e ela não conseguia aspirar mais. Seu peito doía com a força que seu coração fazia na tentativa de continuar batendo. Ela queria sair da-li. Queria se soltar. Seu braços se estenderam, tentando segurar a corda e se puxar para cima, mas não lhe restavam forças sequer para esticar os braços trêmulos. Ela estava desistindo até sentir algo pendendo se sua cintura e o toque lhe cortou. A primeira coisa que passou pela sua cabeça foi "cortar a corda". Ela agarrou o que quer que fosse e usou suas forças para erguer a arma e forçou contra a corda. A dor que sentiu após isso foi a dor de atingir o chão.

*Com a corda ainda presa em seu pescoço, agora mais apertada do que quando foi colocada, ela passou novamente a coisa pontuda próximo à seu pescoço e finalmente se livrou dela. Respirou o mais fundo que pôde, com seus pulmões ardendo e, quase desmaiada e incapaz de se levantar, ela olhou o que tinha em mãos. Parecia uma faca, só que era bem diferente das facas que usavam para comer. Passou os dedos novamente por seu quadril e sentiu mais alguma coisa e levantou sua blusa. Um cinto com 3 facas de um lado e duas do outro. A faca que restara era aquela em suas mãos. Ela continuou agonizando no chão por um longo tempo e chegou à desmaiar, mas foi acordada pelo som de algo acertando à porta. Se lembrou dos homens do lado de fora. Fraca, ela correu novamente até o banheiro que seu pai havia ido antes e ao mesmo tempo ouviu a casa ser arrombada. Trancou a porta do banheiro e subiu na pia, alcançando a altura certa para passar pela janela. Era pequena e estreita, mas Sasha também era minúscula. Ela passou pela janela e se segurou nos galhos da árvore. A última coisa que ouviu foi a mesma voz do homem desconhecido de antes gritando, irritado, "Que diabos é isso? Achem a vadiazinha e tragam ela pra cá!". Ela se arrastou pelo galho, que tremia com seu peso, e tentou descer da árvore, mas tinha medo de ser pega. Percebeu que havia um espaço no tronco, no local onde os galhos mais grossos nasciam e se separavam para todos os lados. Ela se arrastou até lá e se encolheu no pequeno buraco. Ela ouviu uma enorme algazarra em sua casa por longos minutos e várias vezes pensou que ia ser encontrada. Algumas horas depois ela ouviu a polícia e todos os homens formam embora. Ela não quis sair da árvore. Ela se sentia confortável naquele espaço apertado onde apenas ela entrava. Ninguém lhe encontraria e ninguém seria capaz de machucá-la. Era seu ponto seguro.

*No dia seguinte sua fome estava prestes à ganhar de seu medo. Ela vez ou outra esticava a cabeça pra fora e pensava se desceria ou não. Quando sentiu a árvore tremer ela voltou à seu buraco e se espremeu ainda mais. Logo um rosto jovem apareceu frente à ela. O garoto sorriu.
- Sabia que tinha visto algo se mexer! - Ele parecia orgulhoso de si mesmo. - Eu disse que não era impressão minha! - Ele gritou olhando pra baixo.
- Certo, você ganhou! Desça logo ou vão achar que estamos roubando. - Uma voz feminina lhe respondeu.
- Roubando o que? A casa foi completamente tomada! - Ele respondeu. Se sabia que a casa havia sido tomada ele provavelmente tentou realmente roubar alguma coisa, o que à deixou irritada. Ele voltou a olhar pra ela. - A casa era sua? Está com fome? Nós acabamos de pegar algumas frutas, sabe.
- Irmão! Já é muito difícil alimentar nós dois!
- E você quer deixar uma garotinha morrer de fome? Se ela morava aqui quer dizer que ela está sozinha, sabe! Eu vi no jornal, o cara que morava aqui não tinha família, ela vai pro orfanato! E você sabe bem que lá não é legal. - A garota abaixo da árvore não pôde responder. - Vamos, vem aqui! - Ele esticou os braços, tentando pegá-la, mas ela não queria sair.
- Estou com medo! Não quero! - Ela murmurou, encolhida. Ele suspirou e olhou para a faca que ela tinha em mãos, logo vendo as outras.
- Medo? Você tem umas armas bem interessantes aí! Eu que deveria estar com medo de você! - Ele sorriu. - Hey, eu posso te ensinar a usar! Eu nunca mexi com facas, mas sou bom com a espada. É quase uma espada em miniatura, certo? - Ele conseguiu convencê-la e ela finalmente saiu de seu esconderijo. Ele tentou lhe ajudar à descer a árvore, mas ela recusou a ajuda e desceu sozinha, aos trancos e barrancos, mas desceu. - Olha, você sabe descer de árvores! Isso é bom! Meu gato não sabia fazer isso. - Ela sentiu orgulho de si mesma.

*Os dois irmãos lhe levaram para um canto da cidade que ela não conhecia e entraram dentro de uma casa velha O garoto avisou que a velha dona daquela área lhes deixava morar ali, mas que os expulsaria se aprontassem, então ela não podia fazer barulho. A comida eles "pegavam emprestado" quando podiam e as vezes a velha lhes trazia alguma coisa. O garoto se chamava Hikaru e tinha 15 anos, e sua irmã, Hinata, tinha 11 anos. Eles não eram tão cuidadosos com ela quanto ela esperava, mais porque não tinham tempo para se preocupar com isso. Eles não pediam que ela fizesse nada, então ela ficava sozinha quando eles saiam para conseguir comida e, quando voltavam, Hikaru lhe ensinava à usar suas facas. Ele não sabia lhe ensinar à lançá-las, mas lhe ensinou a usar em lutas corpo a corpo, mesmo que o fizesse com "facas de madeira" feitas por ele mesmo.

*Ela viveu com Hinata e Hikaru até fazer 12 anos. Foi quando descobriram que os irmãos estavam roubando comida e chamaram a polícia, que foi prendê-los. Hikaru escondeu Sasha em um canto do armário do quarto e os polícias não à encontraram. Havia boatos de que havia uma terceira criança, mas como ela não foi encontrada eles trataram aquilo como apenas um boato e foram embora. Desde então ela foi forçada à sair da cidade e se esconder em outro lugar. Ela era boa nisso. Correr e se esconder. Porque ela era sempre a única que escapava? Seu pai morreu, mas ela não só sobreviveu como escapou sem ferimentos. Hikaru e Hinata foram presos, mas ela conseguiu sair sem ser pega. Agora ela estava sozinha, apenas se escondendo e arrumando o que encontrava em árvores ou plantações da cidade pequena para comer, mas mesmo que fosse capaz de cuidar de si mesma dessa forma sabia que a próxima pessoa que encontrasse e se tornasse amiga acabaria tratando-a como um estorvo novamente, mesmo sem perceber. Porque só ela? Porque sempre à protegiam? Ela realmente merecia isso? Pode ser uma vez só, ela só queria ser capaz de ajudar alguém. Ela queria ajudar alguém a escapar. Não queria ser protegida. Ela queria proteger.

✧Personalidade✧
*Ela é uma garota medrosa, mesmo que o esconda. Sua personalidade quando está sozinha e quando está acompanhada é completamente diferente. Na primeira situação ela tem uma dificuldade imensa de confiar em pessoas novas e sempre mantém a guarda alta, detestando se manter em espaços abertos, onde se sente vulnerável. Quando está sozinha ela começa a pensar que tudo pode dar errado, querendo se manter em um cantinho, escondida, até alguém que conhece e confia aparecer. Bem, mas se ela não tiver conhecidos significa que ela tem que conseguir confiar em alguém novo, e se você souber fazer isso é até bem fácil. Porque? Bem, apesar de ela costumar querer manter sua guarda alta ela na verdade é extremamente distraída e facilmente esquece de ser cuidadosa. Se você distraí-la de qualquer forma você deve ser capaz de fazê-la confiar em você, mesmo que ela finja no início que você não conquistou sua confiança ela ainda vai preferir sua companhia do que ficar sozinha ou com estranhos se ela sentir que você é uma pessoa "mais próxima" à ela do que os outros. Sendo franca, ela sequer precisa gostar de você, apenas achar que você é uma pessoa honesta. Afinal, se você não enganá-la ela deve ser capaz de perceber se você é uma pessoa perigosa ou não para ela, certo?

*Quando está com pessoas que conhece Sasha é uma garota sorridente e animada, repleta de confiança que adquire das pessoas que conhece e estão ao seu redor. Ela é aquela pessoa que está sempre buscando por diversão e não suporta um segundo de monotonia sem começar a ficar frustrada e emburrada. Graças a sua aparência pequena e fofa existem algumas confusões a respeito de sua personalidade que ela não gosta, que são: fragilidade, infantilidade, estupidez e timidez. Quando lhe vêem pela primeira vez 90% das vezes falam com ela com calma e gentileza com medo de assusta-la ou espantá-la, além disso sempre são cuidadosos com as palavras que dirigem à ela com medo de deprimi-la. Para piorar ainda mais, raramente alguém leva suas palavras em consideração por acharem que ela não é esperta ou madura o suficiente para tomar decisões. Não suporta ser "a mascote" do grupo que só fica esperando enquanto os outros agem.

*Então vamos corrigir estes enganos. Primeiro, ela definitivamente não é frágil! Bom, ao menos psicologicamente. Eu admito que o corpo dela não aguenta muita coisa, tanto que ela se fere bastante em sua determinação de se virar sozinha. Sasha é uma garota extremamente tolerante, de uma forma que realmente surpreende. Ela não fica triste facilmente e mesmo que você seja grosso ou cruel com ela raramente ela vai se deprimir por isso, sempre se mantendo indiferente ou considerando os defeitos que jogaram á ela para ver se consegue melhorá-lo (a não ser que você acerte onde dói, como quando ela já está frágil graças a algum acontecimento e você dá o golpe final), apesar de eu não poder dizer o mesmo sobre ficar com raiva. Ela é irritadiça e se frustra facilmente quando dizem ou agem de forma que não lhe agrada, mas ela resiste bem. Raramente ela chega ao ponto de gritar ou atacar de volta quem lhe irritou. Quando isso acontece chegamos no engano número dois: infantilidade. Ela não gosta de se considerar infantil, mas suas reações quando se irrita com certeza não são maduras. Por ela ser muito tolerante, quando algo lhe atinge, o faz com força. Quando está muito irritada ela começa a falar mais alto e faz birra e quando nota que agiu como criança ela fica ainda mais irritada e envergonhada e toma uma atitude ainda mais madura: sai correndo. Fugir é sua resposta para quase tudo quando não sabe o que fazer. Apesar disso ela não tem a mente de uma criança. Ela entende e sabe tomar decisões difíceis, ela sabe dizer o que pode ou não fazer, ela sabe o que pode ou não dizer. As vezes ela ignora essas limitação (aliás, as ignora na maior parte das vezes, o que faz tantas pessoas pensarem que ela é imatura), mas ela tem conciência delas e as entende. Se você considerar isso ela é tão madura quanto qualquer adulto mesmo tendo apenas 14 anos. Ela simplesmente gosta de manter até o final a esperança de que pode fazer qualquer coisa.

*Outro engano seria "estupidez". Ela é muito esperta e sabe resolver muitos problemas que outros não conseguem, sem precisar pensar muito. Antes de pensar que ela é boba ao menos lhe dê uma chance de provar o contrário. Ela é muito boa em resolver desafios, é estrategista e sempre ganha em jogos de raciocínio e adora palavras-cruzadas. Ela é apaixonada por enigmas e mistérios e adora desvendá-los e sabe usar suas vantagens e oportunidades à seu favor. Várias vezes você vai vê-la por aí dando uma de detetive com qualquer mistério que encontrar, o que ainda lhe torna uma garota extremamente curiosa e talvez até um pouco intrometida. Não se preocupe, ela não é o tipo que vai se meter na sua vida apenas para espalhar fofocas depois, mas pode saber que ela pode sim acabar se envolvendo onde não foi chamada ou em situações que não tem nada a ver com ela por simples curiosidade e interesse. Se ela vê alguém com problemas ela sequer oferece ajuda, ela simplesmente vai lá e ajuda com ou sem permissão. Parte disso é culpa de seu intrometimento e a outra parte é a simples incapacidade de ficar parada olhando.

*Com isso chegamos na última confusão à seu respeito: timidez. Além de sua aparência, o fato de ela odiar lugares abertos e por isso não gostar de sair de casa faz muitos pensarem que ela não é boa lidando com pessoas, o que não é verdade. Inclusive, quem lhe conhece vai pensar o tempo todo o quão otário foi ao imaginar que essa garota seria tímida. Por ela ser muito curiosa ela é daquele tipo que começa uma conversa com qualquer um (claro, se estiver acompanhada e cheia de confiança, senão ela apenas observa segurando sua vontade de sair conversando). Se alguma coisa em você lhe interessou ela com certeza vai ir falar com você. Sentiu vergonha de perguntar alguma coisa? Peça que ela pergunte, porque eu te garanto que vergonha de perguntar ela não tem. Aliás, a coragem que tem em dizem algumas coisas as vezes parece até falta de bom senso (ela é do tipo que facilmente chegaria em uma senhora e perguntaria sua idade com a maior inocência do mundo ou chegaria em alguém suspeito e perguntaria se está fazendo ou já fez alguma coisa errada como se fosse uma pergunta perfeitamente normal. Basicamente, por mais que goste de ser útil e necessária isso não significa que ela vai ser educada. Bem, em algumas situações ela até tenta).

*Sasha é, no mínimo, uma garota surpreendente. Ela nunca age da maneira que você espera e sempre aparece do nada. Literalmente, ela poderia te dar um susto surgindo de dentro de um armário e te dando bom dia com um sorriso brilhante. Ela sabe que é fofa e sabe fazer bom uso de sua aparência, chegando a ser manipuladora. Ela já chegou a chorar na frente de alguém que disse algo que poderia ser interpretado como grosseiro e o fez lhe pagar um sorvete para que parasse de chorar. Ela sabe confundir as pessoas agindo de maneira frágil, medrosa e doce para conseguir o que quer. Ela é uma garota gentil, mas se não prestar atenção pode acabar sendo usado por ela, afinal, ela não quer te machucar, ela só quer alguma coisa que só você pode conseguir por ela e só aconteceu de você não querer dar à ela por bem, então ela teve que te usar um pouquinho. Não se preocupe, depois ela te compensa. Bem, se você perceber que foi usado e reclamar ela vai te compensar, senão ela vai "acidentalmente esquecer" que te deve uma. As vezes você pode esperar que ela aja de certa forma e ela age de outra. Coisas que poderiam irritar ou confundir os outros podem fasciná-la e interessá-la, coisas que poderiam assustar os outros ela poderia achar graça ou simplesmente não ser afetada, coisas que poderiam alegrar os outros podem irritá-la se tocarem em um ponto frágil (como quando fazem as coisas por ela), mas em um segundo momento ela pode acabar se alegrando por algo simples que você não esperava também. É impossível prever sua reação. Ela é muito adaptativa e mesmo que a situação esteja ruim ela vai conseguir se adequar à ela.

*Algo impressionante sobre ela é seu incrível senso de direção e intuição afiada. Ela não precisa de um mapa se quiser ir à algum lugar. Eu te garanto que, onde ela viver, ela vai conhecer tudo como a palma da mão, vai saber sobre todos os atalhos e esconderijos, vai se manter atenta a qualquer sinal de mudança e se preparar. Sobre sua intuição, ela é daquelas que parece saber quando uma pessoa tem uma alma boa ou ruim apenas de olhar para ela. Ela parece ter um alarme interno que lhe avisa quando alguma coisa ruim está para acontecer, afinal, seu elemento é o tempo. Ela sempre parece saber o que o tempo lhe reserva. Apesar disso, mesmo que sinta o perigo, ela tem uma enorme dificuldade de admitir a derrota antes de a coisa ficar feia. Ela é ambiciosa. Ela não quer escolher entre uma coisa ou outra, ela quer tudo. A decisão que seu pai fez jamais seria feita por ela. Ela apostaria na sorte e coincidência, ela apostaria no próprio esforço.

*Ela é muito insegura quando se trata de sua aparência. Ela pode ser muito lerda se tratando de homens porque acha impossível que alguém adquira interesse por alguém com aparência de criança. Ela entenderia uma conversa sobre amor com outras garotas mas jamais seria capaz de imaginar sua própria (é como sonhar em voar). Quando demonstram interesse nela com certeza ela vai se envergonhar e não saber lidar com isso, não por ser inocente e sim por não estar esperando por essa. Ela é muito possessiva com pessoas que gosta porque acha que pode ser facilmente trocada, à fazendo automaticamente desgostar de amigos novos que seus amigos fazem sem sequer saber a razão (pergunte à sua raposa. Se Jun não fosse tão anti-social ela sofreria diariamente o vendo ser amigável com outras pessoas). É egoísmo, e detesta isso em si mesma, mas não é como se soubesse mudar.

*Sua coragem chega à assustar. Ela é como um chihuahua que pensa que é rottweiler (como eu disse antes, apenas no caso de ter alguém por perto que conheça, senão ela lembra que é uma chihuahua e age de acordo, tremendo e querendo fugir). Ela é uma viciada em adrenalina que gosta de fazer coisas inusitadas e talvez até perigosas. Situações assustadoras vão lhe divertir e emocionar. Quanto mais perigoso o inimigo, mais ela vai querer enfrentá-lo. Ela gosta de provar do que é capaz. Ela gosta de mostrar que é forte e sabe resolver seus problemas sozinha. Quanto mais você disser à ela "não faça isso" mais ela vai querer fazer, quanto mais você disser "você não consegue" mais ela vai se esforçar pra conseguir. Ela é o tipo de pessoa que se sobre-esforça em tudo que faz. Ela é competitiva e odeia perder, mesmo que para os próprios limites. Orgulhosa, mesmo que o mundo inteiro pense que ela é digna de pena ela definitivamente não vai se deixar ser. Mesmo que todos achem que ela vai falhar ela definitivamente não vai deixar isso acontecer.

✧Arma e como recebeu✧
Uma arma compatível com seu tamanho, dois estojos com 3 facas de arremesso cada. Ela costuma guardá-las em um cinto, escondidos abaixo de sua blusa.


✧Família✧
Pai - Neru Hoshizora - 36 anos (morto)

Na opinião da própria filha, ele era bonzinho demais. Ele era animado e sociável e, mesmo quando percebia más intenções em alguém, a não ser que estivesse em julgamento, ele sempre deixava passar. Ele dizia que julgar alguém era uma bobagem e que apenas quem cometeu o erro seria capaz de julgar á si mesmo, mas se ele não julgasse alguém não tão justo o faria em seu lugar. Em questão de honestidade ele confiava apenas em si mesmo, afinal, como poderia provar que os outros o seriam? Ele sempre mimou muito a filha, o que talvez tenha originado seu jeito independente e irritadiço quando fazem algo que não lhe agrada. Ele sempre agiu mais de acordo com a lógica do que por seus sentimentos ou intuição, então jamais apostava na sorte ou coincidência. Quando decidiu matar à ele e a filha ele apenas chegou a conclusão que morrer pelas próprias mãos doeria menos para ambos.

Mãe - Shiomi Hoshizora - 27 anos (Morta)

Uma mulher calma e educada. Sempre foi aquele tipo de pessoa que escutava calada com um sorriso no rosto, sem jamais se deixar ser afetada pela opinião alheia. Sempre teve sua opinião formada, apenas fingindo considerar a opinião dos outros. Além disso, a mãe de Sasha era uma pessoa bem extrema. Ela era o exemplo perfeito de alguém que faria qualquer coisa (mesmo) pelas pessoas que ama. Ela era de certa forma indiferente quanto ao resto, o que lhe permitia ser tão tolerante. Quando seu marido lhe dizia sobre os riscos de dar a luz à Sasha ela apenas ouviu suas preocupações, mas já sabia o que faria desde o início. Ela já estava doente de qualquer forma e não duraria muito. Fazer uma cesariana só lhe daria pouco tempo. Há maneira melhor de morrer do que com sua filha recém nascida nos braços?

✧Animal de estimação✧
Uma raposa de nove caudas, chamada Jun. Uma curiosidade é que Jun possui apenas duas caudas, pois tem "apenas" 200 anos, e na raça das raposas de 9 caudas uma cauda nasce a cada 100 anos.

Jun possui, normalmente, o tamanho de um cachorro médio, porém ele é capaz de se tornar maior do que um cavalo quando quer.

Ele não se transforma com frequência por pura preguiça. Sasha diz que é seu mascote apenas por lhe dar comida, abrigo e amor, mas as vezes parece que Jun não se considera nessa posição. Ele não fala, mas é tão ou mais esperto do que um humano normal e é, em sua opinião, dono de si mesmo. Considera qualquer outro ser vivo, incluindo humanos, como uma raça inferior, mas possui um carinho especial por Sasha, por isso considera que ela é sua mascote. Ele é arrogante e orgulhoso e gosta de "brincar" com seres menos espertos, dificultando as coisas para eles apenas para irritar. Ele é tão preguiçoso que costuma fazer Sasha carrega-lo por não querer andar, mas as vezes ele desaparece em suas caminhadas, sempre por perto mas sem se deixar ser visto. Ela encontrou Jun quando estava vivendo sozinha. Os moradores da pequena vila na qual ela se escondia ficavam reclamando sobre uma raposa de nove caudas perigosa que estava vivendo por lá. Ela estava se alimentando da comida dos moradores e temiam que ela acabasse querendo comer outra coisa. Sasha não aguentou vê-lo sendo tratado dessa forma e levou Jun pra casa. Foi seu amigo e protetor desde então. Habilidades especiais: saltos e equilíbrio.

✧Gosta✧
*Espaços pequenos e de difícil acesso. Ela se diverte muito procurando "esconderijos".
*Lugares altos. Por ela ter um complexo muito grande com seu tamanho ela acaba se sentindo "toda poderosa" quando se encontra em um lugar alto.
*Comida apimentada.
*Chá. Ela não só adora essa coisa como sabe fazer com quase qualquer coisa e fica bom.
*Por ser sua melhor habilidade ela gosta muito de correr.
*Ela gosta muito de estrelas, mas só às vê de cima de uma árvore ou dentro de algum espaço pequeno. Ela se sente desprotegida em áreas abertas.
*Ama animais e se dá muito bem com eles, tirando os gatos, que ela tem pavor.
*Se esconder.
*Se aventurar. Ela é uma viciada em adrenalina que não suporta passar o dia inteiro sem fazer nada.
*Adora fazer acordos. Ela não gosta de apostas, mas gosta de achar um jeito de os dois lados saírem ganhando. Ela gosta da ideia de "se eu ganhar você ganha e se eu perder você perde".

✧Não gosta✧
*Calor. Ela não liga para lugares abafados, mas sol à pico está fora de questão. Ela fica com dor de cabeça.
*Espaços muito abertos, porque se sente desprotegida.
*Que lhe tratem como criança graças a sua aparência. Ela sabe que desperta um desejo de proteger, mas você gostaria de ser protegido só porque parece frágil? Além disso não lhe deixam fazer nada porque acham que ela vai se machucar! E ela gosta de fazer coisas aparentemente perigosas!
*Brigas. Se ela gosta de situações onde todos saem ganhando não tem como ela gostar de brigas, onde todos saem perdendo. É como uma aposta, só que não envolve sorte, o que é ainda pior, porque assim só há um com chance de vencer.
*Lógicas sem lógica. Sabe quando te explicam alguma coisa que faz sentido mas que ainda parece errado? Então, ela odeia isso.

✧Curiosidades✧
*Ela é ambidestra, sendo capaz de utilizar muito bem ambas as mãos.
*Ela chamou sua raposa de 9 caudas de "Jun" por seu significado ser "10". Porque ela ama Jun então achava que ele era melhor do que qualquer raposa de 9 caudas, mesmo possuindo apenas 2.
*Por alguma razão, gatos à odeiam, então eles sempre lhe arranham ou mordem o que gerou seu medo por gatos.
*Ela é viciada em pimenta. Ela não aguenta comer nada que não tenha ao menos um pouco de pimenta (a não ser, claro, que sejam doces).
*Por ela gostar muito de lugares apertados ela acaba não tendo noção de distância com outras pessoas, quase sempre se aproximando demais sem notar.

✧Habilidades✧
*Ela é muito boa em cozinhar doces, mas suas comidas salgadas são gostosas apenas para ela, porque exagera na pimenta.
*Ela não nada muito rápido por ter membros curtos, mas é campeã em ficar mais tempo sem respirar embaixo d'água.
*Muito boa em escalar qualquer coisa, incluindo pessoas. Se ela ver um gato vai escalar a pessoa mais alta que encontrar por perto.
*Especialista em se enfiar nos cantos mais apertados. Talvez o fato de ficar tanto em lugares abafados tenha feito ela tão boa em prender a respiração.
*Ela tem uma mira quase assustadora. Ela poderia acertar um pernilongo em movimento com suas facas. Se bobear ela até sabe fazer as facas fazerem curvas no ar.
*Corre como um raio. Te garanto que se ela correr você jamais seria capaz de alcança-la. E se reclamar essa baixinha ainda corre por baixo das suas pernas sem você conseguir pegá-la (no caso de você ser bem alto. Ela é baixa mas nem tanto).

✧Algo mais?✧
Nop.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...