~Nirvanacamila

Nirvanacamila
Mila
Nome: Camila/ pequena red/ Beah/ morena/ meu amor/ bonequinha de porcelana sexy...
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 25 de Novembro
Idade: 18
Cadastro:

Descobri o amor


Postado

Eu passei grande parte da minha vida procurando e almejando por isso, e quando eu encontrei, foi com quem eu menos esperava, num momento em que resolvi adiar um pouco depois de uma decepção boba, que se deu simplesmente por ter me desviado de meus conceitos e feito o que as outras pessoas fariam. Eu sou diferente.
É engraçado parar pra pensar em como isso começou, porque bem na verdade, eu não sei… Mas eu percebo que em algum momento, lá no início, eu soube, mas definitivamente foi um pressentimento vago, que preferi ignorar. Talvez tenha sido quando toda a ideia que vinha acompanhada com aquele nome se desmistificou, e percebi que a ideia estava errada. Simplesmente, aconteceu.
E quando entendi que o que eu sentia tinha nome - que aliás hoje em dia é muito vulgarmente usado - eu tive medo, muito medo. Percebi que por mais que almejasse algo assim, era algo que me dava pavor, e que na verdade, eu nunca me permitira sentir algo assim por deixar meu próprio medo criar uma redoma : que mantém as pessoas próximas e visíveis, mas ainda assim muito distantes. Mas aquelas mãos nas minhas, fez redoma se desfazer.
Eu nem se quer era capaz de dizer tal palavra, eis a não tão boa, porém velha, negação; logo eu, que sempre odiei a ideia de mentir para mim mesma. Mas não durou muito, aquilo já tinha se espalhado por todo o meu ser, como se fosse um vírus que se multiplica, e se multiplica e se multiplica…
Até na distância é algo que não para de crescer, não nego que ainda morro de medo, é assustador sentir algo tão arrasador sem nem entender por que! Minhas mão estão atadas.
Mas eu amo. Amo cada dia mais, mas esse mesmo amor que me dá tanto medo, me dá muito mais em coragem, porque é preciso sim muita coragem para se permitir amar, admitir amar e para compartilhar esse amor…
Logo eu, que nunca gostei de falar de amor, que sempre achei errado dizer largamente que ama alguém - afinal, uma palavra com um significado tão forte não merece ser vulgarizada, vendida e dita a qualquer um como tem sido -, escrevo um texto sobre tal. Eu, que sempre achei as palavras tão importantes, digo “eu te amo”.
Mas engraçado é perceber o tamanho estranhamento que me causa, dirigir tal palavra, a algo que não seja para a pessoa que me desperta tal sentimento…

Você é meu tudo Tomás.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...