~PandaAttack

PandaAttack
It's a panda attack, bitch!
Nome: Aretha/Monica
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 6 de Junho
Idade: 20
Cadastro:

FASE M


Postado

FASE M

Bom dia. Boa tarde. Boa noite

Aqui é a Aretha e, como a maioria de vocês já sabem, hoje é a abertura da Fase M!

Primeiramente, se você não participou da Fase K e não sabe sobre o projeto direito, peço que leia este jornal: RandomiC Rroject: Explicação e abertura Fase K , pois nele nós explicamos detalhadamente sobre o projeto e as regras, então, por favor, é muito importante que leiam antes de se inscrever! Quaisquer dúvidas entrem em contato conosco!


Mônica:
Twitter/ Facebook / KakaoTalk: Monketin

Arêtha:
Twitter / Facebook / KakaoTalk: pgnomo

LEMBREM- SE: Será preciso preencher novos formulários, MESMO OS QUE JÁ PARTICIPARAM DA FASE K! Seguiremos o mesmo esquema da primeira fase

Formulário de inscrição / Formulário do sorteio / Hall de denúncias

RELEMBRANDO:
NÃO ESQUEÇAM-SE DE RESPONDER AOS FORMULÁRIOS!
Algumas pessoas esqueceram de preencher o do sorteio e, mesmo tendo postado, ficaram de fora do sorteio DA FASE. Quem postou DENTRO DO PRAZO, mas não participou do sorteio da fase, ainda concorre ao CD, SE PARTICIPAR DAS FASES SEGUINTES! E, se a fic tiver mais de um capítulo, preencha o formulário APÓS terminá-la!


Essa fase terá como GÊNERO: HISTÓRICO!

REPETINDO:
MÍNIMO DE 3 (TRÊS) MIL PALAVRAS!

Não existe máximo! Todos os participantes estão livres para escrever o máximo que conseguirem. É PERMITIDA A DIVISÃO EM CAPÍTULOS, desde que CADA CAPÍTULO tenha NO MÍNIMO 3 MIL PALAVRAS e que a história seja TERMINADA DENTRO DO PRAZO estipulado.


Para melhor organização, deixarei, após os poemas/frases guias da fase, um calendário que Mônica fez especialmente para facilitar a vida de todo mundo!
FIQUEM ATENTOS A ELE PARA NÃO ESQUECER OU CONFUNDIR DATAS!

Esse jornal eu farei um pouco diferente na parte dos poemas guias. Achei que seria interessante trazer uma lista com algumas recomendações de filmes, documentários e livros, para ajudar vocês. Claro, ninguém será obrigado a escrever sobre o que eu colocar aqui! É apenas uma ajuda!
Procurei saber, também, sobre a história coreana, pois seria interessante que escrevessem sobre. Conversei com meu amigo sino-coreano, o Huang, que me contou por cima algumas coisas e me recomendou alguns filmes que talvez pudessem ajudar vocês. Irei adicionar “comentários” ao lado de alguns filmes para instigá-los a assistir/plotar. Não fiz isso com os outros filmes, porque a maioria deve conhecer ou pelo menos ter ouvido falar.
O resumo que fiz sobre a história coreana ficou muito extenso, por isso irei deixá-la como “spoiler”, para não aborrecer quem não está interessado.


História coreana (lembrem-se, isso é apenas um resumo! Não irei entrar muito em detalhes)

Comecemos cinco mil anos atrás. Existiu o primeiro reino que era governado pelo rei Dangun. O reino se chamava Gojoseon. Esse reino perdurou por muitos anos, entre 2333 a.C.~108 a.C. Então entre 57 a.C. ~676 d.C. Temos a era dos Três Reinos (Início no século IV até metade do VII) foi um período onde houveram disputas entre os três reinos rivais, que se estendiam entre a península coreana e o noroeste da Ásia. Os três reinos chamavam-se Goguryeo, Baekjae e Silla.

Dizem que o primeiro rei de Goguryeo, Gwanggaeto, foi um governante brilhante, além de ser responsável por boa parte da expansão territorial. Goguryeo era o mais poderoso de todos os reinos e, também, o mais agressivo. Muitos dizem que era o reino mais forte da ásia oriental do século V.

Baekjae (18 A.C. até 600 d.C.) foi fundado pelo rei Onjo, o filho do rei de Goguryeo, na parte sudeste da Península Coreana. Eles eram bem à frente do tempo e mantinham relações comerciais com os países vizinhos, como o Japão. Eles faziam trocas de material e de pessoas e acabou que a Coréia sofreu influências técnicas japonesas e vise versa.
Silla ficava ao sudeste da península coreana e era o mais frágil de todos, mas ironicamente foi o que unificou os três reinos. Durou 992 anos, desde 57 a.C até 935 d.C. Venceu Baekjae e Goguryeo, um atrás do outro, com as forças aliadas do Império Tang da China. Depois da unificação dos Três Reinos, o império Tang já não era um aliado, mas sim um invasor. Portanto, Silla se uniu com as forças dos outros reinos para livrar-se do Império de Tang e, como resultado, foi fundado o primeiro estado unificado da Coreia, no território ao sul do rio Daedonggang e Wonsanman.

Durante dois séculos e meio, Silla desfrutou de paz e estabilidade. O budismo floresceu, baixo a proteção da nobreza e da corte, e exerceu uma grande influência nos assuntos do Estado, na arte e moral.
Essa parte a seguir ficou um tanto confusa para mim e não consegui achar muitas coisas relacionadas ao que o Huang falou, mas mesmo assim, irei falar, pois achei importante.

Ao mesmo tempo que havia os três reinos, também havia Gaya- que alguns dizem ser um reino e outros dizem ser uma confederação de reinos, mas ninguém nunca chegou a um acordo. Huang foi ensinado que era uma confederação de reinos, então tomaremos nesse sentido. Eram pequenos reinos unidos perto do rio Nakdong e, por ficar perto da costa, era uma confederação comerciante também. Algo como um polo de comércio com China e Japão, que negociava, principalmente, objetos de ferro.

Então, depois, a paz e prosperidade em Silla alcançou seu fim, entrando uma em lenta decadência. Intensificaram-se os conflitos entre os nobres; os líderes rebeldes reclamavam o direito à sucessão dos reinos de Goguryeo e Baekje.
Depois da queda de Goguryeo, Dae Jayeong, um ex-general de Goguryeo, formou um exército dos habitantes de Goguryeo, Malgal (uma tribo de Tungus) e Jinlin, e emigrou ao território controlado pela China. Balhae surgiu das ruínas de Goguryeo. Recuperou-se boa parte do território e quem dominava eram os habitantes do antigo reino de Goguryeo. Então as coisas não mudaram muito.

Então, entramos nas dinastias.

Dinastia de Goryeo. Nessa época surgiu o Jinkji que é uma espécie de livro extremamente antigo e também surgiu a porcelana de Goryeo. Artefatos mundialmente importantes. (Quem ficar curioso pesquise a parte).

Dinastia de Joseon, a mais importante de todas. Essa dinastia, que durou de 1392 - 1910 d.C, foi importante por vários motivos, alguns deles são: Primeiro, a Coreia já tinha uma maior visão de Estado. Segundo, adotou-se o confucionismo, que é uma filosofia criada por Kung Fu Tzu que diz que deve-se buscar Tao. Sendo que Tao, significa caminho superior.
Por esse caminho, acredita-se que é possível alcançar uma vida equilibrada e boa. Através de Tao, os homens conseguem equilibrar os prazeres e vontades materiais e as vontades do céu. Mas, o importante do confucionismo são suas doutrinas que valorizam a disciplina, estudo, consciência politica, trabalho e respeito aos valores morais e éticos.

Essas duas coisas não são tão importantes quanto o “salvador” rei Sejong. Ele é um dos reis mais respeitados pelos coreanos até hoje. Ele foi o responsável pela criação do Hangul em 1446. Antes disso usava-se os caracteres chineses e apenas os ricos/muito ricos/realeza sabiam escrever, já que eram necessários professores especializados. O Rei Sejong, decidiu então, criar o Hangul. Um sistema simples que representa, homem, céu e terra e a junção dos três formam os nossos ideogramas atuais. O surgimento do Hangul foi tão importante que, até hoje, os coreanos comemoram o dia de sua criação.

A dinastia Joseon acaba em 1910 por causa da dominação japonesa que durou entre 1910 a 1945. Trinta e cinco anos de dominação onde o Japão saqueou todos os bens da Coréia, matou milhares de cidadãos, censurou toda a cultura, impedindo, até mesmo, a utilização do Hangul. Diversos movimentos em busca de libertação foram reprimidos com intensa violência. Tanto que hoje na Coreia existe um dia (creio eu que seja dia primeiro de março, que é o dia do movimento pela independência, mas não tenho certeza) em que os jovens se vestem com os uniformes japoneses, se pintam de prata e vão lembrar a população tudo o que nosso povo passou nas mãos dos japoneses, por isso o ódio da maioria nunca é esquecido, e por essa razão que muitos coreanos dão graças a deus pelas bombas no Japão, porque foi isso que fez com eles se rendessem e libertassem a Coreia.

Cinco anos depois que os coreanos foram libertados da dominação japonesa, entraram em guerra entre eles mesmos. A Guerra da Coreia que foi de 1950 até 1953, dividiu o país em dois. O Norte e o Sul. Essa guerra fez com que mudanças sociais, econômicas e políticas gigantescas acontecem. Como a instauração de uma república. Mas só em 1988, quando os Jogos Olímpicos foram realizados em Seul e a Copa do Mundo em 2002, o país foi considerado importante internacionalmente e começaram a crescer.

O final não precisa de tanta explicação como o início, pois certamente a maior parte de vocês estudou isso na escola. Entretanto, gostaria de me aprofundar um pouco mais na parte da dominação japonesa. Na escola, pelo menos onde eu estudei, o Japão não é muito citado e é muito raro falarem dos crimes de guerra que eles cometeram, o foco é sempre a Alemanha nazista e eu gostaria de lembrar a vocês que o Japão fez coisas tão horríveis, se não piores, que a própria Alemanha, até porque eles eram aliados.

A Coreia virou protetorado do Japão. Eles foram simplesmente anexados e tiveram que engolir a cultura japonesa a força. Isso começou com o Tratado de Ganghwa, por volta de 1876, que foi bastante injusto e invasivo. Prestem atenção que isso foi antes mesmo da invasão japonesa, que ocorreu 1910.

Ocorreu a seguinte situação: Na Coreia, a forte ditadura de Heungseon Daewongun ou, como é conhecido no ocidente, Príncipe Gung (regente da dinastia Joseon durante a década de 1860) foi derrubada pela Imperatriz Myeongseong, que instituiu uma política de portas fechadas para as potências europeias. Após Príncipe Gung se retirar do poder, muitos novos oficias que apoiavam a ideia de abrir o comércio com os estrangeiros tomaram o poder. Devido à instabilidade política, o Japão desenvolveu um plano para exercer influência na Coreia antes que uma potência europeia o conseguisse. Em 1875, o plano foi colocado em prática: o ''Un'yō'', um pequeno navio de guerra japonês sob o comando de Inoue Yoshika, foi despachado para verificar águas costeiras sem a permissão da Coreia.

Em 20 de setembro, o navio alcançou a Ilha Ganghwa, que foi um lugar de confrontos violentos entre as forças coreanas e as forças estrangeiras na década anterior. Em 1866, a ilha foi brevemente ocupada pela França, e também, em 1871, sujeita a intervenção americana. As memórias desses confrontos estavam muitos frescas, e havia um pouco de dúvida se a guarnição coreana atiraria contra um navio estrangeiro que se aproximasse. Apesar disso, o Comandante Inoue ordenou que um pequeno barco partisse, alegadamente que estava à procura de água potável. Os fortes coreanos abriram fogo. O Un'yō aproveitou-se de seu poder de fogo superior para revidar e silenciou as armas coreanas. Então, ele atacou outro porto coreano e partiu de volta para o Japão.

O Japão empregou a diplomacia das canhoneiras para pressionar a Dinastia Joseon a assinar os tratados desiguais. Mas o que seria essa diplomacia? Bem, refere-se à busca de resultados em política externa com a ajuda de exibições notáveis de poderio militar, implicando uma ameaça direta de guerra, se os termos não forem do agrado da força superior.

No ano seguinte, uma frota japonesa liderada pelo embaixador especial Kuroda Kiyotaka veio para a Coreia, exigindo desculpas do governo Joseon e um tratado comercial entre as duas nações. O governo coreano decidiu aceitar a exigência, na esperança de importar algumas tecnologias para defender seu país de qualquer invasão futura.
O pacto abriu a Coréia. De acordo com o tratado, ele acabou com o status de Joseon como um estado tributário da dinastia Qing e abriu três portos ao comércio com o Japão, especificamente Busan, Incheon e Wonsan. No entanto, o tratado veio a ser o primeiro tratado desigual assinado pela Coreia. Ele concedeu direitos extraterritoriais aos cidadãos japoneses na Coreia. Com a assinatura de seu primeiro tratado desigual, a Coreia tornou-se outra presa fácil para muitas potências imperiais e mais tarde o tratado levou a Coreia a ser anexada pelo Japão.

A partir disso, tudo apenas piorou para o povo coreano. As ações japoneses foram chamadas de Holocausto Asiático por tamanha brutalidade que utilizaram. Como vocês já devem ter noção, entre o período da dominação japonesa as duas grandes guerras ocorreram. A primeira guerra foi entre 1914 a 1918 e a segunda guerra entre 1939 a 1945. Disso vocês podem imaginar o que o país aliado da Alemanha nazista fez.

Coreanos sofreram com torturas intensas, estupros, utilização de humanos para experiências médicas, os mestiços foram fuzilados apenas por existirem, famílias inteiras massacradas, pais foram colocados para assistir suas filhas serem estupradas, mulheres foram obrigadas a dançarem para os soldados em bordéis, além de muitas outras coisas horríveis. Esses são apenas exemplos. Os crimes de guerra do Japão chegaram ao último nível de criminalidade: Crime contra a humanidade e contra a paz. Em algumas regiões no oriente, criou-se o termo “crime japonês”, quando o crime é muito horrível e/ou cruel.

Ninguém nunca se lembra que as tropas japonesas chegavam a ser mil vezes piores que as tropas alemães. Eles marchavam com crianças empaladas nas baionetas, punhal ou adaga que ficava atada à ponta das armas de fogo. Porém, quando se fala em guerra mundial a Alemanha nazista é o foco e o ocidente fica alienado, acreditando que o Japão foi um pobre coitado que sofreu com radiação, com a morte pela explosão das bombas e com os EUA forçando a cultura capitalista deles.

O primeiro-ministro japonês, Shizo Abe, pediu desculpas às mulheres que foram obrigadas a se prostituir em bordéis japoneses do período de dominação nipônica.

Porém, isso foi apenas mais uma forma de os japoneses tentarem parecer bonzinhos. As vítimas nunca foram permitidas falar sobre o ocorrido com ninguém. Elas mantiveram esse segredo de sua vida, de abusos, em silêncio. Hoje, a maioria delas ainda está viva e carrega esse fardo. As moças, agora senhoras, estupradas e abusadas violentamente têm por volta de seus 80 e 90 anos hoje e ainda carregam essa tristeza em seus corações. E o Japão acha mesmo que pedir desculpas vai mudar alguma coisa? Criar um fundo para as mulheres estupradas não irá diminuir a carga histórica e nossas rixas tradicionais.

As relações diplomáticas Coreia do Sul-Japão, até hoje, são delicadas e é necessário amplos acordos e compensações para ambos os lados, para que os países cheguem a um consenso. O pedido anterior de desculpas foi uma tática japonesa de tentar amenizar as tensões entre os dois países. Entretanto, o objetivo não foi de todo eficaz.
Exemplo de rixas atuais, que não se resolvem devido à delicada relação Coreia-Japão, é a estátua de uma mulher coreana. Esta foi colocada em frente à embaixada japonesa em Seul. Ela representa as dezenas de milhares de mulheres coreanas forçadas a se tornarem escravas sexuais, na época da dominação japonesa. Ela foi levantada por ativistas como forma de protesto. O Japão sentiu-se ameaçado e atacado - já que considerava que essa questão havia sido resolvida em seu último acordo diplomático com a Coreia do Sul - e pediu a retirada da estátua. Entretanto, o governo sul coreano recusou-se a retirá-la e afirmou que a responsabilidade seria dos ativistas que a colocaram lá e não do Estado. Obviamente, a rixa e o rancor da Coreia do Sul contra o Japão surge forte nesses momentos, em que o país teria de agir “contra” a revolta de seu povo para auxiliar o país “inimigo”.

A raiva, o rancor e o pessimismo em possíveis relações interculturais, mantém-se fortes quando se tratar de Japão e Coreia do Sul. Não havendo previsão de relações fáceis e amigáveis em um futuro próximo, uma vez que as feridas do povo coreano ainda estão abertas, dado os conflitos terem ocorrido tão recentemente (há apenas 71 anos).


OBS: Aqui é a Mônica. Aparecendo aqui no meio do texto apenas para avisar uma coisa. Quem leu o spoiler percebeu opiniões meio radicais do meu namorado. Acontece que, ele é sino-coreano. Boa parte da vida foi criado na Coreia e outra parte na China (uma parte ligeiramente mais radical do que o esperado). Dois países, duas culturas, que verdadeiramente guardam rancor dos japoneses. Por ele viver no Brasil já há algum tempo, boa parte da raiva dele foi dissipada e ele consegue olhar com mente mais aberta muita coisa. Entretanto, não há como se desvincular de ensinamentos que se recebe desde feto. Então, relevem e entendam o lado dele /raiva dele/ quando se trata do Japão. Esse resumo que Aretha disponibilizou foi feito com base na visão dele, na visão de um coreano nascido e criado lá, para que vocês pudessem absorver como boa parte deles se sente até hoje. Tudo isso para ajudar no plot de quem optar por escrever, especialmente, sobre questões de guerra.
Por isso, qualquer opinião sua, que for contrária a dele, guarde-a para você. Obrigada.


Filmes históricos Coreanos (Dinastias e guerras civis)
– Secretly, Greatly (Assisti esse e encontrei facilmente em PT BR. Perfeito para um plot mais fofo e romântico)
– The Tiger: An Old Hunter's Tale (Se passa no fim da dinastia Joseon, quando a Coréia estava sob domínio Japonês)
– The Sound of a Flower (Suzy do Miss A atua nesse filme, então vocês devem achar legenda PT BR fácil. Se passa na dinastia Joseon)
– The Long way Home (Se passa na Guerra civil coreana. Huang disse que é meio imaginativo, entretanto dá para aproveitar o contexto)
– Masquerade (Dinastia Joseon. É histórico ficcional mas deve dar para ver como o sistema funcionava)
– National Security (O Huang não comentou muito sobre esse, mas pelo que eu pesquisei é um drama baseado em fatos reais. “Esse também deve servir para algo um pouco mais atual, só que nem tanto”. Foi o que ele falou. Resumindo é sobre um ativista da democracia que foi torturado)
– Assassination (Se passa em 1930, quando a Coréia estava dominada pelo Japão. Mostra um pouco da luta pela Coréia independente)
– The Throne (É um filme histórico que se passa na dinastia Joseon)
– War of the Arrows (Filme histórico, que, pelo que vi na sinopse, se passa na dinastia Joseon)
– IRIS: The Movie (Esse é com o T.O.P, é mais atual. Sobre os conflitos norte e sul e medo da ameaça terrorista nuclear)
– 71: Into the Fire (Esse também tem o T.O.P. Sobre a guerra civil coreana. Huang disse que era muito bom e que era baseado em fatos reais)
– The piper (Se passa em 1950, após a guerra civil coreana)
– Memories of the Sword (Esse se passa durante a dinastia Goryeo. Foi lançado ano passado, então creio que será mais difícil achar legenda em PT BR)
– Detective K: Secret of Virtuous Widow (Se passa na dinastia Joseon)
– Crossing (É um drama. Fala sobre um Norte coreano que cruza ilegalmente a fronteira pela china)
– Silmido (Fala sobre uma ilha que tornou-se historicamente conhecida quando foi utilizada como campo de treinamento de uma unidade de elite da Força Aérea. A sua função principal seria assassinar Kim Il-sung, ditador da Coreia do Norte, em território norte-coreano)
– Northern Limit Line (Baseado em fatos reais. Um drama sobre uma batalha naval travada em 2002 durante a copa do mundo da Coreia-Japão)
– Double Agent (Se passa em 1980 e como o nome já sugere é sobre espionagem)
– A Frozen Flower (Assisti esse, também encontrei facilmente em PT BR. É um drama que se passa na dinastia Joseon, creio eu, e tem um casal gay)
– Battle Ground 625 (Perfeito para um plot mais fofo. Creio que se passe na guerra civil coreana)
– Empire of Lust (Dinastia Joseon)
– The Royal Tailor (Dinastia Joseon)
– Chronicle of a Blood Merchant (Para plot fofo. Período pós guerra civil coreana)
– The admiral: Roaring Currents (Histórico verídico)
– Mundo: Age of the Rampant (Mais ou menos no fim da Dinastia Joseon)
– Pirates (Dinastia Joseon. Trata de piratas que se lançam ao mar à caça de uma baleia específica que está a prêmio.)
– The Face Reader (Dinastia Joseon. É com o Lee Jung Suk.)
– The Fatal Encounter (Fala sobre dois jovens órfãos que foram vendidos a Gwang Baek que treinava ilegalmente crianças para se tornarem assassinos.)
– The Huntresses (Dinastia Joseon. Se trata de três ladras.)

Pré-história
– A Guerra do Fogo
– 10.000 a.C.
– O Elo Perdido

Grécia Antiga e helenística
– 300
– Alexandre
– Tróia

Império Romano
– Asterix
– Gladiador
– Calígula
– Átila, o Huno
– Augustus
– Spartacus

Idade Média/Feudalismo
– O Nome da Rosa
– O Incrível Exército de Brancaleone
– Cruzada
– Coração Valente
– Joana D’Arc
– O Sétimo Selo

Grandes Navegações
– 1492 – A Conquista do Paraíso
– Cristóvão Colombo – A Aventura do Descobrimento

Absolutismo
– O Homem da Máscara de Ferro
– Cromwell

Reforma Protestante
– Lutero

Renascimento
– Dom Quixote
– Agonia e Êxtase
– Shakespeare Apaixonado
– Giordano Bruno

Revolução Francesa
– Danton
– Maria Antonieta
– A Queda da Bastilha

Revolução Industrial
– Tempos Modernos
– Germinal

Rússia pré-revolução e Revolução Russa
– Rasputin
– O Encouraçado Potenkim
– Reds

Segunda Guerra Mundial e nazismo
– O Grande Ditador
– A Vida É Bela
– Pearl Harbor
– A Queda
– A Última Bomba Atômica
– Cartas de Iwo Jima
– O Resgate do Soldado Ryan
– Arquitetura da Destruição
– Europa, Europa
- Operação Valquíria

Guerra Fria
– Dr. Fantástico
– Os 13 Dias que Abalaram o Mundo
– Boa Noite e Boa Sorte
– Intriga Internacional
– Topázio
– O Dia Seguinte

Guerra do Vietnã
– Platoon
– Apocalipse Now
– Corações e Mentes

Luta dos direitos civis dos negros
– Mississipi em Chamas
– Malcolm X

América Latina das décadas de 1950 e 1960
– Diários de Motocicleta
– Chove Sobre Santiago
– O Segredo de Seus Olhos

África no século 20
– O Último Rei da Escócia
– Diamante de Sangue
– Hotel Ruanda
– O Jardineiro Fiel

Crise do socialismo, fim da União Soviética
– Adeus, Lênin

Conflito entre Israel e Palestina
– Lemon Tree
– Paradise Now
– Promessas de um Novo Mundo

Terrorismo, guerras dos anos 2000
– Guerra ao Terror
– Restrepo
– Caminho para Guantánamo
– Fahrenheit 9/11

Documentários
- 300: A verdadeira história de Esparta
- Vídeo: Ditadura/Regime Militar (Canal Nostalgia)
- Como o Homem pisou na Lua? (Canal Nostalgia)
- Guerras Mundiais - Minissérie de 6 episódios (Canal History)*

*Disponível no site: http://www.mundodosdocumentarios.com.br/2014/12/guerras-mundiais-episodio-01-full-hd.html?m=1

SEGUE ABAIXO O CALENDÁRIO DA FASE M:



Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...