~SamaraSachiko

SamaraSachiko
It's Just Me, Myself and I
Nome: Micaela
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 7 de Novembro
Idade: 16
Cadastro:

Kurasabi Aiko


Postado

Kurasabi Aiko

Estou ferrada, eu sou preto e azul

Nome Completo:
Kusarabi Aiko
Idade:
17

Alcunha:
False
Apelido:
Aiko-chan/ Ai-chan (par)/ Kusarabi-san

Aparência:
longos cabelos castanhos com os olhos da mesma cor e pele clara. 1,78 de altura e pesa 56kg.





Personalidade:
Aiko é algo insana e divertida, alguém que não consegue por seriedade em nada. Ela consegue iludir, mentir e manipular situações a seu favor com uma habilidade notável. Ela está sempre com um sorriso divertido no rosto como se visse graça mesmo em coisas simples, mas seu humor é algo negro e ela só gargalha de coisas as quais o senso normal não ri.
Aiko é despreocupada e anda de um jeito desleixado, como se tudo a sua volta fosse patético e não fosse digno de sua importância. Ela não costuma se alto definir e também nçao espera que ninguém o faça, fala pouco de si mesma e usa um tom de voz arrastado. Dizendo que tudo, em algum momento, terá seu fim ela não dedica-se completamente a nada, nem mesmo a uma fração das missões que Yakuza designa para ela, sendo que Aiko vai cumpri-las levando um PSP, seu celular e fones, fazendo uso destes durante a missão. Mesmo assim, ela não costuma fracassar. Quando mortes estão envolvidas, ela coloca algo mais de interesse, já que estará adiantando o fim de uma vida, encurtando-a. Conseguindo modificar sua personalidade com facilidade, missões de espionagem são as melhores para si.
Ela dorme muito, gosta de ler e de mexer em seu computador ou celular. Também gosta de jogar, mas costuma fazê-lo quando está ao ar livre. Sua visão periférica é melhor do que o foco de sua visão, por isso quando luta com alguém ou apenas enfrenta, não olha tão diretamente para a pessoa. Em relação a sua visão, ela também tem problemas com a claridade, logo sai mais a noite e em dias nublados, mas quando precisa sair em dias de sol, sempre está com óculos de Sol.
Quando lhe pedem para contar ou explicar algo, ela relata o acontecimento modificando algumas coisas para no final perguntar “Quanto disso é verdade?”/”Qual parte é mentira?”. Muitos pensam que ela apenas está sendo infantil e faz isso sem proposito, mas na verdade ela testa suas habilidades de mentira e o quanto seus companheiros sabem sobre si.
Ela tem hábitos estranhos, como sempre ter uma tesoura, uma caixa de fósforos e um isqueiro no bolço.

Nacionalidade:
Portuguesa

Pais de Origem e Cidade Natal:
Portugal, Silves.
Historia:
A família de Aiko era de uma classe media baixa. Ela morava em um fazenda afastada da cidade, onde platavam parte de seus sustento. A Kusarabi e seus irmãos estudavam em uma escola pública na parte da manhã, a tarde voltava para casa, ajudavam com a faxina e na fazendo, logo depois iam fazer as tarefas da escola. Sua mãe, Winry, passa o dia em casa, cuidado da plantação e do resto da casa enquanto o pai deles passava quase que o dia inteira na cidade, como carteiro. Shin era um bom pai, mas muitas vezes perdia a paciência e não conseguia lidar com seus filhos pelo cansaço, afastando-se. Quando Aiko tinha doze anos, ela voltou da escola mais cedo com seus irmãos Alois e Ciel de, respectivamente, 10 e 8 anos; ela se deparou com a horrível cena de seu pai esfaqueando sua mãe, dizendo que não aguentava mais. Ela e seus irmãos estavam aterrorizados e paralisados com a cena e seu provavelmente não os teria visto se Ciel não houvesse sido o primeiro a sair do transe e gritar, muito alto, enquanto chorava. Shin olhou com nojo e reprovação para seus filhos, pegou a mesma faca que usou em Winry e foi até seus filhos. Certo, Aiko era nova, mas passava parte de seu tempo livre nas ruas, onde lidava com pessoas traiçoeiras e espertas e, por mais que isso não a fizesse saber de tudo, Kusarabi sabia que tinha que correr. Ela agarrou seus dois irmãos pelo pulso, deu um salto e saiu correndo. Porém não conseguiria mover Ciel, que ficara parado, chorando, enquanto Alois agarrava-se ao braço de sua irmã. Aiko queria voltar pelo casula, mas não teve tempo até que seu pai avançasse neste com a faca empunhada. Antes que Shin pudesse acertar seu filho, ela pegou Alois em suas costas, segurando na dobra de seus joelho e saiu correndo pelo pasto próximo. Era um morro enorme, coberto de mato seco, logo foi fácil para Shin colocar fogo na vegetação. As chamas vermelhas espalharam se rapidamente e, ao vê-las logo atrás de si, Aiko perdeu o equilíbrio e foi ao chão. Ela demorou alguns segundos para levantar-se novamente, mas quando conseguiu fazê-lo e foi até seu irmão, viu que este já ardia em chamas. Ela queria ajuda-lo, mas se via cercada pelas sombras e o choro de seu irmão a ensurdecia; sem conseguir pensar direito, ela saiu correndo dali até adentrar uma floresta e subiu em uma árvore grossa. O fogo não chegou na floresta com tanta intensidade, mas sua fumaça, sim. Aiko conseguiu cobrir o nariz, mas não os olhos e por isso sua visão central não é muita boa.
Ela ficou o resto da tarde e da noite em cima da árvore, com medo de descer. Só o fez na manha seguinte e foi para a cidade, onde ela começou a fazer magicas no sinal e a conseguir algum dinheiro. Ela percebia que somente isso não era o suficiente e, assim despertou seu poder, usando-o para convencer as pessoas a lhe dar dinheiro e conseguindo comprar, comidas, roupas e uma passagem para o Japão, onde continuou usando suas habilidades para ganhar dinheiro. Andando pelas ruas, ela ouviu falar de Yakuza, lhe pareceu uma boa forma de ganhar dinheiro e ela resolveu entrar.

Família:
mãe> Winry Kusarabi, morta aos 37 anos.
Emprego: trabalhava cuidado da casa.
Relação: Winry era uma mãe carinhosa, que mesmo na dificuldade sorria para seus filhos e procurava ao máximo realizar seus sonhos. Ela costumava ler histórias para Aiko à noite.


Pai> Shin Yagami atuais 45 anos.
Emprego: carteiro.
Relação: ela anceia por mata-lo para vingar sua mãe e irmãos. Tem anciã de vomito apenas por lembrar-se dele.


Irmão do meio> Alois Kurasabi, morto aos 10 anos.
Emprego: Estudante.
Relação: ela e seu irmão gostavam das mesmas coisas, logo uma discórdia entre eles era rara. Alois dizia que Aiko era uma princesa e ele, seu cavaleiro, que deveria lutar para proteger a mesma.


Irmão casula> Ciel Kurasabi, morto aos 8 anos.
Emprego: estudante.
Relação: ele era algo desajeitado, tímido e fofo, logo estava sempre dependendo de Aiko e nutria muita carinho por sua irmã, mesmo brigando com esta às vezes por passar mais tempo com Alois do que consigo.


Porque não gosta da Guilda:
ela ouviu boatos de que seu pai também foi para o Japão e uniu-se a Guilda. Mas são apenas boatos.

Como se uni-o a Yakuza:
ela estava comprando um café quando ouviu uns idiotas falando sobre Agência, Máfia do Porto e Guilda; coisas das quais ela já sabia. Até que ouviu um deles mencionar Yakuza, em seguida explicando para seus companheiros. Tendo ficado atenta a conversa, Aiko ouviu tudo e procurou pela Yakuza para unir-se.

Arma:
machado.
Do que..
Gosta: bebidas/comidas amargas, dias não ensolarados, noites frias ou frescas, enganar alguém com maestria. Tranquilidade, dormir, jogar, ler, animes, mangás, chapéus.
Não gosta: convencimento, discursos motivadores, insistência, dor de cabeça, esforço inútil, complexidade, doces, fogo.
Hobbies: jogos de dado e de cartas.
Manias: sempre está com fósforos, isqueiros e tesouras em seus bolços.
Medos/Traumas/Fobias:
não chega a ser pirofobia, mas ela tem medo de fogo.
Quer Par? Chuya Nakahara
Lema: Se no fim todo o nosso esforço pode acabar em cinzas, para que tentar?
Relação com...
Takasugi Yatori:
Aiko considera Yatori uma pessoa rara, alguém interessante, que merece estar viva. Acredita que a garota tem uma grande capacidade e que, se quisesse, poderia acabar com algumas coisas com determinada facilidade.
Takasugi Gillbert:
ela o vê como mais um ser humano qualquer, que não é tão interessante quanto irmã.

Takasugi Shisuke - Líder da Yakuza:
Outra raridade. Ela o vê com um espécime raro por não proteger seus filhos, aparentemente, esperando ter algo em troca. Além de ser um líder sábio.
Membros da Yakuza: ela gosta de jogar com eles, saber sobre eles, mas quando estes perguntam sobre si ela dá respostas superficiais, sem aprofundar ou muda de assunto.

Membros da mafia:
além de Chuya, em sua opinião, todos os outros são entediantes. Clonados, como ela diz, pessoas iguais as outras que não conseguem surpreendê-la. Não entende porque falam tanto deles.
Membros da Agencia:
a agência é um pouco mais interessante para si, por ter Edogawa Ranpo que apesar de não ter poderes tem uma dedução incrível e Doppo Kunikida, que para si é como um clone bobo-da-corte, por achar tudo que ele faz pateticamente engraçado. Mas para si, o resto também é algo clássico, apesar de Akiko ser alguém que considera suportável.
Membros da Guilda:
eles são os mais patéticos, em sua opinião. Pois são a Praga Mimada, a que se acha superior e, de verdade, isso da anciã de vomito em Aiko.

Seu Par:
a primeira vez que se viram foi em uma cafeteria, estava de noite, a cafeteria estava prestes a fechar, quando ambos entraram quase que juntos. Aiko pediu um café e Chuya também, a atendente se desculpou e disse que não havia pó suficiente para duas xícaras. Nakahara e Kurasabi começaram a discutir e a jogar coisas um no outro, até ele pegar a caixa de pó da mão da atende e jogar em Aiko. Enojada, ela cuspiu palavras ríspidas para ele sobre um olhar gélido que inclusive conseguiram fazê-lo se sentir mal.
No dia seguinte, se reencontraram em uma loja de chapéus. Quando seus olhos se encontraram, ela pôs o chapéu que admirava de volta na prateleira e saia da loja batendo os pés. Chuya, sem saber o porque exatamente (afinal de contas Aiko era apenas mais uma garota qualquer), foi atrás dela, segurando pelo braço antes que essa saísse da loja. Aiko suspirou pesadamente e Chuya se desculpou pela noite passada, dizendo que a levaria para tomar um café naquele mesmo momento se desejasse. Kurasabi ia negar prontamente, mas seu estava com fome e um café com um salgado cairia bem, logo ela aceitou. Eles começaram falando sobre chapéus e depois viram que tinham muitas coisas em comum. Quando Aiko contou-lhe que nunca havia bebido, ele se prontificou em chama-la para sair na noite do dia seguinte, o que ela aceitou. Chuya sabia que ela era menor de idade, mas não via problema. Seus encontros se tornaram frequentes e começaram a perguntar se eles eram namorados. Nakahara nunca conseguia responder aquela pergunta, logo era sempre Aiko quem, após revirar os olhos para disfarçar o rosto vermelho, respondiam que eram apenas amigos. Chuya havia se cansado de ouvir a morena responder isso e criou coragem para pedi-la em namoro. Após dizer xingamentos desconexos e dizer que tudo tem um fim, Aiko acabou por aceitar.
Eles são muito próximos e possessivos, principalmente Chuya. Não se importam em demonstrar afeto em público.


Sua opinião sobre a guerra prestes a estourar:
ela tem preguiça sobre tal guerra e a vê como uma perda de tempo. Mas tem uma esperança discreta de que seu pai esteja por lá para poder mata-lo.
Se um dos irmãos Takasugi estive-se em perigo: pessoalmente, ela não se prontificaria para salvá-los, mas se pedissem sua ajuda ela poderia ajudar.

Se seu líder morre-se:
ela não se importaria, pois sabe que vai acontecer a todos e vê isso como alguém natural.
Se ameaçassem alguém querido para você:
a única pessoa realmente querida para ela é Chuya e se alguém o ameaçasse, ela teria fortes cresças de que era um blefe, mas se irritaria e torturaria quem fez a ameaça.

Se lhe desafiasse:
por pura preguiça, ela não aceitaria.
Quando em uma Luta com alguém como age:
ela é calculista e por nunca olhar diretamente para a pessoa, consegue irritar a maioria facilmente. Ela zomba e não dá real importância.

Se ofender a Yakuza:
ela começa a rir da cara da pessoa como se tivesse contado a melhor piada.

Musica que lhe define:


Comida Preferida:
bolo de cenoura

Filme ou Serie preferido:
O último exorcismo

Livro Preferido:
Cidades de papel

Bebida Preferida:
café

Algum Vicio:
ela fuma.

Como age quando esta a Trabalho/Missão:
despreocupada e sem por muita importância, lida com facilidade e acaba rapidamente, fazendo tudo direito.

Amigos:
Ela tem algo de amizade com Akiko. A conheceu em uma loja de roupas, onde viu a mesma discutindo com uma atendente sobre o preço de determinada peça de roupa; com a pura intenção de fazer a fila andar, Aiko argumentou com Akiko contra o preço e acabaram por conseguir um desconto. Desde então, quando se vê, conversam um pouco.
Inimizades:
ela particularmente não tem inimigos, mas odeia todos os “clones” que são entediantes.

Roupas..
Sair:

[blusa xadrez, calça preta e coturno]

Luta:

[blusa, short e sandália]

Festa:

[blusa de manga lilas, calça jeans e um all star lilas]

Pijama:


Habitual:

[a do meio, terceira. A blusa é branca com bolhinas pretas o short é jeans sem o laço com um all star cano curto preto]

Poder: Cópia Melhorada
Ao ver a habilidade de uma pessoa, ela consegue copiar e usar novamente em outro alguém. Ela não cópia a habilidade, apenas o ataque que viu. Ela pode repetir este ataque em um período de um dia, depois só o faz novamente o vendo.
Não somente habilidades relacionadas aos poderes, coisas aleatórias mesmo como malabarismo ela consegue copiar e melhorar, eliminando alguns erros simples.

Morreria pela Yakuza: não.
O que acha do Relacionamento de Yatori e Dazai: ela não entende o que alguém rara viu em alguém entediante que sabe do próprio tedio e incluso quer se matar, mas não interfere, pois não acha que seja de sua conta.


Não fico nas sombras, apenas faço parte delas.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...