~Iozzy - Clan Akatsuki

Iozzy
K-POPEIRA S2
Nome: ♥Sarah♥/ @MissIozzy
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: São Paulo, São Paulo, Brasil
Aniversário: 2 de Junho
Idade: 16
Cadastro:

Memórias de Um Livro Sem Título


Postado

Memórias de Um Livro Sem Título

Memórias de Um Livro Sem Título

Por Neko Sombria

Gostaria de Dedicar essa a alguém, mas acabo de me lembrar que em algumas coisas, não devemos mencionar nomes...

Há anos me disseram que livros não nos valem a vida. Nunca entendi o real significado dessa frase. Mas eu tinha um dom que poucos poderiam profanar. Quando entendi o que esta frase realmente valia, já era tarde e eu não tinha motivos para voltar atrás. Nunca me arrependi do que fiz. Eu tinha orgulho de mim mesma por ter um dom que poucos tinham, por mais que vários farsantes estivessem no mercado. Eu havia ganhado o dom da escrita. Em sua forma plena, para redigir o que minha imaginação trouxesse.

E eu apenas escrevia. No início, pequenos textos para a escola. Ganhei um bom destaque por isso. E quanto mais eu escrevia, mais eu lia. Porque ler para mim, era a base da cultura. Foi quando um amigo meu, tão sábio, talvez por estar magoado comigo, ou talvez por naquele momento ele ter ganhado essa sabedoria, disse-me tal frase "... Livros não nos valem a vida. Você, mais do que todos, deveria saber disso".

Naquele instante, eu fiquei confusa sobre o que realmente significava aquela frase. Mas não dei o devido valor, pois eu tive a plena certeza de que havia perdido meu maior amigo. E perdi mesmo. Ele não voltou a falar comigo mais. E tampouco tive notícias dele pelo resto daquele ano. Ouvi falar nele, anos depois, na faculdade, e antes de me formar no Ensino Médio, que ele estava namorando uma das maiores herdeiras industrial. Não me recordo o nome. Sei que era de suma importância tal jovem.

Voltando àquele passado para entender o presente, eu continuei a redigir meus textos, postando-os na internet, sob vários pseudônimos, aventuras que nunca cheguei a viver, romances que nunca conheci, coisas que muitos precisavam ler. Foi nessa época que resolvi escolher uma carreira que sustentasse todo esse meu espírito e minha imaginação. Escrever livros.

Quando decidi isso, comecei a me esforçar para ganhar mais destaque do que já recebia. Notas altas já não me satisfaziam, agora eu queria reconhecimento, tanto escrito quanto verbal. As aulas de Literatura agora se transformavam em meu palco pessoal, onde eu poderia inventar e reinventar como eu bem entendesse, sem obedecer regras. E quando tudo terminou, eu comecei a faculdade. Letras, para dar aulas. Apenas mais um estudo de línguas para conseguir meu sonho.

Continuei a ganhar destaque em tal época. Na faculdade, meu nome sempre era o primeiro, para discursos, peças, trabalhos, não havia uma pessoa que não quisesse essa ajuda que eu poderia prover. Professores sempre entusiasmados com esse grande avanço, como se eu fosse uma sensação nova e melhorada de Albert Einstein.

Após a faculdade, meus gratificantes anos de ouro agora tomavam seu rumo à escrita. Comecei meu primeiro romance naquela época. Um romance cheio de suspense e mistérios, onde nada acabava com um final feliz, apenas novos começos e promessas de futuros diferentes. Esse livro, ao sair no mercado, me rendeu uma fama que eu não sabia ter. A pequena editora com a qual eu tinha contrato nunca havia esperado eu ter tanto lucro assim com apenas um livro. Foi instantâneo. As cartas redigidas a mim eram inúmeras. E o sucesso era tanto que tive de ser passada a uma editora maior para ter mais futuro.

Nessa época, todos queriam saber como uma indigente com apenas uma faculdade de Letras tinha vendido tantos exemplares em seu primeiro livro. Não havia explicações para quem não havia lido meu romance. Apenas após lerem as perguntas eram caladas. E lembro, com o maior dos sorrisos, o título do livro que me ergueu com uma simples frase: "O homem sem face". O título que meus leitores nunca esqueceriam, por ser o primeiro exemplar vivo de um romance que despertava interesse apenas com a frase inicial:

"Em certos momentos da vida, alguém sempre vai nos parar para perguntar se estamos seguros de nossas escolhas, essas pessoas, quando elas conseguem atingir esse propósito, fazem-nos pensar em nossa vida até aquele momento, porém quando não conseguem, são esquecidas facilmente por nossa memória, mas quando nos deparamos com uma que faz querermos mudar todo o nosso futuro, essas são as mais difíceis de abandonar no esquecimento".

Meus leitores se interessaram pela frase inteligente que foi guiada por meus dedos. E que deu início a um livro Best-Seller de uma escritora que só teve isso em sua carreira. Pois minha carreira virou minha vida sem eu sequer perceber. Eu vivia através de meus livros as aventuras, romances que eu nunca teria na minha vida estavam nas páginas dos meus livros.

Foi naquela época que tive grandes propostas de futuro. Propostas que dei as costas, pois minha carreira, como vai até hoje, ia de vento em popa, sempre achei que esses romances que eu escrevia eu poderia viver mais adiante. Nessa época eu o conheci. Um homem de parar o trânsito. Um homem que me desejava. Eu sempre encarei apenas isso, ele me desejava, então, após algumas noites, ele me conseguiu. Conseguiu meu corpo apenas, pois minha mente estava em algum dos romances que eu estava editando naquele momento.

Quando saí, pela madrugada, de seu apartamento, ele ainda dormia, mas eu pouco me importava, era apenas sexo. Eu, como humana, também tinha certas necessidades. E não era a primeira vez que acontecia algo assim. Cada vez que voltava desses encontros, sentia motivação para fazer páginas e mais páginas de alguma história. História que iria novamente virar outro Best-Seller que eu colecionava.

Porém, ele não sumiu como os outros normalmente o faziam. Ele continuou a insistir. Ele queria manter uma espécie de relacionamento comigo. Na época, me deixei levar e apenas curti. Ficamos enrolando por algum tempo, até que ele pediu um relacionamento sério. E eu neguei. Disse que eu não tinha tempo para isso, que estava em minha melhor fase de carreira. Lembro com avidez a expressão de mágoa em seu olhar.

Ele falou que me amava, e que por isso, iria deixar eu ir para onde eu bem entendesse. Na época nem me importei por estar trocando uma pessoa por um objeto. Mas era meu sonho, e eu estava realizando ele melhor do que eu imaginava. Aquela certeza me deu mais ânimo para continuar. Porém, eu também era afetada pelo tempo. E com isso, não ouvi falar dele tão cedo. Diziam os jornais que ele havia fundado uma multinacional e que faturava muito bem. Não me recordo agora o nome. Sei que ainda hoje é uma das maiores.

Nunca fui ligada em nomes. Nem daquele que eu desperdicei o amor. Que eu neguei meu amor. Como eu disse antes, não me arrependo de nada do que fiz. Arrependo-me do que não fiz. E não ter dado chance para viver e para amar é algo que me arrependo. O tempo acaba passando para todos nós. E para mim, passou também. Acabei continuando com meus Best-Sellers como é perceptível. Porém, esbarrei novamente naquele homem que eu não sabia amar. Voltamos a nos falar, mas eu sentia que ele ainda me olhava com um jeito apaixonado.

Jeito que, sem eu perceber, acabei desprezando. E aos poucos, nossos encontros ao invés de quase diários, passaram a mensais. O contato foi-se perdendo. E uma dessas manhãs, eu levantei e me olhei, pela primeira vez em anos, em um espelho. Vi que meu rosto havia ficado mais velho. Meu olhar não tinha mais brilho. Meu cabelo estava opaco. A única coisa que havia me restado eram minhas fantasias, meus contos.

E eles não me satisfazem mais. Estou aqui, para, escrevendo minha última peça. Meu último suspiro de fantasia. Pois agora, tenho 45 anos e quero correr atrás do que perdi. Daquele homem que eu sei que pode me fazer feliz. Sinto desapontar vocês com este último livro, mas espero que vocês entendam como eu entendi o valor daquela frase "Livros não nos valem a vida". Para meu amigo, que há anos perdi, sinto muito. Para aquele homem que agora corro atrás, eu te amo. Livros nos dão experiências maravilhosas, mas não podemos viver através deles.

Atenciosamente,

Haruno Sakura

Lendo: Fanfics
Assistindo: Disney
Jogando: PlayStation 2

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...