~Soow

Soow
Lalala <3
Nome: Retardada
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 17 de Novembro
Idade: 5
Cadastro:

CronoQuebra - - Ficha - -


Postado

CronoQuebra - - Ficha - -


✿ Minha estação preferida é a primavera :> ✿
FICHA

Nome:


♥ Sophie Franciele Moreau Petit Dubois. Sophie: Significa “sabedoria” ou "a sábia". Franciele: Significa “aquela que vem da França” ou “a francesa”. A jovem possui três sobrenomes e dois nomes, fazendo que a mesma odiasse o seu nome completo (pois é bem grandíssimo), os dois primeiros sobrenomes pertencem ao pai e o último, à mãe. Para pronuncia-lo com facilidade, apenas faz a chamada de “Sophie F. Moreau Petit D.” < muitos acham que Sophie tem quatros sobrenomes, mais na verdade tem três, e o F. é o segundo nome dela, e poucos sabem disso.♥


Nacionalidade:

♥ Francesa. Nasceu em Paris, na França. ♥


Sexo:

♥ Feminino. ♥


Sexualidade:

♥ Heterossexual. ♥


Disponível para par?

♥ Disponível. Esperarei mais fichas, para decidir. ♥

Quem será sua dupla?


Idade:

♥ 15 anos de idade (acabará de fazer). Nasceu no dia 17 de novembro. É do signo escorpião. ♥


Aparência:







♥ Cabelos negros como a noite, vão até os ombros. Olhos alaranjados e pele naturalmente bronzeada. Possui seios médios ainda em desenvolvimento, e não tem muita curva atraente. É magricela e não gosta muito de sua aparência. Mede 1,62 m de altura, não é muito baixa e nem é tão alta assim. Pesa 42,5 kg. ♥


Personagem de Anime/mangá usado na Aparência:

♥ Yukina Himeragi, do anime/mangá Strike Blood. ♥


Personalidade:
♥ ❝Às vezes, não consigo ser eu mesma, ou melhor, nunca sou o que realmente quero ser... Sim, o que eles querem que eu seja❞. Sempre pensa dessa forma sobre si mesma, Sophie não é uma garota totalmente 100% segura e confiante. Desajeitada e atrapalhada, principalmente em questões de etiqueta, mesmo com todo aprendizado e banho de refinamento, a jovem ainda desajeita em relação a isso, por sentir estranha e desconfortável. Mesmo que não há uma pedra no seu caminho, Sophie vai tropeçar de qualquer maneira. Barulhenta e péssima em espionagem (ela provoca barulhos com facilidade).
❝Entre dor e tristeza, ninguém sabe qual a razão❞. Sophie sempre sente um vazio em si, e tenta preencher de qualquer forma, já tentou aproximar de sua excêntrica família mas falhou por falta de diálogo. Tenta mimar com várias coisas, mais nada. Talvez, seja porque ela nunca teve amigos de verdade, pois as suas amizades eram sempre arranjadas e falsas (era obrigada a ser ‘amiguinha’ dos filhinhos insuportáveis dos amigos de seus pais). A sua falta de jeito e a timidez não a ajuda muito nas comunicações, fazendo que os seus diálogos sejam cósmicos e cheio de gaguejos: ‘Nossa como o dia está lindo... Espera ai... Está de noite! Desculpe-me, é que eu confundi o dia com a noite’.
❝Não importa quantas vezes que eu vou cair. Pois, quando caio... Eu levanto! Se um dia, não conseguir levantar... Sempre vai haver um alguém que vai atender a mão e me tirar do chão! Os seus verdadeiros amigos, são aqueles que te apoiarão nos momentos mais difíceis❞. É uma garota irritantemente otimista, só pensa no lado bom da vida. Nunca consegue enxergar o mal dos outros o que a faz ser ingênua e bem inocente, é daquele tipo de menina que ainda acredita em príncipes encantados cavalgando em seus cavalos brancos. Destemida e justiceira, se choca quando vê a injustiça com os próprios olhos e faz de tudo para impedir a mágoa aos outros. Detesta o pessimismo e sempre será aquela pessoa com cheia de sugestões e ideias simplicistas, é radicalmente fiel aos seus princípios ideias e aos seus aliados/amigos. Naturalmente engraçada (não percebe as bobeiras que sai de sua boca) e sorri quando é necessário, Sophie não é uma Miss Simpatia, ela também tem os seus momentos de nervosismo (ela fica descontrolada e quer QUEBRAR ALGUMA COISA OU ALGUÉM) e tem recaídas infelizes. Mais no fundo, Sophie esforça um sorriso: ❝Ainda tenho esperança em mim mesma. É uma pena, que já cansei de tudo❞. É bobamente esperançosa, mesmo de várias rejeições, ela ainda continuará acreditando que possa ser correspondida/compreendida.
❝Quando gostamos de alguém, é passageiro. Mais quando amamos alguém, é para todo o sempre❞. Tolamente romântica, Sophie fica no mundo da Lua e não consegue pensar na outra coisa, a não ser no amado. Mais quando está no momento crítico, Sophie percebe que o seu amor é egoísta e precisa esforçar para não ser somente “a garotinha apaixonada que é sempre salva pelo carinha” e sim, ser mais além disso. Esforçada e esperta, Sophie é extremamente feminista e quer que todos tenham os mesmos diretos. Envergonha com facilidade com gestos intimistas ou indiretas (ela fica muito sem graça). Medrosa em relação aos seus medos fúteis (como insertos, por exemplo), Sophie é sensível e péssima em esconder as emoções.
❝Farei todos esses meus medos terem medo❞. Sophie sempre ariscaria para salvar a vida de um desconhecido, é bondosa e generosa. Detesta ser chamada de mimada ou de princesinha do papai, ela tem um temperamento forte e fica nervosa (como descrevi, ela tem os seus momentos de nervosismo), chegando a ser agressiva. A sua paciência é limitada e tem aquele certo ponto, que ela praticamente vira uma fera. É leal e sabe cultivar segredos. Protetora e batalha para tentar equilibrar a razão e a emoção (pessoalmente, Sophie vai mais a emoção). Quando está próxima de uma pessoa, Sophie fica bem tagarela e faz piadas sem sentido só para tentar quebrar o silêncio, e a sua timidez vai sumindo. Companheira e sábia, sabe ser cuidadosa e preocupa muito com o estado emocional e físico da pessoa. Serena e profunda, pensa delicadamente sobre as questões da vida. Simples e humilde, mesmo vindo de um lar nobre, Sophie aprendeu os valores às graças a suas empregadas gentis. Tem uma sinceridade cautelosa (ela cuida para não tentar ser má) e teimosa (a sua teimosia é complicada). Brincalhona com os mais próximos, não é um gênio metido a sabe de tudo mas Sophie esforça para aprender coisas novas e melhorar bastante. ♥

História até aqui:
História baseada na música do anime Blood +
– Aozora no Namida –


Lagrimas do Céu
Sozinha na escuridão
Eu sabia o significado das suas lágrimas
Eu avancei ao lugar que desejava
Eu não quero machucar ninguém
O vento está soprando sobre o oceano
Rumo ao amanhã sem hesitar
Por que meu coração não se move?

— Porque as pessoas choram pela umas às outras? – questionou docemente, a menininha dos olhos alaranjados. O seu nome era Sophie Franciele, mais preferia o primeiro nome (odiava o segundo). Tinha os seus cinco anos de idade. – Porque elas não podem perdoar?
— Se o perdão realmente existisse. – pausa. A mulher que sorria para a Sophie, era a sua mãe. Ambas estavam sentadas no gramado na frente do casarão luxuoso. – Não haveria guerra.
Sua mãe tinha chorado, e como Sophie era apenas uma criança na época. Aquelas lágrimas significavam uma coisa terrível: O seu pai traiu a sua mãe. Soube disso, somente três anos depois quando escutou uma discussão escondida de seus pais, tinha oito anos:
— Filha, o que está fazendo!? – os seus pais estavam bravos quando encontrou a garotinha desastrada enrolada nas cortinas de seda.
Depois disso, olhou para a sua família com os outros olhos. É, ninguém era perfeito: As suas irmãs eram lindas e boas damas, algo que Sophie acreditava que nunca conseguiria superar disso. Os avos vivia fazendo reuniões bizarras e os seus pais, raramente se encontravam juntos. Sophie prometeu a si mesma, que nunca cometeria os mesmos erros que os seus pais.
Ela não queria sofrer como a sua amável mãe. Nem ter o coração de gelo como o seu pai.

*Qual será o destino que está por vir?
Eu não me arrependerei de ter nascido
Por dentro da tristeza está a coragem
Eu acredito que estou me aproximando daquela luz

As lágrimas jorram do céu azul
Algum dia se tornarão um sorriso

Sophie foi na sua primeira festa do pijama numa das filhas de uma amiga de sua mãe, isso a causou nervosismo pois nunca tivera amigos por conta de sua timidez. Tinha nove anos (ano depois do descobrimento da traição de seu pai) na época, sendo uma criança muito inocente e sem noção da maldade que estava por vir.
— Você será o cabra-cega, Sophie. – riu maldosamente, a aniversariante. E uma faixa preta foi amarrada sob os olhos fechados da garota.
Desastrada e mínima ideia de onde estava sendo conduzida, sentiu algo molhado em seus pés, apavorou-se incrédula:
— Onde estamos indo, Lorraine? – sentiu que a Lorraine e as suas amigas não estavam mais ai. Perdida e desesperada, tentou afastar do local molhado sem saber o que é. Acabou escorregando e bateu a cabeça em algo concreto.
O seu corpo pequeno afundou, sentiu o pesar em sua cabeça. Não tinha mais consciência e acreditou, que era o seu fim.

O vento segue um ritmo rápido
Soprar através de meus dedos
As coisas nas quais eu acredito ainda assustam mas...
Eu não vou desistir
A lua toca suavemente meus ombros
Sobre o reflexo da lua na estrada
Eu nunca esquecerei como me perdi

Ficou em coma por um ano e meio. O seu pai insistia em desligar os aparelhos, mais a sua mãe e as irmãs implicavam que haviam chances de que a Sophie voltasse a viver. Quando ela despertou, foi uma alegria mais também desapontamento. Pois a garota perdeu a vontade de ter sentido de continuar viver, estranhava muito com os sentimentos humanos. Ficou obrigatoriamente no hospital com acompanhamento psicológico e fisioterápico por dois anos, durante nesse tempo, Sophie conheceu o Dr. Castiel, o médico que atendia vários pacientes no hospital todos os dias:
— É estranho sorrir... – riu tímida, a Sophie. – Dói e muito.
— A primeira coisa que eu me apaixono nas pessoas, é o sorriso. – riu também, o doutor: –Mesmo que possa ser tão doloroso que seja, nunca desista de sorrir pelo o amanhã.
A jovem Sophie estava na cadeira de rodas até por quatros meses, durante nesse tempo, foi ajudada pelo Dr. Castiel, a bondade dele a inspirava um desejo de um mundo para o melhor, nesse período, era levada para vários quartos e alas do hospital, onde conversava com os pacientes em condições terminais, e alguns, com a mesma situação que ela. Sophie aprendeu valorizar a vida e claro, o simples. E criou sentimentos pelo doutor, mesmo sendo muito criança, Sophie fantasiava chances que poderiam ficar juntos para sempre às graças aos contos de fadas que eram contado pelas suas enfermeiras.
Quando recuperou o movimento das pernas, Sophie precisou recuperar o raciocínio lógico. Fora forçada a ter retorno aulas de etiquetas, sufocada com uma rotina rigorosa fora e dentro do hospital. Sophie nunca deixou de visitar os seus amigos e fazer caridades às instituições carentes.
As suas tentativas desastradas de aproximar de seu “príncipe encantado” falhavam de um jeito atrapalhado.

Se eu esperar pelo amanhã e nada acontecer
Uma mão me dará um impulso
E a minha escolha mudará
Esses fortes sentimentos, agora são maiores
As lágrimas que jorram pelo céu azul
Certamente clarearão amanhã

Sophie ficou arrasada quando descobriu que o Castiel iria partir para uma residência lá na África. Chorou bastante na época, foi no aeroporto acompanhada pelo o seu fiel motorista particular, o senhor Charles. Tinha os seus 13 anos de idade:
— O-oi... – gaguejou envergonhada, evitando de olha-los nos olhos. – Porque não poderia ficar aqui? Em?
— Porque tenho um sonho. – sorriu docemente, o Castiel. Ambos estavam encarando um ao outro, o médico tinha 27 anos de idade. – E para isso, preciso voar pra alcançar esse sonho. Você é uma garota incrível, e acredito que vai conseguir mais do que isso!
“Isso é uma despedida? É um adeus?” Pensou com as lágrimas descendo de seus olhos alaranjados. Odiava despedidas.
— Eu te amo, princesa. – seus lábios curvaram sob a testa da Sophie. Beijou suavemente e logo aproximou do rostinho da mesma: – Nunca te esquecerei.
Uma chamada alertava o voo do médico já iria desembarcar. Assustada, tentou correr até ele, mais uma multidão a afastou. Logo o viu na escada rolante, a olhando:
— EU TE AMO, CASTIEL! – gritou, Sophie estava sufocada pelas lágrimas: - Obrigada por amar... Eu prometo que nunca te esquecerei... EU TE ESPERAREI!
Castiel arregalou os olhos, surpreso com a declaração de amor da menina. Logo, em seguida sorriu e acenou, sussurrou algo que ela não compreendeu. Foi embora.
Sentiu o vazio voltar de repente.
“Eu vou voltar”. Fora o que ele sussurrou, mais até hoje ela nunca vai saber disso. Talvez.

Para onde eu olho
Aquele é o local onde eu começarei
Eu posso ir a qualquer lugar
Se eu não desistir de mim mesmo

— Você está bem agitada, senhorita Sophie. – sorriu uma das empregadas.
— Ela está esperando a ligação de seu príncipe. – riu a outra, que estava lavando a louça. – Ele vai te ligar. Afinal essa coisa de fuso de horário é complicado.
Todas murmuraram em concordância, deixando a menina aflita de nervosismo, queria quebrar alguma coisa só para aliviar a sua tensão que sentia pela demora da ligação. De repente, o volume da televisão foi aumentado por alguém, e uma reportagem anunciava uma tragédia de um avião caiu no oceano atlântico sem deixar sobreviventes:
— N-não... – sussurrou pálida, a Sophie.
— Oh meu Deus, é o mesmo voo que o doutor estava embarcando... – a empregada afirmara olhando tristemente à menina. – Deve ser um engano.
Infelizmente, três horas de depois, revelou a lista de passageiros e o Castiel estava incluído. Abalada e perdida, Sophie ficou de luto até os seus quinze anos de idade.
— Porque as pessoas se partem... – dizia em sussurros, adiante do túmulo de seu primeiro amor: - Será que você num lugar melhor? Realmente está no paraíso?
Ficou ali por duas noites, quase pegou pneumonia mais foi resgatada pelo simpático coveiro do cemitério. Ninguém de sua família entendia os sentimentos da mesma, principalmente o seu pai, este mesmo tinha arranjado um casamento de negócios para manter a união entre as duas empresas (o pai é empresário sucessivo), sendo que as suas duas irmãs já estavam comprometidas com bons casamentos financeiros. Por conta de ser uma família rica e importante, Sophie tentava evitar a hierarquia ou a frieza aos princípios ideais de liberdade e fraternidade. E ela, não queria ser vítima de uma união armada, pois a sua mãe também se passou por isso, milagrosamente as irmãs tiveram sorte de não passar por isso. Continuamente, Sophie conheceu o futuro “marido” aos 14, numa festa de aniversário de sua irmã mais velha:
— Olá minha dama. – sorriu arrogante, o pretendente de seu pai.
Revirou os olhos e resmungou um “Oi” baixinho, e passou uma parte da festa com o insuportável do pretendente no seu pai, ele era um ano mais velho que ela e tinha pavor de sapos (o nome dele era Kentin, praticamente contou a sua vida todinha para ela), animou quando soube o medo do rapaz, armou uma cilada: Pagou uma gorjeta para uns pirralhos caçar o sapo e colocar na calça do garoto sem ninguém perceber. E aconteceu. Por causa disso, a família mandou a Sophie para um internato só para meninas no dia seguinte.

Qual será o destino que está por vir?
Eu não me arrependerei de ter nascido
Por dentro da tristeza está a coragem
Eu acredito que estou me aproximando

As lágrimas jorram do céu azul
Algum dia se tornarão um sorriso

Durante em seu luto. Fora mandada para um internato só para meninas, isolado da capital da França. Um lugar com regras puxadas e rígidas, a garota teve dificuldades para adaptar, não conseguiu fazer amizades por conta de as garotas serem muitos superiores e arrogantes.
Perdeu o contato com a sua família, descobriu que a sua mãe tinha tentado um suicídio por meio de boatos (a sua família é importantíssima e bem conhecida), e isso a deixou abalada. E ficou preocupada quando ouviu das “más línguas” que a sua mãe estava internada numa reabilitação. Mais ainda não acredita isso. Com esforços para conseguir a algum acesso de comunicação (o internato proíbe uso de qualquer aparelho eletrônico), já tentou mandar cartas, mais nunca foram respondidas.
{ATUALMENTE}
— Por favor, me tirem daqui... – choramingou a jovem Sophie, debatia a porta nervosa.
Fora trancada dentro do armário do zelador pela Cora e as suas escravas fieis, porque a garota era a favorita para fazer o papel da Branca de Neve, do musical. E a Cora ficou fula da vida, e resolveu vingar da Sophie, a trancando:
— Porque não tenho sorte em nada? O que estou destinada? – olhou para a pequena janela, e sorriu: – Espero que eu possa sorrir para o amanhã, algum dia... – saiu pela janela, e subiu pelo terraço a onde ficava a saída. – Qual é o meu destino? – olhou para o céu estrelado. – Eu acredito que serei capaz de vencer o limite do amanhã!
E uma luz venho a sua direção. Em uma velocidade máxima.
Apenas estava começando o seu destino.




Manias e/ou Costumes e/ou Hábitos:
♥ Manias ♥
↬ Tem mania de mordiscar a ponta do indicador.
↬ Assoprar a franja, às vezes, de propósito.
♥ Costumes ♥
↬ De puxar o cabelo quando está nervosa/estressada.
↬ De ficar dando um pulinho. Sempre está tropeçando, até quando não há um obstáculo em seu caminho.
↬ Ajeitar a roupa, mesmo que já está bem arrumadinha.
♥ Hábitos ♥
↬ Tem hábito de ler em voz alta (ela não consegue concentrar lendo em voz baixa).
↬ De ficar repetindo os elogios que recebe (Sophie fica surpresa e chocada).


Gostos:
↬ De ler romances ingleses/francês, o seu favorito é Romeu e Julieta. Ama contos de fadas e os filmes da Disney, a sua princesa favorita é a Branca de Neve.
↬ De jogar ping pong e damas (ela é muito boa), e outro gosto jogativo é pôquer, o seu motorista particular a ensinou o jogo (também é boa).
↬ De horóscopo e assistir filmes de comédia romântica. De esgrima (ela pratica desde os seus oito anos de idade, e no internato, Sophie pratica bastante, já ganhou medalha).
↬ Cozinhar e criar receitas deliciosas. De ajudar as pessoas e escutar histórias. Ama Paris e visitar os museus.
↬ Observar as estrelas e cantar, de escrever poesias. Ficar no terraço pensando na vida, e ama rodas gigantes, para ela, dá para ver o mundinho todo.
↬ De mágica e circo. Adora coisas extraordinárias e pessoas confiantes e batalhadoras.
↬ Croissants e vestidos de princesa. De aventurar e lugares inesquecíveis.

Desgostos:
↬ Preconceitos (em geral) e pessimismo. De chorar na frente dos outros (ela sente inútil e incapaz de ser forte).
↬ Brigas/discussões/violência verbal e física.
↬ Machismo e hipocrisia. De fazer a chamada de seu nome completo. Comida mal cozinhada e maus tratos. De bullying e maldades sem justificativa.
↬ De ficar sozinha e de filmes de terror. De ver alguém sendo humilhado/ofendido. De mentiras/traições.


Vícios:
↬ Café muito doce (ela coloca muito açúcar, fazendo a querer café docinho do jeitinho dela).
↬ Tem um vício por leite de creme (a família evita acrescentar isso na sobremesa).

Medos e/ou Fobias:
♥ Medos ♥
↬ De se afogar de novo. E se apaixonar novamente, com receio de perder mais um amor.
↬ Tem medo de sua mãe que possa suicidar ou, ir a uma reabilitação sendo mal tratada. Tem medo de perder as pessoas que amam.
↬ Tem medo de morrer de uma maneira humilhante e ser um fardo a alguém. De ser traída por um alguém que confia muito.
↬ Tem medo de insertos e de trovões, de ficar sozinha. De dormir com a luz apagada. De pesadelos e de horror/terror.
♥ Fobias ♥
↬ Tem fobia com aviões e evita qualquer coisa que a transporte pelo céu (avião, helicóptero, etc).



Poder que controla:

♥ Espacial. ♥


Artefato:
♥ Uma pulseira. ♥


Armamento:





Relação com terceiros:
♥ Por conta de sua falta de jeito, Sophie tratará normalmente as pessoas. Tímida e sempre olhando para o chão, ela, às vezes tenta puxar um assunto para deixar o silêncio constrangedor de lado. Mais sempre será aquela pessoa que preocupa com os outros, se um desconhecido tiver em perigo, Sophie não hesitará e fará de tudo para ajudar e dar o seu melhor. Com pessoas frias, Sophie mante a sua educação e ignora as maldades. Com pessoas próximas, ela sente mais na vontade. Dificilmente ela conseguirá ser uma inimiga de alguém. Ela sempre vai respeitar as divergências. Mais tem o certo limite de sua “paciência”, quando se cansa de explicar milhões de vezes ou da babaquice, Sophie surta e perde a cabeça. ♥


Relação com dupla:
♥ Ela ficará desconfortável de início, mais aos poucos, vai se acostumando com as diferenças e ela, claro, que vai respeitar a privacidade do outro. Mais nunca deixará de cuidar e proteger o seu aliado, sempre vai verificar se tudo está bem e ok, sempre vai escutar e tentar compreender a opinião oposta, mais sempre vai dar bronca e incentivar o aliado. Nos momentos de batalha, sempre escutará as sugestões/conselhos do aliado para melhorar nos seus ataques, ela também ajudará dar o reforço e a defesa, estrategicamente ela é a auto-defesa da dupla. Por não ser uma garota segura, Sophie confia e muito nas ordens de seu ou sua aliado (a), mais é claro que quando ela analisa as ordens, percebe que há alguma injustiça e protesta bravamente. Sempre tentará evitar discussões/brigas, e ela usa o seu otimismo para incentivar o aliado em momentos conflitosos.♥

Relação com par:
♥ Incialmente, ficará confusa e corada. Vai ficar no tipo ‘Acho que é amizade, não quero me iludir’ e no ciúmes de vê-lo com outras garotas, vai dar uns socos sem dar explicações ou por não conseguir expressar os seus sentimentos, até mesmo a sua preocupação. Tímida e vai surtar quando recebe as indiretas de seu par, romanticamente não quer ser uma donzela que tem ser salva, sim, aquela que luta a lado a lado de seu par. Protetora e compreensiva.
Sempre vai estar o apoiando e incentivando-o a não desistir. Mais se for de outra dupla, Sophie fará de tudo para que não machuque nem ao seu próprio aliado, ficando estão, um conflito a si mesma. Ficará mais atrapalhada, quando tiver apaixonada. As tentativas dela de aproximar são cósmicas, e as declarações tímidas. Mais será uma grande amiga e aliada. ♥

Relação com o Núcleo:

♥ Ela ainda fica confusa o porquê de ter sido umas das escolhidas, e acha que fora um engano do Núcleo. Acha que não é digna receber o poder e nem participar dos jogos, se considera fraca e inútil, isso a provoca uma frustração: ❝Será que morrerei dessa forma? Lutando pelo o que? Pela minha família? Pelo planeta Terra? É o meu destino?❞. Talvez, o Núcleo tenha motivos para realiza-los os jogos, ela não o odeia nem o gosta, é uma confusão mental sobre isso. Mais vai respeitar o dragão e preocupar com a sua misteriosa condição (ela preocupa até com seres místicos). ♥


Algo mais?

♥ Somente isso. ♥

Escutando: Sex Pistols - - "Bodies"
Lendo: José de Alencar - - Lucíola
Assistindo: Haja Coração
Jogando: Nada :(
Comendo: Chocolate :p
Bebendo: Leite :p

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...