~yixingod

yixingod
›xperience;;+
Nome: ⁺✧ೃd (a n) e j a v u
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 24 de Dezembro
Idade: 15
Cadastro:

[color=#288502]❝t/w/o❜ m;o;n;t;h;s ❣[/color]


Postado

[color=#288502]❝t/w/o❜ m;o;n;t;h;s ❣[/color]

我的回答是:你。



Antes de qualquer coisa, escrevi esses textos sem a menor intenção de colocar a cara no sol.



maybe I'm a ̶l̶i̶t̶t̶l̶e̶
부끄러운.





E como eu não tinha ideia do que escrever, porque, porra, DOIS meses de namoro. Não é muita coisa num ponto de vista geral, mas cara, pra mim... Você conseguiu me aturar por dois meses! Não apenas por dois, mas foram seis, contando desde que a gente se conheceu. Continuo achando que você tem problemas na cabeça por gostar de alguém como eu, será que você bateu ela em algum lugar e perdeu uns dois parafusos? Não duvido que isso tenha acontecido, haha.



De qualquer forma, eu dei uma olhada nas minhas notas e descobri esses pequenos textos que são recentes e meio que "relatam" o que andou acontecendo com a gente nessas últimas semanas (querendo dizer, depois do dia 25/12/15 até o [olha o chute] dia 04/01/16). Não fiz nenhuma alteração nos textos antes do dia 05/01, só dei um ctrl+c e ctrl+v e uma editada pra ficar bonitinho.












[25/12/2015]







Se desejos fossem magicamente realizados,

Eu conseguiria estar entre seus braços nesse momento?

Pois esse é o que eu tanto desejo.

Se sonhos fossem reais,

Eu poderia saber como é o seu abraço?

Pois é essa a dúvida que invade meu subconsciente durante a noite.

Se a persistência movesse montanhas,

Eu conseguiria permanecer ao seu lado até o fim dos tempos?

Pois é isso que persiste em meus pensamentos.



Quando mais o tempo passa, mais essas ideias malucas passam pela minha cabeça. Mas percebi que não é apenas maluquice e sim os efeitos do amor.








Essa é a parte que você ignora o cu doce, afinal, minha inspiração tirou férias e eu preciso anotar o que me vem na cabeça. A culpa é sua por ter saído isso :v






[29/12/2015]





Eu geralmente não perdoo as pessoas facilmente.

Eu até falo "está desculpado", mas no fundo o acontecimento é bem guardado no meu interior para poder me defender de outra briga.

Não lido bem quando mentem para mim, quando me enganam e me fazem acreditar que algo é real.

Mas eu sei que no meio daquela mentira toda, uma pequena parcela foi verdade. Alguns sentimentos e fatos foram verdade. Você não me deixou entrar na sua vida do jeito que você entrou na minha, você sabe mais de mim do que eu sei de você.





Eu pensava saber muito, mas sei um pouco, porém, o sentimento que nasceu aqui não apaga facilmente. Eu contornei meu orgulho e meu complexo para te perdoar, para me dispor a continuar sendo sua. Mesmo você não pedindo desculpa alguma ou sequer pedindo para continuar comigo. Eu não me importo de me ferir mais ainda, pois mesmo você me machucando, eu sou uma pessoa que abre exceções e que apesar de fraca, consegue curar algumas feridinhas.




Bom, isso foi depois que eu e a Duda super enxeridas descobrimos algumas coisas e bem, foi bem estranho. Eu realmente achei que eu ia virar a macaca e dar a louca, mas eu simplesmente mordi o lábio inferior e pedi explicações. Fiquei calada tentando entender e nem lágrima eu derramei ao perceber que eu fui enganada. Realmente, eu não consigo lidar com essas coisas, você viu o que deu aquela brincadeirinha da Duda, mas eu simplesmente mantive a calma. Eu só comecei a chorar assim que eu percebi que aquele clima era de despedida.













Tudo que eu queria pedir era para que você ficasse, eu nem senti um pingo de raiva. Eu estava no direito, ah se estava, mas só de pensar que depois daquilo eu nunca mais iria falar com você, qualquer resquício de ira ia embora. Acabou que você continuou ali até o prazo de duas semanas acabar, e eu estava ali, coçando a mão pra digitar o que eu queria, mas a vergonha sempre me impedia. Você não faz ideia do tanto que eu fiquei agoniada! Nem digitar um simples "fique" eu conseguia.



Nesses dias, conversamos muito e você me deixou conhecer mais um pouco de você, eu fiquei tão feliz que só de digitar [momento gay] isso aqui me traz um sorrio na cara e algumas lágrimas ameaçando cair. A culpa não é minha, eu tô sensível, dá licença. Foi aí que eu pensei que eu realmente não me arrependi de ter dito "sim" para você. Arrependi menos ainda da minha resposta, quando você perguntou se eu queria que você ficasse.





[03/01/2016]





Estou escrevendo isso tudo antes porque eu sou muito retardada mesmo. Eu só usufruo da inspiração que resolveu tirar férias da vida toda de mim, e bem, eu gosto de escrever como você percebeu.

Ainda faltam uns 18 dias para fazermos dois meses juntos e pretendo "comemorar" essa data independente do que acontecer. Eu sou muito idiota, eu sei. Você não faz ideia do quanto eu sou idiota, só sabe uma parte superficial desse defeito. Tem coisas que eu não demonstro mesmo, mas estão ali no fundo do meu peito, boas e ruins.

Eu estou escrevendo isso em tom de despedida, olha o meu atrevimento. Mas isso é só medo, muito medo. Eu costumava a me vangloriar de que eu não assustava fácil (e se assusto a maioria das vezes eu não demonstro), mas agora eu tenho medo. Como algo tão presente me dá medo? Eu me pergunto várias vezes essa mesma coisa. Algo que poucos têm medo e que eu jurei que se chegasse para mim, eu não teria medo. Mas aqui estou eu: com o peito apertado; com muita vergonha de pedir uma coisa simples; pensando demais ao ponto de ser doentio.

Eu não sou uma pessoa que dorme fácil ou que tem sono pesado, a intensidade dos meus pensamentos já me fez virar madrugadas várias vezes e já acostumei a trocar a noite pelo dia durante as férias. Eu pareço aquelas paranoicas e não vou mentir: tem hora que eu me sinto uma paranoica, mesmo. Eu, muitas vezes, sinto vazia, sem objetivos na vida e simplesmente apertando o botão "foda-se" para mim mesma como se eu respirasse com essa ação. Eu tenho pouquíssimas qualidades, mas nem tenho força de vontade alguma para lutar pelo caminho que eu poderia tomar com o auxílio delas e fazê-las valerem a pena. Eu não me importo comigo mesma, como você já percebeu várias vezes. E sinceramente, ser consciente sobre meu "fracasso" é uma merda.Eu já até mudei o rumo desse texto, vamos voltar para o foco: essa minha mania de pensar muito me fez arquitetar em mil e uma coisas para te falar caso conseguíssemos chegar aos dois meses de namoro, e nem metade eu estou expressando.







Eu posso ter me mostrado fácil, mas ainda não solto tudo o que eu queira soltar, tem muita coisa aqui dentro que só vai se permitir sair no dia de São Nunca... Sabe, de todos os relacionamentos rápidos que nunca saíram de uma semana que eu já tive, presenciais ou a distância, o que eu senti nessas coisas superficiais nem chegaram perto ao que eu acho que sinto por você. Vamos colocar o acho, pois eu ainda estou supondo pequeno, apesar de não me importar muito comigo mesma, ainda não gosto de arriscar muito e quebrar a cara. É esse supondo "pequeno" já é muita coisa, ao ponto de me fazer parecer tipo de pessoa que se vê numa situação e imaginaria o que aconteceria se ele ou ela estivesse ali; aquela que chegou a assoprar as velas de 15 pedindo pra ouvir a voz daquele que está tão perto mas tão longe; aquela pessoa que vê uma estrela cadente e pede para poder ver aquele que ama; aquela que assopra um cílio que caiu desejando estar perto de alguém.

Eu simplesmente troquei desejos idiotas e matérias por desejos mais idiotas ainda e supérfluos. Seria muito pedir para ouvir sua voz? Seria muito pedir para te ver? Sim, seria, não tenho a mínima coragem de sequer pedir.

Você criou um monstro, Bernardo (hora da piada pois esse texto tá meio pesadinho e darkviado demais). Eu ainda me sinto idiota por ter te perdoado tão fácil sem nem ter gritado, rodado a baiana entre outras reações típicas da Danielle Martins Lima, aquela maluca lá que você chama de pão com ovo, tampa de caneta e muitos outros apelidos "carinhosos". Mas, sempre fui idiota mesmo, fazer o que.




Esse texto eu nem preciso explicar ou adicionar um comentário, acho. Mas aqui vai: 我很害怕失去你。




[04/01/2016]



Eu lembro que no começo do namoro, nós contávamos as semanas. Ainda conto, para falar a verdade, não sei se você também faz isso. Eu sempre taquei o “cagando e andando” para datas, mas como eu sou a rainha do orgulho hétero, comecei a me importar com essas gayzagens todas. Lembro que na primeira semana escrever o número de dias que faltava para o primeiro mês e quando foi escrever 28, saiu 288 e você zoou (seu cuzão, foi de propósito, TÁ?), e até continuamos com a brincadeira: 288, 50, 21.



2= encoraja o equilíbrio e o companheirismo.

8= equilíbrio; infinito; representa a inexistência de um começo ou fim, do nascimento ou da morte, e aquilo que não tem limite; ligação entre o físico e o espiritual, o divino e o terreno.

5= liberdade e das probabilidades de mudança, versatilidade, aventuras e viagens.

0= nada, o nulo, círculo, oco e o vazio.

1= lobo solitário.




Antes esses três números (288, 50 e 21) tinham significados diferentes, e acabei mudando eles meio que sem querer, mas que, de alguma forma, encaixa. Não vou explicar, quebre a cabeça sozinho, abraços.

Meu objetivo com essa de contar era porque eu queria fazer cada dia, semana, mês que durasse valer a pena. Mas aí eu percebi algo: eu não preciso encher esses dias de significados pois não vai tornar tão especial do jeito que é. Afinal, números são só números, você pode gostar ou não deles, mas eles vão estar presentes sempre. Não há necessidade de contar e impor qualquer coisa neles. Até porque eu quero um dia perder a conta de quantos dias estamos e estaremos juntos.




[05/01/2016]



你是我第一次想到了这一年。





[08/01/2016]





Tem algumas vezes que eu penso em algo para puxar algum assunto com você, mas qualquer tipo de tema na minha bolha da aleatoriedade parece desaparecer. É um saco isso, vejo você conversando sobre qualquer coisa com as pessoas e eu fico só observando, procurando alguma coisa que seja interessante (apesar de que a maioria dos meus assuntos sejam muito bosta, se fossem envolventes não seriam eu) nem que seja alguma novidade de algo do tipo que a gente aperta o “cagar e andar”.

Obrigada por sempre conversar comigo, mesmo eu estando nos meus momentos de chatice (a maioria das vezes cof cof).


感谢您的努力。

即使是我不值得。








Essa ideia das notas é até bem cansativa de ler, então eu parei por aqui. Bom, eu sei que repeti muita coisa que eu já disse várias vezes, mas aqui certamente também tem algo que você sabia ou não. Mas de qualquer maneira, não estou perto e a distância incomoda cada vez mais. O que eu posso fazer é jogar todos os meus sentimentos num bloco de notas, jornais ou até nas folhas do meu fichário.











~joga confete~ FELIZ ANIVERSÁRIO DE DOIS FUCKING MESES IRRRRRL



Agora a coisa mais óbvia daqui:
Eu te amo.



Segunda coisa mais óbvia: Obrigada por todos esses dois (+quatro) meses maravilhosos.



Terceira coisa mais óbvia: Eu sou viada do dia 24; você é viado do dia 24, se não for o destino eu não sei o que é.








所有我对你的爱贝尔纳多 @suganaja


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...