~yixingod

yixingod
›xperience;;+
Nome: ⁺✧ೃd (a n) e j a v u
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 24 de Dezembro
Idade: 15
Cadastro:

[u]the most beautiful moments in >my< life pt.1[/u]


Postado

Estou fazendo isso por sugestão de alguém. Essa pessoa me deu um objetivo a fim de me distrair pois ela sabe que meus pensamentos densos as vezes me deixam muito triste. “Por que você não tenta juntar eles numa onda, assim que passar o acúmulo vai embora” Foi o que ela disse. E, é, eu resolvi fazer isso. Resolvi fazer um jornal pois são neles que eu me expresso de uma “forma bonita” (ou só diabética demais) e para esse pequeno desafio, uma das regras é ser sentimental.

Regras:


1- Ser totalmente verdadeiro;
2- Comentar ou explicar o motivo do momento citado;
3- Não se oprimir por vergonha, só digite;
4- Não precisa colocar a ordem do melhor para o pior.




10 melhores momentos da sua vida até agora (??/??/??):



1 – Ter conhecido minha melhor amiga e pior inimiga num evento de Percy Jackson.
Num dos eventos, eu vi uma menina de cabelo curto num corte meio que lateral (?) e cacheado; camiseta vermelha; óculos; short com a bandeira dos USA pintado em um dos lados; se não me engano, algumas pulseiras nos braços. Presença fortíssima, jurei que ela era enjoada, com um ego maior que o corpo (pequeno, rç) e metida. Acertei em cheio, lógico (mentira, te amo Laura <3). Anyway, eu sei que não sou a melhor amiga do mundo, mas te conhecer aquele dia, aproximar desde aquela ligação matoriana e etc, foi uma das melhores escolhas da minha vida. Sinto muito por todas as brigas sem fundamento, por jogar meu peso em você sem lembrar de que você já carrega um muito pesado. Eu te amo muito, muito mesmo cara. Eu não sei o que eu seria sem você. E sobre nossa promessa, eu pretendo cumprir ela, pagando o que tiver que pagar. Eu sei que eu não sou uma boa pessoa pra esse tipo de promessa, pois nós duas sabemos o quão sem força de vontade eu sou. Mas, consegui arrastar isso até agora, e pretendo manter assim. Eu te amo muito, peituda da minha vida <3.



2 – Ter segurado minha irmã recém-nascida nos braços.
Esse dia foi muito estranho, eu estava sozinha em casa, ansiosa pois minha mãe ia dar à luz. Lembro de levar meu amigo, Maurício e uma menina que era minha amiga, Giulia, no meu apartamento e nós ligamos o computador. Não sei se era Skype, devia ser MSN (olha que old), mas em uma vídeo-chamada eu vi minha irmã. Depois alguém foi me buscar e eu pude entrar no quarto e um dos parentes ali perguntou se eu queria segurar ela. Eu fiquei com medo, mas segurei. Não sei bem o motivo de eu ter gostado tanto, já que odeio crianças e eu não me dou bem com a pestinha da Emanuelle. Mas eu sei que no fundo eu odeio essa viada de 5 anos que me faz passar raiva TODO SANTO DIA.



3 – Balançar no balanço do parque.
Ano passado eu estava sozinha em casa e meio triste. Estava dando indícios de chuva, mas eu resolvi bater perna mesmo assim. Sair sozinha sem rumo por Goiânia é perigoso, mas eu resolvi andar pelo parque Flamboyant, perto da minha casa. Não tinha ninguém no parquinho e eu sentei no balanço e comecei a balançar alto. A sensação das gotas de chuva e o vento na minha cara foi incrível.



4 – Ter mencionado a Duda só para elogiar a fanfic dela.
Seis meses atrás, numa data aí, eu mencionei a @kaiestressada num elogio. Ela demorou para responder, mas aí começamos a puxar assunto. Hoje, é quase impossível não falar com ela TODO SANTO DIA. Somos duas aleatórias que começam a falar sobre qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, desde dissertação sobre como os seres humanos cagam até a assuntos sérios. Minha companheira de treta, de bad e irmã da teta (que eu não tenho), cada momento estranho e engraçado, até os mais sérios foram importantes. Muito mesmo, até aqueles que a gente fala só para passar tempo e tentar animar o tédio. Te amo muito Duda, nem sei o que seria sem você. Acho que nunca fui tão aberta com qualquer outra pessoa, já que a maioria dos meus amigos ou estão muito ocupados ou fingem não perceber meus sentimentos. Você percebe, muito obrigada por isso.



5 – Conversa séria com meu pai.
Esse dia foi realmente importante. Eu nunca me abri para nenhum parente, e nunca sequer pensei na possibilidade de ter esse tipo de conversa com eles. Mas meu pai percebeu meus pequenos problemas e quando fomos obrigados a procurar algum médico para mim, acabamos conversando muito. Eu vi um lado que meu pai nunca mostrou para ninguém, percebi que não sou a única que tem certos pensamentos naquela família. Mesmo não sendo O cara, O melhor pai do mundo, O isso e aquilo, para mim ele é mais. Ele é um anjo que passa por muitas dificuldades só para me ver feliz.



6 – Conseguir ser “reconhecida” na High.
Bem, na época dos eventos de PJO, eu fiz várias amizades. Eu ficava indignada pois os meus amigos que eu considerava mais, que tinham um grupinho chamado High Society, meio que não eram próximos de mim. Eu me sentia excluída, principalmente por que uma das minhas amigas entrou no grupo fazendo amizade com eles em pouco tempo. Tem horas que eu ainda me sinto excluída, claro, isso não vai sair da minha cabeça tão fácil. Mas no dia em que eu me colocaram no grupo, eu senti uma felicidade enorme. Aqueles amigos, um bando de viados que sentem nojinho de héteros, conquistaram seus lugares no meu coração. Eu amo cada momento que eu passei e vou passar perto deles, pois quanto estou com eles, me sinto outra pessoa, aquela que não se afoga nos próprios complexos.



7 – O dia em que eu quebrei o punho.
Sei que esse não é bem um motivo para estar nos melhores, pois quebrar o punho dói. Pra. Caralho. Tá, na hora eu não senti dor, senti meu corpo todo dormente e eu chorava e não saia lágrima nenhuma. Mas, assim que eu tive que mexer o braço, doeu muito. Ir de carro para o hospital doeu muito, cada quebra-molas ou buraco que passava, DOEU MUITO VIADO. Mas sabe por quê eu fiquei feliz? Pois a minha mãe chorou nesse dia. Ela chorou por mim. Ela demonstrou sentimento por mim.



8 – Conhecer o Bernardo.
Cara, eu nem sei o que dizer, pois eu já repeti milhares de vezes. Não consigo medir o quão importante foi ter esse palerma na minha vida. Eu fui muito idiota de mal conhecer o @suganaja que chegou na tl dando o que falar, soltando o veneno e enchendo meu saco, e começar a me importar. Lembro que quando você entrava e eu estava na tl, aquilo virava um campo de guerra. E eu não vou pedir desculpas por todos aqueles 9835242 xingamentos direcionados a você, beijos mil. Bom, repetindo mais uma vez: seu jeito “foda-se o mundo” e as suas najadas me fizeram meio que superar as ofensas. Eu me doía muito por qualquer insulto direcionado a mim, mas depois dos seus 4874874 insultos diários, eu acabei me tornando mais forte. Gostar de você, amar você, nunca vou me arrepender disso. Nem se você me machucar, me ferir, me abandonar, seja lá o que for de ruim. Pois apesar de ser pequena, meu coração é gigantesco. Sensível, porém, sabe se curar. Às vezes eu acho que sou maluca, mas isso é apenas efeito colateral de te amar. Sabe, aquela vez que você disse para mim encontrar alguém que me ame pelos meus defeitos, me deu uma vontade de te bater. Pois eu já encontrei, bem longe de mim, mas encontrei. Eu não quero outra pessoa, eu quero você e apenas você. Tu me deixa louca, me leva aos extremos, brinca com a minha cara para depois jogar um “eu te amo” só para me desarmar. Eu odeio e amo isso. E, definitivamente, não quero perder isso. Eu tenho mil e uma formas de te mostrar, dizer, gritar, mas eu prefiro um simples “eu te amo” pois é isso que você escolheu, uma garotinha simples (porém complicada), sem graça, mas que tem muito amor para dar.



9 – (Inclua aqui vários momentos) Risadas com a Letícia e com o João.
Cara, realmente, foram muitos e muitos momentos, mas não vou selecionar só um, pois todos foram importantes (apesar de eu não lembrar alguns). Cara najada, risada, zoeria, palhaçada, discussão falsificada, tudo me fez sentir melhor em segundos. Eu agradeço ter conhecido ambos, pois cara, quem são as melhores najas daquela TL chata? Vocês. Let, foram muitos meses já, acho que foi mais de 7, e cara, afastada ou não, colada ou não, na puta que pariu ou não, não vou sentir vergonha de dizer que te amo. Apesar de nós não sermos tão juntas como antes, o sentimento ainda permanece aqui e é isso que importa. Você já melhorou meu humor várias vezes sem perceber. João, amorzão, najona máster, dono do meu cu, entre-outros-nomes-que-fiquei-com-preguiça-de-digitar, te conheci recentemente, mas isso não importa, o que importa é que eu te amo muito seu cuzão. Obrigada por todas as risadas, todo aquele veneno delícia que vai garantir a nossa little vaga no inferno, por ter me ouvido estando chatinha e etc. Adoro zoar a Let com você, sempre acabo rindo alto e alguém me encara com cara de cu. MEUS AMORES, SUAS NAJAS CATFISH, AMO VOCÊEEES <3



10 – Ver o pé de um menino afundar na lama.
Até parece que eu tô sendo mázinha, rçrç. Mas, não é isso não. Mais uma vez citando a época dos eventos de PJO, acho que era no dia nacional dos semideuses. Tinha uma brincadeira, que se não me engano, era para caçar umas três(ou duas, sei lá) folhas de papel que estavam escondidas no parque. Eu, do time azul, fui correndo com um dos meninos para o meio da mata, aí ficamos procurando lá no meio. Desistimos de procurar naquele lado e passamos a correr para sair, e lá no meio tinha um córrego pequeno, mas que era difícil de pular. O menino que estava comigo pulou e o pé afundou na borda, que estava puro lama. Começamos a rir. Esse momento foi um dos melhores, pois nesses eventos eu corria, pulava, interagia sem ficar com vergonha alguma. Eu me senti livre de qualquer preocupação.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...