~Dumbledear

Dumbledear
DFCRose
Nome: Dani
Status: Usuário Veterano
Sexo: Feminino
Localização: Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Aniversário: 14 de Outubro
Idade: 22
Cadastro:

Campanha 50 Tons de Cinza


Postado

Ninguém mais toca no assunto mas 50 Tons de Cinza ainda representa um problema grotesco no mundo da literatura. E, por qualquer que seja a razão, eu ainda perco tempo me importando.

Quer dizer, depois de ver o filme, eu já sabia que ia me opor drasticamente ao livro (mesmo o filme sendo uma versão bem mais romântica da história) mas alguém um dia me disse (maldito seja) que pra poder odiar alguma coisa eu tenho que pelo menos experimentar...

É... eu experimentei. E nada nem ninguém podia ter me preparado pro trauma emocional que esse livro me causou.

Pra quem ainda não sabe, Anastasia Steele é uma estudante de literatura, um bichinho da goiaba que não sai de casa porque tem milhões de livros pra ler, a virgem de 21 anos. Ou seja, ela sou eu, basicamente. Eu realmente pude me colocar no lugar dela, eu me vi ali, foi como se tudo estivesse acontecendo comigo -- provavelmente o motivo de ter sido tão traumático.

Então me aparece esse suposto deus que simplesmente não consegue tirar os olhos dessa guria que não tem nada de extraordinário. Por favor, meninas, parem de pensar que vocês são algum tipo de exceção mágica na vida dos rapazes. Isso não acontece de verdade. *revirando os olhos*

"Eu quero machucar você. Mas não quero provocar uma dor maior que não seja capaz de suportar."

Quem tem filha de quinze anos??? Eu apresento pra vocês, Christian Grey, o predador.

Pfff Claro que o Christian tem consciência que o que ele faz é errado. Tanto que ele já tem um contrato pronto pras menininhas assinarem assim que forem na casa dele. Um contrato que diz TU É MINHA VADIA MOAHAHAHAHA Só eu que teria corrido?

Ele sabe que a situação toda só será vantajosa pra ele, tanto que quando ela pergunta "E o que eu ganho com isso?" Ele dá de ombros e com uma expressão quase de quem pede desculpas diz: "Eu."

Ele sabe que só quem vai ganhar é ele. E essa é a pior parte. É a cegueira dessa Anastasia. Por que vocês sabem que muitas meninas são assim. Vocês sabem que muitas são fáceis de convencer se tiver dinheiro, beleza, um pênis. Por isso que eu me refiro à ela como 'menina', 'guria', porque no final do dia é isso que ela é.

Ahh, e quando ela informa ele que ela ainda é virgem, ele declara que "poxa vida, vou ter que dar um jeito nessa situação."

?????????????????????????????????????????

Ah é, gente, me esqueci = “Eu não faço amor, eu fodo com força." Tá explicado.

Eu não sei muito, mas acho que é conhecimento geral que jovens são confusos quando se trata de amor, pra achar, pra manter. E claro, todo mundo faz umas escolhas erradas aqui e ali. Mas vocês tão pensando que é só não deixar as filhinhas lerem o livro, certo? ERRADO. Elas querem ler, elas vão ler, não se iludam. E ainda vão achar que tá certo porque as mãezinha tão achando certo também.

Eu entendo que toda coroa gostaria de ter um Christian Grey, com muita grana, com um tanquinho, com as bolas cheias de testosterona, aquela estamina prum sexo doloroso, mas convenhamos, tira-se o pênis, a beleza e o dinheiro, e o que que sobra nesse homem? Ele não é divertido podendo ser até bem cruel, ele não se interessa intelectualmente por sua parceira (só quer decidir o que ela vai comer e que horas ela vai levar as palmadas dela) e ele é tão bizarro -- tão bizarro -- que não dá nem pra dormir do lado do cara sem ficar apavorada: "Eu poderia assistir você dormir para sempre." Tá bom, Edward, relaxa.

Se me encarasse enquanto eu dormia, eu botava fogo, sem brinks.

Qual é a mensagem desse livro? Que o amor pode mudar um homem que vê mulheres como depósito de esperma? Que amor é mais útil que a ala psiquiátrica? Mas qual é o preço que ela vai ter que pagar pra mudar esse homem que nunca foi especial e que nunca tratou ela como um ser humano? Por que ela quer ele tanto???

Bem, a autora tentou responder isso, não foi? "Às vezes me pergunto se existe algo de errado comigo. Talvez eu gaste tempo demais na companhia de meus heróis românticos literários, e conseqüentemente meus ideais e expectativas são extremamente altos."

Sério mesmo? SÉRIO, SUA VADIA? O Sr Darcy te fez achar que o homem ideal vinha com um chicote?!

Não. É o dinheiro, não é?
Aposto que se o mendigo ali da Ipiranga, por mais bonito que ele fosse, viesse atrás de ti, da tua filha, da tua sobrinha, da tua irmã, seguisse ela pra todos os lados, substituísse as coisas dela sem perguntar, não deixasse mais ela andar com amigos homens, enchesse ela de cachaça e depois usasse charme pra que ela assinasse um papel dando permissão pra ele de bater nela, nenhum de vocês ia gostar. Mas já que ele é rico...

É assustador pra mim (que sou ela no início do livro) que o mesmo possa acontecer comigo e que ninguém tentaria me defender porque ninguém acha errado nada do que aconteceu ali. Mas se um homem usasse a minha inexperiência, a minha juventude, a minha inocência e a minha incapacidade de segurar a cachaça pra tirar vantagem de mim, pra me convencer que eu quero o que ele quer, que eu tenho que calar a minha boca e obedecer porque eu assinei o papel, eu sou dele, e ponto final, eu ia querer, de coração, que alguém se oferecesse pra quebrar esse cara.

"Estou na suíte de Christian Grey. Como cheguei até aqui?" Anastasia se pergunta depois do porre que ela tomou. Hmmmm.

Ele abusa dela. Ela literalmente chora depois de transar com ele. Ela tem medo dele. Se ele estiver brabo ou de mau-humor, ela assume que seja por causa dela. A única razão dela deixar ele fazer o que ele faz, é o medo que ela tem de perdê-lo, e se vocês querem a minha opinião, isso não é exatamente consentimento.

"Por favor não fique brabo comigo."
"Por favor não me bata."

Mas bá, que pão. *vômito* Mentira. Na verdade meu vômito veio quando ele arrancou o absorvente de dentro dela e partiu pro sexo. E toda vez que ela tenta dizer não, que ela tenta ir embora ou ficar longe dele, o que ele faz? Dá com o pinto na cara dela e a guria fica bem louquinha.

Não sei se a minha opinião tá correta. Talvez usar bebida, dinheiro e sexo pra manipular uma menina (que é uma adulta, sim, e pode tomar as próprias decisões, mas que também é muito ingênua e que nunca teve oportunidade de descobrir como seria ter um primeiro amor, uma primeira vez, alguém que fosse parceiro, amigo, e não ditasse todos os aspectos da vida dela) não seja tão errado assim. Talvez Anastasia Steele não seja a vítima que ela me parece. Mas eu vi ela sendo sugada pra esse relacionamento contra a vontade dela, porque ele não lhe deu espaço pra ficar longe, pra tentar sair e superar. Eu vi ela chorar depois que ele sentou a mão na bunda dela. Eu vi ela desejar que não amasse ele, pra que assim tivesse uma chance de ir embora.

"É difícil, é complicado, mas vai passar... Se não passar a gente acostuma." Ah-hã.

Só eu acho estranho ver um monte de menininha de quinze anos sonhando em ter um Christian Grey? Achando que apanhar, que ser usada, que ser separada dos amigos, que ser comprada, exibida e destituída da própria personalidade (porque a Ana estava irreconhecível já na metade do livro) é o que todas devem almejar. E que tudo e qualquer coisa pode ser perdoada se há amor no meio.

Me corrijam se eu estiver errada, mas eu acho que amor devia nos fazer bem. Amor não é respeito? Não é coragem? Pois eu não vi nada disso nessa "história de amor". Eu só vi sexo, linguagem chula, porrada, álcool, presentes caros, mais porrada, lágrimas e bem lá no final, depois de todo estrago emocional, uma menina perdida e com o coração partido, finalmente botando um basta numa relação que não lhe trouxe nada só humilhação.
O final bem que me deu esperança de que ela pudesse ter uma vida melhor daqui pra frente, mas aí eu descobri que tinha mais dois livros...

Não me diga, eles ficam juntos no final porque o "amor" conquista tudo? Bem, vou te contar um segredinho então: Amor não vale de nada se não te faz feliz.

Lembrem-se disso quando o mesmo acontecer com as filhas de vocês. Lembrem-se que, ei, se o cara for rico, vale tudo. Não fui eu que falei, foi vocês que leram e gostaram e se esqueceram que não há tantos tons de cinza assim.

Pronto falei.
Mas o que é que eu sei? Eu ainda sou a virgem de 21 anos.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...